quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Homem Casado

 Amigos a baixo vocês verão um relato que aconteceu comigo, na época estava com 15 anos, hoje estou fazendo 23, por isso o relato será meu, em comemoração ao aniversário, espero que gostem, beijos do seu administrador.
PS; Logo o blog será atualizado com mais contos e vídeos.


 Olá este é o primeiro conto que escrevo, eu sou moreno claro, 1:68, 64 kg, cabelos pretos e olhos castanhos escuros e está história aconteceu no São João de 2008.
 Eu estava com meu amigo que acabará de conhecer, ele era gay assim como eu, era o 2º dia de festa e depois de comermos muito amendoim cozido resolvemos ir beber um pouco com uns amigos dele que por sinal eram todos muito bonitos, ele me apresentou 1 a 1 e um deles me chamou muita atenção, era moreno, tinha uma boa aparência eu não tirava os olhos dele, ele se levantou e foi ao banheiro, foi quando meu amigo disse:

- Ele está afim de ficar com você

Eu quase tive um treco quando ele disse isso, ele voltou a mesa e os amigos dele saíram pra comprar mais cerveja, ele foi logo dizendo:

- Iai vai ou não?
- Para onde? Respondi com um ar de inocente
- Ficar comigo hora
- Claro que sim, mais aonde?
- Olha me espera na ponte próximo ao novo colégio
- Está bem

 E logo em seguida eu me levantei e fui, passou uns 5 minutos ele chegou e disse:

- Você veio mesmo
- Ué não era pra vir?
- Claro, vamos?
- Vamos

 Ele me levou até uma construção que tinha ali perto já que ele era casado e não podia me levar para sua casa, chegando lá eu fui logo beijando ele dos pés a cabeça, até que já não aguentando mais de tesão, ele começou a me beijar e passar a língua no meu pescoço e foi ai que ele me fez um pedido que me deixou tremendo:

- Posso morder o seu pescoço?
- Claro

 E ele me deu uma mordida que me levou a loucura, logo ele começou a passar a língua na minha orelha foi ai que já não aguentando mais coloquei o seu pau para fora e comecei a chupar, que pau gostoso ele tinha, era realmente inesquecível, chupei até ele pedir para me comer não pensei duas vezes e logo senti aquele pau entrando bem devagar em mim, ele era tão carinhoso e fazia tão bem, ele gemia gostoso (sou louco por gemidos) o coloquei sentado e comecei a cavalgar naquele pau maravilhoso, de repente ele pede para eu ficar de quatro e começou a me penetrar com força, foi ai que percebi que ele ia gozar, ele pediu para gozar dentro de mim e eu não pude recusar, foi ai que senti aquele esperma quente e gostoso dentro de mim, nos vestimos, despedimos e ele foi pra casa ficar com a sua mulher e eu voltei pra festa para ficar com o meu amigo (ficar no sentindo de curtir a festa e não no sentido de transarmos já que ele é passivo como eu kkkk) espero que tenham gostado.

PS: No relato eu era novo e imprudente então acabei fazendo sexo sem camisinha, hoje sei o quanto foi erado isso, se for fazer uma aventura como essa seja responsável e use camisinha.
E nessa época eu era um gay PAM (Passivo Até a Morte) por isso no final fiz a explicação que eu e meu amigo eramos passivos, só que hoje em dia sou versátil e amo fazer ativo também kkkk  

domingo, 29 de novembro de 2015

O CLIENTE

Boa tarde, galera! Tudo bem?

Bom, vou contar aqui o que aconteceu comigo em Janeiro de 2011, quem já leu os meus contos, sabe que sou técnico de informática.

Havia acabado de chegar de viagem, com as festas de final de ano e meu telefone tocou, pois era um conhecido de cliente meu que estava estava desesperado,o nome dele é Guto, 18 anos um jovem de pele negra, 1,79 de altura, 100 kg, olhos e cabelos castanhos e uma bunda carnuda. pois o notebook dele estava com problema e precisava arruma com urgência.

Disse a ele para trazer até a minha oficina, o que ele fez com urgência. Ao chegar, disse a ele que faria o back-up para salvar os dados e ele já levaria.

Fui fazer todos os procedimentos para salvar fotos, vídeos, documentos, enfim.

Quando fui verificar as fotos, observei que havia muitas fotos eróticas de sites, quando pela minha surpresa, havia uma pasta com fotos onde o cliente estava dando o cu para travestis e homens. Inclusive tinha vídeos em um deles estava dando o cu para uma travesti com uma pica de uns 30 cms, eu acho e ele rebolando feito puto.

Salvei as fotos no pen drive, e quando fui entregar a ele, o chamei na minha sala e falei:

- quer dizer que vc gosta de dar o cu, né?

Ele meio sem graça disse:

_ Vc viu? Não conte nada para ninguém, pois se não vai dar merda pra mim, (ja que a mãe dele é professora e bem conhecida na cidade).

Falei com ele que não falaria nada pra ninguém, ao menos que pudesse foder o cu dele e ele engolir meu leite.Ele virou pra mim e me perguntou:

- Você é gay também?

Respondi que não, era bi ativo e adorava comer um cuzinho de garotinho safado.

Na hora ele riu, se ajoelhou, colocou o meu pau para fora e caiu de boca, segurei a cabeça dele e soquei meu pau na boca dele e disse:

- Chupa putinho, vc gosta e disso, pica, mama gostoso se não todo mundo vai saber que vc é um putinho.

Ele chupava com gosto, colocava minha piroca toda na boca dele, deixando meu pau bem babado.

Mandei que ele ficasse debruçado na mesa o que ele fez, arriou a bermuda, nisso peguei a camisinha, coloquei na pica e soquei no cu, não poderia demorar por causa dos outros clientes que queriam falar comigo.

Soquei com força no cu dele e ele gemia baixinho:

_ promete que não vai falar nada com ninguém, eu te dou o cu sempre que quiser, aiiiiiii, essa pica está toda no meu rabo, que safado você é, hein!!!!!!!!

- respondi:

- não vou falar nada, fica tranquilo, só que como você vai me dar o cu durante o mes todo, inclusive quero comer aquela traveca loira, dá seu jeito!!

Ele respondeu:

-aiiiiiiiiiii!!! pode deixar ela é minha vizinha, é facinho eu marca algo com ela para vc fode-la.

Anunciei que ia gozar, tirei a camisinha e mandei ele chupar o que ele fez com maestria, e inundei a boca dele com a minha porra.

Ele engoliu tudo, pegou o pen drive e ele disse que no dia seguinte voltaria.

sábado, 28 de novembro de 2015

PEDIDO ESPECIAL

Olá amigos hoje o post será um pouco diferente e não terá os tão sonhados contos e vídeos que amamos e sim um pedido.
Bem pra não ficar um texto grande vamos direto ao assunto morro em uma cidade do interior baiano com um pouco mais de 10.000 habitantes e emprego na cidade é zero por esse motivo eu fui para São Paulo aos 18 anos, só que por motivos de força maior em junho tive que voltar para cá e morar novamente com meus pais desde então não consigo emprego em lugar nenhum, pra minha surpresa surgiu um trabalho para mim em São Paulo e eu tenho até Fevereiro para aceitar meu amigo que ainda mora lá disse que posso morar com ele e dividir as despesas mais para isso preciso de dinheiro para a passagem e as despesas iniciais por esse motivo venho hoje pedir a colaboração de vocês e se alguém tiver e poder me ajudar eu agradeço, se alguém puder fazer uma doação de qualquer valor já vai me ajudar muito minha conta é Bradesco Ag 3057 C/C 0087479-5 Ivanildo Silva Santos peço desculpas a vocês por esta abordando esse tema mais essa foi a única forma que encontrei de poder voltar pra São Paulo e conseguir o emprego.
Bjs a todos.

O VIGIA

Olá leitores, depois de um tempo afastado volto para relatar mais uma de minhas aventuras sexuais.

Eu e o Claudio estamos muito bem, curtindo cada vez mais um ao outro.

Vamos ao conto.

Próximo do prédio onde trabalho está sendo construído um mercado, quando vou trabalhar o pessoal está saindo da obra então vejo homens de todos estilos, fortes, magros, lisos, peludos em fim machos para todos os gostos mas quem me chamou a atenção é o vigia que fica lá durante a noite é um belo coroa negro.

Como combinei com o Claudio não escondo nada dele e falei sobre o vigia e Claudio me incentivou tentar algo com o negro mas teria que filmar caso desse certo.

Para minha sorte o vigia que se chama Carlos pega o mesmo ônibus que eu e sai no mesmo horário também, aos poucos fomos virando amigos de condução íamos conversando até o final da linha do ônibus e minha vontade ia aumentando também.

Claudio me pedia relatório todos os dias sobre o vigia, eu passava para ele o que conversávamos.

_ Você está muito mole neguinho com dois meses de papo com o cara e nem uma tentativa.

