quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

venha para o grupo. ..

https://chat.whatsapp.com/CdrGMG1z6R9ApSCpn1ITJJ

Um superdotado na ducha do vestuario

Esta e’ uma historia 100% real e que a estou contando so’ agora aos quarenta anos. Agora ja' aprendi a aceitar todos os sentimentos e também a me aceitar como um ser humano complexo, inclusive do ponto de vista sexual. Não sou homosexual, gosto muito de mulher. Mas sempre tive fantasias sobre ser penetrado. Desde adolescente sentia uma excitação estranha no anus. Mais ou menos desde os quinze anos me masturbava sentado no banheiro de forma tal a tocar a tampa da privada com o anus... No momento em que movia o corpo e sentia o simples toque no anus, gozava. Sentia o anus tão sensível ao toque, e tão excitante, que sentava na parte de atras da privada, abria as pernas e a bunda para que o anus tocasse a tampa. Para conseguir isso devia empinar a bunda. Nessa posição deixava o anus “beijar” a superficie da tampa. So com esse toque ja gozava. Depois de um tempo comecei a sentar mais de lado e movia a bunda tentando criar o máximo de fricção anal possível enquanto masturbava o meu penis duro. Sentia o gozo explodindo em ondas que deixavam o meu rosto quente, a cabeça atordoada e arrepiando, os braços e pernas entumecendo e tremendo ao mesmo tempo, o cu coçando... e sendo aliviado em uma explosão de gozo e alivio. Era assim, muito intenso. Depois de um tempo sempre que me masturbava devia tocar o anus, sempre. Fiquei com certas duvidas pois essa vontade sempre esteva la´. Mas na verdade so´ gostava de mulheres. Era puro tesão sexual provavelmente. O anus era parte do meu gozo mas sempre me concentrava em fantasias com mulheres de bunda grande. Era fixado em comer um cuzinho pela primeira vez. As bundas gostosas, grandes e empinadas me excitavam e imaginava comendo as garotas da escola pelo cu. Uma a uma imaginava as mais gostosas de cuatro e empinando o rabo para mim, ate' gozar. Sempre imaginando elas de quatro com um bundão e eu comendo elas pelo cu´. Uma vez estava tão excitado analmente que enfiei pela primeira vez o dedo e tive um gozo muito intenso. Acho que foi aos treze anos… Nao era homosexual mas gostava da sensação de penetração e me excitava muito com isso. * Alguns anos depois eu tinha vinte anos ou dezenove talvez, não lembro exatamente. Estava no chuveiro do vestuario... tomava banho depois da natação. Estava totalmente nu e por tanto sentia a agua quente cair nos meus cabelos, nas minhas costas e também no meu penis e na minha bunda. Debaixo do chuveiro sentia e escutava o jato da agua quente na minha cabeça. Fechei os olhos para relaxar depois de tanto esforço na piscina. Sentia os músculos do braços e do peito tensos e entumecidos. Tinha uns vinte anos e sempre fui bem malhado graças a natação e a musculação. Ombros largos, peitorais fortes. Estava com a cabeça e as costas de baixo da agua escutando o jato fazendo uma massagem na nuca. Naquela época sempre estava na fronteira do tesão, meio a flor da pele… Sempre pensando em bundas de mulheres. Com a agua caindo sentia uma sensação de formigamento e de entumecimiento no penis. O fato de estar nu me deixava na fronteira. Por um lado tentava nao pensar nada para evitar a ereção e por outro lado o tesão estava latente debaixo da agua quente. Isso deixou o meu penis inchado mas não duro. Abro os olhos debaixo da agua e percebo que tinha outro nadador entrando no boxe da frente. Estava bem perto pois o corredor era estreito. Todos eram abertos e sem portas. Ele estava chegando e ligando o chuveiro. Era o ultimo nadador e entrou bem no chuveiro da frente. Nao achei estranho nesse momento pois não pensei nada, mas agora percebo que todos os outros estavam livres e ele foi escolher aquele bem na minha frente. Fiquei sentindo o corpo começar a relaxar no meio dos jatos quentes fumegantes, o vapor cobria todo o teto do vestuario. Eram perto das nove da noite e tinha somente tres pessoas mais, um ja´indo embora, esse nadador que entrou no chuveiro e eu. Ele liga o chuveiro, o barulho da agua começa. Espera a agua esquentar por alguns segundos. O vapor começa a subir e o nadador ja nu vai tocando com o pe´ e a mão a agua… e entra debaixo da ducha. Pega um sabonete e começa a ensaboar o corpo no momento em que se vira para a frente. Ele ficou de frente para mim... nesse momento não pude impedir olhar e ver que tinha um penis que parecia ser enorme. Estava mole mas era bem grosso e cumprido indo ate uns dois centímetros abaixo dos testículos… Testículos que também eram proporcionais e penduravam e caiam bem ate' abaixo. Mas mesmo assim o penis ia mais abaixo ainda. Era grande, grosso e cumprido e estava mole. Era claramente um cara super dotado. Eu nunca tinha visto ao vivo um penis tão grande e essa imagem me estremeceu sem querer. Foi um golpe de vista que me surpreendeu e me acordou... Coloquei a cabeça de baixo da agua novamente e tentei olhar uma vez mais sem dar muita evidencia… O meu coração tinha disparado e não sabia direito porque… o tal vez sim, queria dar uma olhada de novo. Ao mesmo tempo o meu corpo começou a se excitar, tive uma ereção... O meu penis era muito menor ao dele, mas não por isso... a repentina ereção me surpreendeu. Virei para a parede do fundo do boxe dando as costas para cubrir o meu penis que estava de pe, muito duro. Tenho um pinto de uns 12 ou 13 cm., não e´grande. Obviamente preocupado que ele percebesse que tinha me excitado instintivamente virei as costas para ele, para não deixar ver… Isso foi instintivo mas acho que ele percebeu o inicio da minha ereção e o fato de eu ter virado. Provavelmente depertou algum instinto nele… Acho que se ele alem de ser super dotado também tinha instinto de comedor, de macho alfa, poderia perceber algo. Eu nao sendo homosexual senti instintivamente que nessas condições era claro que eu não era o macho alfa. Era o beta, aquele que come as mulheres mas que nu na frente de um macho super dotado ficava automaticamente como pasivo. E devido a sexualidade muito forte sem querer fiquei nessa sensação de excitado mas não para comer. Eu estava excitado por ter visto um membro bem maior ao meu, tinha virado a bunda para ele inconscientemente e queria dar outra olhada… Fingindo estar tirando o sabonete do corpo virei um pouco e olhei de novo, de forma o mais discreta possível... Percebi que o pinto dele estava maior ainda, tinha ficado meio bomba e isso me deu um escalofrio e ate´ senti um tremor… Abri a torneira de agua fria pois estava ja precisando. Era uma situação inexplicável. Pensei que ele tinha percebido alguma coisa… Nesse momento escutei que a ultima pessoa tinha ido embora do vestuario. Virei novamente dando as costas para ele, mas com isso parecia que eu novamente estava tentando mostrar a minha bunda. Sempre tive uma bunda grande e empinada que ja tinha sido alvo de olhares tanto de mulheres como de alguns homens. Porque alem de ter uma cintura de atleta tinha bunda grande e empinada. Acho que alguém ja tinha pensado que eu seria gay, coisa que não sou, so’ pelo fato de ter uma bunda assim. Mais de uma vez em ruas com muita gente algumas mulheres faziam comentarios e diziam querer beliscar. E varias vezes também alguns homens olhavam. Uma vez tinha uma dessas calças adidas, senti claramente alguém passar a mão na minha bunda. Virei e nao pude ver quem. E sem querer isso me excitava. Isso aconteceu duas vezes. Na segunda foi em um ônibus. Eu estava descendo e estava super lotado. Fui pedindo licença e quando estava chegando na porta senti uma mão grande me empurrar pela bunda. Eu estava tentando descer e tinha pasado o tronco entre umas pessoas mas estava tão apertado que fiquei com as pernas e a bunda um pouco para atras. Alguém aproveitou e colocou a mão bem no meio do meu rego e me deu uma segurada forte e cutucou o dedo anular bem no meio do meu anus… Estava vestindo uma calça de moletom para ginastica, se nao o dedo entrava direto no me cu. Alguém literalmente me pegou pelo cu e me empurrou. Eu sai do ônibus ja quase pulando…e o meu pinto ficou duro na hora. A minha fixação anal estava sempre la´. Mas nunca tinha entrado nesse tipo de coisa ou de experiência… Eram as masturbações esfregando na tampa da privada e também por alguns periodos, que as vezes duravam alguns meses, tentava penetrações com os dedos e em ocasiões com alguma outra coisa. Sempre gostei muito de sexo e comi muitas mulheres e sei fazer elas gozarem. Sempre tinha mulheres que queriam ser comidas por mim. Mas aos vinte anos ja sabia que também tinha fantasias de dar, ou pelo menos de ter coragem de aceitar que queria dar… Mas nunca tinha tido coragem para dar de verdade. Peguei o sabonete e virei novamente, em uma meia volta lenta enquanto fingia estar concentrado em ensaboar o corpo. Tentava esconder a minha ereção com a espuma do sabão se possível. Discretamente olhei e percebi que agora ele estava sempre de frente para mim mas com uma enorme ereção... Ele tinha percebido alguma coisa pois descaradamente queria que eu visse aquilo. Ele passava o sabonete na barriga e com o antebraço empurrava esa coisa enorme para abaixo fingindo, agora ele, que estava concentrado em ensaboar o abdomen. Parecia duro como uma pedra, cumprido e curvo para acima, grosso com uma cabeçona que parecia um sino. Estava tão duro que apontava para o teto e as veias ja pulsavam, por isso ele empurrava com o ante-braço para frente e assim ensaboava a barriga. Quando virei e olhei, ele pegou os seus testículos e os puxou para baixo e para atras, levantando completamente a ereção, empurrou a bunda para frente e contraiu as abdominais a um ponto que parecia exibir um caralho de uns 23 cms. e muito grosso… Isso não era um pinto, era um caralhão, um cacete de macho alfa. Como na natureza, era um macho mais dominante e estava mostrando isso para mim provavelmente. Ele fingia se estar lavando mas estava na verdade exibindo para mim a enorme ereção do seu cacete duro, como se fosse um cavalo excitado... Eu fingi que nem vi pois na verdade vi por uma fração de segundos e senti o coração disparar. Senti uma excitação que não esperava... comecei a sentir uma coceira no anus. E não conseguia pensar direito. O fato de saber que estamos sozinhos no vestuario me deixou ainda mais excitado. Virei rapidamente de novo fingindo não ter visto aquilo. Mas ele percebeu. Eu continuava sem poder ficar de frente a assim ele estava evidentemente com a visão da minha bunda empinada e grande e que parecia meio de mulher por causa da minha cintura fina, e agora ele com um cacete duro e muito excitado… Nesse momento de tanta excitação sentia o meu pinto duro mas não pulsante. Era o meu cu que estava pulsando. Estava tão excitado que senti o espaço entre o cu e os testículos endurecer e o meu pinto amoleceu um pouco. Como se tivesse uma buceta invisível que entumeceu… Nunca tinha sentido isso, comecei a sentir um instinto estranho. Senti uma vontade de empinar um pouco a bunda… era como se a excitação me levase a querer levantar a bunda ja que estava de costas. Mas era uma locura, o meu coração estava disparado… a minhas pernas estavam quase bambas… Coloquei uma mão nos azulejos para me segurar e senti que queria empinar um pouco, so um pouquinho mais aquilo que ja' era empinado por natureza. Assim como ele não resistia ao instinto de exibir aquele membro enorme tendo uma ereção e puxando os testículos e descascando ate a raiz aquela banana para eu ver. Eu estava sentindo que queria exibir o meu rabo grande e empinado de tanta natação… Tudo isso estava quase fora do meu controle… Se eu seguisse essa vontade e deixasse que aquele entumecimiento estranho me leve a empinar a bunda ja seria um sinal inequívoco para que ele confirmase que eu estava com o cu piscando. E o meu cu estava piscando por causa da ereção dele. Nao sei porque, mas resisti… Continuava ensaboando o corpo e com medo de que o sabonete caísse... Nunca tinha acontecido isso, estava excitado e sentia tudo isso concentrado no anus… Nesse momento o meu pinto ja tinha percebido que nao era o dominante e estava perdendo a ereção. Mas o meu anus estava quase em fogo. O fato de estar virado, com vergonha de que ele veja a minha ereção, fazia que ele percebesse que eu estava no rol de passivo…. Mas isso não era intencional, era provavelmente normal diante do fato que ele tinha um membro grande e dominador e o meu era pequeno e primeiro tinha ficado duríssimo e depois amoleceu vendo aquilo… era muito pequeno comparativamente… Mole o dele era uma coisa grande e pesada maior que o meu quando duro. Mole o meu era pequeno e depois da piscina podia ate ficar de dois centímetros e retraído. Eu me virava pois seria evidente que o meu pau ficou duro mas não porque eu era o comedor... mas porque fiquei excitado por causa da envergadura dele... Ele sabia disso.... E alem disso ele tinha uns 35 anos e 23 cm, e eu tinha 20 anos e 13 cm… caindo para 10 cm. nesse momento. Tentei pensar em outra coisa, relaxar e quando o meu membro abaixou um pouco peguei a toalha e sai do chuveiro sem olhar… Me enxuguei rápido, coloquei a roupa e sai rápido do vestuario. Quando cheguei na minha casa fui direto ao banheiro para bater uma punheta pois estava muito excitado. Entrei no banheiro, apaguei a luz e sentei na privada nu. Abri a agua do chuveiro e fiquei na escuridão escutando o chuveiro. Estava excitado mas o meu pinto estava mole e todo melado, como se so' a lubrificação fosse necessária, como se fosse uma buceta excitada. O meu cu estava piscando e coloquei saliva para escorregar melhor na esfregação pela superficie da privada. Toquei nele e ficou duro novamente, a cabeça inchada e vermelha como se fosse um enorme clitoris de 12 cm. E de repente senti um tesão não so' no cu por fora, mas um tesão por dentro. Sentia uma sensação de precisar ser penetrado, de querer ser penetrado, de ser penetrado. Senti uma cutucada por dentro, perto do fundo. O meu cu estava sentindo uma pressão estranha… Comecei a jorrar jatos de leite enquanto eu empurrei uma vez mais a bunda para abaixo, em contra do cabo da escova que tinha enfiado no cu…. A sensação era forte e nova de alguma forma. Tal vez não nova pois sempre tive fantasias mas esse dia essa experiencia tinha me feito tremer. Passei a ter fantasias com mulheres que tivessem penis enormes e me penetravam. Tinha fantasias com mulheres com penis. Comecei a pensar que tinha alguma coisa errada comigo, mas sabia que não gostava de homem. As fantasias que eu tinha eram de ser penetrado e ser um macho passivo com outro macho que tivesse o penis maior. Mas era tudo concentrado no penis penetrando o meu cu. Não no fato de ser um homem e muito menos algum tipo de atração emocional pelo mesmo sexo. Não sabia se era bi-sexual ou simplesmente um homem com muitas fantasias livres e instintos variados. Nao gosto de homem mas quando estava assim queria ate gemer e imaginar que era dominado como uma fêmea. A minha fantasia era que o macho dominante sempre era o de penis maior. Então eu comia as mulheres e sabia come-las muito bem, mas na minha fantasia se aparecesse outro macho então era ver quem era o alfa e isso seria pelo tamanho do penis... Não ser o alfa e assumir o rol de macho passivo passava a me excitar muito... Isso aconteceu mais ainda depois de ver aquele penis tão grande... Passaram varios meses e uma noite novamente estava no chuveiro, na mesma academia de natação. Tinha escolhido o ultimo chuveiro do corredor e todos os chuveiros estavam vazios. Quando vejo alguém pegar o chuveiro que estava na frente do meu. Olho e vejo novamente o mesmo cara da outra vez, nao lembro da cara dele, pois olhava para baixo e vi aquele membro grosso e longo novamente... O efeito foi imediato. Deu um escalofrio, fiquei atordoado e o meu penis começou a inchar... Novamente virei de costas para ele instintivamente para cubrir a minha ereção... Passaram alguns segundos e virando novamente vi que ele estava com uma ereção enorme e nao fazia questão de escondela... Eu coloquei shampoo na cabeça e como quem não quer nada coloquei a cabeça debaixo do chuveiro e fiquei de frente para ele, mostrando agora a minha ereção... O meu coração batia a mil... atordoado pelo tesão e pelo nervosismo de ter tido a coragem de fazer isso… Eu sabia que ele estava olhando e que isso era uma loucura... Sem olhar novamente mas sabendo que ele viu virei de costas uma vez mais… O sabonete caiu e dessa vez aproveitei e abaixei para pegar ficando em uma posição onde a bunda aberta era a visão que ele teria. Mesmo com o pau duro sai do chuveiro pois não tinha mais ninguém no vestuario... Passaram alguns segundos e ele também sai enxugando a cabeça e mostrando aquele enorme pau de cavalo duro... Eu sentado no vestuario e ele na minha frente enxugando o seu corpo e deixando eu ver aquela ereção... Eu estava provavelmente vermelho pois ele olhou e me perguntou: - E' grande, não e'? Eu não soube oque dizer... mas estava completamente excitado, a cabeça a mil... e disse simplesmente “acho que sim..." Ele me disse: - Vamos conversar la fora? ....

Ajudando o Policial Militar

Hoje estava sozinho em casa, aproximadamente às 20:00 o interfone toca, fui ver quem era, um Policial Militar, o cumprimentei formalmente, ele precisava de uma informação de um vizinho que eu conhecia, porém já havia mudado. Claro que passou um milhão de pensamentos em minha mente, porém meu desafio era chupá-lo, mesmo que estava com aliança no dedo, eu também estava de aliança, o convidei para entrar, pensei que ficaria tímido, e fui fornecer algumas informações, na verdade era uma desculpa pra que ele entrasse. A conversa começou no código penal, falamos sob o sistema penal, os direitos humanos, enfim muitas críticas, até chegar em assuntos banais... percebi que ele era um cara que não tinha muito conhecimento de sites, e muito menos de malícia... enquanto ele atualizava o GPS dele, eu logo comecei com aquela conversa, o velho golpe da loira que cavalga gostoso, tenho esse vídeo no meu celular e já consegui chupar todos que mostro esse vídeo kkkkk, logo mostrei a ele como se fosse ela que tivesse me mandado. Ele caiu, quando começou a ver percebi ele encolhendo o corpo, todo desajeitado, quando ela começou a chupar ele disse, cara isso é uma loucura, nem posso ver isso não; quando eu percebo o kct dele subindo, ele todo constrangido me mostrou e disse olha só, desculpa ai, eu pedi pra ele sentar, coloquei a mão no colo dele, ele não disse nada então senti aquela cutucada, perguntei já tinha gozado na boca de alguma mulher, a resposta era que esperava, ele nunca tinha gozado na boca de mulher alguma, casou no meio religioso muito jovem não teve tempo de experimentar os prazeres mundanos (foi o que ele disse)... como minha mão não saiu de cima do colo dele comecei a massagear o pau dele, ele nem dizia que sim e nem que não, foi quando apertei ai ele disse, cara ai já é demais olha meu estado, travou a arma dele e tirou o pau pra fora, eu cai de boca, não estava acreditando que menos de 15 minutos, eu estava chupando um policial que eu nunca vi na vida, no sofá da minha sala, e realmente acredito que ele nunca tinha sido chupado com gosto, quando acelerei a chupada, caprichei na cabeça do pau dele, quando passei a língua nas bolas dele e comecei a chupar igual um bezerro, sinto o pau duro igual uma pedra, era a hora de fazer ele leitar, não demorou muito ele começou a gozar, acho que o t-são foi muito, "eita homem pra dar leite". Quando terminou ele ficou sentando um bom tempo, apenas disse que estava com as pernas bambas, e que tinha dado sono, amanhã ele procurava o meu ex vizinho. Pediu sigilo e se poderia passar outras vezes para usar minha internet, disse que sim o celular dele estava cadastrado, era só ele parar no passeio que já daria o sinal, ele fez o teste. Disse que essa semana virá usar a minha net. Ele acabou de me passar um whtsap, dizendo que ia dormir, e agradeceu pela informação. Penso que a mulher dele estava do lado, apenas disse que estaria aqui para colaborar com a justiça naquilo que ele precisasse. Sempre colaboro, desde que me dê um kct pra chupar ai eu colaboro. Nem estou acreditando em tudo isso. E quem nunca fez uma loucura gostosa, viva a era da tecnologia, só assim posso dividir momentos em forma de relatos e até mesmo de desabafo. Ótima noite.

Comi o meu primo adotivo

Ola pessoal tudo bom com vcs? Esse é meu primeiro conto aqui no site e eu espero q gostem. Eu tenho um primo adotivo chamado Gabriel ( ficticio), ja rolou algo entre nos mas n passou de um oral. Eu tenho 1,94 de altura e peso 100kg , tenho 17 cm de rola um pouco torta pra esquerda e n mto grossa. Mais ou menos na metade de janeiro desse ano meus pais foram viajar para Cabo Frio , decidi n ir pois tive q resolver algumas coisas pendentes , recebi uma msg da minha tia no Whats perguntando se meu primo podia passar uns dias aqui em casa , expliquei pra ela q estava sozinho e por fim decidimos q ele ficaria aqui em casa por 3 dias enquanto meus tios viajavam. Meu primo foi deixado aqui em casa por volta das 22:30 pelos meus tios . Ja tinha deixado sua cama arrumada , ele dormiria no meu quarto pq ambos ja sabiamos o q ia rolar a noite toda. Pedimos uma pizza e dps fomos dormir. Ficamos um tempo em silencio deitados e resolvi tomar a iniciativa -Ei Gabriel , vc lembra daquelas duas vezes q vc chupou meu pau? -Lembro sim , vc nunca esquece isso ne ? -Claro q n foi a melhor mamada q ja recebi na minha vida . (Nos dois rimos) -Foi bom mas poderia ter sido melhor . Eu falei - A é ? Como? - Eu era Bobao , conseguiria gozar mais umas 2 vezes e vc tbm nem gozou , a gente nem se quer trocou uns beijos. (Nos dois rimos novamente) - vdd, mas mesmo assim , chupar seu pau foi mto bom. -dessa vez da pra gente fazer direitinho , vc quer? Ele nem respondeu , ja foi pegando no meu pau por cima da cueca e me dando um puta beijo de lingua. Eu correspondi o beijo ja abaixando seu shorts e apertando sua bunda , rapidamente nos dois ja estavamos pelados em minha cama roçando nossos paus um no outro. Ele foi decendo beijando meu corpo e começou a passar a lingua no meu pau ( como chupava gostoso). Ficamos ali por uns 10 minutos , eu ja estava quase gosando quando ordenei q ele parasse de me chupar e voltamos a nos beijar , coloquei ele de frango assado e fui linguando aquele cusinho moreninho bastante apetitoso, coloquei a cabeça do meu pau e fui enfiando um pouco mais devagar , ele gemia bastante ( tinha me dito q so tinha dado o cu uma vez), no começo ele gemia de dor dps começou a gemer de prazer , ficamos ali mais uns 10 minutos ate eu gozar em sua boca , ele engoliu toda minha porra e me deu um beijo de lingua dps . Comigo é assim , dependendo do cara e do meu tesao eu me entrego totalmente ao prazer , e foi isso q eu fiz . Dei mais uma lambida no cuzinho do meu primo q ja estava piscando e pedindo pau e dps comecei a chupar aquela rola bonita ate ele gozar em minha boca . Dei um beijo melado nele e dps fomos tomar banho. No banho rolou mais uma sacanagem e na cama rolou de novo. Fudemos mto nesses dias q ficamos sozinhos aqui em casa. Espero q tenham gostado do meu primeiro conto , vou contar novas aventuras dps , me desculpem por alguns erros mas eu juro q vou melhorando aos poucos

Meu amigo casado

E aí galera, tudo beleza? Eu sou o Fred, morador de Volta Redonda/RJ, do conto Sexo a três por acidente. Ainda não rolou a mega suruba, mas eles disseram que é bem provável que role nesse final de semana, aí eu conto pra vocês. O que vou contar hoje rolou na sexta-feira passada. Eu tinha chegado do trabalho, e como toda sexta-feira, eu fiquei só de cueca, abri uma cerveja e fiquei curtindo música, pensando na vida. O celular vibrou e era o Jonas, meu amigo, perguntando se podia dormir na minha casa, porque as coisas na casa dele não estavam muito boas. Eu disse que sim, já que somos muito amigos, ele me ajudou bastante em vários momentos da minha vida, então nada mais justo do que acolher ele. Quando chegou, eu coloquei uma regata e desci, minha casa é garagem, casa e terraço. Já na porta ele me abraçou e eu percebi que estava mal mesmo. Subimos, tinha passado um café pra ele, que tomou e começou a me contar que estava desconfiado de que sua mulher estivesse traindo ele. E com outra mulher. Na hora eu fiquei paralisado, e pensei “coitado, casados há quase quatro anos, ninguém merece ser chifrado, né?”. Me contou que Rita, sua mulher, havia feito amizade com uma tal de Roberta, e que elas sempre saíam juntas, e tiravam fotos juntas, e ficavam horas ao telefone, e que algumas pessoas estavam começando a comentar a respeito. Conversamos por um bom tempo, até que tentei animá-lo, mudando de assunto, falando umas bobeiras, e deu um pouco certo. Mais tarde, lá pelas tantas, ele resolveu ir dormir, e fui arrumar o quarto de hóspedes pra ele, quando ele me perguntou se havia problema dele dormir pelado. Eu disse “claro que não, imagina”, e ele tirou a roupa ali enquanto eu ajeitava a cama. Confesso que nunca havia olhado pro Jonas com outros olhos, mas ali, naquele momento, vendo o corpão parrudo dele, o peito peludo, a barriga com pelos indo até a rola grossa, veiuda, com pele na cabeça, e o sacão pentelhudo, meu cu deu uma leve contraída. Mas me contive, afinal, era o Jonas, somos amigos há muito tempo, além do que, ele tava passando por uma barra. Me contentaria apenas com uma punheta enfiando os dedos, ou um dos consolos no cu. Mas o inesperado aconteceu. Quando eu ia saindo do quarto, ele disse: Desde quando a sua bunda ficou ainda mais gostosa do que já era? Eu gelei, né? Pensei que fosse imaginação minha, mas não, ele continuou. Olha só, redondinha, marcando delícia nessa cueca. Olhei pra trás e percebi que ele estava meia bomba, me olhando de um jeito que nunca imaginei que fosse querer que ele me olhasse. Como assim, cara? - Tentei me fazer de sonso. Jonas se aproximou, aquele cheiro de macho suado, aquela mistura de piroca suada com pentelho, suvaco, bunda, e eu me segurando ao máximo. Quando ficou com o corpo colado em mim, Jonas apertou minha bunda, me olhou nos olhos com um tesão inacreditável. Eu tô falando desse rabo aqui caralho. - E me beijou com força. Claro que não corri e beijei ele também, passando as mãos pelo corpo grande e suado daquele macho gostoso. Enquanto nos beijávamos Jonas tirou a minha roupa e me colocou contra a parede, alisando meu cu, meu corpo, se esfregando em mim, e eu me esfregando nele, apertando a bunda máscula e dura daquele macho tesudo, que tinha um dos melhores beijos que já provei. Passava as mãos pelos cabelos curtos dele enquanto ele beijava meu pescoço e abria a minha bunda. Agarrei a rola dele, que agora já estava trincando, apertei, e com a outra mão apertei as bolas. Jonas urrou de prazer e me apertou mais ainda contra a parede. Acredita que eu sempre quis te dar uma fodida de jeito? Mas você nunca reparou que eu te olhava quando eu coçava o meu saco. Aquilo me deixou ainda mais doido. Porra, Jonas sempre quis me comer? E eu perdendo a chance de sentar naquele caralho maravilhoso! Eu sabia que tinha 19cm porque ele já tinha medido na minha frente, mas estávamos entre amigos, todo mundo fez isso, foi tipo brincadeira pra inflar o ego. O cheiro de piroca e cu preenchia o quarto, e eu não aguentei, me abaixei e abocanhei aquele mastro maravilhoso, suado, com sabor de xixi. Arregacei a pele da cabeça e suguei com força, fazendo o macho gemer alto de prazer. Brinquei bastante com a glande e fui engolindo, babando bastante, me deleitando naquele caralho. Fui alternando entre mamada e sugada no sacão gostoso, cheirando a pentelhada preta e volumosa. Fiquei assim por uns vinte minutos, até que ele me deitou na cama, de bruços, e caiu de boca no meu cu, abrindo meu rabo, enfiando a língua, dedos, cuspindo, praticamente comendo meu cu com a boca, cheirando, beijando, elogiando meu cu, o cheiro dele. Eu me contorcia de prazer, empinando a bunda, rebolando, enquanto ele rosnava no meu cu, sugava, batia na minha bunda com força, apertava. Aquilo tudo tava me deixando louco. Após um bom tempo assim, ele puxou uma camisinha da carteira dele e me pediu gel. Passou gel na rola, no meu cu, e começou a forçar, comigo de bruços. Doeu no começo, afinal, é bem grosso, mas ele sabia usar o piru que tem. Foi bem devagar, parando de tempos em tempos, até que eu senti a pentelhada no meu rabo. Fiquei piscando o cu na rola dele pra me acostumar bem, dando umas leves reboladas, até que Jonas começou a fazer um vai e vem de leve, bem de leve, aumentando o ritmo aos poucos, pra não me assustar. Enquanto isso ele alisava meu corpo, elogiava minha bunda, pulsava o cacete dentro do meu cu. Quando percebi, ele já estava metendo mais forte, e mais forte, e mais forte, até que começou a me fuder gostoso, fazendo a virilha estalar na minha bunda, e eu gemer feito um louco naquele caralho. O corpo dele suado em cima de mim me dava um tesão incrível, e eu empinava mais a bunda, querendo mais, precisando de mais. Jonas me puxou e me colocou de quatro sem tirar, socando com mais força ainda, rasgando meu cu, fodendo sem dó, puxando meus cabelos, batendo na minha bunda, comendo, socando, fodendo, arrombando, me xingando de tudo que era nome, e dizendo que de agora em diante sempre iria me comer, pra compensar todas as vezes que ele comeu a mulher dele pensando em mim, e todas as punhetas que já tinha batido pensando no meu rabo. Jonas me virou de frango e atolou o caralho de novo no meu cu, socando com força, o suor caindo no meu rosto, e eu me abrindo mais pra receber aquele caralhão gostoso. Meu pau babava de tesão, duro. Jonas me perguntou se eu tinha algo pra me prender na cama, e eu indiquei onde ficavam as algemas no guarda-roupas. Sempre me deu tesão essa coisa de não ter escolha sobre o que vão fazer com o meu corpo na hora do sexo. Ele foi lá, me prendeu na cabeceira da cama, e quando eu pensei que fosse enfiar o caralho no meu cu, ele virou o rabo, abriu o cuzão peludo e peidou na minha cara. Fazia tanto tempo que não me peidavam assim, fiquei doido de tesão. Voltou para o meu cu e fudeu com força por mais um tempo, até sair e peidar de novo na minha cara. Jonas arrancou a camisinha da piroca e enfiou na minha boca, fudendo até gozar fartamente, num urro alto de prazer. Engasguei um pouco com a quantidade de porra que saiu daquela rola, mas consegui engolir tudo. Pegou o consolo de 19cm e atolou no meu cu, sem gel, sem nada, e começou a meter, masturbando meu pau, até eu gozar pra caralho, gemendo alto, sentindo meu cu ser fodido. Me tirou as algemas e ficamos deitados abraçados, conversando sobre nossos prazeres ocultos, entre outras coisas. Mais tarde nós fudemos outra vez, e ele me deu um banho de mijo delicioso, pra depois me fuder todo mijado. De manhã, transamos de novo e ele foi pra casa, mas disse que vamos sim repetir muitas vezes, o que eu não recusei, é claro. Espero que tenham gostado, galera, eu tô todo arregaçado aqui hahahahaha. Falou!

Peguei gosto em ser mamado

Já postei 2 contos aqui contando de como fui chupado deliciosamente. Depois dessas 2 histórias que contei, mts mamadas já me aconteceram e já tive alguns - na verdade, 4 - mamadores constantes. Vou falar desses mamadores. Sou branco, 1,83m, 85 Kg, rola grossa de 22cm, casado, 46 anos (em 2017) e grisalho. O primeiro foi um médico. Fui fazer exames qdo iniciei em um novo emprego e sai com a impressão de que fui assediado pelo médico. Ele me mandou tirar a roupa (o que era desnecessário para o tipo de consulta) e elogiou o tamanho do meu cacete, fazendo umas piadinhas. Mas ficou nisso. Fique nesse emprego pouco mais de 2 anos e, qdo saí, tive que voltar no mesmo médico (era o indicado pela empresa) para fazer os mesmos exames. O cara se lembrou de mim e depois da consulta puxou conversa. Devido ao emprego que eu estava saindo ser com computadores, ele disse ter algumas deficiências e perguntou se eu daria aulas particulares. Eu já tinha sacado qual era a dele e já curtia uma mamada de macho, então "cai" na história. marcamos um dia à noite e fui na casa dele. Chegando lá, ficamos numa conversinha furada, instalei a impressora pra ele, qdo ele foi ao assunto e confessou as intenções. Não dificultei nd, pelo contrário, concordei, mas dx claro que só curtia a chupeta. Ele disse td bem e começou. Esse cara não era exatamente o perfil que eu costumo procurar, mas mamava gostoso e com vontade. Mamou meu pau demoradamente até eu gozar na boca dele. Engoliu td minha porra, que delicia. depois dessa, fiquei freguês. Era bem cômodo não ter que procurar alguém no UOL, fazer o teste e, na maioria das vezes, não voltar mais pq não tinha curtido 100%. Me mudei para o interior de SP e depois de mts chupetas passageiras com caras que eu encontrava no chat do UOL (ainda uso esse recurso), conheci o Marcio. Um cara discreto, boa pinta que se encaixava perfeitamente no perfil que eu procuro - não mais alto que eu, magro, mas não precisa ser malhado, discreto e com local (obs: quero mt um cara afeminado, mas nunca dei essa sorte). Eu ia à casa dele e me sentava no sofá da sala, que é a posição que mais me da tesão. Gosto de ter o cara ajoelhado entre minhas pernas mamando com vontade. Gosto qdo segura minhas bolas enquanto se concentra na cabeça do meu cacete, me olhando nos olhos. Tb adoro o biquinho na ponta do meu pau, me punhetando ao mesmo tempo. Gosto de segurar pelos cabelos e guiar a boca, eu mesmo bater punheta com o cara de boca aberta próxima à cabeça do meu pau... O Marcio mamava mt gostoso. tinha uma boca macia e deixava meu cacete td babado. Uma maravilha. Qdo avisava que ia gozar, se fosse no começo, ele parava e deixava a coisa esfriar pra começar de novo. Eu vou à loucura com isso. Depois de alguns bom minutos mamando, ele vinha com vontade e se concentrava na cabeça do pau até eu explodir na sua boca. Adorava gozar na boca dele. Ele não engolia, mas td bem. Depois que eu gozava e meu cacete estava limpinho, ele ia ao banheiro e cuspia. Essa "relação" durou uns 2 anos. Até que conheci meu terceiro mamador. Era um cara com o mesmo perfil do anterior. No começo eu não curtia mt a chupeta dele, mas ele foi pegando o jeito, acho que se adaptou ao meu gosto... Só sei que esse cara me chupa até hj e lá se vão uns 15 anos. Com esse cara, devido ao longo tempo que já nos conhecemos, fui me soltando mais. Ele já me pediu pra chupar o pau dele, mas nunca fiz (e, sinceramente, não tenho a menor vontade), mas pego no cacete dele e bato uma punheta enquanto ele me chupa. Com ele, às vezes vamos na cama e ele deita e rola com meu cacete. Fica quase numa posição de 69 pra eu punhetar o cacete dele enquanto ele me chupa. Ele curte chupar bem demorado, então brinca com meu cacete, chupa meu saco... Nem sempre dx eu gozar na boca, mas, qdo ta mt tesudo, eu aviso que vou gozar e ele afunda mais o cacete dentro da boca até sentir os jatos na garganta. Fica assim até sentir que o meu cacete parou de pulsar e vai cuspir. Isso costuma acontecer qdo nos encontramos depois mt tempo sem nos vermos. Me mudei do interior de SP, mas td ano vou pelo menos uma vez pra lá e sempre o encontro. Já é um gde amigo, que mama deliciosamente. Td de bom. Agora eu moro na Bahia. Sou casado, tenho filho, mas não perdi a tara por uma mamada. Aqui tratei de procurar um mamador. mas foi dificil. Conheci vários caras que me chuparam, mas nunca teve um que eu quisesse repetir. Na verdade houve um cara que me chupou mt gostoso, era um cara baixinho, uns 25 anos, mas não tinha local. Esse cara me chupou duas vezes no meu carro. Até o procurei mais vezes, mas não atende mais no numero que tenho, então, não rolou mais. Porém, recentemente, conheci um cara, mora só, é discreto e... Mora mt perto de casa. PERFEITO. Esse cara chupa deliciosamente, do jeito que gosto e adora engolir td a porra que eu tiver pra gozar. Não dx uma gota pra fora, enche a boca e abre pra eu ver antes de engolir. Brinca por mt tempo com meu pau, meu saco, bate punheta, suga a cabeça... Agora tenho esse mamador aqui perto de casa que está quase sempre disponível e o meu antigo mamador que sempre encontro qdo vou à casa de minha mãe. Mas como um bom tarado por chupetas, não dispenso uma boquinha nova. Então, se vc curte mamar um cacete, mora em Salvador - BA e é maior de idade, me manda um e-mail. Quem sabe não rola algo real e, se curtir, divide meu cacete com o outro cara que já me chupa? Um mamador é bom, dois é melhor, três, quatro, cinco...

domingo, 12 de fevereiro de 2017

putarias em família (se divertindo com pai Bêbado)

Continuando... O dia seguinte era um domingo e quando acordei no sofá da sala, minha irmã mais velha, meu irmão e minha mão já estavam se preparando para irem para a missa. Meu pai estava no banho e saiu de lá com sua expressão sisuda e grosseira como sempre. Além, é claro, da ressaca comum de sua vida de bebum... Eu estava constrangido com o acontecido, pois parecia que, apesar de ninguém saber, eu era um pecador, um depravado. Porém a lembrança daquela experiência me excitava. Não tive coragem de ir à missa. Eu estava confuso e incomodado. Ainda mais tesudo com aquilo que ocorreu no noite anterior. Como nada acontece por acaso, tudo estava conspirando para aquela putaria que eu praticava com meu pai... Naquele domingo mesmo, após o almoço, me pai se levantou, todos estavam em casa vendo tv e minha mãe fazendo umas encomendas de salgados para um bar. Ele se arrumou todo e saiu sem se despedir de ninguém e nem ao menos dizer para onde iria. Minha mãe perguntou e levou uma resposta torta; _ Vou encontrar umas "negas" por aí. Nem sei se volto hoje. E assim foi, sem nenhuma novidade: Ele sempre saía e voltava bêbado, ou mesmo após o trabalho. Já passava nos bares e só chegava em casa bem tarde e totalmente alcoolizado. naquele dia não foi diferente. Chegou tarde, fedendo cachaça, cigarro e perfumes baratos. Chegou cambaleante, cantarolando músicas de Waldick Soriano bem baixinho. Quase miando e fazendo CHIIIII... Nessa noite ele foi direto ao banheiro, ajoelhou-se ao lado da privada e começou a vomitar. Eu, como sempre era o ùnico a acordado. Afinal eu dormia no sofá da sala. Apesar de sua frequente grosseria, resolvi ajudá-lo a se levantar do chão do banheiro e perguntei se ele não queria tomar um banho... Vou ser sincero, mas foi intencional, eu queria vê-lo nú, ajudá-lo no banho... os pensamentos do dia anterior ainda remoíam minha cabeça. Eu, por raros momentos já tinha visto meu pai nú e já tinha admirado seu corpo e, principalmente, sua piroca cabeçuda e grossa, mas a intimidade iniciada no dia anterior me excitava e incitava a fazer aquilo. Eu o escorei em meu ombro ainda infantil e o apoiei na parede do box do chuveiro. Comecei a tirar sua roupa, sem nenhuma objeção por parte dele. Em instantes ele estava de cueca na minha frente. Eu não pensava em ir a diante, mas ele mesmo se livrou da última peça de roupa e ligou o chuveiro de costas pra mim. Eu juntei suas roupas do chão, saí do banheiro para levá-las para o tanque que ficava nos fundos da casa. Ao lado do tanque ficava a janela tipo vasculhante do banheiro. Subi no tanque e fiquei observando meu pai tonto, tentando se ensaboar. ele balançava de um lado para o outro, passando o sabonete pelo seu peito forte, definido e peludo. Assim como pelo seu pau: divino, cabeçudo e grosso... Eu me masturbava freneticamente, espiando aquela cena. Porém, ele foi escorregando, encostado na parede do box do banheiro e foi sentando no chão, ainda cheio de espuma. Parecia adormecendo, no canto onde o chuveiro não direcionava água. Resolvi voltar ao banheiro para "ajudá-lo" mais uma vez e, consequentemente, poder tocá-lo como fiz na noite anterior. Dei a volta no corredor da casa, entrei pela porta do banheiro e chamei pelo o chamei: _ Pai, levanta. Você tá cheio de espuma. Termina o banho que te ajudo a ir pra cama. Ele nada respondia. De pronto, abri o chuveirinho e comecei a tirar a espuma do sabonete de seu rosto, de seu cabelo, de seu peito. Eu aproveitava e passava a mão, acariciando seu corpo de macho gostoso. Cheguei até sua rola e me dediquei mais na "limpeza": pegando, apertando, punhetando, mexendo em sua grandes e perfeitas bolas de seu saco escrotal. Ele continuava lá, de olhos fechados, com a cabeça pendendo para o lado com uma perna dobrada e a outra esticada. porém sua piroca começava a dar uma engrossada, dando sinais de vida. A cabeça da rola era inacreditavelmente grande, começando a inchar. Minha boca salivava de vontade de ter aquele pauzão todo na boca, mas na posição que eu estava não favorecia que eu fizesse uma mamada. Seu pau já endurecia, assim como o meu... _Serginho, você tá bem??? Quero usar o banheiro...- era minha mãe. Quase morri de susto e soltei a rola de meu pai no ato. _Tô mãe, o pai tava desmaiado no chuveiro e vim ajudar. Mas tá dificil de conseguir "levantar ele" (sic). _Deixa esse traste ai... quem sabe não se afoga e morre logo. Você vai ficar ajudando esse maldito??? _Não é isso, mas imagina se minha irmã acorda e vê o pai pelado no banheiro? Ou pela casa??? Faz só um favor: pega uma cueca ou uma bermuda pra colocar nele e me ajuda a "levar ele" pro quarto... Minha mãe trouxe uma cueca samba canção larga e diz pra largá-lo em qualquer lugar, pelo chão da casa. Que na cama dela ela não queria aquele traste. Mesmo a contragosto, minha mãe me ajudou a arrastá-lo até a tapete da sala e colocá-lo deitado ao lado do sofá onde eu dormia e foi para seu quarto. Mais uma vez lá estava eu ao lado de meu pai, porém dessa vez seminu, com aquela cueca larga, de pernas arreganhadas com a cabeça de seu pau fugindo por baixo da perna da cueca. Eu tentava, porém não conseguia dormir ou desviar meus olhos do corpo daquele macho, que apesar de ser meu pai, era muito gostoso, pirocudo e me excitava. Pensei em ir ao banheiro e terminar minha punheta solitária, mas preferi ficar ao lado dele e me aliviar no sofá mesmo. Enquanto me masturbava com uma mão, com a outra tocava seu peito, seus pelos, seu abdome. Desci minha mão até sua rola e continuei as carícias que tinha inciado no banheiro. Novamente aquele caralhão começou a tomar vida, engrossar no corpo e na sua cabeça de cogumelo. O medo e a vigia em direção às portas dos quartos eram um misto de tesão e euforia. O buraco da cabeça de seu pau começava a soltar o líquido viscoso que que havia provado na noite anterior. Tornei a provar, passando a ponta dos dedos e trazendo até minha boca. Resolvi arriscar e me ajoelhei entrei suas pernas e comecei a lamber e sentir sua lubrificação direto de sua rola. Lambi todo seu mastro grosso e macio, passando pelas suas grandes bolas dos testículos. Abri o máximo minha pequena boca e abocanhei aquela cabeça, grande e inchada. Ouvi um gemido e quase sofro um ataque do coração... ainda com a rola na boca, olhei para seu rosto que permanecia num sono profundo, porém com um ar mais sereno. quase um sorriso. Fiquei me fartando e mamando muito, sentindo a quantidade de liquido que sua glande expelia. Resolvi aparar com os dedos e passar no meu cuzinho virgem.... Que sensação deliciosa! Passava a baba do cacete de meu pai na porta do meu cu e enfiava com o dedo para dentro de mim. Eu delirava mas queria mais: fiquei de cócoras, puxei minha cueca para o lado e apoiei o buraquinho de meu cú sobre a glande gigante do pau duraço de meu pai. Eu tremia, forçava, mas não passei disso. Já estava quase gozando e resolvi sair daquela posição e voltei a mamá-lo, mas ele não dava sinais de iria gozar. Levantei suas bolas, enfiei minha lingua no seu cú de macho peludo, enquanto masturbava sua rola com toda pressão que conseguia. Seu cú começou a piscar com minhas linguadas, seus ovos subiram e sua rola começou a se contrair. Ouvi um gemido e suas pernas retesarem. Imediatamente abandonei seu cú e cai de boca na cabeçona de sua rola, que começou a golfar jatos de porra no céu de minha boca quase infantil. Foram umas 3 esporradas fortes, de um líquido de sabor,até então desconhecido por mim: salgado e amargo, de consistência grossa parecendo mingau de maisena. O gosto não era bom ( quem diz o contrário, me desculpe...) mas bebi grande parte daquele leite que me fez. Eu sorvia sua piroca e voltei a me masturbar. sabia que seria rápido meu gozo. Pensei em gozar sobre seu pau, sobre seu peito ou na porta de seu cú, mas vendo sua boca aberta e seu ronco pós gozada dormindo, resolvi ser mais ousado e me arriscar: continuei com sua rola já amolecendo na minha boca, porém posicionei-me com a rola próxima de sua boca, aberta de lado (quase um 69) e ao encostar meu pau em sua lingua não me contive e cheguei ao êxtase... Ejaculei Lancei muita porra na lingua e na boca de meu pai a dentro. Ficou branco de gala, chegava a fazer bolhas, espumar. Ele fez um barulho característico de ronco e engasgou, mas escorreu um pouco pelo canto sujando o travesseiro que estava no tapete da sala. Eu pressionava sua piroca com meus lábios e abafava o gemido de minha gozada. minha pernas tremiam. Ainda me mantive por um tempo com sua rola na minha boca e a cabeça de meu pau próxima ao rosto dele. Liberei sua piroca de minha boca, guardei na samba canção e ainda limpei o resto de minha porra que escorria da cabeça de meu pau na boca e no bigode de meu pai. Consegui caminhar sorrateiramente até o banheiro, dar aquela mijada pós gozo e quando retornei para a sala ainda conseguia ver, pela penumbra da luz do corredor: sua boca babada e seu bigode ainda sujo de meu líquido branco. Nem percebi como dormi Rápido... Essa situações se repetiram por muitas vezes até o dia que meu acordou e um outro momento que meu tio me flagrou... mas são outros contos ____________________________________________________________________________________________________________ GOSTARIA DE LEMBRAR QUE TODOS OS MEUS CONTOS SÃO REAIS

Innìcio das putarias em família (bincando com o pai Bêbado)

De Início gostaria de justificar minha ausência durante tanto tempo: Eu não conseguia postar mais nada por aqui. Sempre voltavam meus contos ou davam erro. Modifiquei o nick e acho que agora vai... ______________________________________________________________________ Olá pessoal, estou voltando a postar após um longo jejum de fatos para narrar, portanto retornei ao me passado de jovem e resolvi contar algumas de minhas experiências: Me chamo Sérgio, tenho 44 anos, estou em meu terceiro casamento, curto muito sexo, punheta e tudo mais, Não me defino como gay ou hétero, eu curto tudo em matéria de sexo. Desde muito jovem sou bastante sexuado e muito tarado, apesar de minha timidez quando eu era mais novo. Sou um cara normal para minha idade: Tenho 1,72m, 76kg, não sou tão malhado como eu era, mas sou bem atraente. Minhas esposas sempre tiveram ciumes de mim...Sou bem branco, cabeça raspada, olhos claros, barba feita, peito peludo, algumas partes depilada do corpo como nas costas, no pau ( 20cm grosso) e no cú. Sempre tive duvidas quanto a minha sexualidade. Curioso e safado, porém medroso! Namoradinhas com muitos beijos e amassos e, apenas, umas manjadas nas rolas e nos corpos dos colegas de escola, afinal eu era o menor de todos. Muitos anos depois que fui ganhando corpo e definição de macho, incluindo minha rola no tamanho e na grossura. Nesse período cheguei a ter alguns lances de punheta com colegas, mas essa é outra história. Porém o que vou relatar ocorreu durante um tempo em minha casa... Meu pai chama-se Marcos. Hoje já é falecido. Ele bebia muito. