sábado, 18 de agosto de 2012

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

PUNHETA EM ALTO MAR PART 5

PUNHETA EM ALTO MAR PART 3

PUNHETA EM ALTO MAR PART 2 CONTINUAÇAO

PUNHETA EM ALTO MAR PART 2

PUNHETA EM ALTO MAR

WILDO SAFADINHO PART 2

COMI PAPAI NO RANCHO

Bom, depois que retirei o gesso do braço eu e meu pai continuamos a transar, não tão frequentemente e em todas as vezes eu era apenas passivo, não que fosse ruim sentir aquele cacete gostoso em minha bundinha, sentir aquele peito peludo roçando em minhas costas, mas queria algo novo enfiar meu pau naquele rabão peludo. Porem meu pai nunca dava chance sempre que começava a passar a mão em sua bunda ele mudava de posição resolvi deixar um pouco de lado. Dois meses depois, na hora do almoço, meu pai disse que sairia de férias na próxima semana e que já havia muito tempo que não pescava e que estava pensando em ir, minha mãe logo disse que não iria nem em pensamento pois toda vez que ia no rancho voltava toda cheia de vergões por causa dos mosquitos, morria de nojo das pererecas e sapos e como havia anos que o rancho estava sem receber ninguém provavelmente tinha sido invadido por esses animais alem do mato e cobras e sujeira que deveria estar. Meu pai disse que ela estava exagerando e que pescar seria muito bom para desacelerar daquele ritmo de trabalho, respirar um pouco de ar puro, parar de ouvir barulho de carros, buzinas e escutar só ouvir o som da natureza, deitar na rede, nadar no rio, seria ótimo pra relaxar. Fiquei um pouco em duvida pois la não tinha luz elétrica, não adiantaria levar meu notbook, sem tv, banho quente de chuveiro, mas por outro lado teria meu paizão so pra min sem ninguém por perto, sem preocupação topei. Meu pai disse: _ Será ótimo uma semana só de pai e filho então em filhão¿ _ E as aulas¿ lembrei _ Suas notas estão boas, já passou em quase todas as matérias, faltam poucos pontos para matemática e física não é¿ _ Isso mesmo pai não precisarei nem das provas finais só com os trabalhos já passo. _ Esse é meu garoto, achou que eu só assinava seu boletim¿ estou sempre te acompanhando,e só uma semana não terá problemas. A semana demorou a passar acho que foi a ansiedade, mas enfim chegou o dia. Logo cedo meu pai bateu na porta do meu quarto. _ Acorda filhão, ta na hora, traz as sua mala já esta pronta ne ¿ Levantei, coloquei um short e uma regata, abri a porta e disse que estava pronta, bocejando, me estiquei peguei a mala encontrei com meu pai no corredor ele já pegou minha mala e me mandou ir tomar café, assim que terminar iríamos. Já na estrada disse a meu pai que estava muito feliz de estar indo só nos dois ele disse que sabia que minha mãe não iria e que realmente teríamos que dar uma arrumada no casebre, mas que seria muito bom. No meio do caminho de vez em quando ele passava a mão em minha cocha, mas fiz que não tinha nem percebido, continuei olhando para a paisagem na janela e ouvindo musica. De repente ele me diz: _ Sabe o que sempre tive vontade de fazer¿ _ O que pai¿ _ Que alguém pagasse um boquete pra min no meio da estrada enquanto eu dirigisse mas sua mãe nunca quis tinha medo que alguém visse. _ Acho perigoso enquanto o senhor dirige, mas se quiser parar o carro no acostamento eu faço, vai ficar na tensão de alguém passar mas se quiser¿ Foi só eu terminar de falar ele já colocou o carro no acostamento e abriu o zíper, cai de boca em seu pau que já estava melado. Depois que gozou continuamos, paramos so numa venda na ultima cidadezinha perto do rancho compramos duas marmitex e coisas para sanduíche e chegamos. Realmente o mato estava um pouco alto dentro estava sujo, demos uma limpada básica trouxemos as malas estendemos a rede, comemos as marmitex e deitamos nas redes cada uma. Depois que dormimos um pouco para descansar meu pai me chamou e disse que queria me comer na rede, trousse um lubrificante que ele fez questão de passar em meu cuzinho e sentei em seu pau de frente para ele na rede, cavalguei beijando em sua boca e seu peito peludo, virei de costas e ele meteu muito em meu cuzinho. Fomos para o rio a água estava gelada, mas tomamos banho mesmo assim. Não ficamos muito tempo no rio, já estava escurecendo e esfriou rápido voltamos para o casebre. Fizemos um sanduíche e fomos deitar no colchão que trocemos ficamos abraçadinhos para nos esquentar o que não demorou muito. Que delicia meu pai me enconchando, aqueles pelos de seu peito fazendo cócegas em minhas costas, ele me beijando o pescoço, as orelhas então me veio uma idéia que coloquei logo em pratica. Pedi para que meu pai me fodesse a boca ele não perdeu tempo e veio colocava ate sentir minha garganta e tirava quando eu apertava sua bunda ele de pe comecei a chupar seu sacão peludo rapidamente passei a passar a língua entre seu saco e o cu ele se arrepiou todo, também gosto muito disso, comecei separar sua nádegas para lamber seu cu ele tentou se virar mas eu não deixei estava decidido comecei a linguar seu cu deixando bem babado ele começou a gemer peguei o lubrificante e comecei a colocar um dedo gemeu mais alto, disse para ele relaxar, chupava seu pau e colocava e tirava dois dedos de seu cuzinho apertado, disse para ele ficar de quatro ele não queria disse que só ele me comia que eu queria também comer alguém e se ele não quisesse tudo bem iria procurar outra pessoa ele me trouxe para um beijo e eu meio que resistindo mas acabei cedendo me chupou forte a língua, pegou em meu pau e chupou bastante deixando bem babado e duro passei lubrificante em meu pau abri bem seu cuzão peludo passei mais lubrificante e fui enfiando. Meu pai começou a urrar comecei um movimento lento de vai e vem aos poucos ele foi relaxando e começou a rebolar em meu pau e começou a gritar: _Vai filhão me come gostoso, isso, mais rápido, mais rápido, senta essa vara em meu cu moleque tarado! Fiquei louco ouvindo aquelas coisas, antes eram so gemidos talvez por estarmos em casa ou as vezes no carro, acelerei meti com tudo ate o talo, o mais rápido que consegui segurando em sua cintura. Sentia meu suor escorrendo em minhas costas, meu pai também todo suado gemendo gritando comecei a beijar e a mordem seu pescoço, suas orelhas passar a língua em suas costas sentindo seu suor e cravando fundo em seu cuzinho quando eu diminuía o ritimo ele rebolava com mais intensidade em meu cacete. Anunciei o gozo, gozei, gozei muito em seu cuzinho quente e apertado ele se deitou me chamou pra cima dele me beijou e ficamos deitados descansando disse que tinha sido ótimo que doeu no começo mas depois que o tezão aumentou e relaxou foi ótimo que iríamos foder um ao outro sempre de agora pó diante, eu iria dar pra ele e ele pra mim principalmente nesta semana. Realmente foi o que aconteceu, depois conto outras trepadas, mas este conto já ficou enorme ate a próxima.

