quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

MEU CUNHADO SAFADINHO

Bem acho que todos conhecem o meu perfil eu desde cedo gostei de fazer uma brincadeirinha com outro homem, a história que vou contar faz muito tempo quando ainda era de novinho uma certa época fui morar com minha irmã casada, meu cunhado trabalhava a noite e dormia durante o dia minha irmã trabalhava durante o dia, tudo começou certo dia que eu cheguei da escola como estava apertado entrei no banheiro apressado sem perceber que meu cunhado tomava banho como nosso banheiro não tinha box dei de cara com ele ali pelado todo ensaboado sem perceber fique alguns segundos admirando seu pau pois era primeira vez que eu via um ao vivo ele me chamou oi Toninho que ouve cara ?eu voltei a mim e disse tô apertado baixei as calça e sentei no vaso sanitário e fiquei olhando ele se enxaguar ele alisava o pau com sabão quando terminou disse depois toma um banho lava bem essa bundinha foi o que fiz mais minha imaginação era agarra aquele pau quando sai do banheiro ele me chamou no quarto eu mais que pronto já estava lá, que vc quer perguntei, vem deitar um pouco com cunhadinho não precisou pedir outra vez já deitei de costas pra ele me acheguei bem nele,ele fez eu deitar no seu braço forte e musculoso com a outra mão puxou bem minha bundinha contra seu pau que já estava bem duro, ele bem abrasadinho em mim falou no meu ouvido que gostoso teu corpinho deixa o cunhadinho acariciar tua bundinha eu balancei a cabeça afirmativo nossa uma delícia e uma tesão sentir aquela mão passeando na minha bunda na minhas coxas em poucos minutos eu já estava completamente sem roupa todo peladinho e logo senti aquele pau quente nas minhas coxas e aqueles pentelhos na minha bunda ele beijava meu pescoço e pedia aperta as coxinha no pau do cunhadinho eu não saberia descrever a sensação que sentia sentir o pau dele num vai e vem roçando minha bundinha meu anelzinho enquanto ele me segurava forte e fazia um vai e vem lentamente perguntava tu já Mamou um pau eu balancei a cabeça negativamente quer aprender a mamar ? Sim quero ele sentou na cama escorando uns travesseiros me fez deitar a cabeça na sua barriga eu fui devagarinho botando aquela chapeleta na minha boca ele cordenava e pelo espelho do guarda roupa ele via eu mamando seu pau isso meu gurizinho mama o cunhadinho vai assim que delícia quer leitinho na boca eu sem saber direito concordei não demorou muito pra ele segurar minha cabeça pra não tirar o pau da boca o pau dele inchou e recebi uns trez jatos de porra na boca enquanto ele gemia e extremecia fui obrigado a engolir porque ele não deixou eu tirar o pau da boca me elogiava e dizia que delícia vc garoto pegou um vidro de óleo de cima da cômoda despejou um pouco no meu pinto e na minha bunda pediu que eu continuasse a mamar aquele pau já meio mole enquanto ele me masturbava e foi aí que levei o primeiro dedo no cuzinho gemi alto mais tive a sensação de gozar e uns espasmos que fez meu corpo tremer o pau dele endureceu na minha boca mamei com mais avidez ele louco de tesão me botou de ladinho e fudeu minhas coxas até gozar novamente meu cunhado fez muitas sacanagem comigo mais nunca comeu meu cuzinho o máximo era um dedo no cuzinho que me levava as nuvens mais adiante conto mais sobre meu cunhadinho se gostaram votem deixe seus comentários obrigado e logo tem mais contos

Fazendo uma revisão com dois tarados

Com ciência de minha esposa, gosto de sair nos sábados, fazer a manutenção de meu carro, lavar, troca de óleo, calibragem de pneus, costumo deixar meu carro numa empresa que faz tudo isso, inclusive alinhamento, cambagem e parto para feira, que se tornou meu reduto das manhãs de sábado e domingo ali me espaireço, vejo coisas novas, tomo umas, como churrasquinho, pasteis, compro meus temperos e segundo minha esposa, quando eu volto da feira, geralmente volto calmo, tranquilo, light, já teve oportunidade em que ela me "zoando" disse que parecia que eu havia entrado na piroca, de tão calmo que voltei. Eu não tinha o costume de ficar na loja, esperando executar os serviços necessários no carro, porem, nesse sábado foi diferente, só havia dois rapazes no recinto, e as portas semi abaixadas, ou eu cheguei cedo demais, ou tudo dava a entender que não abririam, perguntei aos rapazes, eles me informaram que realmente não abririam, por motivo do dono do estabalecimento estar hospitalizado, procurei saber se era algo grave, e comentei que queria fazer o serviço completo, troca de óleo, alinhamento, e lavagem do carro, que seria uma pena procurar outro lugar, pois estava acostumado com os serviços deles. Um dos rapazes, reconhecendo que na atual situação que o país atravessa, seria mais interessante, consultarem a esposa do patrão, se poderiam me atender, ela autorizou, mas disse que mantivesse as portas fechadas, e só atenderiam a mim, e fariam a limpeza que estavam programados para fazer naquele dia. Entrei com o carro, as portas foram fechadas, já colocaram o carro na rampa, e ao invés de eu ir para feira, fiquei ali, observando o trabalho dos rapazes, os quais vou apresenta-los agora. Beto, um mulato, magro, não muito alto, tem 25 anos, e Tião, um negro, fortinho, mais alto que Beto, disse ter 28 anos, iniciados os trabalhos, começam os assuntos típicos de oficina, eu na curiosidade, perguntava, entre uma resposta e outra eu dava uma, de que estava querendo aprender, e me aproximava mais dos dois, criando uma certa intimidade, enquanto um trocava o óleo, o outro já preparava o alinhamento, segundo eles, para depois os dois juntos lavarem o carro. Comentei que iria fazer um lanche na feira, e Tião, o mais expansivo, insinuou, que poderia trazer um espetinho pra eles, concordei, ele abriu a porta lateral pra mim, e quanto eu saia, falou que se eu quisesse poderia levar um latão de brahma tambem, disse que iria deixar a porta encostada, era só empurrar, quando voltasse. Ao invés de fazer o lanche na feira, preferi levar para a loja, 6 latões, e três espetinhos, ao abrir a porta, no som do carro, tocava a musica nova da Anitta, e o Tião, fazia a coreografia, perfeitamente, eu fiquei quieto observando, para não atrapalhar a performance. Ficaram todos dois agradecidos pelo lanche, antes terminaram de executar as tarefas em execução, lancharam, e eu elogiei a performance do Tião, dançando, o Beto argumentou que ele dançava muito, geralmente fazia um sucesso danado nas baladas. por ser fortinho, e fazer questão de expor seus músculos, Tião, tirou a camisa, e tocando a musica do Pablo Vittar, tambem fez a coreografia, fiquei impressionado e elogiei a flexibilidade do rapaz, realmente ele era um artista, levando o assunto à conotação sexual, disse que ele devia fazer muito sucesso com a mulherada mesmo, aí o Beto, riu, e disse que fazia sim, até com viados, que os comentários ali na loja que o Tião, costuma fazer shows numa boate gay, ele riu e disse que isso era intriga da oposição. Para não deixar o assunto cair no esquecimento eu mantive aquela conotação, até porque eu queria mesmo era uma brincadeira com os dois, só não sabia ainda como abordar. Os rapazes tomaram suas cervejas e as minhas, não gosto de brahma, já ficaram mais alegres, falando mais sacanagens e putarias, aspiraram e lavavam o carro, eu sugeri mais uma rodada de cerveja, já que só iriam fazer o meu serviço, voltei com 3 latões pra cada um e vim tomando uma Skol, menti dizendo que havia tomado uma pinga na feira; zoando, argumentei que não poderia ficar bêbado, pois nos três ali bêbado, não sei o que poderia rolar, e cu de bêbado não tem dono... Tião, o mais expansivo logo disse que ele tomaria conta, o papo estava todo com conotação de putaria, até que Tião mencionou que iria dar uma mijada eu logo disse que tb queria, e o acompanhei. Banheiro estreito, com um mictório e um sanitário, fiz logo contato visual com a piroca do negão, e elogiei dizendo que ele deveria fazer um estrago quando comia alguém, devido a grossura. Ele riu e disse que sabia colocar, não fazê-los muito estrago não. Já em tom de entrega, perguntei se ele ficava duro rápido, ele safadamente perguntou se eu queria ver, balancei a cabeça afirmativamente, ele mandou eu segurar pra ver, segurei endureceu na hora. Ele mandou eu dar uma chupada, me curei, levei a boca, um gosto agridoce, tinha acabado de mijar, paguei um boquete nele. Só parei quando ouvi a voz do Beto, perguntando se a farra estava boa ali, que ele também queria entrar na brincadeira. Me chamaram pra loja, onde havia uma poltrona, ali eu chupava intercaladamente Tião e Beto, enquanto tomavam suas cervejas. Fiquei de quatro em cima de uma mesinha de centro, enquanto chupava Beto, Tião ia preparando caminho pra me enrabar, senti seus dedos me lubrificarem com vaselina, um deles falou que eu iria ver como eles tratavam viado bem, com pirocadas certeiras, eu pedi para não sacanearem, para colocar devagar, e fui atendido, com uma pica duríssima entrando e saindo de meu cu. Intercalaram, entre bunda e boca, se revezaram em me proporcionar prazer e o maior banho de porra que já tinha levado na cara. Tive que entrar embaixo da mangueira em que lavavam o carro, para poder me limpar.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Brigando por causa da garagem, fui Currado pelo vizinho boyzinho.

