quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Dei na cama dos meus pais e depois fui pro colégio

No último conto narrei a foda maravilhosa que tive com meu cunhado quando fomos comprar as coisas pra um churrasco. No dia seguinte foi feito o tal churrasco, a família toda reunida. Meus pais, minha irmã, um casal de tios que veio visitar e, claro, meu delicioso cunhado, o homem que tirou minha inocência e me transformou de garoto bobinho a putinha juvenil. Durante o churrasco trocávamos olhares, mas minha irmã não desgrudava dele. Eu não parava de pensar no quanto tinha gozado com o cacete dele no dia anterior. Quando finalmente ele teve uma chance de ficar sozinho comigo, disse baixinho: - Já to com saudade de foder essa bunda gorda! Eu não sabia se ria ou se desmaiava. A voz dele falando putarias era muito excitante: - Eu também quero...- respondi envergonhado. - Amanhã eu vou te foder de novo. - De que jeito? Eu tenho que ir pra escola, e você tem que trabalhar. - Eu vou dar um jeito... Disfarçamos e o churrasco continuou. Naquela noite eu me masturbei com o dedinho no cu. No dia seguinte, acordei cedo, como sempre, pensando que seria um dia comum. Meus pais já tinha saído pra trabalhar, e eu fui tomar meu banho e me vestir para ir pra o colégio. Eu já estava de uniforme quando ouvi o portão abrindo. Pensei que meu pai tivesse voltado para casa, mas para meu susto e surpresa, era meu cunhado, Felipe, entrando em casa. - Te peguei, putinha. Se eu fosse um estuprador, você ia entrar no pau. E no final vai ser isso mesmo que vai acontecer! Ele já veio me agarrando "à força" e me beijando. Eu não sabia o que fazer. - Seu louco... você não foi trabalhar? - Liguei pra firma pra avisar que tive um problema e ia atrasar. Dá tempo de uma foda rápida com a minha ninfetinha bunduda... - Mas eu tenho que ir pra escola! - Chega atrasado, porra... eu to com tesão e quero te foder! Ele estava muito, muito taradão. Beijava, mordia, lambia meu pescoço. Suas mãos apalpavam meu corpo. Quando me dei conta, minhas calças já estavam no chão. Logo ele tirou minha camiseta e se atirou a mamar meus peitos gordinhos. Que tesão! O jeito dele me fazia sentir como uma menina que vai ser violada. - Moleque tesudo... vamos pro quarto dos teus pais... vou te foder na cama deles. Eu nem tive tempo pra dizer nada. Ele me puxou pro quarto dos meus pais. Meus pais que imaginavam que eu, o caçula, era bobinho e não sabia nada do sexo. Felipe tirou a calça, e o seu cacete pulou, duro, cheio de veias, apontando pra cima, denunciando que ele estava louco de desejo. - Cai de boca, Edu... chupa, vai... chupa que eu to louco por uma mamada! Eu me ajoelhei e segurei naquele cacete lindo. Só de lembrar, meu cuzinho pisca. Aquela cabeça lustrosa era um convite irresistível. Abri minha boca e comecei a chupar. Felipe logo estava delirando: - Isso! Assim... mama... tesão! Já tá mamando muito melhor que a tua irmã, sabia? Como é bom sentir aquele gosto de macho na minha boca! Aquele pau babava e eu engolia tudo. Felipe só tirava o pau da minha boca pra bater com ele na minha cara. Eu dei um trato naquelas bolas, que estavam inchadas. Então ele ordenou: - Fica de quatro na cama, minha puta! Não precisou pedir de novo. Logo eu estava lá, de quatro, bumbum empinado, peladinho, exposto ao meu homem. Abri a bunda com a mão, para exibir o meu cuzinho e ele reagiu caindo de boca. Ah, se tem uma coisa que me deixa entregue é sentir a língua dele no meu rabo. Assim que ele lambeu, eu comecei a gemer como cadelinha. - Aiiiii... ahhhhhhh... issoooo... lambe! Lambe meu cuzinho! Ele mordia minhas nádegas, lambia o rego, e depois enfiava a língua bem no fundo do meu cu. Eu só pensava no quanto aquela situação era louca. Poucos meses atrás eu era virgem e inocente, e agora estava dando na cama dos meus pais, para o marido da minha irmã. Depois da sessão de chupadas no cu, eu já estava molinho, pronto pra ser comido. Felipe pegou um frasco de hidratante da minha mãe e lambuzou seu pau, e depois meu cuzinho. Pincelou o cacete na entrada do meu buraquinho e começou a falar putarias: - Sabia que a primeira vez que eu comi tua irmã foi nessa cama? Teus pais saíram e eu meti a pica nela... Mas a tua bunda é muito melhor. - Safado... - Sou safado mesmo! Comi tua irmã, como você, e se der brecha como até a tua mãe! Ouvir aqueles absurdos só serviu para me excitar mais. Meu anelzinho devia estar piscando, pedindo pra ser comido. - Quer pica na bundinha, moleque? - Quero.... - Então pede... pede a piroca do cunhado. - Me come... me come, por favor. Apesar de já ter dado outras vezes, o momento em que pau entra é sempre de dor. Ele enfiou de uma tacada só, fazendo com que eu visse estrelas. - Ai... ai meu cu! Tá me rasgando! - Você gosta, veadinho... gosta de pica que eu sei! Ele empurrou até o fim. Senti o seu sacão encostando no meu. A dor durou pouco tempo. Logo já tinha virado prazer. E que prazer! Que sensação maravilhosa a de ter carne dura no rabo, sentir as pregas se abrindo e o macho arfando de tesão. - Rabinho gostoso! Que bundona carnuda - disse ele, dando um tapa na minha nádega. Doeu, mas o prazer já tomava conta do meu corpo. Ele começou a bombar. Eu gemia. Gemido fino, de fêmea, ninfetinha. Meu cuzinho já recebia seu cacete com prazer. - Gosta de pica, né? Então pede! Pede pra eu te foder! - Fode.... enfia lá no fundo! - Quem é teu macho? - É você! - Quem é o do no desse cuzinho? Fala... - É você... é o meu cunhado safado! - Eu vou gozar gostoso nesse rabinho... vou sim! Pede leite, pede! - Goza...me dá leitinho? - Quer muito leitinho no rabo, quer? - ele perguntou, dando outra tapa na minha bunda. - Quero... quero todo o leite! Ele acelerou a foda. Enfiava rápido, sem dó, pra arregaçar mesmo. - Vou gozar na tua bunda, moleque... Vou gozar no teu cu.... vou... AAAAAHHHHHHHHH caralhooooo! Que gozada gostosa!!! O pau foi enterrado até o talo. Senti o leite me invadindo, me preenchendo. Eu me sentia a mais vadia das vadias. Ele tirou o pau com cuidado, pra porra não vazar pra cama. Puxou-me pelo cabelo e me beijou. Beijo molhado, cheio de paixão. - To ficando viciado no teu cu, moleque. Vamos embora que eu tenho que trabalhar e você tem que ir pro colégio. Nós nos vestimos rápido. Eu ainda sentia o leite dele fervendo no meu rabo. Ele me deu carona até o colégio e eu assisti aula sentindo meu rabo ardendo, molhado, repleto da porra do meu macho. Na hora do intervalo eu tive que bater uma punheta no banheiro pra aliviar meu tesão. Sou um garoto novinho, que aos olhos de todos é "normal", mas quando tenho uma chance virou amante do meu cunhado. E ele tinha uma ideia maluca para nossa próxima foda. Mas isso eu vou contar no próximo conto.