NAO RESISTIR A MEU IRMAOZINHO SAFADINHO

Ola a todos meu nome é Thiago, esta historia envolve meu irmão que se chama Yago e eu. Meu irmão o yago sempre foi muito agarrado em min, sempre, achava que era falta de uma presença paterma mais constante pois meu pai é caminhoneiro e esta sempre viajando. Yago também era super grudado com meu pai na verdade o único momento em que ele não estava atrás de mim era quando meu pai estava em casa. Sempre brincávamos, tomávamos banho juntos eu era quem o levava e buscava da escola pois era perto da minha, mas quando fiquei um pouco mais velho meu corpo começou a mudar quis uma certa distancia, mais privacidade e cortei os banhos juntos, o que Yago não gostou. No primeiro dia na verdade primeiro mês quando, saia de fininho e ia pro banheiro quando ele percebia saia em disparada eu fechava e trancava rápido, a porta ele sentava no chão começava a chamar, chorar e a bater os pés na porta do banheiro. Eu pedia para ele parar falava que não iria abrir e ele chorando só parava quando eu terminava o banho e abria a porta, ele ainda chorando vinha e me abraçava eu ficava com do mas se não fosse assim não conseguiria tomar meu banho sozinho. Aos poucos ele foi se acostumando de vez em quando ainda pedia para tomar banho comigo mas eu não deixava. Um ano depois meu pai chegou de uma viagem de quase um mês, quando meu irmão ouviu o caminhão estacionar saiu em disparada e pulou em meu pai, o abraçou e beijou no rosto fez a maior festa, também fiquei muito feliz com sua chegada e o abracei ele disse que ia tomar um banho que estava precisando estava cansado e todo suado, meu irmão gritou na hora _Eu também vou Eu disse _ Não, nosso pai esta cansado, você vai depois. Meu irmão fez cara de choro, então meu pai disse _ Pode deixar Thiago, vem Yago meu bebe, vem tomar banho com o papai, esta com saudades? Terminaram o banho e Yago veio todo sorridente para nosso quarto trocar de roupa. _iiii meu pai deixa eu tomar banho com ele, so você que não seu bobão. ­_ me pois língua joguei um travesseiro nele e ele se trocou rindo. No outro dia quando fui tomar banho Yago foi correndo atrás fechei a porta mas ele foi atrás do meu pai que veio e me fez abrir a porta. _ o thiago larga de bobeira deixa seu irmãozinho tomar banho com você abre logo essa porta Abri a porta e Yago entrou com um sorrizinho na boca quando fechei a porta ele gritou _consegui, vivaaa. _ larga de bobeira Yago vem logo se molha que vou colocar shampoo na sua cabeça, fecha os olhos. Quando ele enchaguou enquanto eu me ensaboava ele disse _ Nossa thiago você ta todo chio de cabelo nem tinha visto olha, nasceu cabolo aqui, no suvaco também, quando vai nascer em min eu quero também ficar igual a você e o papai, mas você não tem ainda no peito vai nascer também quando? Olha quanto seu pinto ta grande nossa porque ele ta assim... e foi pegando no meu pau, tirei sua mão rápido _ Hei larga isso menino, não é pra você pegar ai não, talves daqui dois anos já comece a nascer cabelo em você e provavelmente vamos ter peito peludo igual nosso pai, todo mundo na família tem. _ Ebaaa, mal posso esperar. Terminamos o banho, nos trocamos e Yago foi correndo para o sofá onde meu pai assistia ao jornal sem camisa ele ficou brincando com os pelos do peito do meu pai perguntando um monte de coisas ate a hora de dormir. Já estava na cama começando a dormir quando sinto uma mãozinha puchando minha cueca, era Yago. _ O que você esta fazendo ? _Deixa eu ver seu pau de novo? ele esta tão grande. _ Não Yago vai dormir. _ Deixa eu ver os cabelinhos do seu suvaco _ Yago eu quero dormir _ deixa vai, esta bem Yago. _ Nossa o meu também vai ficar assim? _ falou passando a mão em meu suvaco. _ Vai Yago agora pra cama deixa eu ver os cabelinhos da sua barriga so um pouquinho assim? _ Ok, rapidinho e dormir muleque! Ele foi passando a mão em meus pelos do caminho da felicidade e é claro que não resisti e fiquei super exitado, quando ele viu meu pau duro já foi logo tirando pra fora da cueca. _ Olha ele ta grandão agora thi. _Agora chega pra sua cama agora Yago. _Mas... _Sem mas _So um pouquinho _So vou deixar você ver meu pau quando você tiver com pelos igual a mim _ foi o que pensei na hora pra me livrar dele é claro que ele sempre inventava um jeito de pegar no meu pau, tomar banho comigo, sempre me abraçando, fazendo cócegas em meu suvaco ele gostava muito eu também sempre ficava exitado mas me controlava e afatava ele, sem ser rude pois alem de ser meu irmão e gostar muito dele pensava que ele era carente e pela ausência de meu pai queria sempre estar por perto para ser referencia para ele. O tempo passou ate que um dia eu meu acordei e levei um susto, eu deitado abri os olhos e Yago com o saco bem na minha cara _ Ta ficando louco menino , o que você ta fazendo? _ Olha Thi olha ta nascendo cabelo no meu saco to muito feliz me da um abraço O abracei e ele no meu ouvido disse agora deixa eu ver seu pau ne você prometeu _ Você não esquece disso ne, tudo bem mas só uma olhadinha Tirei minha cueca e ele olhou e logo pegou em meu pau e começou um vai e vem com a mão Para Yago era so ver _Calma so estou vendo olha ta saído uma babinha. Continuou tetei tirar mas ele segurando meu pau com uma mão e afastando minha mão com a outra de repente colocou meu pau na boca, nossa que delicia de boquinha quente tentei me controlar mas não teve jeito ele sugando meu pau fazendo um vai e vem na parte que não estava na boca estava tão gostoso não resiti e gozei, ele engoliu meu gozo. _ Sempre quis fazer isso Thi. _ não pode Yago _ Porque é tão bom _ porque e errado nos somos irmãos _ melhor ainda, posso confiar em você e sei que não vai contar pra ninguém. _È claro que não e isso não vai se repitir. Fiquei um tempão sem graça com meu irmãozinho, como meu pai veio pra casa e ficaria um mês sem viajar disse que tiraria umas férias. Foi bom pois Yago nem ficou muito no meu pe, ate gostei, comecei a sair mais sozinho, colocar a cabeça no lugar, esquecer o que tinha acontecido. Meu pai voltou a viajar e fiquei novamente sozinho com Yago, meus amigos e eu estávamos numa faze de exibicionismo indo para a escola sem cueca so pra mostrar o volume no short não mostrávamos o pau um pro outro nem pegava nada, a diverção era mostrar o volume que o pau fazia uns para os outros e para as meninas. Quando chegava em casa quando meu irmão percebeu começou a sempre encostar a bunda em min pra me exitar, ficava querendo sentar em meu colo ate que um dia eu não resisti. Estava muito calor cheguei em casa já sem camisa ele também tirou a sua e veio me olhando todo o caminho, minha mãe já tinha feito o almoço e foi trabalhar nos almoçamos e fui assistir ao programa de esporte não sei porque esta exitadissimo esse dia meu irmãozinho veio e já sentou em meu colo e deitou em meu peito _Nossa como você esta quentinho Thi. _Esta o maor calor é melhor você sentar no outro sofá. _Aqui esta bem mais gostoso _ disse ele rebolando em meu pau _ Para Yago já falei pra você parar com essas brincadeiras. _ ou o que vai contar para nossa mãe ou pro papai? _ Para logo Yago. _ Já estava suando pelo calor pela exitação quando Yago levantou pela perna do meu short pegou em meu pau e começou a chupar bem mas muito melhor do que da primeira vez . _ Nossa Yago para, ta praticando com alguém é safado? _Claro que não Thi, andei vendo uns filmes, quer ver o que aprendi, olha só. E me chupava o pau, o saco colocava minhas bolas na boca, passava a mão na minha barriga no meu peito veio passando a língua do caminho da felicidade ate meus mamilos chupou e deu uma mordidinha em cada um, levantou meus braços cheirou e lambeu meu suvaco. Nossa estava pirando que delicia cada vez suava mais, ficava mais exitado. _ Quer saber é hoje que te dou o que você quer há muito tempo. Levantei fui no quarto da minha mãe peguei um olho de amêndoas que ela tinha fui para nosso quarto e chamei Yago que veio correndo, quando ele chegou e me viu passando o óleo no pau abriu um sorrizão e desceu o short e a cueca, coloquei ele de quatro e com o olho fui enfiando os dedos em seu cuzinho, ele rebolava e gemia em meus dedos lambuzei mais meu pau e comecei a enfiar meu pau em seu cuzinho. _ Ta doendo? _ Esquenta não enfia vai _Relaxa então _ Enfiei mais ate colocar tudo, abracei ele por traz e fiquei beijando seu pescoço sua orelha, e ele começou a dizer _ Que gostoso Thi, como você e gostoso irmãozão, nossa sempre quis você assim, me come vai mete vai. _ Foi só ele pedir e comecei a bombar cada vez mais rápido que cuzinho gostoso, apertadinho, quentinho mudei ele de posição coloquei ele de frango assado queria ver a cara de safadinho dele, ele me abraçou enquanto eu metia em seu rabo e me beijou foi a primeira vez que nos beijamos na boca, chupava sua língua e comia seu cu. Gozei gostoso enchendo seu cuzinho de porra. Yago me abraçou forte e ficamos um tempo assim, abraçadinho na cama nos beijando. Logo já estava recuperado e meu pau em riste novamente, aquele dia estava um tarado e Yago também já levantou e chupou meu pau ate gozar novamente e comi ele ate quase na hora de nossa mãe chegar. Depois desse dia era acordado todo dia com Yago mamando em meu pau, o comia quase todas as noite o muleque acabou fazendo meu pai comer seu cuzinho também o que ele me contou depois. Mas com o tempo arranjei umas namoradas e cabei casando mas Yago sempre safado de vez em quando me assanha ate eu comer seu cuzinho. Tentei fazer ele ficar com umas garotas ele ficou com algumas mas ele gosta mesmo e de um pau no cu é tão safado que não para com um namorado. Se gostaram comentem thaw.

WILDO SAFADINHO

MARINHEIRO BULGE

O AMIGUINHO DO MEU SOBRINHO,MAMOU MEU PAU


Moro sozinho, sou solteiro, não tenho filho, minha irmã tem um filho, Lucas, meu sobrinho que, quando em vez, passa o fim semana lá em casa, ele mora em Petropolis e, eu, Moro na Barra, no Rio de Janeiro.
No último fim semana, sexta a tarde, chegou lá em casa com um amiguinho,o Betinho, para passar o fim semana.
O fim semana foi tudo bem, saimos, fomos ao shopping, ao cinema e domingo a tarde os levei até a rodoviária. Na plataforma, antes do embarque, o Betinho pediu o número do celular, informei, meio saber porque.
No mesmo domingo, lá pelas 22 horas, toca o celular, era o Betinho, agradecendo a estadia, e, para minha surpresa, pediu para voltar no próximo fim de semana, sem graça, aceitei.
Passou a semana e na sexta, lá pelas 16 horas, toca a campanhia, era o Betinho, todo alegre, foi entrando, dizendo que os pais tinham viajado e que permitiram ele de ficar lá em casa.
Fiz um lache , tomamos, vimos um filme, depois alguns programas, até que lá pelas 23 horas, fui deitar, e disse para ele que  o quarto de hospede estava pronto.
Durmo só de calção sem cueca e na madrugada, sinto uma mão no meu pau, fingo que estou dormindo, deixo ficar bem duro, e logo algo geladinho e molhado mela o meu pau, era o betinho lambendo e mamando o meu pau.
Abri os olhos, ele levou um susto, tirou a boca, mas ficou segurando o meu pau, e disse que desde que me viu nu, semana passada, não me tirou da cabeça, e ficou louco para mamar meu pau e beber minha porra.
Não falei nada e puxei a cabeça dele na direção do meu pau, ele como um bezerro,  mamou, e mamou, lambendo, engasgando, chupando, guloso, punhetando, até que falei para ele que iria gozer, manteve meu pau na boca e bebeu cada gota do meu leite, e depois limpou com a lingua.
Ficamos ali, nus, deitados e comecei a alisar aquela bundinha branca e redonda, lisa, sem pelos, nisso o tesão voltou e me deu vontade de comer aquele rabinho. Comecei a tentar enfiar o dedo no cuzinho dele, mas era apertado,e ele me disse que nunca tinha dado, que somente havia mamado o pau de um cara num acampamento.
Disse que estava louco para comer o cuzinho dele e ele excitado e com medo, não respondia se queria me dar o rabo. Passei a lamber o cuzinho dele, o anel rosinha, pregas perfeitas, piscando a cada lambida, e para deixa lo mais doido comecei a pulheta lo, enquanto lambia o cuzinho daquele menino.
Ele então falou com voz tremula me come,vai tio, mete no meu rabinho, mas cuidado, tenho medo que doa, faz com carinho não estou aquentamos mais, mete em mim, mete tio.
Peguei o KY e a camisinha, e comecei a lubrificar aquele rabinho gostoso, enfiando um dedo, sempre punhetando o pintinho dele, depois outro, e por fim três dedos com bastante KY, ai ele já estava entregue, e coloquei a camisinha, ele tremia, e se arrepiava, voz rouca pedindo come tio, come logo, mete vai.
Coloquei ele de bruços, na ponta da cama, e passei mais ky no meu pau com camisinha, e apontei na entradinha daquele anel rosinha, de pregas perfeitas, e encaixei, e antes que ele desistisse forcei e entrou tudo, ele deu um berro de pavor, pesei sobre ele, meu pau duro que bem ferro, latejando naquele rabo, ele tremendo, choramingando, sentido o cu dilatar.
Ficamos quietinho, e comecei a lamber a nuca dele, mordendo o pescoço, alisando aquele corpinho fransino, e masturbando o moleque, comecei a meter devagar, e sentindo que ele estava gostando, com os dentes serrados, disse tio come , come meu cu, come logo, vai mte tudo, arromba, quero ser sua menina, vai fode, fode gostoso.
Comecei a bombar com força, fazendo barulho, ele forçando o quadril contra o meu, rebolando, segurando minha perna, dizendo com raiva , dor e excitação, come caralho, come meu rabo tio, come gostoso, vai fode , fode com força.
Punhetando ele e comendo o cu  do menino, ele começou a gozar, pela primeira vez, sai porra do pintinho dele, o meu pau tem 16 cm, e bem grosso, ele já estava acostumado e quis cavalgar. Deitei na cama e ele veio por cima e sentou com certo cuidado o anelzinho dele estava todo inchado e vermelho, e comeu todo meu pau, e começou a subir a descer, num ritmo louco, pauzinnho duro, pedindo que gozer no rabo dele. Gozei, mas ele queria porra no cu e pediu para depois fuder sem camisinha.
Fomos tomar banho e no box mamou meu pau, lavou, nos secamos, o cuzinho dele todo esfolado, passei hipoglos, e deitamos.
Pela manha acordei com ele mamando meu pau e começamos a meter, assim todo fim de semana, no domingo a noite, antes de leva lo na rodoviaria, meti no cu dele sem camisinha e enchi de porra o cu do menino. Ele se vestiu e fomos para a rodoviária, no caminho, começou a mexer no meu pau que ficou duro e ele, no meio do transito, caiu de boca e mamou até beber o leitinho meu.
Coloquei e ele no onibus e ele disse que logo voltaria, que agora ele era a minha menina, minha mulherzinha.

NA FACULDADE BEBADO,QUE DEI SEM QUERE

Bom meu nome é Luke e tenho 18 anos, e estou no terceiro semestre da universidade, um dia, após o ultimo dia de aula antes das ferias, fomos a um bar que fica perto da faculdade, é uma rua cheio de bares e a faculdade fica do outro lado da rua, bom nesse dia foi eu e meus colegas, chamado lucas de 18 anos, bruno e etc... ficamos bebendo até tarde, e quando foi por volta de 23:00 horas, eu e o lucas, estavamos indo embora para pegar o onibus juntos, pois moramos no mesmo caminho, logo antes de ir até o ponto, entramos na faculdade e fomos tirar agua do joelho, fomos até o banheiro da faculdade que é um banheiro gigante, e ficamos mijando no mijadouro, até que sem querer olhei para o pinto dele, e o lucas percebeu, continuei mijando, mas envergonhado e ele deu risada, já ambos bebados, estiquei o pescoso e lhe taquei um selinho, ele ficou vermelho de envergonhado, e do mesmo modo ele tirou a mão do pinto dele e taco em minha bunda, nesse momento fiquei com medo, pois apesar do banheiro estive-se vazio, fiquei com medo de alguém entrar. Ele começo a beijar-me e falou para eu entrar na porta dos deficientes, entramos nos beijando, lá onde fica o banheiro do vazo dos deficientes tinha uma porta que podia ser trancada e rodeado de espelhos, e uma barra de ferro para se agarrar, a salinha erra muito grande, e logo eu ecostrado no espelho ele continuo me beijando e pediu com delicadesa, para que eu sede-se, fiquei com medo, ele foi parando de me beija e passando a mão em mim, fez eu segurar na barra de ferro, e abaixou minha calça e tirou-a, fiquei só de cueca com a bunda empinada, ele ficou olhando para mim por alguns minutinhos naquela situação, eu fiquei olhando meus reflexos no espelho e quanto mais me via naquela situação mais sentia-me exitado, logo ele tirou minha cueca, fiquei totalmente pelado lá empé com a bunda empinada para ele, e logo ele baixou-se atras de mim e começo a chupar meu cu, fiquei olhando ele fazendo aquilio e minha exitação não parava, e sentia muito molhadinho meu cu, erra um prazer de sentir a lingua dele, mas não ficamos só nisso, ele abaixou sua calça e cueca e tirou camisa e ficou pelado atras de mim, com o pinto muito muito duro, eu fiquei só observando-o ao reflexo do espelho, e logo ele falou para eu segurar firme na barra de ferro, e foi enfiando em meu cu aquela rola grossa e gostosa em mim, foi enfiando lentamente, pois o pinto dele estava seco e meu cu pouco molhado com a lingua, então estava doendo um pouco, fiquei dando pequenos gemedinhos, ao tempo que enfiava devagar, nossa mas é uma senssação linda e magnifica, fiquei olhando eu naquela situação no espelho, e logo ele toro no meu cu todo aquele pinto gostoso, e começo a bombar.... ele ficou bombando no meu cu, e eu gemendo bem baixinho, e sentindo dor, logo sinto ele gozar, e sinto aquele liquido quente saindo do seu pau e jorrando em todo meu cu, nossa que senssação magnifica, foi otima, ele mesmo tudo molhado ele ficou bombando por um tempo até ele fala que estava com vontade de mijar, e quando ele falou isso, dei uma gemidinha mais gostosa e ele segurou-se em mim e começo a mijar dentro de mim, nossa foi tão bom quando sentir todo o corpo dele dentro de mim, após fazermos por mais 20 minutos de sexo, passei papel igienico em meu cu, pois estava escorrendo esperma na perna, coloquei minha cueca, calça e camisa, ele também, e fomos embora sem que nada tivesse acontecido, e quando acordei no outro dia com uma baita dor de barriga, fui ao banheiro e caguei "mijei pelo cu" e vi todo aquele liquido de urina e esperma do lucas saindo de mim, e fiz de forma que tive-se esquecido de tudo isso, pois estavamos bebados, eu e ele nem mais tocamos no assunto!

MILITARES MALUDOS PART 2

DA SECA PARA O BECO

Teve uma época, não faz muito tempo, que eu estava numa seca tremenda. Não que isso vira e mexe não aconteça, mas naquela época, tava foda, e eu parecia sentir muito mais.Estava voltando de um rolê num barzinho com os amigos. Tinha sido legal, várias risadas, enfim, e saímos de lá por volta da meia noite. Quase todos eles iriam para uma estação de metro, mas eu não pude acompanhá-los, porque ia para outro lado da cidade. Fiquei então num ponto de ônibus sozinho, enquanto via pessoas se divetindo, em casais, ou então em amigos. E eu lá, ainda meio bêbado, me sentindo um peixe fora d'água, aliás, como já me sentia há dias. Usava uma jaqueta de couro preta, jeans e um nike marrom. Colocava a mão no bolso para pegar no meu pau, pensado, “porra, quanto tempo ele não via uma boa foda, só via tênis” (já contei no primeiro conto o fetiche que tenho por tênis). Enfim, tava foda me sentir daquele jeito, um rapaz de 20 e poucos anos naquela seca...E então, decidi não ir para casa. Tomei um ônibus que ia para outro caminho: região do Centro. Nunca tinha ido sozinho para aquela parte, só com amigos. Também não sabia o que iria fazer lá, mas precisava ir, sei lá, ver gente, ver putaria, ver agitação, e quem sabe, “aprontar” alguma coisa. Mas precisava me livrar de alguma forma daquela angustia que eu sentia. Andei meio sem rumo, até que encontrei um bar que costumava ir, e que rolava muita pegação entre gays. Com o coração disparado entrei lá pela primeira vez sem os amigos. Estava mais ou menos cheio. O legal é que também tinha uma pista, e valia muito a pena pelas músicas que tocavam.E comecei a dançar sozinho, mas isso durou por pouco tempo. Reparei que um rapaz estava encostado à parede. Ele também usava uma jaqueta de couro, tinha cabelos tingidos de loiro. Usava uma calça skinny azul clara e um nike de bota branco, visual do jeito que eu gostava. Ele parecia me encarar, mas de uma forma tão direta que eu me senti intimidado. Reparei que seu pau já estava duro, e pelo jeito, ele estava interessado em mim.Pensei se seria encrenca chegar nele, afinal, aqueles olhos tão diretos me davam receio, ainda mais por eu estar sozinho. Mas, não tive tempo de pensar muito, pois, ele mesmo já se apressou a vir falar comigo.- Tá sozinho, fera?- Eu? To esperando uns amigos chegarem.- Legal. Prazer, me chamo Alex. E você?- Pode me chamar de Binho. Ele me ofereceu uma bebida. Eu aceitei. Fomos até a mesa, e continuamos a conversar. Ele me contou um pouco da sua vida. Tinha vinte e poucos anos como eu, gostava de algumas coisas parecidas... E, assim como eu, adorava ver machos usando jaqueta de couro, além do fetiche por tênis. Foi isso em mim que mais o atraiu.- Vamos voltar pra pista? - convidei, meio agitado, mas já de pau duro.Ele topou. Estava tocando uma música eletrônica. Ele dançava bem melhor do que eu, mas em alguns momentos, já mais íntimos, eu brincava com ele, o agarrando por trás e fazendo umas danças loucas, tava bêbado mesmo. E o meu pau já duro, apertando meu jeans. Alex me chamou para um canto discreto, e começamos a nos beijar. Um puta beijo de lingua melado. Nesse momento, excitado, enfiei a mão pra dentro da calça dele. O pau dele era grosso, gostoso de pegar. Ele já tava bem excitado. Ele fez o mesmo comigo. Sentia o couro das nossas jaquetas se esfregando, alem das mãos dele alisando a parte do meu peito. E diante dos nossos paus duros, nossas bocas meladas da saliva do outro e nossas respiração ofegante, decidimos que aquela pista de dança não era mais suficiente para nós dois. - Cara, vamos fazer uma coisa diferente? Já transou na rua?- Na rua? Na rua mesmo não. E você?- Também não. Mas to a fim hoje.Como eu estava bêbado e de pau duro, não pensei muito e topei. Alex conhecia um pequeno beco ali perto. Fiquei um pouco receoso, pois por ser centro, ou teriam policiais rondando por perto, ou nóias agressivos. Mesmo assim, cheguei no local, que estava deserto. Nem me lembro o nome do lugar, mas me surpreendeu pela escuridão e por mesmo assim estar vazio, já que dava pra usar drogas facilmente ali. Encostamos atrás de uma coluna de um muro descascado, que tampava a visão de quem vinha. Alex foi rápido. Passou a mão dentro da minha pica, abriu o meu zíper, e colocou o meu pau na sua boca. Seus lábios eram carnudos, o que deixava a mamada ainda mais gostosa. Me apoiei na coluna, ainda meio mole por conta da bebida, mas sentia aquela delicia chupando a minha rola. Logo depois nos deitamos naquela calçada esburacada, Alex abriu seu zíper, e fizemos um 69. Ele tinha uma puta rola gostosa, grossa, com alguns pentelhos, mas pelo tempo que ele tinha ficado de pau duro, já tinha baba. Em seguida, ele virou-se pra mim, abaixou a calça e me mostrou o cú apertado. Ah cara, enrabei-o com uma puta força, tanto que o joguei na parede e comecei a socar, socar, socar. Ele mordeu os lábios. Agarrei em sua jaqueta de couro, enquanto a minha roçava nas suas costas. A bunda dele, macia, fazia um barulho delicioso quando batia nas minhas bolas. Aquela foda estava uma delicia, se não fosse pela surpresa que tivemos. Para a nossa infelicidade, uma viatura de policia passou pelo local, e ao ver dois vultos, eu sentado no chão e Alex rebolando na minha pica, decidiram parar. Alex percebeu, e avisou.- Caralho! Sujou cara, vamos sair daqui!Eu estava feito. Bêbado, tinha certeza que ia ter dificuldades pra correr, logo ia ser pego. Alex me pegou pelo braço, e esperto, saiu correndo comigo pelo beco até pararmos em outra rua. Corremos mais duas quadras, até entrarmos em uma obra abandonada, que tempos depois soube que ele já conhecia. - Merda! Será que eles vão alcançar a gente? – perguntei, assustado.- Acho que não. A gente correu muito rápido!Vimos, por meio de uma fresta de uma janela, uma viatura passando bem devagar, com dois PMs armados. Por sorte, passaram direto. Nunca tinha passado por aquela situação.- Pow, valeu Alex, nem eu imaginei que ia conseguir correr tanto. - Nem eu, cara. Que droga, tava mó bom.- E se a gente continuasse aqui?Alex ficou com receio, pois aquela construção era ponto de nóias, segundo ele. E inclusive já tentaram agredi-lo ali uma vez. Mas, quando olhou para mim, deu risada.- Mano, você não fechou o zíper? Correu de pau duro na rua?Olhei pro meu pau, e ri. Por isso que tinha reparado em algumas pessoas nos olhando com espanto. Devem ter sacado na hora o que tinha acontecido...- Pois é. Mas, que se foda. Eu sempre quis andar com o pau pra fora no meio da rua mesmo...- Hahahah seu puto! Me dá um pouco mais dessa rola, vai!E então, fudemos novamente. Meti com mais força para gozar logo. Esporrei dentro do cu dele. Logo depois, Alex limpou o resto da minha porra na jaqueta dele, do jeito que eu gostava. Resolvemos fazer uma saidera, e chupei a rola gostosa dele. Ao gozar, deixei que esporrasse também na minha jaqueta, e a limpei lambendo a sua porra. Não satisfeito, ainda deixei um pouco dela pingada em seu Nike branco de bota.Depois disso não me lembro de muita coisa. A gente saiu de lá, caminhamos até a um ponto de ônibus. Tinha adorado aquilo, além de finalmente ter saído da seca, consegui tudo num role sozinho, e ainda por cima transei num beco, uma vontade que eu sempre tive.- Ei, Binho! E os seus amigos que você falou que iam te encontrar lá no bar? Eles devem tá putos com você!- Sem problema. Eu estava precisando de mim, muito mais do que eles.