_ Sei lá Claudio vai que ele não curte fico meio cismado de tentar alguma coisa e ele não gostar.

_ Começa olhar mais para o volume dele se ele perceber e gostar você vai saber.

_ Vou começar fazer isso, essa semana vou trabalhar de carro e vou dar carona para ele também assim fica mais fácil de olhar o volume dele por mais vezes.

No dia que fui trabalhar, quando deu meu horário de ir embora esperei Carlos sair e ofereci uma carona ele ficou sem graça em aceitar mas insisti até ele entrar no carro.

_ Deixa de bobeira Carlos é meu caminho não vai me atrapalhar em nada.

_ Se é seu caminho então tudo bem Marcelo não falo mais nada.

Segui pela avenida com um olho no transito e outro no seu volume, Carlos é um negro simpático muito brincalhão e também muito cheiroso, em uma parada que dei num cruzamento Carlos deu uma coçada no saco e eu acompanhei sua mão e fiquei olhando, o farol abril e sai com o carro mais uma vez ele coçou o saco e eu novamente olhei só que desta vez Carlos me olhou e deu um leve sorriso enquanto coçava o saco, percebi que era um sinal para mim.

_ O que você faz nas horas vagas Carlos?

_ Depende Marcelo, geralmente fico em casa descansando mais se pintar algo que vale a pena eu dou uma saída.

_ E você gosta de beber uma cerveja quando sai?

_ Não bebo nada de álcool e também não fumo Marcelo, não tenho nada contra quem faz isso mas eu nunca gostei.

_ É por isso que você está em forma na aparência e no físico nem parece ter 55 anos.

_ Não quero me gabar mas o que não me falta é folego Marcelo ganho fácil de qualquer garoto novo.

_ Disso não tenho duvidas, pela sua aparência tu ainda bate um bolão como dizem por ai.

_ E bato mesmo, vou pro segundo tempo sem cansar, quem já provou pode te falar.

Quando estávamos perto de onde ele costuma descer perguntei se era longe de sua casa, ele não queria que o levasse achando que estava abusando da minha carona, depois de muito falar combinamos de deixa-lo próximo de onde ele mora e assim seguimos.

Claro que minha intenção era ter certeza que ele curtia trepar com homem e fui dando trela ao assunto.

_ Tu tem cara de quem é muito da safado Carlos, me desculpe se ofendi você.

_ Fica tranquilo, já fui muito sim mas agora estou mais na minha, antes não podia ver um rabo de sai que caia em cima, ou melhor dizendo eu era daqueles que onde tinha buraco eu estava dentro não fazia escolha.

_ Então para você não tinha problema de ser homem ou mulher o que você queria era meter?

_ Preferia e prefiro mulher mas se o cara era limpinho não dispensava se fosse casado melhor ainda.

_ Porque o casado é melhor?

_ Marcelo veado casado da o cu com mais vontade e não tem muita frescura na cama e sem contar que não corre o risco de ficar pegando no seu pé.

_ Entendi Carlos.

_ Mas e você também gosta de foder cu de homem Marcelo?

Carlos me perguntou dando uma bela alisada no cacete que me deixou sem folego vendo o desenho que se formou quando ele passou a mão no tecido da calça.

Pensei comigo, se fui até aqui porque esconder o que ele já sabe.

_ Gosto mas não de foder Carlos eu gosto de ser fodido.

_ Imagino que sua esposa não sabe de nada então?

_ Ninguém sabe Carlos, somente quem me fode que fica sabendo.

_ Gosto de caras assim discretos sem dar pinta, estamos quase chegando entra na próxima rua que está ótimo para mim.

Entrei onde ele falou, era uma rua deserta e onde estacionei era parede dos fundos de um galpão, assim que parei o carro comecei olhar seu volume, Carlo vendo que eu não tinha iniciativa pegou minha mão e pôs sobre seu cacete que começou a crescer.

_ Desde do primeiro dia percebi qual é a sua Marcelo, tu passava pelo aquele monte de peão mas seu olho era em mim então saquei logo seu lance.

_ É verdade Carlos assim que te vi no portão da construção me bateu um puta tesão cara.

_ Esta sentindo ele crescer na sua mão, será que você me aguenta dentro de você?

_ Nossa ele não para de crescer cara e ficar grosso.

_ Porque você não tira para fora e olha o tamanho dele?

Carlos é um cavalo seu cacete negro é enorme e grosso cheio de veias e o saco pequeno muito peludo.

_ Porra cara o que é isso, quanto mede esse cacete Carlos?

_ Na hora e no local certo te falo Marcelo agora deixa eu ir antes que a gente faça besteira aqui no carro, por enquanto da um beijo nele para você sentir o sabor e sonhar com ele.

Olhei para ver se não tinha ninguém na rua, me abaixei e dei uma chupada naquele cacete que por sinal estava cheiroso, quando fui tentar engolir um pouco mais Carlos tirou da minha boca e guardou dentro da calça.

_ Por hoje é só isso puta safada veado sem vergonha, mas você vai ter o que quer tenha paciência, obrigado pela carona até amanha.

Continua.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

O FILHO DO PATRÃO

Trabalhei por mais de 10 anos em uma padaria, vi a familia do meu patrão crescer.Seu filho mas velho desde pequeno era muito bonito,mas um pouco gordinho.O tempo passou e o moleque começou a se desenvolver, e virando um belo de um rapaz com cara de bom metedor.Fazia academia e com isso sua obsidade infantil foi ficando para tras e so tornando um macho de belas coxas,peitoral definido e um volume considerável no meio das pernas.Com isso meu desejo em provar akela pika se tornava cada vez maior,porem por ser filho do patrão não sabia como agir e ele não dava pista que gostasse de uma sacanagem.Eu também sou muito discreto,curto homens mas não sou assumido e ninguem imagina que curto uma boa sacanegem.Se aproximando de um feriado prologando que cairia em uma segunda-feira,o patrao ,sua esposa e seus outros 2 filhos resolveram viajar,mas o patraozinho gostoso ficou para ajudar nos trabalhos.eles viajaram no sabado pela manha,tudo corria normalmente,eu fazendo a produção de mercadorias e ele apareceu oferecendo ajuda,aceitei de repente ele passa atrás de mim e sinto seu kct tocar minha bunda,mas até então nada demais.Continuamos o serviço e novamente ele faz a mesma coisa,dessa vez pondo mão minha cintura.Fiquei grilado com aquilo e pensando,será que ele está afim de me comer? Mais a tarde,ficamos eu,ele e uma balconista.Sem mais nem menos o patraozinho sumiu, os fregueses comecaram a chegar de uma so vez e a baconista me pediu para procurar o chefinho para ajuda-la.Rodei por todo o comercio,garagem e até subi ao segundo andar onde ele morava para procura-lo.E nada de acha-lo.Então fui ao banheiro dos funcionários e chegando perto ouço gemidos vindo la de dentro.Espio entre a fresta da porta que não estava totalmente fechada e vejo o patraozinho batendo uma punheta.Nossa que pau,era a primeira vez que via aquela maravilha,grande,grossa.Ele tocava freneticamente e para minha surpresa dizia: toma esse kct julio(eu) eu sei que voce gosta,vou enfiar td no seu cu.Fiquei surpreso,aquela delicinha me desejava também,assustado esperei um pouco e entrei e disse:que isso marcos agente precisando de voce la fora e vc aqui tocando uma,francamente.Vou contar tudo para seu pai.Ele:por favor nao conte a meu pai não,eu te peço.Se não ele me mata.Faço tudo que voce quiser.Eu:td bem,depois que a balconista for embora,quero conversar com voce,ai eu decido se conto ou não.E assim fizemos,até chegar a hora de fechar a padaria,so imagina aquela pika gostosa.Chegada a hora de fechar,ele me pediu para espera-lo que queria conversar em particular comigo.fui para onde fazia os pães,enquanto ela fechava o estabelecimento.De repente sinto ele chegar por tras de mim sem falar nada,sinto sua respiração ofegante e a minha também começa a ficar,ele se aproxima mais e já posso sentir seu cheiro,ele então me abraça por tras e sinto seu kct cutucar meu rabo,suas mãos deslizam sobre minhas coxas e peitoral.nisso ele diz em meu ouvido:voce ouviu eu gritando seu nome enquanto batia uma punheta?eu so balançava a cabeça em sinal de positivo.Ele:então agora vou fazer o que estou com vontade de fazer a muito tempo,fuder voce.E me morde minha orelha e sussura:vou te fazer de minha putinha hoje.nisso ele tira minha camisa,me vira e chupa meus peitos,tira minha bermuda e cueca me deixando totalmente nu e completamente louco de tesão naquele molekinho.ele entao tira sua camisa e eu saboreio seu peitoral,desço e tiro sua bermuda e me deparo com cueca boxer preta recheado com um belo volume.delicadamente tiro a boxer e seu kct pula de tesao,duro,grande,grosso,com belo saco por debaixo e uns pentelhos bem aparrados circundando akeala delicia.eu meto a boca e chupo igual criança.depois de ficar com a pika toda meladinha e eu a essa altura já estava com o cu lubrificado de tanto tesão,me posiciono para receber aquela vara dentro de mim.ele vem passa em volta do meu rabo,poe na porta e tira,faz isso varias vezes e meu cu piscando de tanta vontede de ser arrombado.ele enfia devagar e com carinho,vai tudo ate o talo,nisso ele ta uma estocada forte,sinto como se tivesse sido rasgado por dentro.Ele fazia um vai e vem gostoso,tinha kct kente e envolvente,me pos de quatro até gozar.todo gozado fomos para o banho,nos abraçamos,trocamos carinho e acabamos nos beijando,nossa que menino gostoso e ainda sabia beijar como ninguem,meu molekinho acabava de se transformar em homem viril e gostoso.Ele então me fode de novo dentro do banheiro,dessa vez como um cavlo no cio,socando com força e um jato quente de porra invade minhas entranhas,me deixando de pernas bambas.Ele me pede para dormir em sua casa,mas eu disse que dormiria de domingo pra segunda e que nakela noite não
daria.ele concorda e com uma cara de safado me pergunta:voce tem certeza que vai contar para meu pai?