Fui fazer trabalho e acabei ganhando uma mamada

Oi me chamo Caio, nos últimos contos contei um pouco como foi meu relacionamento com meu primo, hoje vou continuar contando uma das minhas aventuras, dessa vez sem meu primo(triste). Depois de quase um ano de aventuras com o meu primo ele completou 18 anos e foi para o exército, o que deixou muito triste pois sem ele tinha que ficar no 5x1, na época eu era muito tímido, só me soltava na cama. Mas a vida é uma caixinha de surpresa, nessa época eu tava com 16 anos e no segundo ano do ensino médio. Foi em uma quinta de manhã, eu tinha aula de química, e a professora falou que tínhamos que sortear quem seria nossa dupla para a feira de ciência e depois o nosso tema, quem me tirou foi Fernando, ele era branquinho, cabelo castanho claro, olhos cor de mel e com cara de criança, nunca tinha prestado muita atenção nele, ele fazia parte dos CDF’S e eu da galera do fundão, o nosso tema foi falar sobre o álcool, como o professor deu o resto da aula para poder conversar com a sua dupla lá fui eu conversar com ele, como um bom CDF ele já tinha que o trabalho quase pronto na cabeça. E ficou marcado no sábado à tarde eu ir na casa dele para poder começar a fazer, mesmo tendo um mês para fazer o trabalho. Sábado no horário marcado lá estava eu no portão da casa de Fernando, quando eu toquei a campainha ele demorou e quando chegou estava todo suado, brinquei com ele “ nossa sua casa deve ser enorme para vc vir correndo me atender, hehehe” ele apenas sorriu, entrei no terreno e era uma casa linda com quintal grande e piscina nos fundos, quando chegamos na sala ja tava várias fotos e papéis espalhados sobre o tema, quando vi aquilo fiquei impressionado o trabalho já tava pronto, porque ele não colocou o meu nome é pronto, mas para descontrair eu brinquei e falei “ a sua mãe deve estar uma fera, com a casa desse jeito, cheio de folha espalhada na sala, hehehehe” ele respondeu “ que nada minha mãe não está em casa, saiu com as amigas e só volta mais tarde, se não ela estaria gritando no meu ouvido, hehehehehhe” então eu vi um rapaz que me chamou atenção, ele estava sem blusa e com short de futebol, e com certeza sem cueca, ao andar dava pra ver uma pica de enorme dentro daquele short, ele passou na sala e falo “ caraca a menininha ganhou uma amiguinha nova, sabe que mamãe vai te matar se chegar e ver a sala assim né.” e entrou na cozinha, Fernando me falou “não se preocupe, esse é o meu irmão mais velho o Ricardo, ele faz isso só para me chatear, vamos fazer o trabalho.”. Depois de um tempo Ricardo saiu da cozinha, nessa hora Fernando estava de joelho e debruçado na mesa de centro e com a bunda empinada, quando Ricardo passou e olhou para o Fernando na hora ele fez uma cara de safado e apertou a pica que ficou em meia bomba, vendo aquilo eu achei estranho mas continuei a fazer o trabalho, o tempo foi passando é o trabalho foi ficando pronto slide, cartaz, textos para apresentação, tudo pronto. Pedi para ir no banheiro antes de ir para casa, ele me falou para ir no do final do corredor, ao sair do banheiro eu não vi Fernando na sala, fui na cozinha e nada, voltei para a sala como a casa era dele não chamei preferi esperar, quando fui sentar no sofá eu ouvi um barulho vindo do segundo andar, sou curioso então fui subindo devagar, quando cheguei perto da primeira porta eu ouvi a voz de Fernando “ calma, tenho que descer, ele já deve está me esperando para ir embora” e logo depois ouvi a voz de Ricardo “ vc só depois que eu terminar o que estávamos fazendo antes dele chegar” logo depois disso ouvi um gemido abafado e um barulho de pele com pele. Na hora me veio à cabeça, o Fernando suado quando eu cheguei, o Ricardo com cara de safado olhando para a bunda de Fernando, somando tudo aquilo, ELES ESTÃO TRANSANDO, não tinha outra explicação, na hora pensei em descer e aguardar lá em baixo, mas a pica falou mais alto quando eu ouvi um outro gemido, eu já não transava há tempos, pensei o que vou fazer para poder entrar na brincadeira, pensei em mil coisas, mas a mais rápida era entrar sem bater. Coloquei a mão na maçaneta girei e chamei Fernando, quando entrei eu vi aquela cena linda, Fernando de quatro em cima da cama e Ricardo engatado no cuzinho dele e segurando o irmão pelos ombros, quando eu coloquei o primeiro pé no quarto Ricardo veio como um raio me segurou pelo colarinho e me jogou na parede, eu só consegui ver aquele tronco grosso no meio de suas pernas, tinha uns 20cm e muito grosso, “ O que vc ta fazendo aki” disse Ricardo, antes de eu conseguir responder Fernando disse em voz de choro, “ Falei... agora sim vc acabou com a minha vida, todos na escola vão ficar sabendo e é tudo culpa sua”, levantou da cama e estava saindo quando eu consegui falar “ Não vou contar pra ninguém, eu juro” e “Como podemos confiar em vc?” disse Fernando, falei “Apenas abaixe a minha bermuda que vc vai ver”, quando Ricardo me colocou no chão e abaixou minha bermuda minha pica tava igual pedra então falei que ja tinha perdido o cabaço com um primo meu. Na hora o Ricardo riu e puxou o Fernando e falou “ Vem cá minha putinhas, vamos terminar o serviço e como agradecimento vc pode chupar o seu amigo” fomos todo para cama, Fernando ficou de quatro com a cara na minha pica e começou a lamber a cabeça, Ricardo de posicionou atrás, cuspiu na cabeça daquele tronco e colocou na portinha do cu de Fernando e forçou, na hora Fernando parou de chupar trincou os dentes e fechou a mão segurando o lençol, deu para ver quando a cabeça entrou que Fernando acabou soltando um gemido que mais parecia de dor, mas na mesma hora começou a chupar de novo e Ricardo começou a bombar, Fernando chupava divinamente, mais com Ricardo aumentando o ritmo para gozar Fernando não teve como continuar me chupando e só gemia até ter o cu todo preenchido por porra, Ricardo urrou ao fazer essa proeza. Ricardo tirou a pica e Fernando virou e começou a limpar a pica do irmão, eu vi aquela porra saindo do cu de Fernando e me deu vontade de pedir no meu tb, mas deu para ver que Ricardo estava cansado, Fernando foi ao banheiro se limpar ao voltar começou a chupar minha pixa de novo ele brincava com as bolas e sugava toda baba da minha pica, sentir aquilo depois de tempos foi maravilhoso, quando eu estava quase gozando, perguntei se podia gozar no cuzinho, Ricardo disse na hora “ Vc ouviu, de quatro cachorrinho”, Fernando ficou de quatro com a bunda na direção da minha pica, cuspi na cabeça e forcei, entrou até que tranquilo, minha pica era menor e mais fina que a do irmão dele, então comecei a bombar ele gemia e pedia mais, então acabei gozando no cuzinho dele, nao deu outra quando tirei a pica do cuzinho Fernando virou e limpou minha pica como um cachorrinho treinado. Quando Fernando voltou do banheiro, já estávamos de short e bermuda ele pegou o dele vestiu e sentou no colo de Ricardo, deu um beijo nele e agradeceu pela porra quentinha, então perguntei desde quando eles faziam aquilo, e Ricardo respondeu “ eu tinha 15 e Fernando 13, ele me viu batendo uma, então comecei a pedir para ele me ajudar, batendo, chupando e me dando o cuzinho, e ele nunca reclamou de me ajudar… agora faz isso sem eu pedir, desculpa o transtorno”, falei que estava tranquilo e que não ia contar nada pq queria participar, os dois se olharam e Ricardo sorriu. Quando Fernando me levou até o portão me disse que era para eu voltar na segunda depois da escola para terminar o trabalho, avisa pra sua mãe, sorriu e fechou o portão. Depois conto como foi esses dias de transa com Fernando e Ricardo. ATÉ A PRÓXIMA.

SENDO PUTA DOS MEUS PRIMOS GOSTOSOS

Era inicio de tarde de um domingo e eu estava deitado apenas desejando que tivesse uma rola pra me tirar do tédio, quando chega uma mensagem do Bruno perguntando onde eu estava e se tava afim de uma sacanagem. Na mesma hora pensei minhas preces foram ouvidas, e logo em seguida disse que sim e ele falou que iria me buscar em meia hora. Eu então fui me arrumar me preparar pra ser arrombado pelo meu primo. Meia hora depois ele chega, eu entro no carro e quano olho pras pernas dele percebo que ele está só de short tactel sem nada por baixo não me contive e já fui passando a mão falando: já vem preparado em safado?! Não demorou muito para aquele cacete de 19cm dele, bem branquinha, com pelinha e meio curvada pra cima estar rigida feito uma rocha, ele bota ela pra fora e fala: logíco, e você já pode começar os trabalhos! Eu não me fiz de desentendido e cai de boca naquele cacete gostoso. Fiquei chupado ele até chegar próximo a casa dele, onde ele pediu pra eu parar pra ele poder entrar dentro de casa. Chegando na casa dele ele foi direto para o quarto, e eu fui cumprimentar meus tios e não demorou muito Bruno me chama lá do seu quarto, quando chego lá ele já esta pelado deitado na cama, eu entro feicho a porta e começo a chupar ele ferozmente, com muita mais sede do que alguns minutos atrás no carro dele. Ele força minha cabeça contra o cacete dele e me faz engasgar, começa a elogiar minha boca dizendo que eu mamava muito bem, e socava seu cacete na minha boca. Eu escuto um barulho de porta se abrindo, tento ver o que é mas ele força minha cabeça para baixo para contiuar chupando ele, eu então não me preocupei e continuei chupando ele. De repente sinto uma mão passando na mina bunda por cima do meu short jeans, quando olho pra tras vejo o irmão dele que se chama Lucas só de toalha com o pau duro, eu me assusto mas logo em seguida o Bruno fala: Relaxa que meu irmão só ta afim de provar um pouco da minha vadia. Confesso que ouvir ele me chamar de vadia me deixava louco de tesão, então eu fiz juz ao nome e já fui tirando a toalha do Lucas e expondo aquele cacete maravilhoso que também era branco, porém da cabeça bem rosadinha, levemente grosso e devia medir por volta de uns 21cm, ou seja, eu estava bem servido de cacete aquela tarde. Lucas começa a gemer com minha boca no seu cacete e o Bruno ficava forçando minha cebaça contra o pau do Lucas. De repente meu tio bate na porta e pergunta se esta tudo bem, eu com a boca ocupada continuei chupando, então Bruno gritou de longe dizendo que sim e então meu tio disse que iria sair com minha tia e que iriam demorar. Quando meus tios sairam Bruno me pegou pela cintura me encostou na parede e me deixou com a bunda toda empinadinha pra eles, eu então abri o ziper e fui abaixando o short e rebolando pra eles e assim fui ficando só de fio dental, e o bruno que adorava que eu usasse não se aguentou se aproximou e deu aquele tapa bem forte a minha bunda que eu gritei de dor e prazer, então ele falou: caralho como tu é gostoso, hoje tu vai levar duuas rolas no cu. Bruno senta na cadeira coloca a camisinha e fala: agora vem ca sentar no colo do teu macho, minha puta. Eu obedeço e vou sentando no cacete dele, e quando entra tudo eu cavalgo na rola dele como se não houvesse amanhã. O Lucas estava sentando na cama batendo uma enquanto Bruno me fodia, passei uns dez minutos cavalgando no Bruno, quando ele manda eu sair e ficar de quatro na cama, eu ou e ele começa a meter de novo em mim, mas dessa vez ele me mandou chupar o cacete do Lucas enquanto ele me fodia, eu etão o fiz e comecei a chupa o cacete do Lucas, tava tudo muito gostoso chupando uma rola e sendo fodida por outra, eu deirava ao ovuir o Bruno e o Lucas gemendo alto, e me chamando de puta, de vadia deles e que eu ia levar rola no cu a tarde toda. Depois de mais uns 15 minutos nessa posição, o Lucas fala pro Bruno que também quer comer meu cuzinho, Bruno então tira seu pau de dentro de mim, e poe pra eu chupar, enquanto Lucas me poe de frango assado e manda ver no meu cu que já estava bem aberto por causa do Bruno. Ele fodia muito gostoso e ficava me chamando de vadia do Bruno, que eu ia ser a puta deles sempre, e o Bruno concentia e socava a rola na minha boca. Eu estava amando tudo aquilo. Passaram uns 15 minutos do Lucas me fudendo, e então o Lucas anuncia que vai gozar e o Bruno mandou ele tirar a rola do meu cu porque eu a vadia dele vai beber a porra deles dois, então o Lucas tira o pau de mim e começa a tacar na minha cara e a se masturbar com ele na minha cara, eu chupo as bolas dele que são bem grandes e pesadas. Bruno também faz a mesma coisa, e bate na minha cara me chamando de vadia dele, dizendo que vou ter que beber a porra deles dois, e que essa não sera a ultima vez. Lucas então começa a se contorcer e gemer alto, já sei que tem porra chegando então soquei o pau dele dentro da minha boca e comecei a chupar ele, mal coloco o pau dele na boca já sinto tres jantos quentes e consistentes de porra, logo em seguida Bruno fala pra mim não engolir a porra do Lucas agora, que ele ia gozar na minha boca e eu ia ter que engolir a porra dos dois juntos, eu então me virei pra ele e comecei a chupar ele ainda com a porra do Lucas na boca, não demorou muito e Bruno solta quatro jatos de porra bem quentes e enche miinha boca de esperma, que escorre pela boca e mela meu peito, Bruno solta um ultimo jato surpresa que mela minha cara, então Lucas passa o pau no meu peito e bocheca juntando a porra do Bruno e bota pra mim chupar o pau dele de novo, eu boto pau dele na boca e engulo as porras deles e continnuo chupando o Lucas. Bruno vai tomar um banho, e enquanto isso fiquei chupando Lucas ainda por uns dez minutos até fazer ele gozar de novo, depois me levanto e vou tomar um banho, bato uma punhete pra poder gozar e volto pro quarto, eles estão deitado e quando me veem começam a me elogiar dizendo que eu era muito gostoso, que iriam me fuder outras vezes e que eu me preparassem pois da próxima eles iam chamar um amiguinho deles. Fiquei meio apreensivo, mas passou quando vi o Bruno se vestindo e seu pau balançando enorme, me deu tesão de novo, haha. Bruno então se vestiu e foi me deixar, no caminho ele me pediu mais uma mamada e eu o fz gozar mais uma vez e antes de desce do carro ele disse que eu não obedecesse o Lucas, que eu era vadia dele e eu só seguia ordens dele, eu então confirmei e entrei em casa