MILITARES MALUDOS

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

MEU PAI BATENDO UMA SENHORA PUNHETA

Deitei muito cedo devido ter ficado o dia todo no clube, e em consequencia acordei cedo tambem, quando levanto por volta das 6;30 d manhã, estava de pau duro com vontade de mijar, fui em dereção ao banheiro e quando passo pelo quarto do meu pai, vejo ele peladão na sua cama com o pau bem duro batendo uma punheta de dar água na boca, nessa hora toda a vontade que eu tinha de mijar acaba e eu fico ali, estático olhando aquela sena, que mais parecia de um filme pornográfico, meu pai tem 45 anos, alto e forte, completamente peludo e um senhor cacete entre as pernas, grande, grosso, peludo e cabeçudo.Fico olhando aquele macho se punhetando e não aguento começando a me punhetar também, meu pai estava com muito tesão, pois passava a mão na barriga peluda, no púbis, as vezes segurava o saco e apertava as bolas, fazia tudo isso sem parar de se punhetar, fiquei olhando tudo meio que escondido da visão dele, quando escuto um gemido mais forte e vejo os jatos de porra saindo do seu pauzão e indo cair no seu peito e barriga, depois que gozou bastante, ele fica um tempinho de olhos fechados, passa a mão no esperma que estava por cima de si, se lambuza todo com ele, depois pega a cueca e se limpa, nessa hora corro pro banheiro e fecho a porta, acabo de me punhetar gozano tambem, lavo minhas mãos quando escuto bater na porta..## Filho vc tá no banheiro?...To sim pai, já to saindo.## Acordou cedo, porque?...Tava com vintade de mijar pai.Quando abro a porta do banheiro meu pai esta em pé na frente da porta enrrolado numa toalha, com aquele corpão peludo todo melecado de porra e o pau ainda meio bamba (deu pra ver a marca na toalha e sentir o cheiro da gozada dele), ele me olhou diferente pois sabia que eu tinha visto ele se punhetando, pois pra eu vim pro banheiro passava em frente o quarto dele, ele sabia que eu tinha visto mais não me falou nada, sai do banheiro e ele entrou, não demorou muito e eu escuto o barulho do chuveiro ligado.Depois lembro... Gozei na pia e não tirei o excesso da minha porra, sera que ele viu? Se tiver visto sabe que eu também me punhetei, mais isso não era problema agora, ele bateu uma punheta na cama e eu uma no banheiro, nada demais. Depois de tomar seu banho meu pai sai do banheiro peladão com a toalha no ombro, chega na porta do meu quarto e me pergunta se eu quero fazer alguma coisa especial naquele domingo, olho para o corpo peludo do meu pai, pro seu cacete.......Quero mamar nesse cacete (pensei), mais realmente falei... Vc que sabe pai, o que vc quizer fazer a gente faz.##Quer ir ao clube? Ontem vc foi sozinho, que tal irmos juntos hoje?...Legal, pode ser.##Então coloca sua sunga, vou procurar a minha daqui a pouco a gente sai.Ficamos ainda umas 2 horas em casa, e meu pai não se aquietava, ficava andando de um lado pro outro, me olhava, me disse que eu já era um homem, que tava muito grande e bonito, que ficava bem naquele sunga... essas coisas.., quando já era 9:00 saimos em direção ao clube, quando chegamos ele foi pro banheiro e eu pra pscina, não demorou muito ele me acompanha e ficamos nadando um pouco, depois ele foi tomar sua cerveja e eu perambular pelo clube.Me deu vontade de mijar e fui a um dos banheiros, quando chego vejo um senhor de aproximadamente uns 50 anos com o pau pra fora, duro e simulando uma punheta, vou em direção ao mijador, coloco meu pau pra fora pra mijar e olho em direção do senhor, vejo seu pau duro, nessa hora ele me olha e dar um sorrizinho safado, meu pai fica duro tbm e eu começo a me punhetar junto com aquele macho, ele olha pra mim e aponta seu cacete duro em minha direção, lembro do meu pai se punhetando e dar vontade de mamar aquele cacete, chego mais perdo do senhor, ele libera seu pau duro..## Vc gosta?...Balanço a cabeça em sinal de positivo.## Pega nele, bate uma punheta pra mim.Seguro na sua rola e começo a punhetar, mais era no pau do meu pai que eu tava pensando enquanto punhetava ele, segurei firme naquela vara, punhetava e apertava o pau dele com os dedos..##Quer chupar um pouco? To doido pra gozar.Eu falei que nunca tinha chupado, que na verdade aquele era o primeiro pau que eu segurava na mão, que tava gostoso sentir um pau duro na mão, mais tinha medo de chupar e alguem descobrir.##Ninguem vai saber, só ta a gente aqui... vai baixa chupa um pouquinho se vc não gostar vc para.Agachei na sua frente e coloquei a cabeça do seu pau na boca, um gosto de água de pscina e um cheiro diferente saia daquele pau, mais eu tava gostando da novidade e chupei o pau dele inteiro, começei um vai e vem batendo uma punheta no pau dele com a boca, e não demorou muito, sem me avisar ele esporra na minha boca, tiro o pau dele da boca e ele goza no meu rosto, queixo e peito, depois que gozou sem falar nada ele sai do banheiro me deixando lá todo melado, ainda sentindo o cheiro de sua porra eu me masturbo e gozo, depois me limpo com um papel e saiu do banheiro, meu pai estava proximo me viu sair, me abraçou me deu um beijo na testa e disse que iria jogar sinuca com uns amigos, que eu fosse nadar um pouco.Ficamos o resto da manhã no clube, almoçamos por lá, só voltando pra casa por volta das 14:00., depois que chegamos em casa, tomamos mais um banho, trocamos de roupa, eu fui pra tv e meu pai pro escritório.Depois de um tempo meu pai chega e me diz que quer conversar, que ele queria deixar pra lá, mais tem uma coisa que não sai de sua cabeça e ele quer ouvir de mim a verdade.##Filho, hoje quando entrei no banheiro cedo tinha esperma na pia, com certeza vc me viu no quarto não foi?...Vi sim pai, vc tava se punhetando, achei legal, me deu tesão, dai eu me punhetei tbm, gozei na pia e esqueci de lavar.## e no clube vi quando vc entrou no banheiro, vc demorou por lá, quando vejo um homem saindo, vejo que ele tava de pau duro na sunga, vc demorou mais um pouco e saiu, quando fui te dar um beijo senti cheiro de esperma no seu rosto.. me fala o que aconteceu..Fiquei nervoso e com medo nessa hora, então contei uma outra versão pros fatos.....Pai, quando entrei aquele homem tava se punhetando, dai eu comecei a me punhetar tambem, ele gozou e saiu, depois que eu gozei eu devo ter passado a mão no rosto, por isso vc sentiu o cheiro.Percebi que meu pai não acreditou na minha desculpa, me deu um beijo e disse.##Sempre que vc quizer conversar, eu estarei aqui, sobre qualquer coisa, qualquer duvida que vc tiver me pergunta tá?... Tá bom, pergunto sim...As horas foram passando e eu percebia os olhares diferentes do meu pai, a impaciencia dele, se eu estava no quarto ele aparecia por lá me olhava e saia, se eu estava na sala acontecia o mesmo, começei a me perguntar o quanto ele sabia ou desconfiava do que tinha acontecido, na aguentei a angustia e chamei meu pai pra conversar.....Pai é o seguinte, vou te contar tudo que aconteceu hoje, mais não quero que vc fique bravo comigo, só vou contar se vc prometer que não vai ficar bravo..##Tudo bem filho, pode falar, prometo que só quero te ajudar....Hoje quando acordei mais cedo, vi vc na cama de pau duro se punhetando, fiquei olhando, nunca tinha visto seu pau duro, achei o máximo aquilo, dai fiquei de pau duro tbm, fiquei te olhando até que vc gozou, dai fui pro banheiro e gozei tbm, quando fomos pro clube e entrei no banheiro, aquele senhor estava se punhetando, lembrei do que tinha visto no seu quarto e fiquei de pau duro tbm, o senhor perguntou se eu queria segurar no pau dele, dai eu segurei e penhetei ele, mais era no seu pau que eu tava pensando, dai ele perguntou se eu queria chupar, eu disse que nunca tinha feito nada daquilo, mais abaixei e chupei ele um pouco, dai ele gozou sem me avisar e caiu esperma no meu rosto e peito, por isso vc sentiu o cheiro, foi isso que aconteceu pai, não quero lhe ver assim encabulado por isso resolvi contar, e se vc não brigar comigo prometo que nunca mais faço isso..Meu pai me falou muitas coisas sobre sexo, me deu conselhos, me falou que o que eu fiz no banheiro do clube foi arriscado pois alguem poderia entrar e ver o que eu estava fazendo e que poderia pegar mau, que eu deveria arrumar uma namoradinha.... Quando terminamos de conversar, depois dos conselhos e explicações, meu pai levanta do sofa e eu percebo que seu pau está maior do que o normal, ele tava de pau duro, será que ele ficou com tesão no que contei? será?..., depois que meu pai saiu vou no quarto dele e percebo que ele está no banheiro com a porta fechada, olhei pela fechadura e vejo meu pai batendo uma senhora punheta.. ele tinha ficado com tesão sim, e eu queria chupar na rola dele, a rola dele sim eu iria chupar com vontade e com tesão.., será que ele vai deixar? Resolvi arriscar, bato na porta do banheiro e chamo....... PAI...Continua