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Pura Realidade

BOM LEIO MUITOS CONTOS AQUI PELA NET NÃO SÓ NESSE SITE, MAIS EM VARIOS OUTROS E VOU SER BEM SINCERO AS VEZES PARO NO MEIO DE TÃO GRANDE É A MENTIRA QUE LEIO QUE FAZ ATÉ PERDER O TESÃO.
EM PRIMEIRO LUGAR NÃO ESTOU AQUI PRA CRITICAR OU FALAR MAL DE NILGUEM NEM MUITO MENOS QUERER ME APARECER MAIS QUERO DEIXAR CLARO QUE MEU CONTO É PURA REALIDADE.
HOJE TENHO 37 ANOS MORO NO INTERIOR DE SÃO PAULO ME CHAMO CÉSAR E DEIS DE CRIANÇA SEMPRE SENTI ATRAÇÃO PELOS MENINOS.
LEMBRO QUANDO ESTAVA NA PRIMEIRA SÉRIE, TINHA O MENINO MAIS BONITO DA CLASE QUE SE CHAMAVA FABRICIO E TODAS AS MENINAS GOSTAVAM DELE E EU NO MEU INTERIOR TAMBÉM O AMAVA, POREM NO QUETO, NAQUELA ÉPOCA ERA MUITO RARO SABER QUE ALGUEM ERA GAY OU ALGO ASSIM, POR ISSO O SENTIMENTO ERA SUPER DISCRETO.
LEMBRO QUE QUANDO TINHA UNS 13 ANOS COMECEI A TRABALHAR DEIS DE MUITO CEDO, E EM TODAS AS FIRMAS QUE EU TRABALHAVA ME APAIXONAVA PELOS MENINOS QUE TRABALHAVAM COMIGO, MAIS ERA ALGO SÓ MEU, ELES JAMAIS DESCOBRIRAM MEUS SENTIMENTOS.
QUANTO EU TINHA 16 ANOS CHEGUEI NUMA FASE EM QUE ESTAVA QUERENDO TRANSAR PELA PRIMEIRA VEZ DE VERDADE, NADA DE TROCA TROCA COISAS DE CRIANÇAS, MAIS SIM GOZAR, TER ALGUEM DE VERDADE, PENETRAR SER PENETRADO.
UM DIA VOLTANDO DA CASA DA MINHA AVÓ NUM SABADO EU E MEU PRIMO QUE É DUAS SEMANAS MAIS NOVO DOQUE EU, ANDANDO DE BICICLETA COMEÇAMOS A FALAR DE SEXO, JA ERA QUASE UMAS 6HORAS DA TARDE E COMEÇAMOS A FALAR SE O OUTRO JA TINHA TRANSADO COISAS DESSE TIPO E ASSUNTO VAI ASSUNTO VEM, E ELE FALAVA QUE NUNCA TINHA FEITO NADA QUE ERA VIRGEM E EU TB FALANDO QUE ERA VIRGEM E ELE FALAVA PRA MIM QUE PRECISAMOS ARRUMAR UMAS MENINAS PRA METER COISAS DE HOMEM E QUANDO DEREPENTE NÃO SEI O QUE ME DEU EU FALEI PRA ELE, FABIO SE VC QUISER EU DOU PRA VC TOPAS? , NOSSA SAIU DA BOCA, A VONTADE DE TRANSAR ERA TANTO QUE FALEI SEM PENSAR NAS CONSEQUENCIAS.
ELE OLHOU PRA MIM E DISSE TRANSAR EU E VC TROCA TROCA???
BOM NÃO ERA BEM ISSO QUE EU TINHA FALADO, MAIS EU DISSE SIM TA AFIM?
MAIS ONDE DISSE ELE? EU RESPONDI NÃO SEI, TEM VARIOS MATAGAIS, CASAS EM CONSTRUÇÕES, TEM UM MONTE DE LUGAR VAMOS PROCURAR.
BOM EU NA ÉPOCA TINHA 16 ANOS 1.66 UNS 50 KILOS MAGRO CABELOS CACHEADOS, BRANQUINHO, POREM O FABIO TB TINHA 16 ANOS MAIS ERA MAIOR DOQUE EU, ELE TINHA CERCA DE 1.72 E UNS 60 KILOS, CABELOS CACHEADOS COMO O MEU E PELA CLARA TB.
DEPOIS DE QUASE MEIA HORA ANDANDO DE BICICLETA JA ESTAVA ESCURECENDO E RESOLVEMOS ENTRAR NUM PASTO, BEM AFASTADO DOS BAIRROS ONDE TINHA RESIDENCIAS.
EU PULEI A CERCA ELE PASSOU MINHA BIKE POR CIMA E DEPOIS A DELE, E DEPOIS TB PULOU A CERCA.
ENTRAMOS NO MEIO DO MATO, E COMEÇAMOS A TIRAR A ROUPA.
GENTE MEU PRIMO TINHA O CORPO MUITO BONITO, PEITOS PERFEITOS, PELE DURINHA, O PINTO MEDIA UNS 19CM, TUDO PERFEITO, JA EU ERA MAGRO NÃO TÃO BELO DE CORPO COMO ELE, POREM MEU ROSTO FAZIA MAIS SUCESSO DOQUE O DELE COM AS MENINAS, MEU PAU NA ÉPOCA DEVERIA TER UNS 17CM.
OLHA SÓ, FICAMOS PELADOS UM NA FRENTE DO OUTRO DE PAU DURO E FICOU QUEM VAI PRIMEIRO??
DEPOIS DE UM FALAR EU VOU O OUTRO EU VOU, AE COMO EU TAVA LOUCO PRA SENTIR AQUILO DENTRO DE MIM EU FALEI TA BOM VC ME COMI DEPOIS EU COMU VC.
NOSSA DEITEI NO CHÃO NO MATO, TUDO PINICANDO, E ELE VEIO COM O PAU DURO PRA ENFIAR DENTRO DE MIM.
BOM NEM PRECISO FALAR QUE NÃO ENTROU DE JEITO ALGUM, NÃO TINHAMOS EXPERIÊNCIA NENHUMA, NÃO FIZEMOS SEXO ORAL NÃO FIZEMOS NADA, QUERIAMOS TRANSAR DEIXAR DE SER VIRGEM, GOZAR DE VERDADE.
ELE TENTAVA O PAU NAO ENTRAVA EU MESMO SENTINDO DOR MANDAVA ELE FORÇAR E NADA DE ENTRAR, AE ELE PASSOU CUSPE NO PAU E FOI COMEÇANDO A FORÇAR.
NOSSA COMECEI A SENTIR COMO SE ESTIVESSE ME ESTOURANDO POR DENTRE COMECEI A PEDIR PRA ELE PARAR POREM ELE COM O CORPO EM CIMA DE MIM, DISSE PRA EU FICAR PARADO ATÉ ACOSTUMAR, POREM EU PEDIA PRA TIRAR, POR FAVOR TIRA, DEPOIS VC POE DE NOVO, POREM ELE NÃO TIROU.
PASSADOS ALGUNS MINUTOS EU FUI ME ACOSTUMANDO COM O PAU DENTRO DE MIM E ELE COMEÇOU A BOMBAR, NOSSA E QUANDO ELE BOMBAVA ARDIA MUITO, MAIS JA ESTAVA COMEÇANDO TB A FICAR GOSTOSO, JA ESTAVA COM TESÃO DE SENTIR AQUELE LINDO PAU DO MEU PRIMO DENTRO DO MEU CUZINHO, QUE DELICIA, NÃO DEMOROU MUITO E ELE FALOU CÉSAR VOU GOZAR NOSSA FOI QUANDO SENTI ALGO QUENTE DENTRO DE MIM GOSTOSO, NOSSA QUE DELICIA, FOI DEMAIS.
BOM QUANDO ELE TIROU O PINTO PRA FORA, ESTAVA TODO MELADO, TODO SUJO, NÃO TINHA PAPEL, NÃO TINHA AGUA, ELE PEGOU UMAS FOLHAS E CAPIM SECO E PASSOU NO PAU E SE LIMPOU.
E DEITOU E FALOU AGORA É SUA VEZ.
NOSSA ELE TINHA UMA BUNDA PERFEITA, ÁLIAS O CORPO DELE ERA PERFEITO, COMO EU VI COMO ELE TINHA FEITO COMIGO EU FIZ COM ELE, E MEU PAU JA ESTAVA TODO MELADO DE TESÃO, ENTÃO PASSEI CUSPE NO PAU E FICOU MAIS MELADO E COMECEI A ENFIAR NO CUZINHO DO MEU PRIMO, ELE PEDIA PRA EU TIRAR E EU FALAVA AGORA É A MINHA VEZ, FICA TRANQUILO, VC ESQUECEU QUE JAJA A DOR PASSA?
NOSSA ELE FALAVA QUE NAO TAVA AGUENTANDO, QUE PRECISA CAGAR, MAIS MESMO ASSIM EU NÃO TIREI SOQUEI , E COMECEI A SOCAR CADA VEZ MAIS E ELA PEDINDO PRA PARAR FOI QUANDO ANUNCIEI QUE IRIA GOZAR.
GOZEI GOSTOSO NAQUELE CUZINHO E NEM PRECISO FALAR QUE TB SAIU TODO SUJO, NÃO TINHAMOS EXPERIENCIA NENHUMA, NÃO SABIAMOS QUE TINHA QUE USAR O BANHEIRO ANTES PRA FAZER ESSAS COISAS, QUE TINHA QUE LEVAR PAPEL PRA SE LIMPAR, NÃO FIZEMOS SEXO ORAL NAO BEIJAMOS NAO FIZEMOS NADA DISSO, APENAS COMEMOS O CU UM DO OUTRO PRATICAMENTE A SECO.
HOJE TEMOS AMBOS 37 ANOS, JA SE PASSARAM 21 ANOS JA FUI NOIVO, NAMOREI VARIAS MENINAS, NÃO SOU ASSUMIDO MAIS AINDA CURTO SAIR COM HOMENS SOU SOLTEIRO.
MEU PRIMO FABIO É AMIGADO COM UMA MULHER MAIS VELHA DOQUE ELE, E DEPOIS DESSA TRANSA DURANTE UNS SEIS MESES CHEGAMOS A FAZER MAIS UMAS TRES OU QUATRO VEZES, POREM ISSO DAI JA É OUTRA HISTÓRIA.
DEPOIS QUE PARAMOS DE SAIR UM COM O OUTRO NUNCA MAIS TOCAMOS NESSE ASSUNTO É COMO SE NUNCA TIVESSE ACONTECIDO.
BEIJOS ESPERO QUE GOSTEM DA MINHA HISTÓRIA, POIS É REAL.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Trepando com o sogrão