Seminario de Tesão

E ai pessoal e o 2017 de vcs? Para mim meio tumultuada mas, muito legal. Mas o que vou contar hoje é um conto de uma banca deste inicio de ano, de 04 á 06/01/2017, tivemos uma banca na PUC de Porto Alegre com diversos convidados do interior do estado, do pais e do exterior também, até ai tudo bem rotina de pelo menos duas vezes ao ano, mas quando recebi o pessoal da minha banca quase enfartei ao ver o nome de um componente, pois é Dr. André estava em minha banca (ler conto Vizinho Gostoso). O passado de repente me veio a lembrança e cai na cadeira do meu escritório rindo e pensando no passado, André havia sido uma das minhas maravilhosas aventuras do passado e hoje estávamos ali depois de uns 4 ou 5 depois mais próximos. Bem creio que ele deva ter ficado chocado quando recebeu a banca e viu meu nome também, então tudo igual. Bem chegado dia 04/01 ás 09h parti para o auditório da banca e ao chegar não vi André e fui me integrando aos outros membros, amigos de outros estados e de um advogado dinamarquês que já conhecia mas sempre com muito respeito sem nada a pensar somente pensando em André, até que ele chegou com aquele jeitão de macho alfa também 1,90 de pura massa magra e um belo terno com os cabelos desalinhados, de longe eu o vi, ele estava procurando a banca, eu fui ao encontro dele e o pior que ele nem percebeu quem eu era quando eu disse dr. André sua banca é aquela da mesa 12, ele agradeceu e se foi, mas eu gostei do rosto quando eu cheguei e os outros membros perguntaram se ele me conhecia ele foi levantar e ficou todo atrapalhado esbarrou na mesa e foi um susto eu ri muito ele ficou vermelho eu disse aos outros membros que éramos amigos de infância da mesma cidade do interior só que faziam alguns anos que não nos víamos, ele se acalmou me deu um abraço e riu dizendo que não havia me conhecido que eu estava muito bem, até ai tudo bem , a banca começou a debates daqui e dali até uma hora sem querer encostei minha perna na perna dele, mas sem intensão, ai percebi e deixei para ver o que rolava, eu percebi uma certa colocada de mão debaixo da mesa e ajustada na calça, e um sorriso de canto de boca...bingo de pau duro, eu fiz um sinal para cima e ele confirmou com a cabeça. Na hora do almoço convidei ele para irmos a um lugar mais calmo e fomos pois só retornaríamos as 14 hrs, foi quando soube que ele saiu de casa, que iria separar-se, perguntei a razão ele disse que ciúme , eu ri só podia não é mesmo, quem não teria ciúmes de um homem como você, ele respondeu na cara dura "você não teve" , eu gelei ri e disse situações diferentes épocas diferentes, com versamos mais banalidades e voltamos a banca. Até que ao final da tarde a banca acabou , eu perguntei onde ele iria ficar, ele disse que só havia trazido aquela mochila com um terno extra e iria pegar um taxi até um hotel próximo, eu perguntei logo se ele queria ficar na minha casa, não haveria problemas, eu tenho quartos sobrando, ele riu e perguntou se não havia ninguém que pudesse não gostar dele estar na minha casa, eu ri e disse estou e sou solteiro você já esqueceu disto, ele respondeu nunca esqueci, e então? Ele respondeu vamos se esta tudo bem para você , eu disse claro só que ele deveria ajudar a lavar os pratos da pizza, rimos e fomos embora. No caminho banalidades e afins disse para ele relaxar tirar a gravata se soltar um pouco, eu não vou te agredir, ele rui e disse que estava um pouco tenso, então perguntei porque é um amigo indo dormir na casa do outro nada mais, ele de novo riu e disse se for algo mais também pode ser? Opa ai foi eu quem ri e disse vamos ver...parece que ele ai relaxou, chegamos em casa, mostrei o quarto dele ao lado do meu obvio, e fui para o meu quarto, como não tenho o costume de fechar a porta estou tomando uma ducha deliciosa (já havia feito a chuca) quando levei um susto com ele só de calça na porta do banheiro, e coçando a cabeça, eu ri e disse que foi, ele gaguejou e disse a, a , a , a toalha não trouxe , eu disse ok , entre e pegue uma no armário, ele entrou meio sem noção eu fiquei me esfregando com óleo de cravo de uma forma que ele notou e disse que cheiro bom é este , eu disse que óleo de cravo para relaxar, gostou? ele sim...quer vem, ele disse tomar banho com você, já tomamos banho antes não é mesmo? Ele riu e tirou a calça o fdp estava sem cueca, e eu vi aquele maravilhoso pau que tanto havia me feito feliz, deixei ele entrar, disse que já ia sair e sai e fiquei ali conversando com ele, até que ele terminou e com o pau a meia bomba, dei uma bermuda para ele e descemos, bebemos um vinho e comemos pizza, lavamos a louça juntos ele estava descontraído, até que eu peguei os pratos para guardar e encostei nele por traz, senti um suspiro bem fundo, então voltei ele e dei um beijo sem dizer nada, só beijei ele nada demais, fomos para sala e deitamos no sofá como ele fazia comigo quando eu era adolescente e ele já faculdade, conversamos muito de tudo e do tempo e de lembranças, até que ele do nada me dá um beijo, só que desta vez de desejo, de tesão, de vontade, de saudade e tudo mais, aos poucos já estávamos nús, eu já chupando aquela maravilhosa verga dura que me deixava com dor nos maxilares, até que ele me pega e me leva para o quarto como disse 1,90 de pura massa muscular, me deitou na cama e tomou conta de mim da mesma forma de quando éramos jovens ele me fez chupar o pau dele da mesma forma e me fez um maravilhoso cunete, foi lubrificando ao poucos e me preparando para sentir o grandão dentro de mim, só que eu pedi para ser de frango assado, pois queria ver o rosto dele, ele atendeu e foi passando o pau no meu rego e pincelando varias vezes enquanto trocávamos beijos, e como sempre ele me distrais com os carinhos e enterrava todo no meu cú e não foi diferente, ele meteu eu senti uma dor forte e ao mesmo tempo um tesão que subi no colo dele de frente com ele ajoelhado na cama e metemos com tanto tesão que nem demoramos muito para gozar eu me apertei com pernas nele e ele me puxou forte então eu senti o pau dele inchar e meu cu ficou cheinho de sua gala quente e viscosa, quando deitamos e pau dele foi amolecendo dentro de mim que vimos que não usamos camisinha, eu disse que confiava nele, ele disse que sabia que eu estava negativo. Nos beijamos mais um pouco conversamos eu deitado no peito dele até que desci e fui chupar o pau dele , da cabeça ao saco, no reguinho dele, então ele me puxava e me beijava e dizia que não, que eu tocava na bunda dele enquanto fudiamos e ou eu o chupava, eu nem me importei com o machismo dele e me deitei em cima dele ele levantou as pernas bem lentamente e foi entrando todinho dentro de mim, e foi mais uma vez um vai e vem forte ele me dava várias estocadas até que pedi para ver o pau dele jorrar porra ele riu me chamou de safado e quando ia gozar me puxou para baixo e gozou na minha cara...nossa como ele tinha porra guardada, bem satisfeito e com meu cú ardido fomos tomar banho onde mais uma vez ele me virou de costas para parede e me fez subir e me comeu ali bem forte e bem pegado e gozamos juntos de novo, ai cansamos e fomos dormir pelados e ofegantes, eu deitei no ombro dele e adormeci ele ficou mexendo no meu cabelo e dormiu...na manhã levei um puta susto quando acordei e vi ele ali dormindo parecia meu André da faculdade, calmo, sereno e de barriga para baixo como ele sempre fazia, não mudou em nada, então eu acordei ele com beijos no pescoço e passando a língua na cabeça dele que estremeceu todo, e me puxou rápido deu um beijo e me fez dar uma chupada no pau dele, e já foi metendo, ele dizia que adorava a foda do tesão do mijo era a melhor de todas, e era mesmo um papai mamãe bem rápido e com uma gozada bem intensa...nossa o cara não havia mudado nada seu modo de fuder e já fomos para o banho juntos , estes três dias foram como na época em que ele esteva na faculdade e eu era o namoradinho do veterano gostosão.