POLACO SAFADAO

Moro numa cidade do interior de SC, numa cidade colonizada por alemães, poloneses e ucranianos, então é facil encontrar esses coroas altos , loiros de olhos azuis, e claro, peludos. Eu sou de Curitiba, mas moro aqui já faz uns dez anos; sou moreno claro, 1,70 63kg tenho 26 anos .Ontem aconteceu uma coisa interessante ; recebi uma ligação de um senhor interessado em comprar um terreno que possuo na entrada da cidade. Já gostei da voz do outro lado da linha, voz grossa , com aquele sotaque típico da região, um portugues puxado, bem "polacado", o que já me fez imaginar coisas... Marquei de encontrá-lo as 14:00 no terreno, para mostrar as medidas e confrontações do mesmo, cheguei adiantado, mas logo ele chegou, numa caminhonete velha. Qdo desceu , meu pau já de imediato deu sinal de vida. Um coroa de uns 50anos , 1,90, uns 100 kg, olhos azuis e barba por fazer... usava uma roupa surrada, calça tipo social bem velha e apertada, que marcava bem a mala, e uma camisa desbotada aberta até a metade, o que deixava aquela floresta de pêlos loiros e grisalhos à mostra. Caralho meu... só quem curte um coroa , sabe o que é encontrar um tipo desses assim!Quando me cumprimentou , já apertou com força a minha mão, que se eu pudesse não largava mais...hehehe! E fomos medir o terreno; depois de um bom tempo, já tinhamos terminado, e estavamos no meio do terreno, já discutindo valores e tal... não sei se eu que não tirava os olhos do volume no meio das pernas dele, e do peito cabeludo... mas de repente, ele do nada , encheu a mão e deu uma bela "pegada" no pau... enchi os olhos, e claro, ele percebeu e fez de novo... olhei pra ele e ele me olhava nos olhos, como se me chamasse, mas não disse uma palavra. Ficamos um momento, breve, mas que parecia uma eternidade, só olhando nos olhos... o desejo à flor da pele... me aproximei sem dizer uma palavra, e enchi a mão no caralho do coroa que fechou os olhos, levantou a cabeçae soltou um gemido que me fez apertar ainda mais aquela tora por cima da calça. Ainda neste êxtase, o grandão colocou as mãos nos meu ombros e forçou para baixo, enquanto eu invadia seu peito, cheirando e lambendo aquele paraisode pelos brancos e salgados; mas ele, forte e decidido, continuava a me forçar para baixo, e eu claro, cedi aquele macho rústico e até bruto... desci até a cintura daquele gigante loiro, e ainda por cima da calça abocanhava aquele cacete delicioso. O macho abriu o cinto e a calça com uma das mãos enquanto com a outra forçava minha nuca contra seu pau e eu abraçava aquelas coxas e me esfregava naquele tesão de macho. O caralho saltou pra fora, e ele pela primeira vez, falou alguma coisa: Chupa!! Ordenou. E eu obedeci , e abocanhei aquela pica grossa, a cabeça era gigante e babava como um pau de adolescente, coisa que eu não disperdicei e lambi e chupei aquele caralho como um louco. O coroa me pegou pelos cabelos, com força e me forçava ,gemendo muito, gemendo alto e então, enquanto fodia minha boca , soltou um grito , como um animal, e gozou ! Caralho meu! O cara gozou muito, na minha boca, na garganta, na minha cara, tirou o pau segurou com as duas mãos, e soltou mais um jato que espirrou longe! Não aguentei, agarrei aquela tora de novo, que ainda babava, e meti na boca, pra sugar todo o leite que ainda restava, enquanto batia uma louca punheta, gozando em seguida. Assim que gozei, ele tirou a benga, já amolecendo, da minha boca, balançou um pouco e guardou, arrumou as calças e saiu. Ficou me esperando encostado no carro , já na rua. Saí tb e conversamos novamente sobre o terreno, como se nada tivesse acontecido. Não sei se vamos fechar negócio, mas ele pediu para me dar uma resposta amanha, e marcamos de nos encontrar no mesmo lugar pra ele me dar a resposta.Bom curto homens mais velhos, acima de 45 anos, de preferencia neste perfil, alto, loiro e peludo... Se algum da regiao estiver a fim...

SURUBA COM MEU PAI QUERIDO

Era um dia de domingo, precisamente, dez horas da manhã, na chácara de um amigo de papai. O ocorrido aconteceu em um dia bem tranquilo. Foi mais ou menos assim. Papai e eu sempre aproveitávamos para o final de semana passarmos em família. Família que eu falo é somente eu e ele. Mas dessa vez, Rômulo, um primo por parte de minha mãe, resolveu nos visitar com um amigo, um tal de Geraldo. Como nossa programação de final de semana estava perdida. Meu pai resolveu pedir a chave da chácara de um amigo dele. Então fomos passar o dia tomando banho de piscina e bebendo. Estávamos nós quatro (Geraldo, Rômulo, papai e eu) bem a vontade tomando banho de piscina e falando porcarias. Só que lá para meio dia, quando todos estávamos já com a cabeça cheia de cerveja, papai me chamou pra perto dele e me falou que suspeitava que o Geraldo curtia. Como eu já sabia que Rômulo curtia, então não duvidei que Geraldo também viesse a curtir.Papai, então, começou a coçar o saco e percebeu que Geraldo dava umas olhadas faceira para o seu saco. Eu fazia de conta que não via nada. Fui para a beira da piscina e fiquei conversando com Rômulo. Papai saiu para o banheiro e percebi que Geraldo logo em seguida entrou no banheiro. Não sei o que aconteceu lá depois de alguns minutos, mas percebi que o cacete de papai estava duro dentro da cueca.Geraldo saiu todo desconfiando e passando a mão na boca. Papai ficou um pouco distante de nós, tomando sua cerveja e nos olhando de longe. Geraldo se aproximou da gente todo ofegante.Então, fiz um comentário, disse que de longe dava pra ver o cacete de papai duro. Ele estava deitado de modo que dava para ver o lombo dentro da cueca.Geraldo, então, comentou que as mulheres deviam ficar loucas com aquele grosso cacete. Eu, então, falei que só mulher não, os homens também.Todos rimos. Eu disse que tinha puxado a papai. Eles riram de deboche. Então tirei meu cacete pra fora e arregacei a pica. Ficaram abismado com tanta ousadia, papai riu do seu canto. E, aí, tirei a cueca e fiquei passeando nu. Fui ao banheiro e, na brincadeira, na porta do banheiro, comecei a se fazer que estava se matubando. Geraldo fez um gesto com a boca. Chamei-o para a porta do banheiro, Rômulo fez sinal pra ele se aproximar de mim. Então, ele se aproximou e já foi metendo a boca. De onde papai estava não nos dava para ver na porta do banheiro. Mas ele percebia que algo estava acontecendo, até porque o Rômulo, com o corpo dentro da piscina, fazia gestos de quem estava se mastubando. Parece que papai, então, tinha tirado a cueca e ficado nu, porque o Rômulo saiu apressado de dentro da piscina e foi em direção a Papai. Pedi que Geraldo tirasse a boca da minha pica. E fui ver o que estava acontecendo, foi quando eu vi papai deitado e Rômulo com a linguinha no cacete dele e olhando para mim e Geraldo. Foi aí que eu me aproximei. Geraldo ficou um pouco envergonhado, mas logo se aproximou.Geraldo chupava um dos mamilos de papai. Rômulo lambia feito uma vadia o cacete dele. E eu estava no outro outro mamilo de papai.Papai estava em um tesão que parece que nunca tinha sentindo aquilo na vida dele. Cada sugada que Rômulo dava no cacete de papai era um gemido suave que ele soltava.Papai então se levantou e pediu que Geraldo ficasse de quatro. Geraldo obedeceu direitinho e viu quando o cacete de papai deslizava devagarinho para dentro daquele cu que parecia já ter levado muita pica. Aí, soquei um beijo na boca de papai e enquanto eu chupava sua língua Rômulo metia a língua no cuzinho de papai.Depois Rômulo se levantou e veio em minha direção. Rômulo ficou de quatro e eu meti meu cacete no cu dele, enquanto ele beijava papai.Papai começou a ter umas pulsações que dava pra notar que ele tava gozando dentro do cu de Geraldo. Foi aí que Rômulo deixou a boca dele para chupar os pontudos mamilos de papai. Quando vi aquela cena (papai gemendo, Rômulo chupando a teta dele, e Geraldo no mais louco tesão de cadela no cio) eu comecei a gozar no cu de Rômulo. Parecia que papi só estava esperando eu gozar também, que só foi eu tirar o cacete ele tirou o dele. E enquanto esperávemos voltar a respiração normal, Geraldo se ajoelhou e começou a chupar o cacete de Rômulo que goza na boca dele, e Geraldo aproveitando a posição de joelhos se matuba e goza em cima da cueca de papai intencionalmente.Fomos tomar banhos juntos na piscina e parecíamos quantro adolescentes sem preocupações e curtindo a vida. Nossa bebedeira acabou às três da tarde, depois que tínhamos tomado todas.É claro que com um tesão desse ficamos de nos encontrar novamente.

TEEN PAUZUDO DE 18 ANOS

terça-feira, 14 de agosto de 2012

AMIGOS E AMANTES NO TRABALHO

Ficamos rindo e fomos entrando no prédio, quando estávamos na porta da minha casa, não tinha ninguém, por perto e demos um abraço, coisa que nunca tínhamos feito, só que foi tão gostoso, que fomos nos entregando naquele abraço, foi ficando mais forte e apertado, por parte dos dois, até que encostamos os nossos paus duros. Nossas respiração se alterou e ele falou, que porra é essa? O tesão tava demais. E ele foi com a mão na minha bunda e eu na dele, ouvimos um baralho de carro e nos separamos e ele foi subindo a escada, sem olhar pra mim de uma forma desorientada e eu também fui despistando. Entrei e fui tomar um banho e minha mulher tava na cama, eu já entrei no quarto tirei a toalha molhada e fui pra cima dela, dando uns beijinhos e querendo meter logo. Não tirava ele da cabeça, metia pensando nele. Gozei e minha mulher ficou doida querendo gozar também, terminamos e cai do lado, bêbado e cansado. No outro dia, acordei cedo e logo, logo, ele me chamou pra irmos fazer uma caminhada, eu topei e fomos conversando e ele falando que tinha dado uma trepada maluca na mulher dele que pôs ela de quatro e meteu na buceta dela, pois ela não liberava o cuzinho pra ele. Eu ri e contei a minha também e o mesmo acontecia com a minha, ela também não liberava. Falei que ia almoçar na casa da minha sogra ele disse o mesmo, mas tinha jogo as 18:30, e combinamos de assistirmos juntos, no boteco. Fiquei ansioso todo o almoço, tava entediado ali, queria a companhia do Gean, de repente começa chegar mensagens no celular e era dele, se queixando do tédio do almoço lá na sogra, que tinha um chato lá...eu ri e enviei uma pra ele, que estava chato pra caralho onde estava. Confirmamos de ver o jogo, deu 5 horas, chamei Luana pra ir embora e começou a enrolação de sempre pra sair, não queria brigar, pra não atrapalhar o clima e não fuder com meu encontro com o Gean, mais tarde. Quando cheguei vi o carro dele no estacionamento do condomínio, fiquei mais tranquilo, deixei as sacolas e subi na casa dele, ele abriu a porta sem camisa, com as braguilha, da bermuda meio aberta e já fui logo, fazendo uma piadinha, olha que seu passarinho vai fugir. Ele riu e falou que dava dando um mijão e ia só vestir uma camisa pra gente ir. Descemos as escadas que nem crianças, rindo e nos tocando nos ombros. Fomos pro bar, tomamos algumas vimos o jogo, nosso time ganhou, fizemos uma farra danada e fomos embora...no caminho e o acontecido da noite anterior veio a tona, eu só disse que estava muito feliz com a amizade dele e ele dizendo o mesmo, que eu era muito gente boa. Chegamos no prédio ele me perguntou: vamos tomar mais uma lá em casa?, no terraço, topei na hora, só avisei pra minha mulher, que iria pra lá e quando subimos, ele falou pra eu subir na frente que ele iria pegar a cerva. Karina, a mulher dele foi lá me cumprimentar e logo desceu ficamos sós, acabou a primeira cerveja, ele desceu pra buscar outra, quando voltou eu estava debruçado na mureta, de costa e ele me encoxou de sacanagem...me virei e falei, o seu viadinho, aproveitador...e ele rindo, disse: pô, você tava com essa sua bunda boa ai dando sopa...rimos e começamos a ficar muito próximos. Olhávamos um pro outro com aquele olhar, de que já não aguentava mais de tesão, mas nenhum dos dois tomava iniciativa, quando ele tocou no assunto de novo de ontem. Ai eu falei cara, só de pensar como eu fico e mostrei por cima da bermuda meu pau duro e ele fez o mesmo e põs a mão sobre o meu e me pedindo pra pegar no dele também. Peguei imediato, e nos abraçamos e ele me deu um beijo, fiquei descontrolado, trêmulo, agitado...começamos a falar um tanto de palavrões, puta que pariu, caralho que é isso?, nossa senhora. Eu segurando a cabeça do cacete dele e ele apertando meu pau e continuávamos nos beijando. Ele foi tentar abrir meu zipper, mas o meu pau duro, apertou a bermuda e ele não consegui, eu mesmo abri e ele abriu a dele também. Pusemos nossos cacetes pra fora e pegamos, ao vivo e em cores. A chefia tinha um cacete grosso, cabeçudo e pra fora sem pele. Tava quente, era uma sensação muito diferente. O meu já era moreninho, não grosso quanto o dele, mas o tamanho era o mesmo e cebeçudo também. Falei que o cacete dele era grande ele respondeu que o meu também era, e que o dele era mesmo grosso. Ele abaixou e meteu , por alguns segundo a cabeça do meu pau, na sua boca, foram instantes estonteantes, foi muito rápido, nem deu tempo de por a mão na cabeça dele. Ele se levantou e eu em seguida abaixei e abocanhei o dele também...que sensação maravilhosa, era um cabeção com um gosto diferente de tudo que já tinha posto da boca, era uma carne dura e macia ao mesmo tempo, com um gosto salgadinho, mas também inexplicável e quente. Fui rápido também, nos beijamos rapidinho em seguida e fomos tocando uma pro outro...eu estava preocupado se a mulher dele, poderia nos pega lá e ele disse, que ficasse tranquilo, pois fazia barulho na escada, mas que ficássemos vigilantes. Ficamos batendo uma pro outro, entre beijos e chupadinhas, até gozarmos nas mãos um do outro. Relaxamos, passou toda aquela tensão que havia entre nós, estávamos nos sentindo muito bem. Nos limpamos num pano que tinha lá e fui embora. No outro dia, fomos pro trabalho sem falar nada, eu estava prestando mais atenção nele, aquele cabelo, penteado com gel, ele tava muito bonitinho, nós íamos trabalhar com maior boa vontade, eu sabia que iria passar o dia todo do lado dele, era muito bom. Não falamos nada no caminho, mas, logo, logo, começamos a nos tocar despistados, só que desta vez, com autorização, agente se roçava, passava a mão na bunda um do outro e ríamos demais. Ficávamos xavecando um ao outro, para um dar a bunda pro outro e eu falei, eu tô doido pra comer esse seu bundão, aquela trepada que te contei com a Luana, eu tava pensando que era sua bunda...ele disse, que ele pensava a mesma coisa. Ai eu falei, porra, aguentar seu cacetão grossão ai, vai ser fôda...ele ria e dizia como se o meu fosse menor e que ele nunca tinha tomado uma pistolada...eu também, não, tá maluco ...ai o viadinho esperto , já vinha ah, então eu serei o primeiro, vou tirar o seu cabaço...e ríamos e dizendo que eu que ia tirar o dele, ele falou, então vamos fazer um troca-troca, né?.. risos. Parecíamos crianças, tava bom demais. A noite na hora da novela,depois que já tinha jantado e tomado banho, nos encontramos subimos lá pro terraço e começamos um maior amasso, estávamos de short, havaianas e camiseta, mais confortáveis , ele abaixou meu short e pôs meu pau na boca, só que sem parar desta vez, tava ficando maluco, era gostoso demais, falei com ele pra parar, que não aguentava mais segurar e ele parou só pra me perguntar se eu faria o mesmo com ele...respondi rapidamente, sem pensar que sim...ele continuou e eu gozei na boca dele. Ah, que maluquice que foi aquilo, tava doido de tesão. Olhei pra ele e ele disse , agora é sua vez...me baixei e chupei aquele cacetão grosso dele...tava com os pentelhos cheiroso a sabonete...fui mamando e segurando os bagos peludos dele. Comecei sentir um gostinho diferente, era uma babinha oleosa e estava aumentando. Fui até as bolas dele, ele deu uma gemida baixinho, lambi suas coxas grossas e peludas e voltei pro pau...caprichei no primeiro pau de macho que pus na boca, quando ele anunciou que iria gozar e começaram cair na minha boca jatos do seu leite quente. Fui engolindo , mas minha boca ficou toda melada. Levantei e o ajudei a subir seu short, porque ele estava trêmulo e sem forças. Só falamos que foi uma gozada e tanto. Depois fui embora e dormir. Nós viciamos no lance, quase todos os dias estávamos nos chupando ou batendo uma pro outro, ficávamos sentados, o que estava sendo chupado ficava de frente pra escada de olho, para não sermos surpreendidos. Começamos a roçar o pau direto no rego um do outro, sem que nenhum penetrasse mesmo, porque achávamos que ali seria muito inseguro comer o cuzinho um do outro. Olha que a primeira roçada no rego, foi gostosa pra caralho. E um sensação diferente, sentir um cacete de outro cara, no seu rego, querendo entrar no seu cuzinho. Às vezes, nossos cacetes estavam, meladinho e chegava bem na porta do cuzinho, quase entrando, dando aquela dorzinha, mas o tesão era demais. Uma noite, depois de tomarmos umas, fomos pra cobertura e ele pediu pra lamber meu cu. Achei doido, ele me empurrou na mureta e meteu a língua no meu cu. Gemi, era uma experiência diferente e gostosa. Ele mordiscou meu cuzinho, gemi...como era gostoso. Depois foi minha vez, aquela bundona branca e peluda dele, enfiei o nariz ali e cheirei aquele cuzinho, aquela bunda farta dele era demais. Lambia e ele gemia, mordi com gosto a bunda dele, mordi forte mesmo. Levantei e não aguentei e encostei minha rola no cu dele. Ele deixou...forcei a entrada e a cabeça passou e agarrou...vi que estava fazendo uma loucura e nós dois recuamos, ele foi saindo e eu fui tirando. Nos beijamos e ele foi falando: não podemos fazer isso aqui...concordei e falei que descontrolei. Continuamos nessa vida boa, até que procuramos dar um jeito de comermos um ao outro. Mas isto, virá na última parte. Abraço a todos.

AMIGOS E AMNATES NO TRABALHO

Meu nome é Wallace, moro em uma cidade industrial, da região metropolitana, tenho 24 anos, sou segurança, num grande deposito de eletro-domésticos e sou casado e tenho uma filha de 2 anos. Acabei de mudar para um condomínio de apartamentos. Sou bem moreno, cabelos curtos, 1,74m, 74kg, corpo legal, cabelos curtos, ombros largos, estrutura troncuda, coxas grossas, rosto arredondado, com lábios cheios, pele lisa , mas da pra ficar de barbinha de vez em quando. Assim que mudei, fui bem recebido por um colega de empresa, nos vemos lá no trabalho e nos cumprimentávamos e só, eramos de setores de ferentes. Já no primeiro dia de mudança ele foi oferecendo ajuda, e ajudou mesmo. Ele se chama Gean Carlo, branco de cabelos meio louros e curtos, olhos azuis, um rosto arrendondado, um sorriso e queixos largos, um pouco de espinhas no rosto, 26 anos e casado também e pai de uma filha de 3 anos. Tinha 1,75m e pesava 77, tinha pelos nos peitos e barriga, coxa peludas. Ele é supervisor de logística, lá no deposito. Mudamos no sábado e no domingo não ia trabalhar e ele me procurou e disse que queria conversar comigo, veio me perguntar se eu não topava mudar de setor lá na firma, para trabalhar no setor dele. Pô, curtir demais o convite, porque minha escala de serviço mudaria e também mudaria o uniforme o salário até que nem tanto, mas poderia ter outras atividades como voltar estudar. Topei a proposta de Jean Carlo, contei para minha mulher e um pouco depois, nossas famílias se encontraram e eu e ele fomos num bar perto de casa que tem sinuca, tv pra futebol, os cachaceiros de plantão, cerveja gelada e muita conversa jogada fora. Tomamos umas e conversamos e rimos bastante, ele tava sendo muito camarada comigo, voltamos quase dez horas pra casa com as nossas esposas nos ligando. No outro dia, o procurei conforme combinamos e já fomos para o RH, para cuidar da burocracia, deu tudo certo, começando amanhã na minha nova função. Nós dois nos tornamos inseparáveis , pois trabalhávamos na mesma sala e eramos vizinhos de prédio, sendo que ele morava no andar de cima do meu , com uma pequena área externa, um corberturinha, era legal lá. Logo,logo, na primeira semana, já estávamos, chegando em casa e cada um ia pra sua, fazíamos o que tinha pra fazer e tava um toque um no outro e nos encontrávamos para papear, ou quando dava, íamos no boteco jogar uma sinuquinha, só mesmo programas com os nossos pais que fazíamos separados. Nós usamos um uniforme que era calça social preta e camisa bege clara e sapatos escuros. Começamos a fazer caminhadas juntos e assistíamos os jogos também. Estávamos cada vez mais íntimo um do outro, até que um dia nossos desejos foram se revelando. Estava eu, de pau duro sentado na minha mesa e ele chegou próximo, na hora que fui levantar. Ele viu, minha situação e bateu as costas da mão, no meu cacete, dizendo que porra, é essa, muleque , tá de cacete duro na hora do trabalho??? rimos... Pô, Gean, fiquei relaxadão aqui, e ai você já viu, né? O bicho sobe aqui, por conta dele, deixando agente assim , nessa situação. Saí rindo e ele rachava os bicos. Mas, na verdade , fiquei apreensivo com a situação, porque estava com tesão demais, depois que ele me tocou, finge na hora que não liguei, mas fiquei maluco. Ele me tratou, na hora de ir embora de uma forma tão carinhosa, que comecei pensar que tava mesmo doidão, tava achando que o cara tava vindo pra cima de mim, tipo me querendo e eu tava morrendo de tesão com isso, e se tivesse mesmo, eu também queria fazer minha parte. Resolvi retribuir o carinho. Ele foi chamado para resolver um probleminha, na hora da saída e resolvi esperá-lo , perder aquele ônibus, e pegar o outro, que viria minutos mais tarde. Na verdade, não demorou nada, só perdemos o ônibus mesmo e ele me viu na portaria e falou, Opa, ficou ai Zé?, era como ele me chamava. Falei, tava te esperando...ah, legal, vamô embora? Fomos andando, resolvemos irmos conversando e nossas conversas tava tomando rumos muito íntimos, falando de coisas do nosso passado e de coisas que deram errado , como nós dois casamos, porque nossas namoradas ficaram grávidas. Nós dois tivemos uma intuição que agente ia acabar dançando na mão dessas nossas mulheres. Ele falou que presentiu por ele mesmo, no dia que rolou e eu minha mãe me perguntou, mesmo antes de minha namorada saber, se ela estava grávida. Nos sentíamos mais próximos. Nós andávamos nos encostando muito, nos esbarrávamos com frequência. eu também comecei por a mão nele, uma hora fui passar por trás dele e o segurei com as duas mãos pela cintura, senti um tesão danado e ele nem ligou. Tava afim de dar umas encochada nele , ali mesmo no trabalho, mas não tinha coragem , só vontade. Estavamos fazendo caminhada todas as noites, nas sextas já tomávamos umas juntos. Até que um dia na sinuca, ele deu mole, deixou aquela bunda cheia, sem cintura, volumosa dele, no meio do meu caminho, não teve jeito, aquela oportunidade era imperdível, passei me convencendo que não queria encochá-lo ,mas como o espaço não cabia dois , isso inevitavelmente, iria acontecer. E foi o que rolou naquela hora, rocei meu pau mole, mas desenhando na calça, na bunda larga dela. Como foi gostoso e heroico, meu ato. Ele dessa vez, viu, sentiu, meu calor, mesmo não estando de pau duro naquele momento. Ele mudou de posição, me olhou nos olhos e sorriu, e falou baixo, tá me encochando, Zé? Eu que nem um bobo, respondi, pô, velhinho,foi sem querer...e os dois rindo muito. Tomamos todas, naquela noite e voltamos pra casa, os dois estavam tontão e a conversa de sacanagem tava solta entre nós dois. Eu tava andando de pau duro e falei, aqui Chefinho, você que gosta de ver, olha como esta a situação aqui do companheirinho?, ele riu e falou, olha o meu também? Rimos e falamos, que porra é essa? e continuamos rindo, quando estávamos chegando perto do condomínio, falei outra coisa maluca, pra ele, achei que era a oportunidade...Sabe aquela hora lá que te dei aquela encoxada? Claro que sei, seu tarado...ele respondeu, ai eu falei, não foi sem querer não, vi a oportunidade e ataquei...ele falou, rindo: tá maluco?

EU E MEU VIZINHO GOSTOSO

ola, meu nome e Alberto e vou contar uma coisa que aconteceu a alguns anos. sempre gostei de rapazes,mas um em particular.meu vizinho. seu nome era roberto,1,75 metros boca muito gostosa,ele era muito bonito com pernas grossas e braços também,tinha cabelos loirinhos que pareciam brilhar de manhã e o mais importante um volumão la embaixo que me deixava louquinho e com água na boca. sempre bati umas punhetas pensando nele,ate que não aguentei e resolvi tomar uma atitude ousada. quando ele veio na minha casa no final de semana conversar sobre uma gatinha que ele tinha pegado,que na verdade eu não tava nem ai eu queria era outra coisa.fomos pro meu quarto jogar vídeo game, conversamos sobre muitas coisas e uma delas deixava ele desconfortável: sexo. perguntei: -roberto, você já fez sexo com sua nova namorada? -ah cara, você sabe que eu não gosto de tocar nesse assunto,mas não eu não fiz. -ihhh cara, você ta na pedra né? porque sua ultima namorada foi a três meses atras. -hahaha e mesmo né? então resolvi partir pra onde eu queria -você ta precisando fazer sexo e eu sei chupar como ninguém. -ahh,oque e isso cara ta me estranhando é? sai pra lá! ele me deu um empurrão e se afastou com raiva -vamos roberto tranqueia porta do quarto -só uma vez, você não vai se arrepender. o joguei na cama e puxei o short dele,ele pegou o maior susto e tampou seu pau com a duas mãos. -ei Alberto,para com isso!!! tirei as mãos dele e rápido comecei a chupar o pau dele,mas dessa vez ele não fez nada deixou eu continuar. -humm e disso que você gosta né? então vai chupa meu pausao chupa. ele devia ter uns 19 ou 20 centimetros e uma cabeça muito,muito vermelha.seus pentelhos eram loiros e cobriam todo o saco que tambem era bem grandes. -chupa! isso ahhh -eu chupava que nem um cabrito, sugava,lambia o saco a cabeçorra engolia todo ate quase me engasgar.ele gemia muito alto. -ahhhhhhhhhhhh! tua boca e tao macia! hummmmm ahhhhhh chupa isso vai! ele se contorcia todo a cada chupada e se tremia todo a cada linguada que eu dava naquele cacetao cheio de veias. -ta gostoso roberto? -ahhhh muito,isso e tao bom, ahhhh,chupa assim vai. de repente ele levanta e me da um puxao violento e me joga na cama. -agora vo te rasgar todinho sua puta! ele lambeu meu cuzinho e eu gemia muito alto -ahhhh.. isso hum.. e tao ....bom, ahh nao consigo nem falar dai ele pegou sua picona e ficou forçando na entrada muito apertada do meu cuzinho,ate que entrou so a cabeçona -ahhhh tira que doi! -na-nao agora voce vai sentir minha piroca no seu cu vagabunda! ai ele enfiou de uma so vez e eu quase desmaiei,foi bem devagar,acelerando depois ele parecia uma maquina de lavar hahaha. ele me fodia igual louco, eu estava de frango assado e ele batia de vez enquando uma pra min enquanto me fodia.depois de cinco minutos eu tava gritando -isooooooooooooooo! mete essa pica mais fundo seu safado,hummm mete vai mais rapido mais rapidooo! ja estava quase pra gozar -ahhhhhhhhhhhhhh vou gozar mete mete!!!! ai ele ficou batendo pra min enquanto me fodia -AHHHHHHHHHHHHHHH gozei litros na minha barriga e espirrou ate na minha boca.de repente ele tira seu pau do meu cuzinho e disse que ia gozar -vou gozar vou gozar! ahhh...hhh!!! ele se tremia todinho parecia estar tendo convulçao,gozou em toda minha barriga e cara tambem,depois ele veio e me lambeu todinho e nos beijamos por quase cinco minutos -foi tao bom roberto -nem me fale,seu cuzinho e tao apertado que gozei que nem loco. dai fomos tomar banho e fodemos outra vez,ele me comeu de cabeça pra baixo,foi bem louco.todo final de semana ele vem aqui pra agente brincar. bom e isso pessoal desculpem mas e meu primeiro conto e to iniciando nisso ainda.espero que gostem! :)

MEU COLEGA ME DEU LEITINHO

Oi, me chamo Gunther, bem essa história aconteceu quando eu tinha 14 anos... Eu tinha um colega chamado, Éverton, ele era bem gostosinho, alguma vezes de brincadeira eu passava a mão na barriga dele, só pra sentir aquele tanquinho delicioso. A gente jogava futebol, e no vestiario, eu nunca perdia uma oportunidade de ver aquela rola gostosa e ele todo molhadinho na minha frente tinha que me controlar pra não ficar com o pau duro. Um dia meu professor de artes sugeriu, que todos fizessemos um trabalho de artes, no qual deveriamos ver um filme e falar sbre a arquitetura e etc.. Ele me chamou pra fazer o trabalho, eu aceitei... Bem eu ja tava com alguma idéia de o que eu deveria fazer pra chupar aquela pica. Mas nada adiantou, no final aconteceu uma coisa totalmente diferente do que eu tinha imaginado. O Éverton chegou em casa, com aqueles olinhos puxados, com uma camiseta apertadinha, deixando seus musculos bem a mostra, fiquei exitado, a gente começou a fazer o trabalho. Logo ele disse: - meu, tu bate muita punheta? Eu disse - claro, todo dia e tu? Eu tbm - eu tbm, as vezes até bato, com meu primo, a mão dele é bem macia. Nós dois rimos.. Ele pegou uma bolachinha recheada que estava dentro da mochila dele, e disse - Vamos brinca? A gente bate punheta junto, e gozamos dentro da bolacha, quem gozar primeiro, coma a bolacha cheia de leitinho. Topei na hora, eu amava beber meu próprio leitinho, mas nunca tinha bebido porra de outro garoto então começamos... Eu nao tentei gozar pq tava afim de beber a porra do meu amigo mesmo, mas ele tava afim, tirou toda a roupa e ficou só de meia, ele tinha um pau enorme, uns 20 cm eu acho, meu pau mede 18,5 e é grosso. Bem ele gozou no pote cheio de bolacha e disse - vai ter que comer eu disse - humm ta bom eu esfreguei a bolacha com porra nos meus labios e comi a bolacha, ele ficou olhando e rindo, admirado com o que eu fazia...comi todas as bolachas que tinham porra, ele disse - se vc quizer mais é só mamar que saí. Eu disse - só se for agora. Ele fez uma cara de espantado, ficou de pé, e começou a bombar seu pau na sua boca, eu chupava bem gostoso aquela pica, toda gozada na minha boca, meu rosto tv molhadinho de porra, ele disse - deixa eu comer seu cuzinho? Eu disse - se vc fizer com carinho e gostoso eu dou. Ele disse - então tá bom, ele me deixou de quatro e enfiou com força, eu gritei, ele disse - cala boca e aguenta, quer ser putinha, vai leva gostoso. Ele me comeu eu tava com tanto prazer, ele me virou e me deixou igual frango assado, ele me comia eu arranhava aquele tankinho gostoso.. Ele gozou dentro do meu cu, e disse - se levanta e vai te lavar qe eu to com fome e quero comer mais. Eu me levantei e escorreu, porra pelas minhas pernas.. Foi um dia inesquecivel! Eu amei, sempre chupo o èverton, mas nunca tivemos oportunidade, dele me comer denovo :/ vlw galera!