Estou namorando uma gatinha linda, ela tem 18 aninhos, com um corpinho maravilhoso, peitinho empinadinho e durinho, perninhas grossas e um bumbum de enlouquecer. Sempre que estamos juntos percebo os olhares para ela. Seus pais são pessoas muito agradáveis, especialmente o pai. Ele tem 36 anos, é engenheiro e adora malhar e jogar futebol. Talvez por isso tenha um físico de garotão. Patrícia diz que sempre que estão juntos, todos pensam que são namorados. Sua mão tem 35 anos e também é lindíssima. Alta, corpo muito bem definido, tipo mulherão de parar o trânsito. Ela é sempre muito gentil comigo. Mas o pai de Patrícia, o seu Marcos, desde que nos conhecemos, pouco tempo depois que comecei a namorar sua filha, passou a me acompanhar todo sábado ao clube para uma pelada. Isso fez com que ficássemos cada vez mais próximos. No início eu estranhava como um cara com 12 anos a mais que eu curtisse minha companhia. Mas não me preocupava com isso, pois ele era um cara muito bacana e sempre conversávamos muito, enfim, nos dávamos muito bem. Além disso ele significava para mim uma espécie de modelo de vida, um cara bem sucedido, um bom profissional, bonitão, um físico invejável e uma aparência bem jovial. Uma vez lhe disse que admirava seu jeito e que quando estivesse mais velhos gostaria de ser como ele. Então ele ponderou que não era tão velho assim, apenas havia casado muito cedo, mas que isso não o impedia de viver sua vida. Nessa conversa fomos caminhando para o vestuário e ele me chamou para tomarmos uma água de coco na cantina e aí conversamos sobre muitas coisas. Ele aproveitou para me sondar, achei que ele estava querendo saber se eu e sua filha andávamos trepando, mas ele foi muito discreto e eu também. Para minha surpresa, ele reagiu bem à notícia de que sua filhinha não era mais virgem e que eu não era o primeiro na vida dela. Muito pelo contrário, afirmou que isso o deixava feliz e mais ainda em saber que ela sabia escolher bem seus namorados. Disse isso pousando a mão sobre minha perna por debaixo da mesa, bem na parte superior da coxa e dando um leve aperto. Aquele toque me passou uma certa intimidade entre nós, mas não achei nada de mais, afinal, há meses vínhamos nos aproximando, era natural que se sentisse tão à vontade comigo. Mas o fato é que percebi em seu olhar um brilho especial e o que me deixou mais confuso ainda foi o que senti com seu toque. Quando ele tirou sua mão, isso uns cinco segundos depois, eu queria que ele ficasse com a mão ali, ou até mesmo que me abraçasse e minha reação foi segurar seu ombro daquele jeito meio de macho pra macho e empurrar-lhe dizendo: “Vamos pro chuveiro, senão a gente fica sem almoço”. Quando chegamos no vestuário, quase todo mundo já havia saído, apenas dois caras ainda estavam lá, mas já estavam vestidos e apenas ajeitavam o cabelo na frente do espelho. Entramos logo no banho. No vestuário não havia divisórias, apenas uma bateria de chuveiros um ao lado do outro, de modo que tomávamos banho lado a lado, sem problemas. Mas naquele dia eu percebi que o seu Marcos estava diferente. Eu até o achei mais jovem, mais brincalhão. De repente encontrei seu olhar no meu e então reparei que o verde de seus olhos era muito bonito. Nunca havia reparado naquilo e saiu naturalmente: “Nossa! Seus olhos são muito bonitos, a mulherada deve ficar louca!” Então ele disse que a mulherada e os homens também. Rimos e reparei que estávamos sós no vestuário. Então, sem mais nem menos ele virou e disse: “E você tem uma vara fenomenal, minha filha deve sofrer na tua mão”. Eu, meio constrangido, até porque o pau dele era bem maior que o meu, disse: “Se o meu é fenomenal, o teu é o que então?” Então ele respondeu: “Olha aqui, o meu não é tão grande assim...” Foi aí que notei que o seu pau estava duro. Quando vi aquilo senti um frio na barriga, uma sensação esquisita, mas não deixei de olhar bem aquele pau. Não estava muito duro, o prepúcio cobria a metade da glande, estava já quase na horizontal, e estava mais grosso também, só aí foi que reparei que o pau do cara era realmente um belo cacete, devia ter uns 20 cm quando ficasse duro de vez. Fiquei imaginando a dona Letícia sentando naquele pauzão e cavalgando seu marcos, tudo isso olhando pro pau do meu sogrão. Não conseguia impedir que meu pau também ficasse duro, só que o meu ficou empinado para cima. Seu marcos também o olhava com um leve sorriso no rosto, até que quebrou o silêncio: “É, minha filhinha deve estar toda arrombadinha por causa dessa rola, seu puto!”. “Imagina a dona Letícia”, disse eu. Caímos na risada e terminamos o banho os dois ali, ainda com o pau duro, fomos os dois nos secar. Não falamos mais nada. Fomos embora juntos como sempre. Seu Marcos me deixava em casa todo sábado depois do jogo. Só que nesse sábado fizemos a viagem calados. Quando parou no meu portão, seu Marcos pôs de novo a mão na minha coxa, só que agora bem mais acima, quase atingindo meu pau inexplicavelmente ainda duro e convidou-me para passar na sua casa do domingo de tarde, pois Patrícia e sua mãe iriam num Chá-de-panela de uma amiga da família e ele queria aproveitar para instalar um ventilador de teto. Eu disse que tudo bem. No dia seguinte, no horário combinado, lá estava eu tocando o interfone. Quando entrei, seu Marcos abriu a porta da sala para mim só de cueca. Ele perguntou se eu não queria por um short seu para não sujar minha bermuda. Eu aceitei e fomos no seu quarto buscar. Ele pegou a peça e jogou para mim e disse para eu botar. Prontamente, baixei minha bermuda e quando estava vestindo o short seu Marcos passou por mim e passou a mão na minha rola e perguntou se não estava durinha como ontem. Eu fiquei meio nervoso, mas resolvi encarar com naturalidade, e fomos colocar o tal ventilador. Só que seu Marcos pediu para eu segurar a escada e ele subiu, de modo que meu rosto ficou na altura do seu pau e pude ver que o bicho estava em pondo de bala. Então resolvi brincar com ele da mesma forma que brincou comigo minutos antes, passei a mão e disse: “É, isso aqui está duro como só, heim, ta pior que ontem!”. Então ele na maior naturalidade botou o bichão para fora e eu fiquei olhando para tudo aquilo sem saber o que fazer, mas bem que estava gostando. Era uma cena no mínimo esquisita eu ali segurando a escada e meu sogro trepado com o pau para fora, bem em frente ao meu rosto. Eu sentia até o cheiro daquela rola e não sei onde eu estava com a cabeça que perguntei se quando puxava o prepúcio doía (afinal, como sou circuncidado, não sabia). Ele disse que não, que eu podia puxar que não tinha problema. Movido por uma vontade incontrolável, segurei aquela vara suavemente e puxei o prepúcio, fazendo a cabeça meladinha sar todinha para fora. O cheiro da vara de meu sogro ficou mais forte. Ele desceu da escada e pegou meu pau, botou para fora do short e começou e punhetá-lo. Depois me chamou para o quarto, me empurrou para a cama, deitou e começou a me chupar na maior. Quase que automaticamente, também abocanhei sua vara e ficamos os dois nos chupando ali por um bom tempo. De repente senti que seu Marcos começou a passar a língua pelo meu saco, virilha e desceu até meu rego, passando a língua em volta do meu anel e depois passou a meter a língua no meu cu, que piscava feito louco enquanto eu o chupava gemendo de tanto tesão. Eu melei meu dedo de saliva e comecei a massagear seu anelzinho e depois a meter meu dedo no seu cu enquanto o chupava. Meu sogrão começou a gemer, a rebolar quando eu metia o dedo, até resolvi meter dois dedos e ele ficou mais excitado. Meti mais um e fiquei com meus três dedos no seu cuzão e chupando seu pau e ele gemendo feito doido, lambendo meu cu. Depois resolveu fazer o mesmo comigo e começou a meter o dedo em mim e voltou a chupar meu pau. A essa altura já estávamos completamente entregues e começamos a dar sinais de gozo. Logo, logo começamos a estremecer juntinhos e gozamos um na boca do outro. Foram tantos jatos de porra que fiquei com a boca toda melada e o seu marcos também. Depois nos beijamos na boca com a cara melada de porra. Descansarmos um pouco e então ele me alertou que teríamos que nos arrumar e instalar o ventilador, senão nossas mulheres chegariam e poderiam desconfiar que algo estava errado. Eu disse que queria comer aquele cuzinho gostoso dele mas ele disse que naquele dia não. Disse que eu deveria ter calma que ele ia dar jeitinho durante a semana da gente ir para um lugar onde a gente pudesse trepar à vontade.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