domingo, 1 de janeiro de 2017

Tio PM dotado me inicio II

Esse é MEU segundo conto aqui e espero que gostem. Me chamo Wesley tenho hoje 23 anos,1m80cm e 67kg e todo lisinho. Tenho um bumbum bem gostoso um pouco avantajado durinho e carnudo que deixa os macho louco de tesão. MEU tio se chama wellington, hj ele com seus 50 anos, dono de um corpo bem definido um puro tesão. Tem quase 2m e 105kg dono de um membro maravilhoso de 22cmt grosso e cabeçudo e todo lisinho. Titio é casado com a irmã de minha mãe e tem 2 filhos. Titio disse que se eu guardasse segredo ele deixaria eu mama quando quisesse. E que poderia ter muito mais com ele. As horas de passou e eu tinha que ir pra casa é meu tio pegar meus primos no curso. Era quase 11h meu tio foi me levar pra casa e no meio do caminha fomos conversando. E titio falando o quanto tinha gostado e que queria prova meu rabinho. Apertando sua mala que já estáva bem dura. E me perguntou Tio - quando você vai vir dormir em casa de novo em. Vc tem que me avisar assim tento chegar mais cedo pra termos um pouco mais de tempo Wesley - agora tio só terça que posso vir mas a tia vai estar em casa não vai. Tio - não pelo contrário essa semana ela trocou a folga dela e vou ficar sozinho em casa o dia todo. Seu primos tb sai cedo e vc pode chegar em casa. Wesley - tudo bem combinado. Assim cheguei em casa e ao me despedir dele dei um abraço bem forte Era sábado e não via á hora de chegar terça feira. Quanto mais eu queria que passe logo mais demorava. O domingo foi uma eternidade a segunda parecia um ano. E quando foi chegando perto das 19h o coração disparou á hora estava mais próxima,um aperto no coração comecei a soar frio com medo e pensando se iria dar conta te tudo e se tudo que faria meu tio tb iria gostar, afinal seria a minha primeira vez. Enfim o dia amanheceu era 6h30 e já estáva acordado mau dormi, 7h sai de casa rumo ao abate. Me sentia uma fêmea indo de encontro com seu macho. Ao longo do caminha por vários momento pensei em volta á trás e não ir. Mas meu tesão tomou conta e falou mais alto indo mal percebi estáva eu tocando o interfone. Tio - pois não Wesley- sosou eu tio ( gaguejando ) Tio - entra aí filho já estou sozinho a casa e toda nossa. Portão abril e fui entrando as pernas tremendo ao entra na casa meu tio ja me esperava , e quando chego titio já todo peladao com a rola já dura que não é pequena 22cmt e com o sinto da farda com um cassetete pendurado e as algemas. Ele diz Titio - hj vc será minha putinha, minha fêmea. Anda não fique parado olhando ajoelha e mama seu macho. Sem muita delongas me ajoelhei e comecei a mama. Eu mamando e titio socando e bombando em minha boca dessa vez com mais força me fazendo engasga e quanto ele forçava me fazia a babar. Titio gemendo de tesão urando disse pra parar e me levanta e tirar minhas roupas me colocou de 4 e começou a língua o meu rabinho. Foi maravilhoso um tesão tão grande que sem me tocar acabei gozando. Tio - a putinha do tio já gozou. E ainda vai ter que me satisfazer. E voltou a me língua. Até que pedi para titio. Wesley - anda tio vai me come. Me faz sua fêmea. Titio se levantou puchou minhas mao pra trás e me algemo. Deu uma cuspida e sem cerimônia começou aforca pra me penetra. Assim que a cabeça entro um grito eu dei. Titio tampo minha boca e falou Titio - cala a boca putinha quer que os vizinho escuta. Assim sua tia pode ficar sabendo de tudo. Com sua mão tampado minha boca empurrou com tudo, pude sentir seu corpo colado ao meu e uma dor fdp quis parar na hora, meus olhos começou a lacrimejar. Titio ficou parado uns 10 min e sempre perguntado se tinha passado a dor. Assim que passou o tesão começou a chegar e titio começou um vai e vem.. com as mão em minha cintura me chamando de viadinho e falando que ele estava amando ser meu macho me comendo gostoso. Pedi pra titio me fuder gostoso e com mais força e me tratar que nem sua puta, pois estáva ali pra te servir e pra ele fazer oque ele quiser comigo. Tio - é isso que vc quer Wesley. Olha agora vai ter que aguenta caladinho. Me puchando pelos cabelos, Dando tapas na minha bunda me xingando, e socando com força. Titio socava com gosto, parecia anos que estava sem sexo. Socava forte que nem macho. E gemendo de tesão. Titio virou meu rosto pra ele é quando menos espero titio me lasca um beijo gostoso e molhado. Senti seu pau latejando. Ele começou a me aperta e titio deu gemido Alto Tio - huum . Huum E senti seus jato de leite me invadindo, um tesão que tb sem tocar acabei gozando. Titio ainda bombando com seu pau meia bomba tirou as algemas de mim. Ele tirou seu pau e colocou pra mim mama. E Disse Tio - agora sua putinha safada, vadia deixa o pau do seu macho limpinho. Assim eu fiz como titio ordenou.. deixei limpinho e ele gostou. Fomos pro banho e titio dando tapinha na minha bandinha me chamando de seu viadinho. Titio fez questão de lavar meu corpo por inteiro. Titio é um macho pra fuder mas sabe ser carinhoso. Hehe. Fiquei uns 2 dias com o rabinho aberto e dolorido. E amando a foda de titio. Já não via á hora de volta pra dormir lá. Mas aí te conto um outro dia. Pois de terça pra sábado faltava poucos dias e teria titio novamente só pra mim..

Dormi com meu tio

Dormi esses dias na casa de um tio meu, sempre tive tesão nele. Ele é baixinho, gordinho, peludo, tem 27 anos. Ja vi ele pelado algumas vezes enquanto ele tomava banho, se trocava, e até mesmo em casa andando pelado quando eu chegava por la. Sempre sonhei em pegar no pau dele, em chupar ele e tal. Quando vou na casa dele, ja descobri uma gaveta onde tem uns objetos, do tipo "anel peniano". Coloco aquilo em mim e me sinto extasiado, as cuecas dele tem um cheiro de macho gostoso. Uma vez ja até encontrei uma cueca toda gozada, que cheirei e lambi todinha. Mas enfim, vou contar do dia que dormi com ele na casa dele. Estávamos numa festinha la na casa dele, e todos iam dormir la, por volta de 13 pessoas. Eatava meio bêbado e já deitei no sofá, e ele me mandou ir pra cama, me ajudando a ir ate a cama, a cama DELE. O efeito da bebida passou na hora que ele me deixou naquele quarto. Um tempo depois ouvi ele dizendo que ia tomar um banho e deitar, mas que podiam continuar e aproveitar a casa. Logo ele entra no quarto, fica peladinho em pé por um tempo e vai pro banho (eu estava fingindo dormir). Saiu do banho, se secou no quarto, colocou apenas uma cueca e deitou. Eu como sempre quis pegar ele estava de pau duro ja e com água na boca. Esperei um tempinho e me movi mais pra perto dele, deixando ele me encoxar, ele que nada fez. Me mexi mais e senti o pau dele crescendo. Me abraçou e começou a fazer carinho, adorei ter as mãos dele me tocando. Me esfregava mais e ele disse no meu ouvido: - vai seu safado, pode pegar Peguei no pau dele por cima da cueca, e fui descendo com a cabeça pra perto daquela rola, e enquanto isso dava umas cheiradas pra sentir aquele cheiro maravilhoso de macho. Comecei a chupar aquele pau por cima da cueca que queria rasgar ja. Ele tirou o pau pra fora e me deparei com aquela delicia, aprox. 17cm, cabecinha rosa, pouco torto pra cima e veiudo. Chupei com vontade, tinha um gosto maravilhoso. Falava pra mim: - ja sabia que vc queria, agr chupa seu macho safado Ele gemia baixinho, e se retorcia de tesao na cama. Até que senti a porra quentinha vindo na minha boca, era maravilhosa, engoli cada gota. Limpei o pau dele com minha língua e fiquei um pouco ali olhando aquele pau amolecer. Deitei novamente ao lado dele e dei um beijo. Ele retribuiu com um tapa na minha bunda, dormimos agarradinhos... por umas 2 horas, quando senti o dedo dele no meu cu. Me virei, olhei pra ele com aquela cara de safado que ele estava e dei um selinho. O pau dele ja estava duro dnv, e senti que ele queria comer meu cu naquela hora. Fui ao banheiro me preparar, voltei e ele estava pelado esperando com um pacote de camisinha. Cheguei beijando ele, e rebolando na rola dele. Enrolei pra ele enfiar, queria deixar ele com vontade, e consegui. Quando meteu, meteu com vontade, senti cada centímetro daquela rola gostosa. Ele dava uma estocada e gemia no meu ouvido e eu no dele. Estava morrendo de tesao já. Meu tio que sempre quis estava comendo meu cu. Nos beijavamos enquanto ele me fodia. Tirou o pau, tirou a camisinha e eu ia chupar ja, afinal queria mais daquela porra, ele enfiou dnv, sem nada, passaram uns 2 minutos metendo pele na pele e senti a porra dele escorrendo bem quentinha no meu cu. Ele meteu a língua la e bebeu todinha a porra dele direto do meu cu. Logo gozei tbm com ele chupando meu cu. Deitamos agarradinhos e agr sim, finalmente dormimos. E fizemos isso várias vezes, outro dia conto mais.