Brigando por causa da garagem, fui Currado pelo vizinho boyzinho. Ao lado da minha casa foi construído um Flat, e num certo final de semana havia chegado por volta das 23h, havia bebido um bocado, minha noiva havia brigado porque eu estava muito bêbado e acabou não vindo dormir comigo. Pois bem, ao chegar para entrar na minha garagem havia um carro que já havia discutido com um dos vizinhos ocupante do flat que tinha a mania de para atrapalhando minha garagem. Tenho 32a, 175 73k sarado, branco, rola 19cm grossa retinha rosadinha, uma delicia, hehehe; O vizinho 22ª, mesmo porte físico, branco, o pau digo depois, rsrr ainda não sabia o tamanho. O nome dele é Rafael, veio morar na cidade porque estava fazendo faculdade e o ideal seria morar em flat. Enfim, cheguei e fui logo entrando na portaria do flat e indo até o apartamento dele (Rafael), o porteiro já me conhecia porque sempre ia reclamar de inquilinos que paravam na minha porta. Nisso abre-se a porta e Rafael atende, não o deixo falar e por conta do álcool estava um pouco alterado, Rafael me pede calma e me puxa para dentro do apt pedindo para que eu fale baixo. Tento agredir e ele me segura fácil pois estava bêbado e ele com o mesmo porte atlético conseguiu me dominar. Me deu um soco no estomago que cai de joelhos. Rafael: cara, você não tem o direito de entrar na minha casa, gritar e me ameaçar. Eu: comecei a balbuciar algo o chamando de viado. Rafael: eu viado? Ora, você esta dentro da casa de um macho e de joelhos pra ele, e eu que sou o viado. Ele sorrindo com a cena, puxou pelo meus cabelos levantando-me e empurrou-me para o sofá, como estava tonto ainda, estava sem entender, nisso Rafael já vem dizendo que ia me mostrar o que era viado. Começou a puxar minha roupa me deixando nú, depois tirou a dele já com o pau duro apontando para cima. Soube depois que tinha uns 22cm e bem grosso, pois o estrago foi grande no meu cuzinho. Com facilidade ele me virou de bunda para cima do sofá e pernas no chão e posicionou no meio de minhas pernas ficando com seu pau apontando para meu cuzinho, senti ele cuspindo e socou sem dó. Eu: AIIIIIIIIII Nisso Rafael tapa minha boca. Rafael: Cala a boca viado, quer que os vizinhos saibam que você veio aqui dar o cu para o boyzinho? Aguenta e sente o que é viado agora, aprende a respeitar outro macho, macho que agora esta te comendo e fazendo de mulherzinha levando uma rola grande no cú. Fala, diz quem é o viado? Eu: aaiii, peraee cara, por favor, tá doendo, tá me rasgando. Rafael apenas sorria e continuava socando aquele pauzão em mim. Eu já começava a ficar bom da bebida de tanta dor que sentia sendo comido pelo garotão pauzudo. Rafael, então tira a pica de dentro de meu cú, mas soca novamente, mas sinto que esta diferente, ele havia tirado a camisinha. Eu: cara, para, não faz isso. Rafael: viado, você vai sair daqui cheio de leite para saber quem é o macho. De agora em diante você vai ser minha putinha, já que estou morando sozinho e sem namorada, você vai ser minha putinha todo dia. Quero torar esse cuzinho todo instante, transformar ele numa bucetinha bem macia. Quando passado uns 30 minutos sendo arrombado pelo garotão, sinto seu pau pulsando engrossando e soltando leite, leite muito quente e grosso, parecia que ele fazia tempo sem fuder ninguém. Rafael parou de bombar meu cu mas permaneceu com seu cacete dentro de mim, eu estava em transe ainda, havia acabado de ser currado por outro macho bem mais novo do que eu. Fiquei parado até que ele tirou sua rola de dentro de mim e deu um tapa em minha bunda dizendo que tinha gostado do meu cuzinho, que se soubesse já teria me comido antes. Tentei me levantar e ainda um pouco tonto e ele me ajudou sorrindo e disse: Quem é o viado aqui? Putz, humilhado, como ia sair daquele apt. Rafael me levou até seu banheiro, tomei banho e sai apenas na toalha porque as roupas estavam na sala. Rafael sentado no sofá ainda nú alisando sua tora imensa já meio mole. Apesar de tudo, olhar um macho daqueles, novinho e tão vigoroso, um verdadeiro garanhão que sabe dominar outro macho. muito lindo vê-lo sentado e pelado. Tento não encarar por vergonha e pego minha roupa para vestir, ele se levanta e chega perto de mim segura meu rosto e me beija enquanto apalpa minha bunda e com o dedo tenta enfiar em meu cuzinho ardido. Me esquivo , ele me diz que eu não tenho mais querer, sou dele, estava marcado. Nisso seu pau já volta a dar sinal de vida e fica duraço, me solta e senta no sofá de pernas apertas e manda eu me ajoelhar e chupa-lo. Digo que vou me embora, quando escuto ele num tom ríspido e alto, CHUPA! Por receio dos vizinhos atendo Rafael, me ajoelho e começo a colocar aquele cacetao na boca. Pude observar o quão lindo e grande era aquele pau. Começo a ficar excitado e começo a me masturbar. Rafael: sorrindo, isso, meu viadinho foi dominado, agora vai sentir prazer em virar mulhezinha pra mim. Não vou comer teu cu agora porque sei que está arrombadinho e dolorido pois soquei com muita raiva. Mas vou querer que beba meu leite e a partir de amanhã virá dar para mim todo dia. Vou te comer direto enquanto morar aqui do lado. Ouvindo essas palavras e chupando aquele caralho de macho dotado, começo a sentir seu leite jorrando quente dentro de minha boca, ao tempo que começo a gozar me masturbando, começo a gemer. hammm, aii hammm, haaa aiii hummm, e engolindo gala do macho; É bom que não falte pois sei que tem noiva e se não me der, falo pra ela do viadinho que você se transformou na minha pica. Rafael disse para me ir sem me limpar, chegar em casa com a boca ainda com gosto do pau do meu macho. algum filete de gala no meu rosto.. sai rapido pela portaria, mas pude observar o carinha da portaria com um certo sorrisinho ao falar comigo: Resolveu Sr. Brunno? apenas acenei com o polegar positivamente.

Punheta para cunhado

Desde adolescência quando descobri os contos eróticos em diversos sites da internet passei a ser assíduo leitor de contos de diversos tipos, gays, heteros, bi, etc. Sempre preferi os contos verídicos ou o mais próximo disso. Por parecerem um pouco mentirosos, nunca gostei muito dos contas que falam de masturbar outra pessoa dormindo. Até que isso se tornou realidade comigo. Vamos ao fato: Comecei a namorar uma garota 9 anos mais nova do que eu. Ela tinha 18 anos e seu irmão 16 anos. Depois de dois anos de namoro, transamos muito em todos os lugares possiveis e ateh uns ñ tao possiveis. Passei os dois anos ouvindo piadinha do meu cunhado se gabando pelo tamanho do seu pinto. As vezes ate me irritava, ñ entendi o motivo de ficar contando vantagens para a irmã e o cunhado. No dia de aniversario de 18 anos do meu cunhado, ele deu uma festa. Era uma sexta-feira, eu tinha acordado cedo para trabalhar e sai do serviço direto pra casa da minha namorada que era em uma outra cidade. Tomei um banho, me arrumei e desci para a festa. Cansado, por volta da meia noite fui dormir e minha namorada me colocou numa cama de solteiro que tinha uma cama embaixo, essas que se puxa para outra pessoa dormir. A festa continuou durante horas depois que eu dormi. estava tão cansado que nem vi qdo meu cunhado puxou a cama debaixo da minha para dormir. como dormi cedo, por volta das 8 da manha estava acordado. Na cama debaixo estava meu cunhado e um amigo dele dividindo a cama. como ele costumava ficar bêbado qdo bebia, sabia q tinha dormido tarde, tinha certeza q ñ acordaria tao cedo. ele dormia de camiseta e cueca e seu amigo de bermuda jeans e camiseta. Reparei no volume de seu pinto na cueca. Pensei "será q é tão grande qdo ele costuma se gabar?". Passei o dedo indicador sobre a cueca em cima do pinto que respondeu imediatamente. o pinto foi ficando duro ate parar no elastico da cueca. Conclui q ñ era tão grande e por medo dele ou o amigo acordar parei. Fiquei deitado e pensando. olhei para o pinto dele q estava amolecendo na cueca. A vontade foi ficando irresistivel e passei o dedo em cima do pinto dele de novo. e logo foi ficando duro mais uma vez. desta vez, puxei o elastico e o pinto cresceu pra fora. ateh entao eu fazia td com mto cuidado, tocando levemente com medo de acorda-los. Resolvi arriscar e puxar mais a cueca, liberando todo o pau dele. Para um moleque magrelo o pau dele ateh era grandinho, mas nada fora do normal, deveria ter uns 16/17cm. Resolvi pegar e sentir a grossura. Era mais fino que o meu que tem 14cm. Era a primeira vez q pegava em um pau depois da adolescencia. Comecei a punhetar devagar. ainda com receio de acorda-lo. a cabeça tava seca, peguei saliva com os dedos e melequei a cabeça do pau e retomei a punheta. agora batia mais rapido e apertava um pouco o pau que pulsava em minha mao. olhava para o amigo dele pra ter certeza q dormia e para o rosto dele para tentar perceber caso tivesse acordando, mas ñ havia sinal. ele sequer se mexia, soh o pau que estava mto duro e pulsando. Acelerei a punheta, qria q ele gozasse logo. O pau dele pulsava, o meu tbm. Fui batendo ateh q ele explodiu num gozo que sujou sua barriga e peito. Ñ tinha pensado nas consequencias da gozada. tinha q levantar, limpar ele sem q ele e o amigo acordassem e sem q mais ninguem na casa percebesse. sabia q pelo menos minha namorada e minha sogra estavam na casa, mas ñ tinha ideia se mais pessoas haviam dormido la. corri para o banheiro, peguei uma boa quantidade de papel higienico e limpei o pau, barriga e peito dele. Fui escovar os dentes e me desfazer do papel sujo com o gozo do meu cunhado. Nunca me deu qualquer indicio de que acordou naquela manha e depois do termino do meu namoro encontrei com ele casualmente duas vezes. acho que ñ acordou, nem ele e nem o amigo. E a partir desse dia, comecei a ver diferente contos com punhetas em pessoas q dormiam.

domingo, 7 de janeiro de 2018

sábado, 23 de dezembro de 2017

ACORDEI COM MEU SOBRINHO PEDINDO SEXO

Olá, sou branco, tenho 1,86 de altura, olhos escuros bem pretos, cabelo escuro liso e vou para a academia com certa frequência. Tenho um corpo bacana. O que vou contar pra vocês aconteceu há mais ou menos duas semanas. Eu tenho dois irmãos. Sou o caçula. E meu irmão mais velho teve filho muito cedo, com 16 anos. Então, a diferença de idade do filho dele para a minha é de apenas 07 anos. No mês passado meu irmão me ligou dizendo que o Lucas havia se inscrito em um processo seletivo de Residência em Goiânia. Ele estava se formando em medicina e estava aplicando em vários lugares para ver se conseguiria passar. A prioridade dele eram cidades que tivessem alguém da família, pra dar suporte. Meu irmão perguntou se eu poderia receber o Lucas em casa durante a semana. Eu disse que não havia problema algum. Meu sobrinho ficou de vir uma semana antes do dia da prova pra ficar focado nos estudos. Quando ele chegou, minha mulher foi buscá-lo no aeroporto, pois eu estava trabalhando. Ao chegar em casa, me deparo com Lucas sentado na mesa da sala cheio de livros. Ele é lindo. 23 anos, bem branquinho (como todos da família), Cabelos escuros, da minha altura (deve medir uns 1,85), olhos castanhos e com um corpo bem trabalhado (ele adora Crossfit). Quando ele me viu, abriu logo um sorriso e veio me dar um abraço. A gente sempre teve uma relação muito legal por conta da idade. Sempre saímos juntos e tínhamos até um círculo de amizade muito próximo. Mas, nunca rolou nada. Nunca nem cogitei isso. Conversamos bastante. Era uma segunda feira e ele disse que ficaria por uma semana na minha casa. A prova seria no domingo e ele retornaria pro RJ na segunda à tarde. No dia seguinte acordo e ao chegar na sala pra tomar café da manhã, encontro Lucas sem camisa, só de short, tomando café e já com um livro do lado. A cada dia que passa ele está com um corpo mais definido por conta das atividade física. - E aí moleque, já acordado? - Fala tio (ele me chama de tio quando quer tirar onda), to acordado desde cedo. Já dei até uma corrida aqui no bairro. Mas agora eu vou enfiar tomar um banho e enfiar a cara nos livros. - Nossa, vc madrugou então (Era 08h da manhã) - Eu sempre acordo cedo. Gosto de correr cedinho. Comecei a tomar café do lado dele. Aí ele levantou e disse que iria pro banho. Quando ele foi saindo, notei a bunda grande dele. Ele tava usando um short de academia. A semana foi passando e todo dia era isso. Ele já tava se sentindo em casa. Minha mulher, como fazia de 15 em 15 dias, viajou pro RJ pra ficar com a família na quinta feira e só voltaria na segunda à tarde. Eu chamei o Lucas na sexta pra dar uma volta. Fomos para um barzinho e passamos a noite conversando, bebendo. Como costumávamos fazer quando eu morava no RJ. Ele disse que tava com problemas com a namorada. Que estava pensando em terminar. Pois ele estava muito focado nos estudos e não tinha tempo pra dar atenção pra ela. Eu disse pra ele que ele era super novo e que ainda tinha muito o que viver. Voltamos pra casa e fomos dormir. Chegou o domingo. Dia da prova dele. A prova começaria às 13h e e teria 4:30 de duração. Quando ele saiu da prova disse que estava super feliz e que sairia pra beber com dois amigos do RJ que também tinham vindo pra Goiânia pra fazer a prova de residência também. Eu disse pra ele que eu estava em um churrasco com o pessoal do trabalho, mas que se ele quisesse eu buscaria ele quando terminasse a farra com os amigos dele. Independente do horário. Quando deu 01h da manhã, Lucas me mandou uma mensagem dizendo que iria esticar com os amigos. E que voltaria de Uber. Eu, que já tava bem alto de bebida também, fui pra casa. Passaram-se as horas e acordo com alguém me tocando. Quando abro os olhos, ainda meio tonto da bebida, vejo Lucas sentado na minha cama alisando meu Pau. Eu sempre dormi pelado, então ele nem teve trabalho de tirar a minha roupa. - Lucas o que vc tá fazendo, cara? - Eu vim avisar que eu cheguei e te encontrei peladão na cama com esse pau bonito aqui. Não resisti. E quis pegar nele. - Lucas, vc tá bebado. Vai tomar um banho. Eu já fui levantando da cama e ele meteu a mão no meu peito e disse. - Calma. Eu to bem. Sério. Deixa eu chupar você? Eu sempre quis. Mas nunca tive a oportunidade. Da última vez que fomos pra Cabo Frio eu quase te pedi isso, quando voltamos da Ilha do Japonês. Tínhamos feito uma viagem no ano passado pra casa de praia que meu irmão tem em Cabo Frio. Eu comecei a rir e disse: - Você tem certeza disse. Não é pq você tá bêbado? - Não. Sério. Deixa eu te chupar. Juro que não conto pra ninguém. Eu juro que não tava sentindo tesao nenhum. Afinal, é meu sobrinho e aquilo nunca tinha me passado pela cabeça. Mas, como eu to atualmente nesse tesão de transar com caras. Resolvi deixar. - Ok. Mas por favor. Nunca comenta isso com ninguém. Eu sou quase casado. E tô bem feliz com minha mulher. Lucas abriu um sorriso e pegou meu Pau. Ele começou a expor a cabeça do meu Pau mole com os dedos (não sou circuncidado), e deu uma lambida. Ele me olhou e sorriu. Começou a bater uma punheta pra mim. Eu não tava conseguindo ficar de Pau duro. Tava meio tenso com a situação. Ele meteu meu ou na boca. Mole mesmo. E aos poucos fui relaxando e me excitando. Quando eu tava já quase 100% de Pau duro, Lucas tirou a camisa. Aí eu realmente comecei a sentir um tesao louco. Ele parou de me chupar e disse: - Posso ver seu cú? - Cara, o que vc tá fazendo? Lucas. Isso é sério! - Eu to falando sério. Olha a gente aqui. Você já tá peladão. Eu já te chupei. O que pode piorar? Eu já tava num tesão maluco. Então decidi me virar. Ele abriu a minha bunda com as mãos. E passou o dedo no meu cú. Eu não tava mais conseguindo segurar. Meu cú começou a piscar de tesao. Ele começou a passar a língua. Eu comecei a ver Estrela. Depois de um tempo lambendo meu cú, tentando me fuder com a língua. Ele deitou nas minhas costas. Eu senti o Pau dele na minha bunda (ele tinha tirado a calça enquanto me lambia) e disse no meu ouvido: - Vou te comer, tio. Aquilo me deixou maluco. Eu tentei olhar pra ele. Sorrindo. Mas ele não deixou eu me virar. - Posso? - Pode. Então ele voltou a lamber meu cú. Eu me virei pra ele e beijei a boca dele. Eu tava louco. Beijando meu sobrinho. Muita coisa passou pela minha cabeça na hora. Mas aquilo me deixava cada vez mais com tesão. Então empurrei ele pro lado e vi o pai dele pela primeira vez. Ele também não era circuncidado. E na hora até achei que tinha uma fimose, pois mesmo com o Pau duro, a cabeça não veio pra fora. Um pau bem branquinho. Super reto (o meu éum pouco inclinado pra esquerda). E o Pau der era maior que o meu. Deve ter uns 19cm. E é mais grosso também. Eu puxei a pele pra baixo. Ele não tinha fimose. Era só excesso de pele mesmo. Eu cai de boca. Comecei a chupar o pau dele. Às vezes alternava pelo saco. Ele tinha um saco enorme. Nunca tinha visto um saco tão grande. Rosadinho. Depilado. Ele logo falou: - nossa, como vc chupa bem Eu olhei pra ele e deu um sorriso. Ele logo disse: - Preciso comer seu cú. Lubrifica bem esse cacete. Estava indo à loucura. Cuspia no Pau dele. Chupava bastante. Ele é tão puxou minha cabeça e me beijou. Eu entendi o recado. Me virei. Fiquei de quarto e ele se posicionou atrás de mim. - Você tem camisinha aí ou posso ir no osso? Rapaz, que tesao. Ele falava com uma malícia filha da puta. - Come logo. Só cospe pra ajudar a entrar. Ele cuspiu no meu cú e passou dois dedos. Foi relaxando a entrada. Até que começou a enfiar o ou dele. Colocando a cabeça eu já comecei a sentir dor. Comecei a gemer. Ele disse que era pra eu ter calma que ele ia devagar. Mas não foi o que o filho da puta fez. Ele simplesmente meteu fundo. Tudo de uma vez. Eu gritei de dor. Cai na cama e ele foi junto comigo. Ele ficou rindo e eu sentindo uma dor gigantesca. Ficamos com parados por um tempo. Meu cú apertado pulsando no Pau dele. Aos poucos ele foi começando o movimento. Bem devagar. Enquanto isso ia beijando meu pescoço. Me lambendo. Eu fui relaxando e ele foi aumentando a força. Ele pediu pra eu ficar de quatro de novo. Começou a estocar com vontade. Depois de um tempo, ele pediu pra eu me virar. Me colocou de frango assado e foi me comendo. Olhando nos meus olhos. Ele tava com um sorriso enorme no rosto me vendo dando pra ele. - Ta gostando, tio? - Já mandei vc parar de me chamar de tio, filho da puta. Ele riu. Colocou as duas mãos no meu pescoço e pressionou aumentando mais ainda a velocidade. Ele tem os braços fortes. Que tesao. Ele nem me avisou. Gozou no meu cú. Era muita porra. Foram vários jatos. Eu puxei ele pra mim e disse que não era pra ele tirar o Pau ainda. Eu adoro sentir o Pau ficando mole dentro do meu cú. Depois de um tempo ele tirou e eu pedi pra ele chupar meu cú. Eu sentia a porra saindo da minha bunda. Ele não chupava. Só lambia. Assim que ele terminou eu disse que queria comer ele. Ele fez uma cara estranha. - Eu nunca dei o cú. - Ah. Vc acha que é fácil vir aqui, me comer e ficar por isso mesmo? Eu também nunca tinha dado o meu e vc me comeu. Claro que era mentira. Rsrsrsrs. Ele então fez uma cara de preocupado. Então eu disse: - Vamos. Eu gostei. Você vai gostar. Então me levantei. Coloquei ele de bruços e abri o bundão dele. Ele tinha um cú bem pequeno com alguns pelos na região. Eu prefiro um depilado, mas não ia reclamar. Rsrsrs Passei a língua. Comecei a chupar o cú dele. E lamber. Fuder o cú dele com a minha língua. Ele já tava gemendo de tesao. Empinando cada vez mais a bunda pra mim. Quando o cú dele tava piscando, eu comecei a enfiar meu Pau. Ele começou a gemer de dor. Mas eu fui com calma. Bem devagar. E aos poucos fui aumentando a velocidade. Até que já tava estocando muito rápido. A bunda dele já tava ficando vermelha com minha agressividade comendo ele. Resolvi virar ele de lado. O cú que já era apertado ficou mais apertado ainda. Tava uma delicia. Coloquei as pernas dele nos meu ombros e inclinei as pernas dele mais ainda. Deu boas bombadas no cú dele nessa posição. Quando eu tava perto de gozar eu avisei a ele e disse que queria gozar na boca dele. Tirei meu Pau e ele tava meio que não queria abrir a boca. Eu dei um tapa na cara dele e mandei ele abrir. Ele abriu. Eu enfiei fundo. Ele chegou a engasgar. Eu mandei ele chupar. Ele foi chupando e eu gozei. Gozei muito. Ele engoliu tudo. Que tesão. Cai pro lado dele e ficamos deitados por um bom tempo olhando pro teto. Em silêncio. Já eram 09:30 da manhã. Passamos muito tempo transando. Eu já estava atrasado pro trabalho. Chamei ele pra tomar um banho. No chuveiro eu lavei cada centímetro daquele corpo. Nos beijamos muito. Quando terminamos o banho. Nós dois já estávamos de Pau duro novamente. Ele disse: - Fica aqui. Não vai pro trabalho hoje não. Eu ri. Ele deitado na cama. Pelado. Um corpo lindo daqueles. Todo dividido. Branquinho. Com o Pau apontando pro teto. Joguei a toalha literalmente. E comecei a chupar ele de novo. Ficamos o resto da manhã no quarto transando. E fazendo carícias. só paramos lá pelas 12h. Com fome. E preocupados com o horário do voo dele pro RJ. Foi uma experiência incrível. Não vejo a hora dele voltar pra uma visita. Já pensaram se ele passa na prova e vem morar em Goiânia? Tô ferrado. Rsrsrs

O tecnico da SKY meteu rola no meu cuzao.

Ola amigos e leitores, hoje voltei aqui para contar sobre essa foda que aconteceu semana passada dia 16/11/2017. Nao irei me descrever, pois ja fiz isso nos outros contos. No feriado do dia 15/11 veio um temporal bem feio aqui na minha cidade e acabei tendo problemas no receptor da sky, liguei para o atendimento ao cliente e eles so poderiam mandar um tecnico no outro dia, combinei o horario e fiquei o resto do feriado sem sky. Sem problemas aproveito pra ver pornografia na net, jogar xbox e dar o rabo para o namorado.rsrsrsr Eu iria emendar o feriadao que era na quarta. Na quinta feira acordo tarde, tomo meu banho sagrado, como alguma coisa e fico organizando o apartamento. Por volta das 13 horas, resolvo tomar outro banho e preparar o rabinho, pois esses tecnicos me dao o maior tesao. Visto a minha cuequinha cavada e coloco um short justo e curto e fico esperando o tecnico. Quando da 14 horas o interfone toca, era ele. Libero o portao, ele toca a campainha e eu abro a porta, me deparo com um moreno grandao, com uma barriga gostosa, ele devia ter 1,80 de altura e era bem entroncadao. Ja gostei do que vi, dei boa tarde a ele e mandei ele entrar e ficar a vontade, ele entrou e foi ver qual o problema com o aparelho, eu tinha deixado meu notebook aberto em cima do sofa com umas fotos minhas levando no rabo, percebi que ele dava umas olhadas e eu adorando aquilo tudo, mas ainda sem ter certeza se ele curtia ou nao. Peco licenca a ele e digo que vou deixar ele a vontade arrumando o aparelho e eu estarei no quarto, qualquer coisa eh so ele me chamar. Vou para o quarto e fico so imaginando o q ele deve estar pensando, ele entao me chama e comeca a me fazer perguntas sobre o aparelho, qdo prestei mais atencao vi que ele estava com um volume bem gostoso na bermuda. Imaginem a cena, aquele moreno grandao, sentado no sofa com um volume gostoso olhando pra tv e mexendo no controle, eu para deixar mais obvio coloco o notebook no hack onde tava a tv, era claramente possivel ver as fotos que tinham no notebook e eu percebo que nao esta na foto q eu tinha deixado, ele tinha mexido no notebook. Ele termina de fazer as perguntas e eu volto para o quarto, nessa hora eu tinha perdido totalmente a vergonha e os meus pudores, chego no meu quarto, tiro a roupa e fico peladinho de 4 na beirada da cama, eu tremia da cabeca aos pes mas continuei naquela posicao. Ouco ele me chamando e nao respondo, ele chega ate o corredor e me chama novamente, eu respondo e mando ele vir ate o quarto, minha voz mal saia da minha boca de tao nervoso q eu estava. Ele entao chega no quarto e arregala os olhos qdo me ve de 4 com o rabo bem aberto na beirada da cama. Ele nao fala nada, apenas chega perto e pega na minha bunda. Ele tbm estava nervoso e eu pergunto se ele gostou e ele responde que adorou, ele me pergunta se nao tem perigo de chegar alguem, eu tranquilizo ele e digo q somos so nos dois. Ele entao toma uma atitude que eu jamais imaginei que tomaria, cai de boca no meu cu e me chupa muito, ele lambe meu cu e depois cospe no meu cuzinho e continua chupando. Eu gemo igual uma putinha, ele enquanto chupa o meu cu, vai se despindo e eu curioso com o tamanho da rola dele, ele tira a roupa e vejo um corpo todo depilado e uma vara consideravelmente grandinha, bem cabecuda, e cheia de veias, torta do jeito que eu gosto. Ele fica peladao e ja enfia dois dedos no meu cu guloso, se direciona pra perto do meu rosto e mete rola na minha boca. Eu faco o de sempre, meto tudo na boca e deixo ela ir ate a minha garganta, fico por muito tempo engasgando com ela na minha boca e ele enfiando os dedos no meu cuzao. Depois de eu lamber as bolas, a pica e deixar o cacete dele todo babado e super duro, mando ele se deitar, encapo a rola dele, e comeco a sentar, ela entra com um pouco de dificuldade, mas eu nao desisto e me posiciono novamente e so paro qdo ela esta toda dentro do meu cu. Ele geme gostoso e eu comeco a cavalgar, adoro cavalgar num pauzao. Olho para o espelho q esta atras do meu rabo e vejo como eh lindo ver aquele rolao preto sumindo no meu cuzinho vermelhinho e qdo eu subo a rola esgaca meu cu e parece que vai sair minhas pregas pra fora, deito sobre ele e ele comeca a me socar, depois de umas socadas, eu comeco a gozar sem ao menos me tocar. Era muito bom estar dando para um macho q ate entao eu nem sabia q curtia meter rola no rabo de um puto. Apos eu gozar, peguei minha porra e enfiei toda no meu cu e sentei de novo no pau dele, e fui socado sem do, meu cu ardia, mas eu deixava ele fazer o que queria com o meu rabo. Ele muda de posicao e me coloca de 4 na beirada da cama e a surra no meu rabo continua, eu so posso gemer e pedir pra ele me fuder mais. Ele sobe pra cima da cama e continua me fudendo de 4. Quando nao aguenta mais anuncia q vai gozar tira a camisinha e goza na minha cara e boca. Fiquei por um bom tempo passando a pica dele melada na minha cara e boca. Ele fica deitado me olhando com cara de predador e fala que fazia tempo que nao comia um cu tao guloso e gostoso igual ao meu, deixei ele saber que estaria sempre a disposicao dele. Ele riu e falou q vai querer. Ele pede para tomar uma ducha, eu entrego uma toalha pra ele e continuo pelado de bunda pra cima na cama e com a cara toda melada de porra. Ele volta para o quarto para se vestir e fala que se eu continuar assim ele vai me fuder de novo, eu digo que ele pode fazer o que quiser. Ele fala que so nao vai me fuder de novo pq tem outras vizitas pra fazer, coloco a cuequinha cavada e voltamos pra sala onde ele termina as configuracoes e mostr q tudo voltou a funcionar. aproveito e fico sentado no colo dele e ele me chamando de putinha safada, trocamos zap eu assino a ordem de servico e acompanho ele ate a porta com ele pegando no meu rabo. Ele vai embora e me deixa todo arrombado e melado de porra. Fico jogado no sofa sem acreditar que aquilo tinha acontecido e confesso que se ele voltasse, eu daria pra ele de novo,pois eh viciante daro rabo, qto mais eu dou, mais eu qro.hehehe

Mamando meu tio peludo

Não consigo me lembrar de como tudo começou, na infância, convivia com meus 5 primos, os únicos primos homens que eu tinha, eu era o menor da turma. Por ser o menor, o mais bobinho todos os cinco fazia eu chupar o pau deles. Um não sabia do outro, era sempre separado e falavam que se eu não chupasse ou contasse pra alguém eu apanhava e por ser pequeno tinha medo e assim eu fazia. Chupava o pau deles mas apenas por chupar, nem sabia o que estava fazendo na época. Não passava disso e eu já estava acostumado. Era só ficar sozinho com algum deles que eu já ia pegando no pau deles e chupando. Dos maiores não gostava muito pois com 17 anos, pau já bem grande que mal cabiam na minha pequena boca. Pois bem, o tempo passou, cada um foi para um lado e mesmo sendo primos não conviviamos tanto, fomos crescendo, namorando, eles mais velhos foram casando, hoje todos com filhos e nunca mais tivemos tal intimidades. Sempre nos reunimos porém tal assunto nunca é tocado. Confesso que tenho muito tesão em um deles mas não tento nada por medo de sua reação e nem temos oportunidade de ficarmos sós. Eu cresci e depois de grande, já com noção do que estava fazendo e sentindo prazer pelo que estava fazendo minha primeira relação com homem foi com meu tio Pedro, marido de minha tia. Um coroa com 61 anos hoje, careca, muito peludo que eu sempre tive tesão por ele até que um dia aconteceu. Eu estava encostado na janela do quarto da filha dele pro lado de fora e atrás de mim tinha o carro dele e entre eu e o carro um pequeno espaço que seria impossível passar sem encostar em mim. Primeira vez ele passou e foi inevitável que ele me encoxasse, eu tinha adorado aquilo e percebi que ele também pois passou por ali várias vezes e cada vez mais me encoxando. Fiquei até surpreso por ele ter gostado disso pois ele é daquele tipo “machista”. Logo ele me chamou pra ajudar ele a arrumar umas coisas atrás da casa. Fui já ciente que ele me pegaria lá. Já fui direto e já coloquei a mão por dentro da bermuda dele pegando no pau dele que pra minha surpresa um pequeno pau de uns 15cm. Confesso que eu queria mais mas era o que eu tinha no momento já que fazia tempo que eu queria voltar a brincar com um pau, já fui caindo de boca naquela pequena rola. Ele ia a delírio parece que nunca tinha sido chupado antes, acho que não mesmo pois minha tia é daquelas beatas de igreja e só deve ter feito sexo com ele no “papai e mamãe” e só. Ele estava adorando aquilo até que anunciou que iria gozar e me segurou pelo cabelo e gozou na minha boca e pediu pra que eu engolisse tudo e limpasse o pau dele, assim eu fiz. E estamos nessa faz uns anos mas ele nunca quis passar de apenas chupetas, nunca quis comer nem ser comido. Já faz uns meses que não brinco com ele. As vezes ele aparecia em casa pois sabia que minha esposa trabalhava a tarde e eu ficava só com as crianças que dormiam a tarde. Aí quando ele chegava eu pensava “bom, é o que tem pra hoje então dou uma mamada rápida nele só pra ele gozar e ir embora feliz.

mamei o vizinho bêbado

Eu tava na rua conversando e bebendo com uns vizinhos, até que um desses vizinhos que estava apenas de short sentou na minha frente no chão, assim que ele sentou pela sua perna direita vi o seu pau entre a boca do short e sua perna. Fiquei louco. Eu já sentia um certo tesao nele, até já havia batido punhetas pensando nele. Ele não é lá o bonitão, alto, magrelo, branco, loiro, olhos verdes, uns 35 anos, barba por fazer, sempre andando de short sem camisa, jeito de machão safado, casado e pai de uma filha criança. É bem largadão cheio de marra de hetero e isso me dá tesao. Ver seu pau foi fantástico, seu short era amarelo então dava pra ver perfeitamente aquele pau mole caído entre a perna, não era um pau grande, mas pude ver sua cabecinha rosada exposta. Entretanto ele notou e ficou me encarando, tentei disfarçar mas já era tarde, sou bem discreto e aquilo foi embaraçoso. Ele se ajeitou e abaixou a perna para eu não ver mais. Passado mais um tempo ainda todos conversando, havia mais um monte de gente bebendo cerveja e tal na rua, ele precisou de ajuda pra buscar um engradado de cerveja que estava no seu freezer, curiosamente sua esposa pediu para eu ajudá-lo. Fomos os dois para o interior da sua casa, e na cozinha ele abriu o freezer pra pegar as cervejas, eu então o ajudei, ele me surpreendeu quando falou: -Eu vi você manjando minha rola cara, não sabia que você curtia piroca. Eu fiquei sem graça olhei pra ele e nada falei, estava muito constrangido. Mais uma vez ele falou: -Tá tranquilo cara, nada contra não. Achei estranho e então enquanto eu pegava as cervejas o notei parado do meu lado fingindo coçar o pau, coisas de Hétero. Eu percebi que ele estava se insinuando. Ele disse: -leva essas cervejas enquanto pego o resto é trás os cascos que estão lá fora. Assim fiz, muito confuso e ainda constrangido. Ao voltar notei a porta fechada, abri e fui pra cozinha e fechei a porta pois achei que ele não queria deixar aberta mesmo. ele não estava lá, então o chamei pelo nome é ele respondeu dentro do banheiro: - chega aí. Assim fiz, juro que nem maldei. Ao chegar lá ele estava de costas pra mim mijando no vaso. Ele mal terminou e se virou pra mim dizendo: -quer? Hipnotizado vendo aquele pau branco ainda mijando, não consegui tirar os olhos. Eu perguntei se era zueira, ele disse que não rindo. Eu só acreditei quando ele olhou pelo basculante, pra ver se alguém vinha. Então enquanto ele olhava, se punhetava e me chamou com a mão. Me aproximei e nem pensei, foi instintivo. Me ajoelhei, mal me aproximei logo senti um cheiro natural de piroca. Nem pus a mão, coloquei logo na minha boca e comecei só mamando a cabecinha rosada. Levemente salgada, quente e macia. Ele então enquanto olhava se alguém vinha forçava minha cabeça contra seu pau que logo endureceu. Logo engasgava. Não era tão grande, uns 17 cm talvez, mas ainda sim. Apesar do seu corpo ser todo liso, sua virilha e saco eram bem pentelhudos, aqueles pentelhos bem grandes. Não atrapalhou, até gostei de senti-los encostarem no meu rosto e sentir como eles eram intensos. Ele estava um tanto bêbado, exalava cheiro de de cerveja e cigarro. Ele não gemia, não me olhava ou algo assim, só olhava pra ver se alguém vinha. Tudo foi bem rápido. Até ele perguntar: - tu toma drink? Eu não entendi e perguntei o que ele quis dizer. Ele disse: -toma drink pow? Ainda não tinha entendido e então ele disse: - toma leitinho? Aí eu ri. Nem respondi, só mamei mais com mais força Ele pediu pra eu abrir bem a boca e começou a socar bem forte. Meu maxilar e minha garganta estavam doendo e eu já lacrimejava contendo a vontade de engasgar poucos segundos ele gozou, soltando vários jatos quentes, bem líquidos de porra na minha boca. Engolir foi muito bom. Levemente azedo, bem amargo e ácido. Ele soltou leves gemidos e me fez engolir tudo. Dei uma esfregada da minha cara no seu pau saco e virilha pentelhuda e então ele guardou o pau e saiu do banheiro. Logo sai e fomos pra cozinha pegar o restante da cerveja. Tudo isso deve ter durado 3 minutos. Saímos para a rua e ninguém nem nada notou. Nem sua esposa ou filha. Ele fingiu nada ter acontecido. Agiu naturalmente. Isso tem uns dias. Não vejo a hora de chegar o próximo final de semana e Veber na rua com ele de novo. Dessa vez vou querer sentir a pica no meu cu

meu tio ladrão

Quanto tempo neh !!! Bom eu tenho um Tio que aqui irei chama lo de Regis. Regis. Meu Tio com 9 anos mais velho do que eu, o mesmo estava é presidiário por roubo a carro forte e Banco é loiro olhos verdes claro porte físico magro forte por malhar dentro do presídio e com as veias bem ressaltadas pelos braços, mãos e inclusive o pau. E uma tatuagem de rosto de palhaço na batata Pelo o fato dele ser branco isso não me alegra muito pq não são meus preferidos, porém por ser meu tio é ser todo malandro isso me aguça e muito. Bom ele havia acabado de ganhar uns dias em casa e advinha a 1° casa que ele bateu, sim a minha e por sorte estava eu em casa e de folga. Perguntou por todos e logo foi entrando tirando a roupa sem ríspido algum e indo em direção ao banheiro. Regis: Me arranja alguma roupa, vou tomar banho e descansar um pouco ha esquenta algo estou faminto. Eu: sim, tio ! Mas o Sr. Pretende ficar por aqui ? Regis: Só quero mesmo um banho decente, uma comida e após descansar vou dar uma saída a tempos não curto o sol da liberdade, vc nao tem noção Eu: E nem quero ter essa noção. Ele tomou banho, saiu com a toalha bem baixa dava para ver os pelos clarinhos tbm aquela barriga definida com aquela marca de cada lado da cintura em instantes tantos pensamentos vinheram a mente. Ele devorou a comida em segundos e ainda sem se vestir ja se jogou na cama ainda de toalha e logo veio ao cochilo, e eu ali ao admirar. Pensando ele não faz o meu tipo racial, mas esse jeito de homem como posso deixar escapar .... Mas é se me aproximar e ele não gostar afinal ele é todo metido a homem e do crime .... Mas é se eu só colocar a mão por cima da toalha ... Não ele não vai aceitar o sobrinho mais velho e gay .... E o que os amigos dele irão achar sobre o sobrinho gay .... Enfim tantos eram os pensamentos em frações de segundos ... Mas o tesão é algo que me domina .... quando dei por mim já estava com a mão a palpar aquele pau que em instantes ja estava duro conforme eu tocava e cada vez mais é mais firme como Rocha e só mesmo tempo q o tocava não tirava o olhar dos olhos dele. Até que tive a sensação que ele abriu por instantes e me viu naquela cena, logo tirei a mão é como ele voltou a ficar imóvel retornei a apalpa lo Regis: Vc sabe que a tempos não como ninguém e mesmo vc sendo o filho do meu irmão não vou te perdoar e vou fazer de vc minha menininha. Eu (pego de supresa, gaguejei), DDDDesculpa tio é que eu tomei por impulso nao queria atrapalhar o seu descanso Regis: que isso venha dar mais alegria ao tio beija ele na cabeça vai ( ja tirando a toalha e deixando o pau saltitar para fora grande grosso e veia latejando) Comecei a chupar ele logo colocou a mão em minha cabeça e forçou até ver eu engasgar e fez isso por diversas vezes a saliva ja saltava da minha vida cada vez mais grossa ali entendi a expressão.de chupeta = babão porque era o q eu estava fazendo deixando a babá cair sobre todo o pau, coxa, pelos conforme ele fodia a minha boca assim logo notou que o pau dele estava bem lubrificado me colocou de quatro ficou passando o pau entre o meu Rego de baixo para cima melecando com a minha babá e a babá que tbm já saía do pau dele até que mirou no meu cu pediu para eu abrir e então forçou na hora gritei Eu: Ai tiooooo !! Regis: Ai tio é o caralho seu viado filho da puta, vou te arrombar irá pensar em mim agora sempre que for dar esse cu seu arrombado do caralho Aquela atitude e postura dele fez eu me sentir uma vadia e então o que estava como dor foi virando prazer e um tesão lascado, agora ele forçava em direção ao meu cu e eu ao pau dele e ficamos assim até que eu senti jatos e jatos dentro e em seguida escorrendo do meu cu para as minhas pernas e ele no augi do seu prazer e esgotado perdeu as forcas e caiu com todo seu peso sobre mim. Entao ficamos ali na cama deitados com ele em cima de mim e seu pau dentro ate q aos poucos amoleceu e saiu de dentro Depois ele acordou tomou outro banho se vestiu e saiu.

Ajudei o meu amigo hétero da van a se aliviar

Meu nome é João, e eu entrei na faculdade esse ano. Logo no começo do ano, quando fui confirmar a matrícula, eu vi um garoto que também tava lá no mesmo horário que eu, mas eu nem prestei atenção nele, ele não me chamou atenção, ele tava lá pra confirmar a matrícula de história, na minha faculdade tem vários cursos de humanas e ele era um daqueles esteriótipos de estudante de humanas, cabelo bagunçado, barba que dava uns 3 dedos de comprimento, shorts, chinelo, algumas tatuagens... ele é magro, e deve ter uns 1,80, assim como eu, que também sou magro e tenho 1,78. Isso foi lá por fevereiro, as aulas mesmo começaram em abril, atrasaram por conta da greve do ano anterior, e logo no primeiro dia de aula, eu vi ele. A gente pega a mesma van porque moramos na mesma cidade e aqui não tem faculdade, então vamos juntos pra cidade vizinha. A gente nem se olhou direito porque eu nem me importava com ele. Naquele dia teve o trote de história, e ele (vou chamá-lo de Gabriel pra preservar sua identidade) voltou todo sujo, e como o trote do meu curso ainda não tinha acontecido, ele disse: -Você vai deixar te sujarem? -A gente só vai usar glitter e tinta nos calourinhos - disse uma veterana. -Ainda bem - eu disse rindo. -Sorte sua - disse ele. Outros dias se passaram e nada, até que um dia a gente sentou junto na van porque os lugares com meus amigos tavam cheios. Ele tinha ido de shorts e as pernas estavam à mostra. Pra ser sincero, ele era magro e as pernas dele também, não eram pernas “bonitas”, mas eu acabei achando interessante, bonitas da sua maneira... Ele também tinha sentado longe dos amigos e tava sentado com a cabeça virada pra trás pra conversar com eles, mas o corpo tava meio pra frente, então isso fez as pernas dele ficarem bem abertas, fiquei quase sem espaço pra colocar as minhas, aí ele disse: -Pode abrir as pernas que eu coloco as minhas por cima das suas. Eu nem pensei nada porque esse pessoal de humanas é todo desconstruído e tal, ele não via aquilo como algo sexual, era só uma perna por cima da outra, então coloquei minhas pernas debaixo das dele. Foi daquele momento em diante que eu comecei a reparar nele, senti um calor subindo e tive que segurar a bolsa no colo, porque tava ficando com o pau duro. Depois que ele conversou com os amigos, ele virou pra frente e disse: -Ei cara, quer que eu tire as pernas agora? -Pode deixar, assim é mais confortável pra nós dois - eu disse. -Beleza, também gosto mais assim, suas pernas são fofas aí são tipo um descanso pras minhas - disse ele, rindo. -Só não faz isso todo dia senão eu vou ficar mal acostumado - dessa vez, eu quem disse rindo. Ele também riu e a gente dormiu o resto da viagem e depois descemos cada um em sua casa, e como ele descia antes de mim, me disse: -Falou cara. -Tchau - eu respondi. No outro dia, ele foi de calça, e eu falei pra ele: -Cadê o shortinho? Saudades shortinho do Gabriel. E ele respondeu: -Hahahahaha, hoje não tá calor. Estranhei porque ele veio sentar do meu lado sendo que era sexta-feira e a van tava quase vazia porque o pessoal sai pra beber e nem vai pra faculdade, mas é claro que não reclamei. Eu, já querendo segundas intenções com ele, disse: -Posso colocar minha perna por baixo da sua de novo? É melhor. -Coloca a sua por cima hoje - ele disse. Então eu encostei as pernas por cima das dele, e eu disse: -As suas também são fofas. Ele riu e deu um tapa fraco nas minhas coxas e disse: -É, mas as suas continuam ganhando. Depois que a gente tava na estrada (demorava 1h pra chegar na outra cidade) ele disse: -Posso te fazer uma pergunta? -Claro. -Você gosta de homens? Naquela hora eu fiquei em dúvida... eu definitivamente queria alguma coisa com ele, mas fiquei com medo de dizer que sou hétero e ele parar com essas brincadeiras por achar que eu não gosto, ou de dizer que sou gay e ele se afastar por achar estranho a gente fazer essas coisas... por fim, eu disse: -Eu sou gay, mas não vejo nada de sexual nessas nossas brincadeiras, eu respeito sua sexualidade e não faria nada... Ele deu uma risada e disse: -Cara, relaxa. Tô tranquilo desde que a gente possa descansar nossas pernas - ele disse rindo. Eu também dei risada. -Sabe a vantagem de eu ser gay? -Qual? - ele disse. -É que você pode ter intimidade comigo bem tranquilo que isso não vai me fazer menos homem, vocês héteros tem costume de achar que qualquer coisa diminui a heterossexualidade de vocês. -Pô, concordo, isso aí é mó pira errada. A gente foi pra aula e tudo foi normal, aí na hora de voltar a gente sentou junto de novo. Ele tava um pouco bêbado e tinha andado pela cidade com os amigos. -Dessa vez eu coloco por cima - ele disse -, minhas pernas tão me matando. -Quer uma massagem? - eu falei. -Eu não sou gay - ele respondeu. -Cara, ouve o que você acabou de dizer e vê se tem sentido... é só uma massagem, relaxa, não confia no teu taco? - eu falei rindo. -Faz aí então. Tirei o sapato dele e comecei a massagear os pés dele. Massageei por 1h até chegar na nossa cidade, e ele disse: -Caralho que massagem gostosa, dá vontade de te levar pra casa pra continuar lá. -Eu vou. Ele riu e disse: -Eu queria. -Mas eu vou, tô falando sério - eu disse. -Bora então, é sexta, você dorme lá. -Ok. Descemos na casa dele e entramos na sala. Ele foi se trocar e colocou um shorts curto, ficamos deitados no sofá assistindo filme enquanto ele bebia cerveja, isso já era 00:30 porque a gente chegava tarde na cidade. -E minha massagem? - ele riu. Eu, então, peguei nos pés dele e comecei a massagear. -Tô zoando cara, pode deixar - ele me falou. -Mas eu gosto de fazer massagem, relaxa aí e bebe tua cerveja. Quando eu falei isso, eu olhei pra ele, e como ele tava de shorts, consegui ver o pau mole começando a se mexer debaixo do shorts: ele tava sem cueca. Percebi que o pau dele tava duro, e como nessa altura ele já estava mais bêbado, eu aproveitei e disse: -E essa vara? -Não quer abaixar - ele falou. -Eu posso te ajudar - eu respondi com um sorriso malicioso. -Cara, na moral, eu não fiquei com o pau duro por causa de ti, não quero nada... -Eu sei que não, mas é verdade ué, posso te ajudar a amolecer, é tipo uma massagem só que no pau, e além de tudo vai te dar prazer. Como ele tava bêbado, acabou concordando. Tirou o pau pra fora e falou: -Só as mãos. -Beleza. -E cuida bem do meu pau hein. Comecei a punhetar ele e ele gemia baixinho, falando, às vezes: -Isso... caralho que delícia... mais devagar... mais rápido... Até que uma hora ele falou: -Tô quase gozando. E eu, sem perder a oportunidade, falei: -Posso chupar só um pouquinho? Você bebeu a noite toda e eu não ganho nada? -Pode chupar então, mas vai ter que engolir. Eu chupei aquele pau com tanta vontade, nunca tinha chupado um pau que nem eu chupei aquele dia. Ele gozou e eu engoli, abri a boca pra mostrar que tinha engolido, e ele disse: -Vamo dormir cara. No dia seguinte, de manhã, ele me acordou e disse: -Noite passada... - ele começou a dizer mas eu interrompi. -Cara, desculpa, você tava bêbado... - eu disse. -Ei, relaxa, foi bom. Você conseguiu me relaxar, eu tava cansado, e daí que eu tava bêbado? Isso não me faz gay cara, você só me ajudou a me aliviar. -Beleza, posso te ajudar mais vezes se quiser - eu disse dando uma risadinha. -Na verdade eu quero agora, tô de ressaca, cansado, me ajuda aí. -Claro que ajudo. -Mas dessa vez acho que punheta não vai adiantar não. -Quer que eu te chupe? - eu logo falei. -Só? - ele disse - Achei que ia liberar o cuzinho, pensa em mim poxa, tô de ressaca, cansado da noite passada, com dor de cabeça... ajuda seu amigo. -Posso te chupar e você também me come então, assim você melhora bastante. -Boa ideia - disse ele, tirando o pau pra fora -, faz o que você quiser mano. Peguei o pau dele e comecei a chupar. Primeiro as bolas, chupei e fiquei mexendo nelas, enquanto ele começava a gemer. Depois comecei a chupar a cabecinha do pau, e ficava passando a língua em cima da cabeça, e ele gemeu mais alto. Então, coloquei o pau todo na boca e comecei a chupar mesmo, mudando a velocidade da chupada e engolindo o pau inteiro, e agora ele gemia alto e os dedos dos pés tavam até torcendo. Ele disse: -Caralho, não lembrava que você conseguia relaxar um cara tão bem... mas guarda um pouco pra eu comer teu cu, senão vou gozar agora. Então eu falei: -Pode vir então, faço de tudo pra te deixar descansado. Ele chupou meu cu, enfiava a língua e fazia movimentos circulares, eu gemia alto e ele dizia: -Esses gemidos me deixam louco, geme pra mim. E isso fazia eu gemer mais ainda. -Quer que eu enfie uns dedos antes de colocar meu pau? - ele disse. -Faz o que te deixa melhor - eu falei. -Então vou te foder de uma vez, sem camisinha e nem nada, pele na pele troca energia, e assim teu cu apertadinho vai massagear meu pau. Ele enfiou o pau e eu gritei. Ele disse: -Tá doendo? -Pra caralho - eu disse. -É pra doer mesmo, tô te passando toda a dor e cansaço que eu tô sentido pelo meu pau. -Eu sei disso, e isso que faz essa dor tão gostosa, eu saber que tô te dando prazer e ajudando a melhorar. -Então grita mais, vai. E eu gritei, não só porque ele pediu mas porque ele me fudeu mais forte e mais rápido, e ele falava: -Caralho que cu gostoso... toma esse pica caralho, me ajuda a me livrar desse mal que eu tô. Eu pedi pra ele deitar então, e ele deitou. Comecei a sentar no pau dele numa velocidade rápida e agora a dor era mais forte. -Isso, senta gostoso, me trata bem que eu mereço, tô te dando o que você quer enquanto você me ajuda a me aliviar. Por fim, ele me deixou de quatro e me fudeu forte de novo, e eu gritava: -Fode com força, isso... joga toda sua raiva em mim... E ele disse: -Vou gozar, quer na boca? -Goza no meu cu, assim eu seguro tudo que tá te incomodando dentro de mim. Eu senti o calor do gozo dele no meu cu e disse: -Foi bom? -Maravilhoso - ele respondeu. Fui embora e desde então a gente continua se falando, as vezes ele me deixa chupar o pau dele, mas nunca mais me comeu...

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

O sobrinho

Meu cunhado tem 5 filhos, mas só o mais velho é homem. Hoje ele tem 20 anos e ninguém nunca soube e penso que talvez nunca mais acontecerá. O nome dele é Diogo, o meu Marcelo. Eu vi aquele menino nascer e crescer e dentro de mim tambem crescia uma vontade doida de ser dele, coisa que nunca senti na minha vida. Ele ainda é muito bonito, mas com 18 anos estava no auge de sua beleza, aquele garoto mais alto que eu, branco e com um cabelo preto tão liso e tão lindo que eu fazia questão de passar a mão sempre que o encontrava. Eu falava: - Dá esse cabelo pra mim? Ele respondia sorrindo: - Pega o que o Sr. quiser tio. O sorriso dele era lindo demais. Peguei todas as suas fases, mas quando começou a ficar "homenzinho" foi a mais interessante. Ver os pêlos crescendo nas axilas, nas pernas e ele vivia falando alto que iria passar barbeador em tudo porque não suportava os pêlos. Seus pais contavam que o chão do banheiro e o ralo ficavam horríveis, porque ele depilava o saco e tudo mais, escutar aquilo me excitava ainda mais. As vezes puxava o calção pra frente só pra mostrar que estava sem cueca. Quando estava peludo falava: - Tio, olha só, tá na hora de raspar, preciso de uns barbeadores de presente, eu ficava um pouco envergonhado e o pior... ninguém fazia ideia da minha condição. Todos os seus aniversários após 12 anos eu só dava cueca de presente de propósito, dava tamanho "p" porque ele era um menino. Um dia ele me chamou no quarto e disse: - Tio, chega aqui! Quando entrei ele fechou a porta e baixou o short e a cueca, daí falou: - Eu tenho pintão e sacão entao quando me der cueca, eu quero tamanho "g", eu não gosto das pequenas que apertam meu saco, eu saí do quarto sem saber quem recebeu o melhor presente. Naquela noite fodi minha esposa pensando na jeba que tinha visto, que pau lindo, e olha que estava mole. Ele passou a fazer academia e daí que seu corpo ficou no ponto, os braços se desenvolvendo, barriga tanquinho. coxas musculosas e só falava de sexo. Começa a surgir nos papos o nome de uma menina que estava de paquera com ele, a Sophia foi primeira namorada oficial. Fiquei dias matutando como pegá-lo, pois já não tinha mais jeito. Enfim... na semana de sua festa de 18 anos ele me falou: - Tio, o Sr. vai me dar cuecas de presente novamente? Há anos que só ganho cuecas. Eu falei: - Fique tranquilo, esse ano seu tio vai fazer uma surpresa legal pra você. Depois de cortar o bolo ele me falou: - Pô tio, eu fui reclamar das cuecas e nem presente o Sr. me deu! E eu respondi: - Diogo, fica tranquilo...já combinei com sua tia e seus pais que eu vou levá-lo para conhecer o Rio de Janeiro, sua tia estará participando de um congresso e seus pais querem descansar um pouco, você topa? Com aquela euforia de adolescente falou: - Demorou? Quando nós vamos? Eu respondi: - Essa era a surpresa, vamos logo após a festa. A sua mãe já arrumou a mala e está no meu carro, deixaremos sua tia na casa de uma colega que irá também no evento e nós dois pegaremos a estrada. O garoto nem se conteve mais de tanta ansiedade. Quando partimos e estávamos sozinhos na estrada percebi que o plano estava se concretizando, fiz uma reserva num belo hotel da orla de Ipanema e como não sou bobo, reservei um quarto só com uma cama de casal. Ele nem questionou isso, pois tinha e ainda tem muito respeito por mim. Chegando no quarto falei que tomaríamos um banho e iríamos jantar, tirei a roupa na frente dele e isso nunca tinha acontecido antes, eu tenho quase 50 anos e mantendo um corpo bem legal, ele ficou meio sem graça de início pela novidade e quebrou o gelo falando: - Nossa, a tia tá bem servida por isso ela é feliz. Depois mais a vontade, arrancou a roupa rapidamente e falou : - Vou entrar com o Sr. no banho, assim saímos mais rápido. Tive que me controlar pra não ficar de pau duro, mas era irresistível olhar aquele parrudo na minha frente pelado. O pauzão balançava conforme ele andava, batendo nas laterais e um puta sacão depilado, mas naquele dia os pelos pubianos estavam fartos. Eu falei: - Ué, parou de tirar os pêlos? Ele respondeu: - Ah tio, é a Sophia que pediu pra ver como eu fico peludo, nem do saco ela tá querendo que eu tire. Respondi: - Vocês já meteram? Ele desconcertado falou: - Estamos ensaiando, mas desse mês não passa. Tomamos o banho, nos vestimos e ficamos na rua até altas horas e quando chegamos no quarto ele estava super cansado e era a hora do plano funcionar. Deitamos na cama e ligamos a tv, perguntei se ele estava com fome ele respondeu que não, estava cansado somente, mas que gostaria de assistir ao filme que estava anunciando. Sugeri que escovasse os dentes e ficasse de cueca, caso pegasse no sono e ele só escovou os dentes e se jogou novamente na cama com roupa e tudo. Em pouco tempo os olhos pareciam cerrar e ele respondia longe o que eu perguntava. Cheguei bem perto do ouvido dele e disse carinhosamente: - Filho, você tem que trocar de roupa, quer que o tio de ajude? Ele meio sonolento disse que Sim. Fiz a posição de cavalgada e sentei sobre o mastro dele guardado ainda na roupa, puxei para que ficasse sentado segurei sua blusa na cintura e num só golpe tirei. Ele deitou-se outra vez com os braços para cima e eu ainda sentado sobre sua rola fiquei admirando aquela axila peluda, aquele peito lisinho e aquela barriga tanquinho na minha frente. Passei as mãos por tudo aquilo e cheguei bem perto do ouvido novamente e falei: - O tio vai tirar sua calça tudo bem? Só ouvi um "hum rum". Abri o botão da calça jeans e fui descendo o zíper bem devagar, saí da cama e fui até o seus pés fui puxando a calça que ficou enroscada no caralho, ai que delicia e com calma sem pressa desenrosquei e aproveitei e segurei a rola. Tirei a calça. Ajoelhei ao lado da cama e mais uma vez no ouvido falei: - Você gosta de dormir pelado? E o "hum rum" foi mais longe ainda, então baixei bem devagar aquela cueca e em cada ponto eu deixava um pouco ela parada, com a cabeçona do pau pra fora na altura do saco, nas coxas, nos joelhos, até tirar tudo. Daí começou a festa. Falei perto do ouvido: - Diogo, posso bater uma punheta em você? O "hum rum" foi tão forte que achei que ele estivesse acordado e fingindo dormir, até gelei, brinquei com aquele pau a noite inteira o bicho cresceu na minha mão e eu me esfreguei nele, punhetei, chupei, engoli o pau todo até ele gozar gostoso. O cheiro daquele moleque está ate hoje em mim. O mais gostoso foi tomar aquele leitinho dele delicioso, leitinho de bezerro novo, cheiroso e grosso! Após ele gozar ele continuou deitado e dormindo como se nada tivesse acontecido No dia seguinte ele acordou antes de mim, de pau duro, me acordou puxou a calça do meu pijama e cueca e falou: - Tio tive um sonho essa noite e quero fazer agora, o que nao foi feito no sonho. Fica de quatro. Eu ja nem estava acreditando no que estava acontecendo, fiz o que me pediu na hora! Ele cuspiu na mão, passou a mão no meu rabo, umedecendo e sem dó socou aquele pau delicioso. No primeiro momento senti dor, misturado com um prazer enorme por ele me dominar e quanto mais ele urrava mais louco eu ficava e quando estava perto de gozar ele disse que queria gozar na minha cara, ele tirou o pau e se masturbando me segurou pelo cabelo e largou toda sua porra na minha cara. Que delicia!!!

Picolé de manga

Sempre fui precoce, o desejo de romper estruturas sociais esclerosadas fez da liberdade sexual uma das nossas bandeiras nos anos 60 e 70, porem esbarrávamos nos conceitos e conservadorismos de nossos pais. Eu sempre tive tambem um poder de sedução e indução aguçado. Eu tambem sabia que diferente de hoje os moleques que me comiam, me tinham como troféu, para exibir suas machezas, então num momento ou outro se gabavam entre eles. Eu sempre tive o corpinho bonitinho, bundinha arredondada e arrebitada, em certos momentos eu até ajudava, arrebitando mais, numa ocasião, estávamos preparando uma festinha de fim de ano no Grupo Escolar, e teríamos que ornamentar o espaço, eu e um amigo apelidado de "Coelho", um moleque mulato, cabelo black power, craque nas peladas, por isso o apelido, pois corria muito; tivemos que colher uns bambus, então fomos numa chácara de conhecidos que nos deixaram colher os bambus, nessa chácara havia mum mangueiral, e estava na época de manga, não podemos deixar de pegar umas mangas para degustar ali mesmo, descascávamos com a boca, optamos então por colher as que estavam mais no alto, Coelho ao me ajudar, com suas mãos lambuzadas de caldo das mangas, esbarrou em minha popinha entrando pelas pernas largas do shorts; aí, alem das mãos lambuzadas, fiquei com a popinha tambem toda melada. Com aquele contato com Coelho, ascendeu meu fogo, e parecia ser automático, eu comecei a induzir e provocar com movimentos. Elogiei a agilidade dele para subir em árvores (moleques adoram ser elogiados), chupava manga levando ele a imaginar o que faria se fosse sua pica, deixando o caldo cair entre os dedos, ficava com as pernas abertas, fazendo com que minha popinha ficasse a mostra, isso tudo em cima da mangueira, comecei a notar que Coelho estava com o pau duro, pois seu shorts estufou e ele não fez questão de esconder. Se uma coisa que sou, é bom de memória, me lembro do que falei quando vi que ele não tomava a inciativa, pedi a ele que me ajudasse a passar para o outro galho, atras dele, e no passar pude encostar naquele nervo duro, ele aproveitou a oportunidade me encoxando com força, eu não esbocei resistência, deixei encostado por uns segundos, e quando subi no galho, ele me apoiou com sua mão lambuzada novamente, dessa vez, escorregando pelo meu reguinho. Depois das peripécias no alto da mangueira, descemos e fomos até às margens de um córrego para nos lavarmos e colher os bambus, no curto caminho, mencionei meu desejo de "chupar" um picolé de manga, é o meu preferido, emendei, que com aquele calor teria que estar bem duro, para não descongelar; Coelho então, falou que poderia me satisfazer a vontade, bastava lambuzarmos a pica dele que já estava dura de caldo de manga e eu dar uma mamada. Olhei, demostrei surpresa, mas perguntei porque ela estava assim, ele alegou que eu estava provocando, eu disse não ter feito nada, ele suplicou para eu dar uma mamada, prometeu segredo, entramos para o meio do bambuzal, e comecei a chupar aquela verga latejante, Coelho gemia, pedia para chupar mais, quando acariciei-lhe os ovos, ele gozou, me encheu a boca de leitinho, e naquela época eu ainda acreditava que manga com leite fazia mal, cuspi tudinho.....rsrsrsrs Coelho continuava com a pica dura, me pediu o cuzinho, que tambem foi lubrificado com aquele caldo de manga, esfregou uma manga em minha bunda e no seu pau, eu apenas me curvei pra frente e pedi pra colocar devagar, entreabrindo as nádegas com as mãos, ele foi encostando, entrando devagarinho, ia e vinha, só a cabeça, até eu pedir pra meter tudo, Coelho me segurou pelas ancas, e cravou, bombou, bombou, me fez gozar, e tambem encheu meu cuzinho de porra. Ele me prometeu segredo, mas foi só chegar no grupo escolar, quando olhei ele numa roda com outros moleques, que notei que estava comentando tudinho o que havia acontecido, tanto que meu apelido no grupo escolar passou a ser "picolé de manga".

Dei pra dois amigos do meu filho.

Meu filho chegou com dois amigos para fazer trabalho da escola, como trabalho a noite estava dormindo só de cueca box apertada, só que estava com uma coberta super fina, eles estavam fazendo o trabalho e eu no sofá, meu filho foi no banheiro e eu dei um jeito da coberta cair, um dos caras cutucou o outro e apontou para minha bunda, olhei de rabo de olho, e os dois estavam olhando, um deles comentou: - Nossa que cu gostoso, só que ouvi a descarga e puxei a coberta e fiquei fingindo que estava dormindo que estava dormindo e toda vez que meu filho saia eu arrumava um jeito de mostrar minha bundinha, em um certo momento me levantei, cumprimentei eles e fui para a cozinha, um dos amigos dele o mais safado vei e já chegou por trás e me deu uma encoxada, levei um susto, mas o moleque nem se importou e falou: - Pensa que não vi você mostrando a bunda pra gente lá na sala, fiquei de pau duro, você tá louco, meu filho tá na sala, você é louco, dei um jeito de sair, mas confeço que fiquei com vontade de chupar ele ali mesmo, meu filho foi ao banheiro e eu chamei ele, ele chegou na cozinha e eu peguei no pau dele e falei para ele voutar depois que me filho sair, ele aceitou e tratou de terminar logo o trabalho, os treis sairam, meu filho foi para a casa da namorada e eu fui me preparar para o colega dele, coloquei uma calcinha tipo shortinhos de rendinha que deixava minha bundinha muito gostosa, uns dez minutos ele voltou, mas voltaram os dois, não tinha jeito tive que deixar eles entrarem, pedi sigilo, meu filho não pode saber, os dois ficaram de pau duro me vendo apenas de calcinha, já fui segurando as duas rolas e chupando os dois juntos, não demorou e um gozou na minha boca, tomei todo o leite, mas eu queria mesmo uma rola no cu, tirei a calcinha e ofereci para o outro me foder, ele foi muito puto, ele me colocou em varias posições, até que para um rapaz novo ele sabia foder gostoso, depois de um tempo o outro colocou o pau novamente na minha boca, fiquei chupando um enquanto o outro me fodia gostoso, quando o que estava me comendo ia gozar ele tirou do meu cu e gozou na minha boca e me mandou engolir, eu fiz engoli tudo, o outro aproveitando que eu estava de ladinho, se posicionou atras e começou a me foder também, o outro fodeu mais gostoso, mas eu estava com tanto tesão que fiquei curtindo a foda, ele ia com muita sede ao pote, me deu algumas estocadas fortes e rapidas e gozou novamente enchendo a camisinha dentro do meu cuzinho, tirei a camisinha e limpei sua rola com a lingua, coloquei minhas roupas e eles também combinamos segredo e eu virei a putinha dos amigos do meu filho, sempre que da eles vem me comer e eu adoro