HOMENS NO ARMARIO

2 GAROTOS NO CHUVEIRO

AMIGOS ONLINE DROPS

VOCE ESTAR NO EXCERCITO AGORA

SARGENTO BROCA E SEUS RECRUTAS

TRANSANDO NA CONSTRUÇAO

SOLDADO E O CAPATAZ NA FAZENDA

CONSOLADO E ACALMADO PELO PADRINHO

Oi, tudo bom com vocês? Meu nome é Diego tenho 22 anos e vou como foi minha primeira vez com um homem aos 18 anos, espero que gostem. Cheguei transtornado na casa de meu padrinho Jorge, estava furioso. Nem toquei a campanhia fui logo entrando e batendo as portas como um furacão _ Diego o que foi? O que esta acontecendo? _Perguntou Jorge _ Aquela vadia, vagabunda, Jorge! _Gritei! _ Quem é essa Diego? _ Aquela piranha da minha namorada, EX-namorada _ Calma Diego, senta ai e me conta o que esta acontecendo. _ Não quero sentar Jorge _ E andando de um lado para o outro, gesticulando e gritando contei o que aconteceu _ _ Aquela safada me apunhalou pelas costas padrinho, ontem foi o aniversario da melhor amiga dela e como eu iria trabalhar ate mais tarde, disse que ela poderia ir a festa sem mim e não haveria problemas caso conseguisse dava uma passada por lá, mas quando cheguei a festa ela já tinha ido embora e a amiga dela disse que ela estava passando mal, mas a bandida estava era me traindo trepando com o ex namorado dela que tinha ido ao aniversario também. Ela ficou um mês inteiro fazendo doce comigo, eu aqui no maior tezão esperando ela estar ”pronta”, tentando ser um cara legal, compreensivo, diferente dos que ela era acostumada, para quê? Pagar de otário? Estava suando, chegava a tremer de raiva, meu padrinho se aproximou me parou pois ainda andava para lá e para cá, me deu um abraço forte e disse em meu ouvido coma calma que sempre manteve: _ Meu garoto, vem aqui, já passou esquece isso ela não te merecia, vem cá deita aqui comigo como agente fazia quando você era pequeno, pra você relaxar. Puxando em minha mão se dirigiu para o sofá, mas eu parei e quis soltar de sua mão, mas ele a segurou olhou para trás e disse: _ O que foi esta com vergonha de mim agora ou esta com raiva de mim também? _ Não, não é nada disso é que ... eu não sei... já estou grande para isso, é meio estranho. _ Deixe de bobagens Diego, Você esta precisando se acalmar, não há nada de errado nisso vem você vai se sentir melhor, vou colocar uma musica para gente se acalmar, ficarmos mais tranqüilos e você colocara seus pensamentos em ordem, certo? _ Tudo bem padrinho o senhor e quem sabe, já estou ate mais calmo só de ouvir o senhor falar assim sabia que tinha vindo ao lugar certo! Meu Padrinho Jorge colocou uma musica bem baixinho e se deitou no sofá. Estava sem camisa deixando amostra seu peito largo e cheio de pelos lisos, que desciam e sumiam em seu calção largo e fino, que deixava bem a vontade suas coxas grossas também peludas, devido a largura das pernas do calção. Deitei em meio a suas pernas me aconchegando em seu peito, meu padrinho deu um beijo em minha cabeça e disse colocando a mão em meu peito: _ Se acalme, pense bem existem muitas outras pessoas no mundo, se ela não teve respeito com você esqueça-a, você é um rapaz jovem, bonito, super interessante e provavelmente deve ter uma fila de garotas atrás de você. _ Que isso padrinho, assim o senhor me deixa ate encabulado. _ Estou falando serio Diego, você é tudo isso e mais. Escutando isso senti um volume aumentando vindo do meu Padrinho, ele estava ficando excitado e mais incrível era que eu também estava a fúria e a raiva tinham ido embora deixando um sentimento diferente, o cheiro de Jorge, o calor de seu peito, as cócegas que seus pelos faziam em meu corpo e a leve caricia em meu peito me deixava arrepiado, meu coração estava acelerado agora não mais pela raiva mas pelo tezão que a situação estava me proporcionando. Decidi levantar e meu padrinho segurando em minha mão disse: _ Aonde você vai, não esta gostando de ficar aqui comigo? Esta tão bom. _ Acho melhor eu ir, já estou melhor. _ Creio que ainda não terminei com você, parece que ainda precisa de mim. Disse isso olhando para meu pau em riste. Desconcertado fiquei vermelho na hora e tentei encobrir o volume com uma das mãos. _ Relaxa vem, esta tudo bem, você vai gostar. Falando isso se levantou, colocou as mãos em meu rosto e me deu um beijo de um lado, do outro, em minha testa, me olhou nos olhos e vendo que não esboçava resistência desceu beijando meu pescoço, meu peito lisinho, chupou um mamilo, me arrancado suspiros, passou para o outro, levantou meus braços e passou a língua em minhas axilas também lisas, raspadas, nossa que sensação maravilhosa repetiu a mesma ação na outra. Parou olhou novamente para mim e perguntou _ Posso continuar? _ Apenas balancei a cabeça afirmativamente. Meu padrinho se abaixou desceu meu calção e abocanhou meu cacete duro, colocando inteiro na boca e tirou deslizando seus lábios em minha carne firme e cheia de veias, me arrepiando todo. Intensificou um delicioso e vigoroso boquete acompanhado com uma deliciosa caricia em meu saco também sem pelo algum. Como estava a algum tempo sem transar não agüentei por muito tempo, sentindo que meu gozo viria tentei retirar meu pau da boca de meu padrinho, mas ele me impediu e me puxou enfiando ainda mais minha rola em sua boca aumentado a velocidade dos movimentos onde acabei explodindo inundando a boca de meu padrinho com meu esperma. Jorge engoliu todo meu liquido acumulado, se levantou e me trouxe de encontro a um delicioso e intenso beijo sentindo o sabor da boca de meu padrinho misturado ao gosto de minha propia porra. Sorriu me deu um abraço apertado e pela mão me levou ao quarto mamou mamou mais uma vez em meu pau deixando mais duro e babado, ficou de quatro na beira da cama empinou a bunda para meu lado e pediu: _ Vem Diego e mete seu caralho em meu cu bem gostoso, crava fundo meu garoto. Eu que já estava louco para fuder alguém, dei uma cuspida em meu cacete, separei as nádegas de Jorge deixando bem a mostra seu buraco lubrifiquei com minha saliva e enfiei, meti tudo de uma só vez retirando um urro de dor e prazer de meu padrinho, comecei a bombar, socava fundo, tirava e voltava enquanto meu padrinho gritava: _ Isso moleque mete, libera essa fúria, mata essa vontade de fuder que você estava, crava fundo esta estaca em meu rabo. Com movimentos constantes e cada vez mais rápidos socava naquele cuzão quente, úmido e gostoso segurando na cintura de meu padrinho enquanto ele se masturbava e urrava, sentia meu suor escorrendo em minhas costas e peito meu padrinho já brilhava o cheiro de macho e sexo tomava o quarto me deixando ainda mais alucinado. Jorge começou a se contrair gozando as contrações de seu cu em meu pau me fizeram explodir em um gozo de intensidade que nunca havia sentido antes, caímos um ao lado do outro na cama molhados de suor sorrindo e abraçados. Ficamos um tempo na cama entrelaçados, depois tomamos um banho juntos onde beijos, chupadas e caricias foram trocadas e fui embora, antes porem, meu padrinho Jorge me chamou e sentados no sofá da sala disse que o que tinha acontecido entre agente seria um segredo que nunca deveria ser revelado, que tinha sido ótimo delicioso, mas que não voltaria a se repetir me deu um abraço e parti. O tempo passou e meu relacionamento com meu padrinho continuou ainda mais forte, sempre lhe pedia conselhos, ajuda, conversávamos sobre tudo menos sobre o que acontecera, vez ou outra o pegava me olhando com desejo mais nada dizia ou fazia ate um dia em que não resistimos e transamos novamente. Gostaram do meu conto, que sentimentos ele lhes trouxe, gozaram muito? Contem-me, comentem. Uma chupada bem gostosa nessas picas duras e esporradas.

MEU VIZINHO GOZOU NA MINHA BOCA.....

Este é o meu primeiro conto, então espero que gostem. Meu nome é Rafael, tenho 19 anos, 1.80 de altura, moreno e não-afeminado. Sou bissexual e curto de tudo quanto a sexo. Vou relatar aqui algumas das minhas aventuras de tudo que já me aconteceu. Nesse, vou contar minha primeira experiência de sexo. Eu tinha 14 anos e era um garoto retraído quanto a amizades, sempre tive um perfil de estudante comportado e morando com meus tios avós, já que meus pais são falecidos, nunca tive muito dinheiro no meu caixa. Logo, só conquistava amigos nas horas das provas em dupla e nos trabalhos em grupo. Mas tinha um vizinho, ele era filho de amigos dos meus tios, tinha 14 anos também e confesso que me sentia muito bem quando brincava com ele (sim, sou da geração que se brincava de carrinhos ainda). O tempo passava e ganhávamos intimidade um com o outro, chegamos a dormir na mesma cama e passar juntos muitos finais de semana, mas nunca me insinuei pra ele. Num desses finais de semana, na casa dele jogando Play 2, estávamos jogando um jogo difícil, onde ele pela quinta vez não tinha conseguido passar, mas também não me entregava o controle. Então apostei com ele: -Se eu conseguir passar, você tem que me fazer o que eu quiser. -Da onde que tu vai passar isso, sou muito melhor que tu e to penando aqui. -Passa o controle então. -Se tu perder, quem faz alguma coisa ai é tu! -Fechado. Realmente ele era melhor que eu, e as cenas do jogo tinham conteúdo erótico, então visivelmente estávamos excitados (acho que por isso que não passávamos kkk ). Peguei o controle e realmente não consegui passar a fase do jogo. Sabendo da aposta, argumentei: -Ei, pera ai, tu tento 5 vezes! Eu quero outra chance! -Não, tu disse que passava, trato é trato. -Ta, então tu quer q eu faça o que? -Vem cá. Ele me levou pro quarto dele e me disse: -Eu sei que tu fica me cuidando quando troco de roupa e quando vou no banheiro, tu quer ver uma coisa dura? Eu fiquei estático, ele nunca tinha falado assim comigo e pensei que ele nunca tivesse notado, mas o tesão era muito. -Quero Ele pegou minha mão e colocou sobre seu pau, nossa que delicia, ele era novo, mas já tinha uma grossura considerável. Via a sua cara de satisfação só com aquele amasso por cima da calça e então ele tirou da bermuda. Nossa, lindo, retinho, com uma cabeça bem rosadinha e circuncidada. Ele forçou minha cabeça contra o pau dele, fazendo me abaixar e cheguei bem perto, sentindo aquele cheiro de homem. Me via confuso, mas com muito tesão, e dei uma lambida. Ele estremeceu. Coloquei na boca e comecei a chupar meio desajeitado, mas gostando muito. Ficamos ali um tempo e senti o pau dele pulsar forte e me jorrando porra La no fundo da garganta, me esquivei e ainda recebi uns jatos no rosto, reclamei que ele tinha gozado na minha cara, mas ele nem ouviu, caiu sentado com os olhos fechados e ali ficou. Fui me limpar e voltei dizendo: -Ei, e que ninguém saiba disso! -Só se tu me manter saciado! Obrigado, Vou publicar mais contos ainda, mas os próximos serão heteros ate eu me “descobrir” novamente. Abraços.