Pagando boquete pro Amigo

Eu tinha prometido não contar para ninguém o que rolava entre mim e Gabriel, mas meus desejos por Jean só aumentavam. Vê-lo ali, atuando e/ou cantando, no palco da igreja com aquele lindo corpo de 1,74m, músculos definidos, um estilo próprio de roqueiro gospel, com tão somente 24 anos e aquela pele morena que me lembrava canela (bom, eu gosto de canela sim... e gosto não se discute rsrsrs) era tudo o que eu queria pelo menos por uma noite. Pelo menos duas vezes no mês eu, Jean e alguns amigos íamos assistir filmes na casa de minha avó, juntamente de meus primos. Esse ritual se repetiu por todo o ano de 2011. E, nesse período todos nós fomos ficamos mais unidos. Era comum irmos na casa um dos outros para comentar filmes, jogar games e bater papo etc. no entanto, eu fazia questão de passar mais tempo com Jean pra ver se ele prestasse atenção em mim como alguém que poderia ser mais do que amigo... Dezembro termina e, na igreja, damos adeus ao ano velho com muita felicidade. Esperava pra 2012 um ano cheio de surpresas e quem sabe poder ficar com Jean. Só que não esperava que esse sonho iria se realizar logo no segundo dia do ano. No dia seguinte, fomos assistir filmes na casa de vovó e quando chego lá Jean ainda não tinha marcado presença - na verdade eram poucos os que tinham ido. Então fui a casa dele, o chamei pela janela, onde o mesmo me aparece só de cueca preta dizendo que estava se arrumando. De imediato penso em entrar e lançar um beijo de cinema naquele cara, mas sou contido pelos bons costumes (droga). Não demora muito e, já na casa de vovó, o filme começa a rolar. Quando termina fomos dormir e, como tinha poucas pessoas, resolvi dormir no quarto do meu primo que tinha saído e não tinha hora pra voltar. Jean armou uma rede no mesmo quarto que eu disse que essa noite seria somente nós dois naquele quarto. Enfim, pensei muitas sacanagens (o que já de se esperar hehehe). Quase tive minhas segundas intenções frustradas. Quando foi no meio da noite levantei, esbarrei propositalmente na rede dele pra acorda-lo e fui a cozinha beber água. Voltei e esbarrei novamente, estava escuro então poderia usar a desculpa de que não tinha visto ele na rede. Dito e feito! Ele reclama dos esbarrões, no que respondo que foi sem querer. Dou uma desculpa esfarrapada e digo que estou sem sono... Tipo, querendo puxar assunto. - Por que você tá sem sono? Jean pergunta. - Ah cara, não sei... Desde que anda acontecendo umas paradas entre eu e Gabriel, eu não consigo dormir quando estou perto de outro homem. Respondi me xingando em meus pensamentos porque não era pra contar pra ninguém esse segredo. Porém foi a única forma que encontrei no momento de puxar o assunto sexo com Jean. - E o que aconteceu entre vocês? Ele rebate a resposta com a voz meio tremula com um tom de curiosidade. - Mano, tudo começou quando... Resolvi tomar coragem e contar tudo. Já ciente da história, um clima silencioso paira no ar até que ele puxa assunto novamente. - Então quer dizer que você não consegue dormir com outro cara por perto?!... E o que eu posso fazer por você? - Cara, eu só vou conseguir dormir depois que te der uma bela mamada... Respondo com um pouco de receio. - Não vou te mentir... Essa história de vocês dois me deixou meio excitado e se você topar eu deixo... Jean falou isto já abrindo o calção, pois deu pra perceber ao ouvir o barulho do zíper. Como eu estava sentado na cama e ele ainda deitado na rede, então, levanto e vou até a rede e deito do lado dele. Digo que tudo bem e tento beija-lo. Mas ele vira o rosto e diz que quer somente o oral - típico de macho curioso. Primeiro vou abaixando minha mão até sentir a pica dele dura feito aço e começo a acariciar. Vou sentindo toda a extensão do que terei que mamar e percebo que é bem grossa e bem grande também. Penso comigo que finalmente achei um negão pra me dar o que quero... Um negão pauzudo. Fui abaixando minha cabeça, encostei minha língua na enorme cabeça da rola dele e comecei a chupar. Caprichei na chupada, pois talvez, com isso, ele pudesse querer algo mais. Não demora muito e sinto a respiração dele ofegante e aquelas mãos dele que outrora tocava guitarra na igreja, agora, acariciava minha cabeça com leves puxões de cabelo. Queria muito ver por completo como nós dois estávamos, mas era muito difícil. Estava escuro e nisso só conseguia ver algumas partes do corpo dele. Nem o pau conseguir ver direito, mas senti em minha boca como ninguém. Tive a brilhante e péssima ideia de fazer garganta profunda. Seria a minha primeira vez fazendo isso e queria que fosse com ele, naquela pica deliciosa que ele tinha. No começo pensei que estava indo muito mal na garganta profunda e pensei isto até ouvir os urros dele. Eu parei e disse pra ele gemer mais baixo. Jean não quis nem saber! Me pegou pela nuca com força e meteu o pau todo dele de uma vez na minha boca. Foi a melhor sensação de todas! (eu sei que sou safado hahaha). Ver e sentir aquele macho alí querendo mais do que eu podia oferecer me excitou mais ainda. Então, continuei com a garganta profunda por um bom tempo e da melhor forma que poderia fazer para a minha primeira vez. Pensei comigo que fazer isso era, realmente, brilhante e que deveria testar com Gabriel. Mas aí a parte péssima veio logo em seguida, quando Jean anuncia baixinho que iria gozar. Não deu tempo nem de perceber direito o que ele tava falando. Ele foi logo jorrando gala em minha garganta me obrigando a beber tudo e depois ainda limpar o pau dele. Fiz o serviço completo. Pelo eu pude perceber ele amou o oral, mas eu não estava satisfeito. Queria que ele me comesse e, por isso, tentei reanimar o pau dele. Jean disse que não iria rolar mais nada e que estava querendo dormir. Fazer o que neh?! Deixei ele em paz e fui bater minha punheta com um fio terra, na cama - pelo menos isto -_- . Já de manhã ele me acorda e pede pra prometer que não iria contar pra ninguém, nem pra Gabriel. E lá fui eu prometer mais uma vez para outro cara que não contaria nada pra ninguém. Mas dessa vez prometemos também que não faríamos mais isto novamente. Pensei comigo se essa vida cheia de segredos era que eu iria querer pra mim e cheguei a conclusão que sim kkkkkkkkkkkk. Abaixo umas fotos de umas pica que achei parecidas com a de Jean. Até mais e Feliz 2017 para todos que lerem esse conto. Espero que esse ano seja só mais um de muitos outros que virão cheios de sexo, grana e putaria hehehe. ;) Ps. Agradeço a todos que comentaram e/ou curtiram meus contos anteriores. Se pudesse faria sexo com vcs. Bjão!

Aprendendo o sabor do gozo do meu irmão

QUALQUER SEMELHANÇA com o mundo real ou pessoas é mera coincidência. Meu irmão sempre manteve um jeito de homem sério, respeitável, popular entre as garotas mais velhas, mas sempre percebi o jeito estranho na forma como me olhava, me sentia no escuro sendo fitado por um monstro... temia ficar sozinho com ele. Nossos pais iriam para um retiro no meio do nada com amigos e provavelmente demorariam para voltar, me levantei da cama assim que ouvir o carro sendo ligado, estava zangado, pela janela vi eles partindo e acenando na minha direção... me virei, encarei a porta entreaberta, respirei fundo, enquanto dava rápidos passos em direção a ela pude ouvir ao mesmo tempo alguém subindo as escadas... Meu coração acelerou enquanto a trancava, fitei calado uma sombra que passou por debaixo da porta, sentir seu perfume atravessar a madeira...Depois de girar a maçaneta: - Ei, quer lanchar? Vou preparar pipoca, então poderemos assistir um filme no meu quarto. – sua voz era fria e grossa. - Obrigado! Mas... não quero, estou bem aqui... - Vou preparar a pipoca. – Sua sombra desapareceu, mesmo assim não a abri, apenas me distanciei e voltei para a cama. Ele voltou depois de dez minutos, não sabia o que poderia dizer para convence-lo de que estava sem fome. A maçaneta da porta começou a girar. Meu coração disparou quando ela começou a se abrir. Não estava trancada? - Vem, já está tudo preparado. – Ele era mais alto, musculoso, estava sem camisa, usava apenas um cinto e uma calça jeans azul marinho. - Como?! - Tenho uma cópia! Não esqueça que esse quarto já foi meu. – colocou seu braço envolta do meu pescoço. Seu toque era tão sedutor a meu coração virgem. - Não sabia que tinha feito uma tatuagem! – perguntei curioso, também tinha um sonho em fazer tatuagem. - Sim, fiz duas, uma aqui no meu abdome (aponto com o dedo) e outra...bom para lhe mostrar teria que ficar sem a calça! – Disse sorrindo maliciosamente. – Quer tocar na do meu abdome? – ele levou minha mão ate a tatuagem, antes de chegar nela, fez questão de fazer minha mão percorre por todo seu abdome. - Vamos, Lucas a pipoca esta esfriando! – segui ele ate seu quarto. - Não precisa trancar! – a cama estava arrumada, as almofadas combinavam com o lençol verde, sobre a cama uma bandeja com dois copos de Coca-Cola e um pote grande com pipoca quase transbordando. - Pensei que gostasse de portas trancadas! – Guardou as chaves em seu bolso. Ele se sentou primeiro, depois com a palma da mão bateu sutilmente no lugar indicando onde deveria me sentar. - Gustavo, qual o filme? – perguntei. - Não precisa se sentar tão distante! Somos irmãos! Gustavo me abraçou enquanto eu pegava um punhado de pipoca e perguntou bem próximo de meu ouvido: - Ainda é virgem? - O que isso importa! Seu desgra..ça.... – Sua boca estava tão próxima.... seus olhos miravam meus lábios, tentei desviar, ele me empurrou fazendo com que eu deitasse, sua força não me machucou, mas a pipoca virou sobre meu corpo se espalhando pela cama. Os copos não caíram. Nossos lábios se conheceram pela primeira vez, sua língua sutilmente invadiu minha boca, encontrou minha língua tímida e a estrangulou, ela começou a se movimentar por instinto. Ele repetiu seus movimentos... estava tão assustado relembrando todas as vezes que ele me bateu, chutou, mordeu... que não tive coragem para morde-lo mas mesmo assim não estava gostando daquilo com ele. - Para por favor! – sorriu, se separou dos meus lábios, pegou minha mão e levou na direção de seu pau, estava duro, ele disse que era por minha causa. Com o que me restava de força afastei minha mão, zangado ele começou a sarrar seu duro membro contra minha perna. - Por favor, coopera, não sabe o quanto me contive para não invadir teu quarto há noite todos esses anos. Meu coração, seu cheiro, seu calor, seu pau contra minha perna, estava começando a gostar daquela sensação. - Meu corpo... esta estranho – admiti envergonhado. Ele invadiu novamente minha boca, nos beijamos por minutos até que comecei a acompanhar o seu ritmo. - Eu sei... seu corpo também quer! Seu pau já está duraço. Bem lá no fundo eu deveria ter invadido seu quarto todas essas noites não é? - Não é isso... por favor, não para! – (eu não estava usando cueca) puxou minha calça que saiu com facilidade, segurou meu membro com sua mão grande. Fechei minha perna quando ele tentou lamber a cabeça do meu pau. Gustavo mordeu minha perna, lambeu o locar que feriu e voltou para meu pau. - Preste atenção, não vou morde seu pau, quero que sinta como é bom e aprenda... – sua boca quente e úmida engoliu meu pau, era como se meu pênis estivesse visitando o céu... Essa sensação se intensificou quando ele passou a chupar, cuspir em meu membro rígido e voltar a chupar como se fosse um sorvete sabor “Lucas”. - Hammmm..... hammmm.... - Está crescendo mais do que eu esperava, Lucas tem um pau lindo e gostoso! – Como se soubesse que não aguentaria muito mais ele parou, olhou no fundo dos meus olhos sabendo que obedeceria a qualquer pedido em troca de mais prazer. - Sinta o gosto de seu pau. – beijou, minha boca dividindo sua saliva, sugando minha língua. – ele tirou a calça, tinha um desenho de escorpião no pubs, não haviam pelos, me assustei com o tamanho de seu membro, da ponta da glade saia um liquido quente que lubrificou o céu da minha boca. seu pau pulsou três vezes antes de esporrar em minha garganta, me engasguei, mas depois de engolir queria mais. - Todos os homens tem pau! Todo pau tem gozo... – Ele percebeu que eu estava viciado. - Calma, eu tenho mais aqui! – segurou o pau bem na frente de meu rosto. – Pode pegar mais sempre que precisar! >>> Se gostou comenta <<<

domingo, 25 de dezembro de 2016

Aliviado pelo urologista

Olá pessoal! Vou contar para vocês uma história que me aconteceu na sexta-feira dia 02 de novembro de 2016. Vou me descrever para vocês tenho 26 anos, pardo, alguns pelos no corpo, 85kg, 1.85 cm de altura, cabelo raspado, não sou exatamente musculoso de academia, mas sou basicamente o “parrudão”. Estava com um problema nos testículos, as vezes sentia uma dorzinha que incomodava, então resolvi marcar um urologista, essa foi a primeira vez que visitei um urologista, sai mais cedo do trabalho e fui para lá, cheguei lá por volta das 17h20min a consulta estava agendada para as 17h30min, a moça que me atendeu disse para eu aguardar que logo seria atendido, alguns minutos depois saiu do consultório um homem alto grisalho, aparentado ter uns 40 anos, eu diria que até bonito, daquele tipo que as mulheres olham e suspiram... Ele me disse boa tarde com um sorriso no rosto e foi falar com a secretaria, após alguns minutos a secretaria se despediu de min e saiu, até ai não achei nada estranho pois já eram quase 18h, imaginei que provavelmente como eu era o último paciente ela já está liberada para ir embora. O doutor me convidou para entrar em sua sala, entrei meio receoso, era a minha primeira vez em um urologista, mas o médico sempre muito simpático e com um sorriso no rosto percebeu meu nervosismo e disse para eu me tranquilizar que tudo seria muito tranquilo, ele começou a fazer umas perguntas de praxe e logo pediu para eu ficar em pé e retirar as calças para ele poder fazer o exame, o doutor sentou à minha frente e eu fiquei em pé e abaixei minhas calças, confesso que a situação dele sentado de frente pra min, com a cabeça na altura do meu umbigo me deixou com o pau meia bomba na cueca, nisso o doutor pediu para eu retirar a cueca, quando tiro ela meu pau saltou para fora balançando meia bomba, fiquei envergonhando na hora, mas ele agiu como se fosse a coisa mais natural do mundo, colocou as luvas e pediu licença para examinar minha rola, segurou ela suavemente com uma mão e a levantou, com a outra mão ele começou a apalpar meu saco, suavemente... Eu sentindo seus toques não me contive, meu pau em poucos segundos ficou duro igual uma pedra, meu pau tem 18cm grosso, meio curvado para cima, cabeçudo e meio preto. Fiquei envergonhado de ficar com o pau duro na mão dele, ele percebendo meu constrangimento disse para eu ficar tranquilo que aquilo era super normal de acontecer. -Eu: doutor me desculpa ficar com tesão em uma hora como essas, faz mais de um mês que eu não relações, terminei com minha namorada e devido ao trabalho e faculdade, já faz um tempinho que eu não gozo, então qualquer ventinho que bate já fico de pau duro. -Doutor: fica tranquilo, é normal ter uma ereção em uma situação como essa, eu examinei o seu órgão e aparentemente ele está bem saudável, essas dores podem ser devido ao tempo de excitação que você tem e ao tempo que você não goza, isso tudo contribui para dores nos testículos, eu recomendo que você vá pra casa e de uma bela de uma gozada. Quando ele disse isso rimos da situação e meu pau não parava de pulsar entre a sula mão, estava tão gostoso sentir uma mão no meu saco a outra envolvendo meu pau, que logo ele começou a babar na mão do médico, percebendo aquilo ele apontou para a cabeça do meu pau e disse: -Doutor: olha o liquido saindo, isso é um bom sinal significa que seu pau está quase no ponto para liberar o leitinho. Quando ele disse leitinho foi quase como se eu tivesse levado um choque. -Doutor: deixa eu limpar para você. Ele soltou meu pau, no momento que ele fez isso meu pau ficou pulando para cima e para abaixo, parecia um pau de jegue quando vê uma burra no cio rsrs, nem eu acreditava no tesão que eu estava sentindo em ser tocado por um homem, e ainda por cima todo aquele clima de erotismo, nisso ele virou para o lado tirou as luvas e pegou uma folha de papel toalha, meu tesão era tanto que eu já nem ligava mais, cheguei meu pau bem próximo do rosto dele, quando ele se virou quase bateu a cara na minha rola, ele riu e disse que um pau duro assim era sinal de virilidade, foi pegando no meu pau e fui sentindo a quentura da sua mão envolvendo ele, logo ele foi puxando a pele para traz expondo a “cabecinha” e apertou meu pau com a mão, como se tivesse espremendo para sair o melzinho antes do gozo... nessa hora eu já estava com as pernas abertas e as respiração ofegante, já nem escondia mais que eu estava gostando daquele pegação no meu pau. Aos poucos ele começou um movimento lento de vai e vem na minha rola para ir tirando o melzinho, a cada vai e vem que ele fazia escorria um fio transparente de liquido do meu pau, e ele ficava com a cara bem próxima como se estivesse aproveitando o cheiro que exalava da minha rola, o doutor já massageava minhas bolas e punhetava de leve meu pau como se fosse a coisa mais normal do mundo, ele percebendo que eu estava gostando disse: -Doutor: olha, normalmente eu não faço esse tipo de coisa. -Eu: me fiz de bobo e perguntei para ele, que tipo de coisa doutor? -Doutor: estou vendo que você está com o saco bem cheio, acho melhor fazer a extração de esperma aqui mesmo, senão você vai continuar com as dores.... -Eu: Por min tudo bem, se o doutor acha melhor, estou de total acordo. Ele abriu o sorriso sacana e disse: -Doutor: aproveita, pois não é todo paciente que tem esse tratamento comigo... Pensei comigo, eu sei, foi por isso que você mandou sua secretaria ir embora mais cedo né seu safado!??! Nisso ele começou a socar uma punheta gostosa, massageava minhas bolas, segurava forte o meu pau e socava, parecia que ele era um profissional da punheta, não é à toa que dizem que sexo com homem é mais gostoso, porque um homem sabe o que fazer com outro homem.... Ele já totalmente desinibido socava meu pau como se tivesse ordenhando uma teta de vaca, parecia que ele esperava o meu gozo como um troféu para ele, e não deu outra, veio um espasmo tão grande que estremeceu minhas pernas, tive que segurar em seus ombros para não cair, involuntariamente meu corpo fazia movimento pra frente e para traz como se eu tivesse comendo as mãos dele, meu pau começou a esporrar no seu jaleco, saíram dois esguichos grossos de porra em sua roupa, logo em seguida escorreu mais um pouco de porra bem grossa do meu pau, fazia tempo que eu não tinha um orgasmo daquele... parecia que ele tinha ordenhando um touro.... Nunca fiquei tão cansado depois de uma punheta… porem muito satisfeito e sem dores no saco

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

o novinho bebado

Hoje vou contar um conto q acho incrível , foi uma fase que me deixou muito feliz. Logo que me separei do meu Ex Vladimir , comecei a sair novamente , buscar novas experiências , teve um noite que fui a boate Papa G localizado no bairro de Madureira aqui no Rio , curtir um cantor que amo , e umas 4hrs meti o pé , peguei um táxi e vim embora , notei que ainda tinha um forró rolando num bar perto da minha casa passei por lá e dei uma olhada e vim embora , quando entrei numa rua que dá acesso a minha casa , vinha um menino muito gatinho , Branquinho dos olhos verdes e cabelo em cima grande liso loiro , fiquei encarando ele , ele tava bem bebado , resolvi cantar ele , me aproximei e disse quer ir na minha casa , ele olhou pra minha cara e deu um não ! Eu disse 5 min só pra tomar um banho e aliviar essa bebedeira , ele disse tá pq to muito ruim . Se apoiou em mim e fui levando minha casa já tava perto. Subimos , botei ele na cama e tirei a roupa dele deixei ele de cueca box Vermelha , lógico desfarcei e dei uma esbarrada na pica dele , ele percebeu e disse qual foi tá pegando aí na minha piroca? Eu disse esbarrei não meti a boca ! Ele fez cara feia , eu tirei a cueca e cai de boca ele tentou tirar mais o pau foi crescendo , e ele já tava relaxado ,a pica dele não era grossa mais era grande , deliciosa , mamei muito e ele gozou na minha boca , e apagou , eu tirei a roupa , tomei um banho e bulinei ele dormindo, chupei o Cu dele dormindo , passei a minha pica na boca dele , bati punheta na portinha do Cu dele e gozei na portinha , limpei com a boca , e cuspi e deitei do lado dele , ele me abraçou dormindo no dia seguinte ele levou um susto e disse oh cara abre a porta pra mim , com cara de desconfiado , eu disse vc lembra como veio parar aqui ? Ele disse não , tu é viado? Eu disse não ! Ele ufa . Não lembro de nada. Onde é que estou ? Eu disse perto do forró , ele disse q bom , abri a porta e ele saiu , depois daquele dia , ele bêbado só vinha dormir na minha casa . E bom ficava puto kkkk não lembrava , realmente parecia outra pessoa , já teve dias de ele dormir na escada me esperando chegar kkk , até um dia que ele bom disse que só podia tá dopando ele pra ele parar na minha casa , brigamos feio. Nunca mais deixei ele entrar

Primo tarado

Tenho 18 anos, me chamo Lucas, gosto de academia e por essse motivo sou malhado, sou branco, lisinho e tenho um pau de 18 cm. Eu estava voltando da academia, ao chegar em casa encontro minha mãe e minha tia na sala, conversando. Vou para o meu quarto, encontro meu primo de 20 anos, o Jorge, mexendo no computador, cumprimento ele e vou para o banheiro tomar banho. Já em baixo do chuveiro meu primo entra e vai mijar, o box tem uma porta de vidro, onde todos podem ver, enquanto ele mijava soltou um comentario “ Assim até eu vou para academia primo “, e saiu do banheiro, voltou para o computador. Logo sai do banho e fui cumprimentar as mulheres na sala, assim que chego falam que vão sair. Eu voltei para o meu quarto pegar meu celular, ao chegar la encontro meu primo mexendo na minha roupa suja, ele ao ver que eu estava no quarto falou “ Disse que assim até eu ia, mas era só para te ver“ , fiquei sem reação na hora, ja estava a mais de uma semana sem gozar, ele continuou “ Mas não quero só ver, quero tocar“ e foi se aproximando de mim, em questão de minutos ele estava na minha frente olhando para o meu pau. Não demorou, Jorge começou a passar a mão no meu pau, colocou a mão por dentro da cueca e foi me punhetando, logo se ajoelhou, abaixou tudo e colocou a cabeça do meu pau na sua boca, não estava mais aguentando de tesão então empurrei a cabela dele em direção do meu pau. A boca dele era de magica. Colocava o pau todo na boca, chupava as bolas, usava a lingua de ponta a ponta. Colocou a cabeça na sua boca, enquanto batia para mim. Não demorou muito jorrei muita porra dentro da sua boca, o putinho olhou para mim e engoliu a porra toda. Enquanto me recuperava, ele levantou e falou que da proxa vez quer meu pau em outro buraco dele. Mas está é outra história

Mamei meu vizinho

o Olá. Me chamo André. Tenho 37 anos. Solteiro, apesar de ter 2 filhos. Sou bissexual (passivo submisso), não assumido. Sempre que posso, tento dar umas escapadas no sigilo para realizar meus desejos temporários. (A vontade vem, mas o arrependimento também) Hoje eu entrei no bate papo, afim de tentar conhecer algum cara interessante que curta um lance. Busca aqui, busca ali, me deparo com um usuário. Iniciei a conversa com ele. Papo bacana. Ele tinha os mesmos interesses e inseguranças que eu tenho. Eu moro em um condomínio na zona norte do rj, e após alguns minutos de conversa com ele, descobri que ele também mora no mesmo condomínio que eu. Meu coração disparou ao saber dessa informação. Seria um amigo fixo, do lado da minha casa? Pois bem. Meu condomínio tem apenas dois. Blocos. Eu moro no bloco1. Advinha qual o bloco que ele mora? 1 também. Pirei!!!!! Pedi o contato dele, mas ele relutou em não me passar, justamente por correr o risco da gente se conhecer. O que seria bem provável. Combinamos então que iríamos nos encontrar na escadaria do bloco, com a promessa de que iriamos apenas nos cumprimentar, e retiraríamos a conversa no bate papo. Pois bem. Fomos até o andar combinado. Chegando lá, para meu espanto, eu não conhecia ele. Talvez de vista. Mas nada estarrecedor. Tivemos uma conversa muito rápida.apertamos as mãos, e ele perguntou se eu gostei dele. Eu disse que sim, e queria mamar ele ali mesmo, na escada. Ele se espantou e ficou meio receoso. Mas após alguns minutos, já foi afrouxando a bermuda. Eu sentei na escada e ele botou a pic pra fora. Uma piroca linda. Morena. Devia ter uns 14/15cm. Mas bem grossinha. Eu caí de boca na piroca dele. Ele gemendo bem baixinho, alisando minha cabeça, aumentou o tesão dele e sentia a oica pular dentro da binha boca. Fiquei brincando um pouco. Foi bem rápido. Uns 3 minutos. E ele gozou na minha boca. Senti aquele leite quente na minha boca. Não engoli na hora. Esperei ele jorrar tudo pra depois eu sentir o leite descendo pela minha garganta. Nos recompomos e fomos embora. Voltei pra casa e voltamos a conversa pelo chat. Ele disse que adorou. Eu disse que adorei mais ainda. Eu disse que sempre sonhava em ter um vizinho assim. Discreto e safado. Ele pirou com a ideia de ter um vizinho mamador que pudesse aliviar ele quando ele quizesse. Após mais alguns minutos de conversa, ele me convidou para a escadaria novamente. Fui rapidamente, como toda puta safada deve ser. Cheguei lá, ele já estava com a pica de fora. Linda e dura. Começei a mamar de novo. Brincando com mais calma desta vez. Mas tivemos que interromper, pois ele estava muito longe de gozar, e já era muito tarde. Conclusão: ganhei um vizinho ativo.

Meu cunhado Hetero

Olá o que vou contar aqui aconteceu hoje na madrugada, espero que gostem. Sou casado e a algum tempo meu cunhado Gabriel mora conosco por conta de um problema que teve ao chegar em SP, Gabriel tem 1,79 de altura corpo comum nada atlético nem sobrepeso, tem uma barba linda muito bem feita com muitas tatuagens pelo corpo, como de costume algumas vezes chega do trabalho bêbado após passar em bares com os amigos após expediente, essa madrugada ele chegou e eu estava na sala vendo filme deitado no sofá, ele meio leso deitou ao meu lado no sofá e começamos a conversar enquanto ele me infernizava mexendo no meu cabelo e rindo de mim numa brincadeira, entre essas brincadeiras ele pegou e segurou meu dedo, achei estranho mas deixei, e ele ficou assim falando e segurando meu dedo enquanto falava sobre várias coisas, ainda segurando ele desceu a mão dele até seu pau que estava meia bomba e coçou fazendo com que minha mão roçasse juntamente e sentisse seu cacete, fiquei excitado e brinquei: se for pra eu coçar avisa que eu coço pra você, então ele me pediu que coçasse pra ele, num gesto ousado eu fui coçar mas enfiei logo a mão no shorts dele cocei e segurei o pau dele que começou a ficar duro, ele me perguntou: você curte? Respondi que não, ele levantou sme jeito e foi para o seu quarto e eu de pau duro não parava de pensar naquele pau delicioso na minha mão, o pau dele deveria ter uns 19 cm era grossinho e macio uma delicia, resolvi ir até o quarto e puxar assunto, perguntei se ele estava bem sentando na cama e ele respondeu que sim apenas que estava com tesão sem saber o que fazer, e me encoxou deitando de lado, segurei seu pau e falei que poderíamos resolver aquilo, ele ficou perplexo e disse cara mas somos cunhados, eu disse então que se ele não quisesse deixava pra lá, porém ele pediu que batesse uma pra ele só pra aliviar, e assim eu fiz, tirei o pau dele pra fora e comecei uma punheta devagar massageando aquele pau e me deliciando olhado pra ele, com a outra mão comecei a me punhetar e estava enlouquecendo de tesão, não me contive e enfiei a boca no cacete dele que surpreso deu uma tremida e falou cara melhor não, fingi que nem ouvi e continuei mamando o pau dele bem gostoso que foi se entregando e rebolando com o pau na minha boca, depois de alguns minutos ele me disse que ia gozar, mais uma vez fingi que não ouvi e continuei a mamar, o cara gozou muito, chegou a escorrer pelo canto da boca enquanto eu tentava sugar toda aquela porra, ao terminar de limpar me levantei e ia sair do quarto meio sem jeito mais quando fui em direção a porta ele me chamou e disse volta que ainda não terminei, eu voltei e sentei e notei que o pau dele ainda estava duro, ele pediu com muito carinho: Deixa eu comer seu cuzinho? eu nem respondi apenas tirei meu shorts o que fez meu pau pular pra fora babando e fui em direção a ele que me puxou e me chupou deliciosamente, pelo modo como chupava parecia inexperiente, mas era um incomodo gostoso, pedi pra ele parar pois estava prestes a gozar, ele me deitou na cama me virou de lado e com a mão começou a passar saliva no meu cu brincando com o dedinho em mim enquanto lambia meu pescoçoe apertva meu mamilo. Eu já não aguentava mais de tesão e pedi quase implorando que ele me comesse e ele obedeceu, lambuzou o pau e colocou com jeitinho em mim, estava doendo um pouco mais o Gabriel sabia o que estava fazendo, começou a aumentar a velocidade e força segurando minha perna pra cima e começou a foder forte pedindo pra que eu gemesse mais e falasse seu nome, e eu pedia vai Gabriel, me fode gostoso meu macho, ele disse que ia gozar, e eu me apressei em bater uma, ele esporrou tudo dentro do meu cuzinho e au sentir seu pau latejando em minhas pregas eu gozei muito sujando a cama dele toda, ele se levantou pediu pra eu limpar o cacete dele o que fiz com gosto, e fui tomar um banho, ao sair ele entrou no banheiro mas me avisou que de agr em diante eu seria putinha dele dentro de casa sempre que estivermos sozinhos, chego a conclusão de que vou dar muito pra ele afinal quase sempre estamos sozinhos, meu cu esta ardido e piscando só de ouvir o nome dele novamente

PAGUEI BOQUETE NO PAI DO MEU AMIGO

Os pais dos meus amigos sempre gostaram muito de mim e eu deles, chamava todos de tio. Meu amigo Vinícius me chamou para ir para casa dele e tivemos uma tarde divertida. Eu me sentia em casa. Anoiteceu, jantamos e eu tinha que ir para casa. Liguei para meu motorista e ele estava ocupado levando minha avó a um compromisso e iria demorar. Fiquei preocupado e liguei para meu pai duas vezes e caía na caixa de mensagem, então o pai do meu amigo disse que me deixaria em casa. Eu aceitei a oferta e saímos em direção a minha casa. Eles moravam na Barra e eu no Leblon, era um bom caminho a percorrer ainda mais com aquele trânsito. Fomos conversando sobre que carreira eu pensava em seguir, ele falando das experiências dele até que começamos a falar de relacionamento e chegamos ao sexo. Como todo jovem só de falar eu já ficava de pau duro e ele falava com uma mão no volante e outra encima do pau que parecia ganhar volume. Eu fiquei envergonhado da situação e ele me surpreendeu falando que a vida sexual no namoro era melhor que depois de casado, ele achava que casando iria transar todos os dias, mas realidade não tinha sido assim, inclusive sua esposa fazia mais de dois anos que não pagava um boquete nele, algo que ela fazia na juventude. Ele era um homem alto e bonito, desses coroas cinquentões que ficam grisalhos logo cedo. Eu olhei para o pau dele e ele percebeu e disse rindo “pode olhar, tá só um pouco grande” e eu ri desconcertado dizendo “é parece que está mesmo, desculpe-me” e ele me surpreendeu dizendo “não peça desculpas, você pode olhar e até pegar se quiser, pegue e sinta” e eu o obedeci, estava curioso, pois eu não conhecia um pau de um homem maduro, queria saber se era como o meu, as diferenças, sem falar que era um baita pau. Ele facilitou e com a mão livre colocou aquele membro duro e rígido para fora, a cabeça era arroxeada e grande. Eu peguei e fui acariciando durante o caminho, até que com a mão livre ele levou minha cabeça em direção ao pau dele e gemeu alto, eu continuei aquele boquete naquele homem que estava querendo há anos e ele mordia o lábio e segurava-me com força pelos meus curtos cabelos colocando minha cabeça para cima e para baixo. Eu não queria engolir, tinha nojo, mas seria melhor que melar tudo, então continuei, subia, descia, passava a língua em espiral pela cabeça, sugava, esfregava boca no pau pelos lados, depois colocava dentro da boca e assim ele gozava de uma só vez na minha garganta enquanto eu buscava um pouco de ar. Quando saí ele sorriu e agradeceu e eu retribuí o sorriso, foi quando percebi que já estávamos enfrente a minha casa. “Isso morre aqui” eu disse, e ele respondeu “garanto minha vida como isso não é algo que eu queira sair contando” e rindo desci do carro, senti um tapa de leve na bunda e bati a porta do carro. Mal sabia ele que mais cedo eu tinha chupado e sido chupado pelo filho dele. Vai que é de família né...

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

O Primo do meu Pai [Parte 1]

Meu nome é Marcos, 180cm de altura, 89 kg, 18 anos de idade. A história a seguir aconteceu há um ano e meio. Eu me descobri um bissexual versártil (pronto pro que vier) aos meus 15 anos de idade, entretanto, como posso escolher o que quero já que gosto de tudo hoje estou em um relacionamento hetero. Mas a vida de solteiro é outra coisa, então vou contar uma das maiores aventuras sexuais que tive. Tudo começou com um plano de férias um tanto inesperado. Minha tia avó Beth sempre foi muito próxima da minha família, de meu Pai, de todos nós. Na minha infância sempre visitava-mos sua fazenda, e passamos momentos felizes, com ela e os primos de meu pai. Como o tempo havia nos distanciado, trabalho, mudanças, etc. Decidi que naquelas férias do colégio iria para a casa de minha tia. A viagem foi cansativa mas consegui chegar a fazenda ainda na hora do Almoço. Ela havia feito muita comida, e como ela morava sozinha (assim eu pensava, já que seu marido havia falecido) perguntei. _Esse tanto de comida é pra mim, tia? Não como tanto assim. _disse eu rindo. _Seu primo Jorge está morando comigo, ele se divorciou tem seis meses. Ele anda me dando o maior trabalho, e sempre está faminto quando chega em casa. _ela disse. Perguntei a ela onde ele estava nesse momento, e ela confessou que ele estava tendo problemas com as bebidas devido a separação. Ele chegava sempre tarde, mas como ele sabia que estava vindo ele prometeu que viria mais cedo para me cumprimentar, ela disse. Mas eu estava cansado da viagem e então pedi um lugar para tirar um cochilo. Dito e feito, ela me levou até o quarto e la repousei. Dormi uma hora, mais ou menos, e então acordei com Jorge do meu lado. Agora vem a parte em que eu descrevo o homem que vocês irão imaginar, já que a maioria que lê vai me substituir por si mesmo e o único personagem autentico que restará será Jorge, então divirtam-se sendo eu. Jorge tinha 40 anos, sim, já estava rodado não é? Mas ele ainda tinha aquele lance que deixavam todos babando. Ele tinha pele morena, uma barba por incrível que pareça bem aparada, um tanquinho não trincado mas que dava pra fazer um estrago, alto, e másculo (coisa de homem que trabalha em curral, o que ele fazia quando não estava bêbado.). Voltando a história, ele estava sentado na cama do meu lado, e estava em seu estado comum (com estado comum eu digo embriagado, é claro). Ele então disse: _Marcos, quanto tempo. Eu sabia que você vinha então vim hoje para fazer companhia para você. E levanta, não é hora de dormir. Você cresceu einh. Olha só o tamanho dessas coxas? _disse ele dando uns tapinhas leves em minha perna. É claro que eu estranhei aquilo, e comecei a pensar, será que a seca junto com a bebida realmente transforma alguém. Parece que em um segundo milhares de pensamentos passaram a minha cabeça, não pensamentos sexuais e sim sobre como eu poderia me divertir testando Jorge e como ele reagiria com determinadas situações. E minhas pernas são realmente grossas, malhadas, ente Eu dormia no mesmo quarto que ele, e o quarto às vezes cheirava a bebida e era separado da casa principal onde tia Beth dormia, mas nada que eu já havia me acostumado, já havia ido muito em bares do interior, então esse cheiro era comum. Em menos de uma semana havia surgido uma oportunidade de testar Jorge. Estavamos lavando o carro, e quando terminamos de lavar o exterior, havia chegado a hora de limpar o interior com a escova de pelos. Eu havia vestido uma destas bermudas de futebol e estava pronto para o truque. Fiquei de quatro nos bancos e comecei a esfregar o piso do carro, ele estava sentado pois o serviço necessitava de apenas um. Conversamos normalmente enquanto eu terminava o serviço e finalizado eu fui até o banco e sentei ao seu lado. Ele colocou as mãos sobre minhas pernas fazendo um movimento de vai e vem e olhando nos meus olhos agradeceu. Eu apenas sorri e disse, que estava ali pra isso, e que eu tinha que ajudar se quisesse manter a estadia. Dois dias depois o teste final aconteceu. Estava armando um clima de chuva e eu precisava tirar uma foto do lugar, que ficava incrível com aquela paisagem. Jorge ainda mantinha seu “estado comum”, então ele perguntou se eu não queria carona até o alto da serra para tirar a fotografia, eu topei na hora. Fomos de motocicleta pela estrada, ele deixou eu ir dirigindo, e como estava na frente, não perdi a oportunidade de sarrar minha bunda em seu pau. Chegando lá ele disse para eu tirar uma foto dele. Pedi para ele faze uma pose e então ele perguntou que pose. Eu disse que podia ser qualquer uma, já que estávamos sós lá. Ele então por cima da calça jeans segurou sua pica que dava para ver que era grande e estava dura, pela silhueta, com uma mão, e com a outra fez o sinal de V de vitória. Eu tirei a foto, mas disse: _Não sei se ficou legal com a mão na rola dura. Ele riu e pediu para ver. Eu então me virei de costas para ele e disse para esperar que estava carregando a visualização, ele se aproximou, e se aproximou muito. Sua rola encostou em minha bunda, mas não foi o suficiente, ele empurrou seu dedo para dentro de minha bunda. Eu me virei e ele se afastou assustado disfarçando e perguntando se a imagem havia carregado. Eu disse para ele não se preocupar e que eu havia percebido o que tinha acontecido. Ele já ficou um pouco aliviado, eu me aproximei e peguei em seu pau por cima da calça e disse que era pra ele esperar até de noite, então beijei sua boca, e ele não perdeu tempo em preencher a minha com a sua língua, que beijo foi aquele senhor, o cara sabia o que fazia com a língua. Naquele momento havia chegado a conclusão. Mas não podia deixar aquilo daquele jeito, então, decidi que iria ceder dessa vez as vontades de Jorge. A noite chegou e Jorge tinha dormido cedo, lá pelas 19 horas, eu fui após as 23 horas para o quarto. Cheguei lá e percebi que Jorge roncava. Então deitei, apenas de cueca box na minha cama e resolvi ir dormir. Como de costume Jorge sempre me acorda uma hora após eu ter ido dormir. Dessa vez adorei a forma que ele me acordou. Eu acordei com algo em meus lábios, estávamos no escuro, não se via nada, e quando abri a boca para gritar assustado senti aquilo invadir minha boca até a garganta. Sim, era o pau de Jorge. Ele havia socado ele fundo, a mão de Jorge envolveu minha nuca e então ele começou o movimento de vai e vem preenchendo a minha boca (e olha que eu faltava ainda seis meses para os meus 17 naquela época). Ele socava e gemia aos poucos. Eu então tirei suas mãos da minha nuca e ele então abaixou e disse para eu relaxar. Eu já estava mais que relaxado, eu só queria chupar sua pica sem me sufocar, então segurei ela com as mãos, e comecei a chupar a cabeça dela, chupei a cabeça e ele gemia, então comecei a chupar aquele mastro que já estava duro que nem pedra. E então ele disse que ia gozar. Nessa hora comecei a chupar mais forte, até que senti a minha boca encher com algo viscoso. Era o leite dele. Eu engoli tudo e terminei de chupar seu pau. Ele deu um gemido forte quando gozou, aquele som significava uma coisa, que eu era bom no que fazia. Ele então disse para eu chegar para o lado que ele iria dormir comigo. O que ele ainda fez comigo aquela noite vai ficar para a segunda parte.