sábado, 10 de outubro de 2015

PUNHETA NA LANHOUSE 2015 PART 2

QUARTO DA REPUBLICA

PUNHETA NA LANHOUSE 2015

COMEÇOU NA PISCINA

Estava na chácara do pai de um amigo, era um final de semana e haviam umas 10 pessoas ao todo, o dia estava quente e quase todos estavam na piscina, as vezes até saíamos da água para comer ou para pegar outra cerveja, já no final da tarde todos começaram a ir embora, ficaram apenas eu, Felipe (meu amigo), Julia (prima do Felipe) e Rodrigo (tio do Felipe), apenas eu e Rodrigo ainda estávamos na piscina, começamos então uma brincadeira de mergulho onde um passava por debaixo das pernas do outro, comecei a perceber que cada passada do Rodrigo ele sempre roçava em minha bunda ou em meu pau, até que Felipe aparece e diz que vai voltar para a cidade buscar uma amiga e Julia iria com ele, enquanto ele conversava eu e Rodrigo estávamos na borda da piscina no lado mais fundo, penduradinhos, só com a cabeça para fora da água, então senti que sua mão boba já entrava por dentro da minha sunga, olhei para ele e ele conversava tranquilamente com Felipe, senti ele apertar meu pau que já ficava duro, colocou a mão na parte de trás e enfiou a ponta do dedo em meu cu, assim que Felipe e Julia estavam saindo, Rodrigo saiu da água e foi pegar mais duas cervejas, permaneci dentro da piscina, assim que voltou sentou-se na beirada com os pés dentro d’água, me entregou a cerveja, sem muita frescura tirou a sunga e me disse: “tira também ele vão demorar pelo menos 2 horas”, ainda dentro da água tirei, meu pau já estava duro vendo o seu e lembrando da dedada. Então comecei a me aproximar, ele abriu as pernas, entrei entre elas e olhando fixamente para seu pau já ficando duro (médio, bem grosso, e com a pele sobre a cabeça), despejei um pouco de cerveja e comecei a passa a língua, com as mão regacei toda a cabeçona e engoli. Comecei a mamar, enfiava tudo que podia na boca e tirava, chupava suas bolas, em um saco todo depilado, até que não agüentando mais ele entrou na água, me levantou e me colocou sentado como estava, abriu minhas pernas e aproximou a cabeça até chegar em meu pau e o começou a chupar, com uma mão em cada joelho, ele me fez deitar me escancarou e com a mão esquerda começou a acariciar a portinha do meu cu, chupava meu pau e enfiava o um dedo em meu rabo, depois dois e três, eu já estava louco, virei-me e desci o corpo na água, até sentir seu pau entre minhas pernas, apertando meu saco, meu cuzinho piscava de tesão, virei e empinei a bunda, ele muito foda me disse: “vamos sair quero na espreguiçadeira”, então saindo me levou com ele até a cadeira, já subi nela me posicionando, queria ser comido logo por aquele cacetão grosso, fiquei de 4 e me arreganhei, ele se aproximou abaixou e começou a lamber meu cuzinho, enfiando a ponta da língua para dentro ao mesmo tempo em que me punhetava, então pedi: “não judia... me come logo, mete essa rola em mim”, ele se levantou, colocou o pé direito ao meu lado na cadeira e foi ai que senti a cabeça encostando em meu cu, seu pau era bem grosso, mas depois de ter metido 3 dedos em mim e me lambuzado todo, foi delicioso, senti cada centímetro que entrou, assim seu saco bateu em mim ele tirou e colocou, e me comia assim deliciosamente, tirando por completo o pau de mim e socando tudo até o saco, meu cuzinho estava arrombado e aberto, seu pau entrava e saia como louco até que ele empurrou tudo para dentro, encostou no meu ouvido e disse: “vou gozar dentro, depois tomo seu leitinho” e então começou a meter cada vez mais forte, segurou forte em minha cintura e empurrou ao máximo, senti todo seu gozo saindo em mim, sua porra quente me inundava e assim que terminou, tirou o pau, eu me virei rápido e agarrei, trouxe até a boca e mamei mais um pouquinho, então ele disse: “deixa eu te chupar”, eu estava tão alucinado de tesão que quando ele enfiou na boca, mal ele começou a desenhar com a língua na cabeça comecei a gozar, a cada jato ele sugava mais forte, e não parou até meu pau começar a murchar, nos vestimos, voltamos para a água com nossas cervejas e esperamos os outros voltarem.

NOVINHO NA ESCOLA

E ai pessoal. Conta esse conto aqui que aconteceu em 2010, no 9º ano. Me chamo Max, quando isso ocorreu tinha 15 anos e estudava em uma escola estadual do Rio.Eu era/sou branco bronzeado, alto, magro, mas tinha peitoral definido e uns músculos no braço e o cabelo preto liso. No dia de volta as aulas falei com a galera e na sala tinha um pessoal novo. E tinha um garoto que me chamou atenção em especial. Ele se chamava Felipe e o que mais me chamou a atenção foi sua cara de riquino. Ele era branco, olhos verdes, alto, super magro, e o cabelo "enroladinho" loirinho. Ah, e ele tinha 13 anos. A professora perguntou de onde os novos alunos eram e ele super tímido falou que era de uma escola lá, que era particular. Essa escola eram uma das melhores da cidade. Ele sempre ficou na dele, apesar de pegar o ônibus no mesmo ponto que eu nunca falava nada. Eu sempre fui muito louco. Fazia um monte de bobagem, pensava em putaria, zoava com os outros garotos. E como ele estava na sala comecei a zoar com ele também. Ele ficava falando para parar mas eu ignorava e continuava enchendo o saco dele. Ficava roçando meu pau nele. Eu e outro muleque lá da sala. Quando ele estava no ponto ficavamos agarrando ele, cada um de um lado. Ficavamos roçando nosso pau nele e ele falando para parar e tentando nos empurrar em vão. Depois de uns tempos eu fiquei mais safado ainda. Peguei na bunda dele e um dia coloquei a mão dentro da calça, mas sem querer coloquei dentro da calça e da cueca e nossa, que bundinha gostosinha de se pegar. Um dia estavamos na educação física e ele nunca jogava nada. Como sempre jogava o professor confiava em mim. Ele sempre me deixava com a chave para fechar o banheiro. E nesse dia como Felipe não fazia nada o prof falou para ele limpar o piso do banheiro que estava sujo e deu as coisas para ele. E que isso seria a prova dele. Ele falou isso e foi embora e eu fiquei lá com ele. Eu sempre achei que ele era um viadinho, já que tinha a carinha toda angelical. Eu fui lá e falei -Ai, não liga de eu tomar banho aqui enquanto você limpa não, né ? -Não, de boa Eu tranquei a porta e ele perguntou -Por que trancou a porta? -Para ninguém entrar enquanto eu estiver tomando banho ué. Falei aquilo e tirei a roupa toda e fiquei peladão, modéstia parte tinha/tenho uma pica bem legal. Acho que eu tinha 15cm quando tinha 15 anos, sem brincadeira. Sempre tive um picão. Ele ficou olhando e eu fui tomar banho. Abri o chuveiro e fiquei olhando para ele enquanto a água estava caindo em cima de mim. Ele acabou de limpar e eu falei -Toma banho também -Não, precisa não -Toma banho, se não vou te molhar com roupa Falei isso e joguei um pouco de água nele -Não cara, para -Vem logo pow -Ta bom Ele tirou a camisa depois a calça e ficou só de cuequinha e o penis dele estava meio volumoso. Ele tirou a cueca e estava meio caido, mas parecia que estava ereto antes. Ele abriu o outro chuveiro e eu falei -Não, não.Toma banho aqui comigo -Que isso cara Fui em cima dele agarrei e molhei ele no meu chuveiro. Eu peguei ele por trás, então minha pica estava roçando na bunda dele. Ai não consegui me controlar. Meu pau subiu e ele falou -Que isso cara ? -Sua bundinha é muito gostosa cara, fazer o que ? -Você gosta mesmo dela ? Achei que fazia de zuação -Faço pelos dois. Eu falei isso e o pau dele começou a ficar duro, percebi que o viadinho gostou de eu querer a bundinha dele. Falei -Ué, ta ficando com a barraca armada também ? -Eh... desculpa cara. Me desculpa -Ih qual foi. Tu quer dar uma pegada na minha pica? -Não cara, desculpa. -Que não quer o que. Olha esse pau duro ai, fala a verdade. -Ok. A verdade é que eu falo para parar nas suas brincadeiras mas eu gosto. -Gosta ? Éh ? Falei isso e cheguei perto dele e coloquei a mão dele na minha rola, ele pegou com medo, mas depois começou a punhetar e eu falei -Quer colocar a boquinha ? Ele nem respondeu e caiu de boca. Fiquei caralho, esse viadinho queria me dar faz tempo. Ele estava ajoelhado e eu em pé né, ai teve uma hora que me deu muita vontade de socar forte, então peguei a cabeça dele com as duas mãos e dei muitas estocadas. Ele tentou me fazer parar, mas estava com tanto tesão e força que estocei muito na bola dele até que gozei. Ele tossiu e deixou um monte de porra ir embora pelo ralo. Então falei -Que isso, bebe o leitinho do seu macho. Ele foi e bebeu o resto que estava na boca. Ele era todo lisinho, então falei -Vira a bundinha ai -Tudo bem -Nossa que bunda gostosa -Rs, você gostou ? -Sim, adorei. Tu já deu ela ? -Não, nunca dei para ninguém Porra, quando ele falou isso meu tesão foi a mil. Comecei a enfiar um dedinho e ele ficou gemendo e falando que doia. Pensei porra, vai sofrer. Porque não iria sair dali até comer aquele cuzinho rosado. Meu pau ficou duro dnv. Eu coloquei ele de frente para parede com a bunda empinada e mandei ele abrir bem o cu. Ele ficou segurando a bunda com as mãos deixando o cuzinho rosinha bem abertinho. Fiquei passando a rola por ali e nossa, que tesão. Comecei a tentar enfiar a rola no cuzinho dele e nossa. Era super apertado, não entrava de jeito nenhum. Continuei mais e entrou a cabeça. Ele deu um grito -AAAAAAAAAAHHHH, está doendo, tira, tira Eu não sei o que deu em mim. Mas esse pedido para parar me deu mais tesão, o que me fez socar tudo no cuzinho dele. Fazendo ele gritar e chorar -AAAHHHH, está doendo, para, para, por favor. AAAHHH Eu não sei o que aconteceu comigo mas o tesão era d+. Fiquei num vai e vem bem gostoso com ele nessa posição. Depois peguei ele na cintura e não deixei ele tirar o cuzinho do meu pau. Falei -Fica de 4 ai -Ai cara, para, por favor, está doendo muito, por favor. -Fica de 4 logo Ele falava para parar mas nem tentou correr. Talvez porque saberia que eu sou bem mais forte do que ele. Ou porque é submisso mesmo. Ele ficou de 4 e eu comecei a estocar mais ainda, estava com a mão na cintura dele e porra, metendo rápido e forte pra caralho. Fiquei assim mó tempão, até que gozei pra caralho no cuzinho dele. Depois tirei o meu pau dali e estava com porra e sangue, quando ele viu ele falou -Caramba cara, isso é sangue, o que você fez comigo ? -Eu só fiz o que você queria que eu fizesse. Não vem com essa que você gostou. Eu sentei ali no chão e fiquei muito feliz. Comi um cuzinho rosadinho super gostoso. Depois de um tempo que eu estava sentado ali Felipe se sentou ao meu lado e depois deitou em cima do meu colo, com a cabeça batendo no meu pau. Fiquei ali olhando para cara daquele bixinha. Era minha ninfetinha. Depois de um tempo falei -Vamos, temos que tomar um banho e sair logo daqui. -OK Tomamos banho e depois saimos dali. Fomos para o ponto esperar nossos ônibus. Então como o ponto estava vazio falei -E ai, tu gostou? -Sim, gostei -Huuum, bom -Sim -Que tipo de homem você gosta ? -Não sei... -Não ? Você gosta de mim? -Sim, eu gosto de você -E não sabe que tipo de homem você gosta ? hehe -Sei lá, um que seja macho. Que saiba mandar. -Huum, então você gosta de obedecer ? -Ehh... meio que sim -Hum... você quer que eu mande em você ? -Sei lá -Não sabe então vou mandar. Vamos para aquele terreno ali e quando chegarmos lá você vai me fazer um boquete bem gostoso Ele nem falou nada, apenas foi. Ele foi na frente e eu fui indo atrás. Falei -Aqui está bom -Eu abro sua calça ? -Pode ser Ele abriu minha calça, colocou meu pau para fora e falou -Pow, é muito grande. -Sim, e você aguentou tudinho. Coloca logo na boca putinha Ele colocou na boca rapidinho. Parece que ganhei na loteria. Ganhei um viadinho gostoso que além de não ter que me preocupar com força era super obediente. Fiquei falando -AAH, chupa sua safada. Você gosta da minha pica, né ? Sua putinha. Seu viadinho. Ficamos ali por um tempo até que gozei tudo na boquinha dele e sem eu pedir o viadinho engoliu tudo. Falei -Eita, engoliu tudinho -Sim, engoli todo o leitinho do meu macho -Muito bom sua safada. Ele se levantou e foi indo pro ponto, ai dei um tapa bem gostoso naquela bunda. Depois pegamos nossos ônibus e fomos para casa. Depois conto mais o que rolou. Espero que gostem.

O FUNCIONARIO DA FABRICA DO MEU ESTAGIO

Meu estágio na fábrica de painéis já estava no fim, só mais algumas semanas e eu nunca mais precisaria colocar os meus pés naquele lugar novamente. Não foi uma experiência ruim, o dinheiro era bom, claro, mas como a fábrica ficava na cidade vizinha eu perdia muito tempo com ônibus, e o horário do ônibus era muito cedo, então eu sempre chegava bem adiantado na fábrica. Ia ser bom depois de acabar meu contrato por causa disso, mas ia sentir falta do pessoal, os que normalmente trabalhavam comigo eram bem gente boa. Eu me dava bem com praticamente todo mundo, mas tinha um funcionário que sempre pegava no meu pé. Não lembro o nome dele, mas todo mundo chama ele de Bode, por causa da barbixa que ele tem. Não que ele me tratasse mal, mas ele sempre deixou claro que não gostava que me dessem o serviço mais fácil. E como normalmente era o que me passavam, ele ficava claramente puto com a situação, parecia sempre que estava tentando me ensinar uma lição. Ele devia me achar um garoto de vida, fácil. Muitas vezes ele vinha falar comigo de maneira arrogante, meio marrento, me chamando de "boneca". E eu ficaria puto com isso... Se secretamente eu não tivesse um tesão enorme por ele. O Bode não era de longe o cara mais bonito da fábrica, nem o mais musculoso, mas sinto um tesão enorme por ele desde o dia em que outro funcionário, o Valter, me contou uma história de quando alguns caras da fábrica tiveram que viajar para fazer uma manutenção em outra cidade, e de noite o Bode levou uma garota pro quarto de hotel e tirou o cabaço dela. Às vezes, ele usava a calça da fábrica um pouco apertada, e isso fazia a mala dele ficar em evidência, nesses dias eu nem podia olhar que já ficava de pau duro. E quando ele vinha falar comigo, ainda ficava segurando o pau, fazia questão de mostrar que tinha um pauzão e se possível me deixar constrangido. Um dia, no fim do meu expediente, fui até o vestiário me trocar e ir pra casa. Pra minha surpresa, o Bode também entrou no vestiário - Você sai meio cedo, né não? - Ele chegou falando. - É... Eu tenho que pegar o ônibus... - Respondi meio sem jeito. - Que vida fácil, hein... - Ah, não é tão fácil assim... O ônibus chega muito cedo de manhã e eu tenho que ficar esperando até a fábrica abrir... - Podia pedir uma chave, entrar e já começar a trabalhar, não acha? - Tentei já, mas estagiário não pode fazer nada sem supervisão, me falaram. - Que princesa, hein... E aí tu fica aqui fazendo nada até alguém chegar? - Pois é... Fui até o mictório, abri o zíper da calça e comecei a mijar, alívio imediato. Pra minha surpresa maior, o Bode foi até o mictório do lado, abriu o zíper da calça e tirou o pau pra fora, me concentrei pra só olhar pro meu pinto, mas ele fez como se fosse mijar em mim, no susto olhei pro lado e ele começou a rir, tava só tirando uma com a minha cara. Consegui ver o pau dele, realmente grande, não circuncidado e com os pentelhos aparados. Ele começou a rir porque achei que ele mijar em mim, brincadeira idiota, mas ver o pau dele me fez ficar excitado. Ele começou a mijar no mictório e me encarou - Gostou né? - Ele disse. - Sai fora! - Falei, disfarçando, meu pau começou a subir e eu parei de mijar instantaneamente, antes que ele percebesse. Fui até o meu armário e peguei minha mochila. Ele parou de mijar, se virou e antes de eu sair ele me interrompeu - Aí moleque... Se não quiser ficar de bobeira aqui na fábrica de manhã, pode ir lá em casa antes de abrir... Moro aqui perto, na frente do ponto de ônibus perto da serraria. - Beleza! - Falei, indo embora. No outro dia, desembarquei do ônibus, extremamente cedo, como de costume. Eu teria que passar na casa do Bode, não estava acreditando. Provavelmente eu ia chegar e ia ser a casa de outra pessoa, sei lá, ele devia estar tentando tirar uma com a minha cara. Mas precisava ter certeza. O ônibus me deixou bem em frente à casa dele, atravessei a rua, abri o portão e caminhei até a porta. "O quê eu tô fazendo?" Pensei. Respirei fundo e toquei a campainha. Um tempo depois escutei o barulho da fechadura se destrancando, e pra minha surpresa, lá estava o Bode... Só de cueca, e uma cara de quem tava puto por ser incomodado cedo. - Você chega bem cedo mesmo, hein... - Ele falou, coçando o saco. - Eu falei... - Respondi, dando uma risadinha pra quebrar o gelo, que constrangedor. - Entra aí - Ele falou. Entrei, fechei a porta e me sentei no sofá da sala, que era junto da cozinha. Ele caminhou até a cozinha, pegou uma xícara e se serviu de café. - Servido? - Ele perguntou, mostrando a garrafa de café - Já tomei café em casa... - Respondi acanhado, aquela situação era completamente constrangedora, com o Bode ali na minha frente só de cueca. Comecei a percorrer com os olhos a casa, tinha um sutiã na poltrona. - Você é casado? - Perguntei tentando puxar assunto. - Juntado... - Ele foi curto e grosso - E você? Namorada? - Não... - Respondi, a situação estava constrangedora, mas meu tesão aumentava cada vez mais toda vez que batia o olho no Bode só de cueca na minha frente. - Pois é... Sabia que ia dizer isso... - Ele me encarou, deu um gole de café, deixou a xícara na mesa e segurou o pau com força - Tu gosta disso aqui né? - Eu... - Fiquei sem saber o que dizer. - Tu acha que eu não percebi ontem? Só de ver meu pau tu já ficou louco! Fiquei em silêncio, não sabia o que responder... Ele começou a se aproximar de mim, e a cada passo minha excitação aumentava. Ele chegou na minha frente, tirou o pau pra fora da cueca e falou - Você quer né? Dá uma ordenhada no pau do teu macho, vai... Meu pau subiu na hora, encarei o pau mole dele por alguns segundos, me ajoelhei e olhei pra ele - Ajoelhou tem que rezar... - Ele disse com desdém. Segurei o pau dele com a minha mão, era tão grande ainda mole, imaginei como deveria ser quando duro, não exitei e comecei a chupá-lo - Isso boneca... Assim... - Ele gemeu, indo ao delírio, senti o seu pau endurecendo na minha boca, olhei pra ele, estava se deleitando com aquilo, deu um tapinha na minha cara - Continua assim... Desse jeito... Aaah... Isso... - Ele gemia Sentir o pau dele na minha boca era uma sensação maravilhosa, eu poderia gozar a qualquer momento que eu encostasse no meu pau. Continuei deslizando meus lábios no pau do Bode, que naquele ponto estava no controle da situação. Ele segurou minha cabeça e começou a empurrá-la para frente e para trás - Assim... Bem obediente... Capricha aí... Ele se sentou na poltrona e abriu as pernas, fiquei admirando a imagem dele segurando o pau, só esperando eu voltar a chupá-lo - Tá esperando o quê? - Ele falou - Coloca essa boca no meu pau, antes que eu me irrite... E acredite, eu não sou um cara muito legal quando fico realmente irritado. Voltei a chupá-lo imediatamente, ele segurou minha cabeça e começou a segurá-la com força, ele queria me ver engasgando com o seu pau. - Tira a roupa! - Ele pediu. Comecei a me despir, e antes que eu pudesse dizer qualquer coisa ele falou - Chegou a hora de você levar no cuzinho. - Me puxou pelo braço até o quarto e me fez deitar na cama. Fiquei de quatro pra ele. - É uma puta mesmo... - Ele falou - Olha só esse rabinho... - Ele deu um tapa na minha bunda. Abriu o criado mudo, tirou uma camisinha e lubrificante. Colocou a camisinha, passou um pouco de lubrificante no pau e subiu na cama, passou mais lubrificante no meu cu e falou - Se prepara, que agora vai ter que aguentar... Ele enfiou tudo de uma vez, senti aquilo entrando inteiro pra dentro do meu cu. Ele risada, era uma pau muito grande, mas que deslizou perfeitamente para dentro do meu rabo. Ele ficou com o pau parado dentro do meu cu por uns instantes e começou a bombar. Fui ao delírio. - Que cuzinho gostoso, hein... - Os movimentos de vai e vem começaram a fazer barulho com sua pélvis batendo na minha nádega, ele começou a dar tapas na minha bunda, ficando mais agressivo. Me senti como uma puta, e eu gostei daquilo. Queria que ele destruísse meu rabo. - Me arrebenta... - Implorei. - Então toma! - Ele me empurrou pra baixo até eu encostar a barriga na cama e começou a meter com mais força, dando socos nas minhas costas, acho que ele queria mostrar quem é que estava no controle ali. - Aguenta o pauzão do teu macho agora... - Ele falou, ficando mais agressivo - Toma vadia! Toma! Ele se deitou em cima de mim, e me segurou com uma chave de pescoço, metendo com força. Senti sua barbixa roçando e sua respiração ofegante. O cara era um completo animal, me fodendo selvagemente. - Tá quase vadia.... - Ele anunciou enquanto metia com força - Vou gozar... Aaah... Aguenta vadia... Isso... VOU GOZAR!! AAAAAHH... - Ele me apertou com força, urrando - AAAAH!! - Ele ia ao delírio enquanto gozava dentro de mim. Estava em êxtase, deu mais uma estocadas com força só para me ver gemer e tirou o pau de dentro do meu cu. Ele deu um tapa na minha bunda e elogiou - Que rabinho gostoso, hein... Ele saiu da cama e foi pro banheiro. Me virei e bati punheta até gozar na minha barriga. Que foda... Meu cu estava até um pouco dolorido, ele realmente fez um estrago. Me levantei e fui até a porta do banheiro, onde ele me viu e disse - Daqui pra frente aqui é onde vão ser suas horas extras.

MEU TIO DEPOIS DO DIVORCIO

Galerinha, só pra quem não me conhece, me chamo Alex e sou de Vitória - ES, tenho 21 anos, 1.70, magro, cabelo castanho, 19cm de pau e minha bunda parece a do ator Pornô Rafael Alencar. Quem quiser conferir é só me adicionar no Snap: LoveHardCocks e avisar que leu meu conto. Oi gente, esse conto aconteceu quando eu tinha 16 anos. Meu tio tinha acabado de se separar da minha tia. Eles tem um filho, que por sinal já me fudeu também. Meu tio era mestre de obra, e morava no mesmo edifício que eu. Ele morava no 23° e eu no 25° andar. O corpo dele é de um pedreiro macho mesmo, definido, braços bem musculosos, abdômen definido, mas tinha poucos pelos no corpo, apenas muitos pubianos. Sempre fui de ajudar minha mãe em casa durante a semana quando a empregada não vinha. Arrumava a casa, varria, passava pano, lavava... Essas coisas. Meu tio acabou ficando bem relaxado, e não queria chamar empregadas pra limpar a casa dele que estava um verdadeiro chiqueiro. Vendo isso, minha mãe pediu que eu fosse uma vez por semana lá dar uma moral pra ele com a casa. No dia que eu fui naquela semana, ele estava em casa, bebendo muito, eu parecia empregada dele mesmo, ele me pedia drinks, bebidas fortes, essas coisas. A temporada de obras estava fraca, então ele passava a maioria dos dias em casa bebendo e se consolando com a bebida. Lembro que no final da tarde, eu já estava totalmente exausto, e de short curto, blusa semi levantada tipo um tomara que caia por causa do calor, reparei os olhares dele pra mim. Já tinha uns 5 meses que ele e minha tia tinham se separado, e como ele passava a maioria do tempo em casa e não trazia ninguém, creio que ficava só na punheta. Eu meio que me insinuava pra ele, afinal, um homem daqueles, másculo e viril naquelas condições não era de se jogar fora. Meu tio é homem e ficava bem a vontade em casa, regata e cueca, encardida, manchada de mijo essas coisas. Eu sempre cheirava forte as cuecas dele, meias, blusas antes de lavar. Até catava algumas pra cheirar em casa. Aquele primeiro dia antes de eu ir embora, meu tio estava desmaiado no sofá, perna aberta e o fedor que exalava dalí não era fraco não. Tentei acordar ele pra avisar que eu ia embora, mas ele continuava roncando, não importa o que eu fizesse. Com ele roncando, meti a cara na cueca dele, cheirei, lambi e me arrisquei. Acabei tirando e vendo o pau dele. Dei uma lambida rápida, guardei ele de volta e fui embora. Em casa fiquei apreciando o gosto da rola suada dele na minha boca. Mas podia esperar pra voltar lá na outra semana. Depois que a semana passou, ele veio aqui em casa dizer que não estaria em casa porque iria fiscalizar uma obra, mas deixou a chave comigo pra eu ir lá arrumar. Fiquei triste, mas ao mesmo tempo teria como cheirar as botas dele, roupa, bater uma cheirando as coisas dele e etc.. Na semana anterior, eu tinha reparado que algumas roupas da minha tia, as mais sensuais, ela tinha deixado lá, lingerie completa, uns 2 sapatos de salto 15 e tudo de lubrificantes, camisinha essas coisas. Fiquei curioso pra colocar tudo e ver como eu ficava. Primeiro arrumei a casa toda, e no final da tarde provei tudo, fiquei uma boneca, minha bunda enorme, a calcinha ficou bem apertada, doendo o cu, mas eu curtia a sensação. Eu nunca tinha colocado um salto na vida, ainda mais de 15cm.. Mas me equilibrei muito bem em cima dele. Fiquei andando pela casa todo montado e fui deitar na cama pra me imaginar dormindo com o meu tio. Esse foi o meu erro.. Ou não... Kkkkkkkkkkkk. Acabei pegando no sono. Quando eu acordei, o quarto estava escuro, eu mal conseguia ver, as janelas fechadas, a porta fechada, um breu total. Levantei da cama e fui andando em direção ao interruptor pra acender a lâmpada. Que susto que eu tomei, meu tio estava sentado nú na poltrona do lado da cama. Eu fico apático olhando e ele diz: - Essa noite me rendeu uma boa gozada. Eu vermelho, nem consegui responder. Ele então continuou: - Espero que não tenha problema, mas eu tirei uma foto sua vestido assim e fiz um vídeo também, vou assistir sempre pra dar umas belas gozadas. Eu então tomei coragem, caminhei até a cama, sentei, ele entendeu o recado, levantou nú da poltrona, deitou na cama e eu fiz o resto do trabalho, sussurrei gemendo igual a uma puta no cio no ouvido dele: - Pra quê tirar foto e filmar? Você pode ter tudo isso ao vivo se quiser. Ele pegou com forte na minha sintura e me puxou, fiquei de costas pra ele ele encaixou o pau no meio da minha bunda e ficou esfregando até endurecer, enquanto isso ele mordia meu pescoço, lambia minha nuca e puxava meu cabelo de leve me fazendo delirar. Virei de frente pra ele e lasquei un puta beijo, de perder o ar. A partida estava dada, nos beijamos frenéticamente, ele começou a me despir, peça por peça, e no momento de delírio enquanto estava por cima de mim, me dava uns chupões no pescoço, e eu cravava minhas unhas nas costas dele, de sangrar mesmo. Ele então me jogou na cama, e foi lambendo meus mamilos, me sentia a fêmea dele, ficava louco com aquilo, ele então me pediu uma coisa que me deixou louco, pediu que eu desse pisadas de leve com o salto no pau dele e nas bolas. Ele começou a beijar o salto, meus pés e tudo mais. O pau dele estava babando muito, achei um desperdício desperdiçar tanta baba. Caí de boca no pau dele, a coisa ficou tão séria, que eu coloquei as pernas dele por cima do meu ombro enquanto eu chupava ele. Pelo visto aquele dia ele tinha pego no pesado, o gosto de pau suado e o cheiro dos pentelhos dele estavam divinos, do jeito que eu gosto. Ele entanto disse com a voz de maior tesão do mundo: - Põe esse rabo na minha cara põe, vamks fazer um 69. Nem falei nada, mas virei minha bunda pra ele e ele me fez ver estrelas, língua áspera, mãos asperas, e grossas segurando minha bunda, eu ia no céu e voltava. Ele me puxava tanto que minha boca nem alcançava mais o pau dele. Beijei então o abdômen dele, e fui descendo devagar desprendendo a boca dele do meu rabo. Posicionei então o pau dele na entrada e disse: - Vai tio, não precisa ter pena. Ele quis levantar pra meter, e foi ai que eu sentei de uma vez no pau dele. Só ouvi um urro de prazer e gritei de dor. A sensação era tão boa que a dor passou no mesmo instante. Era oficial, ele tinha arrombado meu cu. Continuei cavalgando até minhas pernas doerem, quando doeu, fiquei de quatro e assim que ele tirou o pau, viu o estrago e disse: - Agora sim parece uma cucetinha. Pisquei o cu pedindo mais rola e ele atendeu, meteu tão forte que eu tinha que ne segurar na cama pra não cair, e minha cabeça ficava batendo na cabeceira. Ele puxava meu cabelo e batia na minha cara, mordeu meu pescoço o que me fez ficar mais violento. Quanto mais ele metia, mais eu jogava o meu corpo pra trás pra entrar no meu cu. Não demorou muito pra ele gozar, ma sos jatos eram tão fortes que não parecia que ele já tinha batido uma aquela noite. Eu já não controlava mais o meu cu, então assim que o pau dele saiu, a porra veio junto e encharcou a cama. Caímos exaustos, ele ficava se contorcendo tendo orgasmos, durou uns 2 minutos e quando parou, nos beijamos, liguei pra minha mãe e disse que ia ficar na casa dele pra assistir filmes e ficar conversando. Bebemos vinho na cama, e ele me chamou de nova esposa dele. Meu cu não aguentava mais rola, então antes de dormir eu só tomei mais um pouco de leitinho da rola dele pra dormir e dormimos agarradinhos. No outro dia de manhã, tive que me esconder no guarda roupa quando o meu primo chegou lá. E fiquei por um bom tempo, ele despistou e disse que ia com o meu primo na padaria e que dava tempo de eu sair e ir pra casa. Foi o que eu fiz. Meu primo acabou se mudando pra casa do meu tio, então ele sempre estava lá quando eu arrumava a casa, porco igual ao pai, me fazia de empregada, mas eu gostava, e foi assim que eu dei pra ele. Na verdade, saí da cozinha com o cabo do espanador enfiado no cu pra chamar a atenção dele. Ainda arrebitei a bunda e abaixei pra ele ver tudo lá dentro. Esse meu tio está há 4 anos na reabilitação o meu primo paga tudo pra ele lá, e agora tem o apartamento só pra ele. Espero que gostem do conto.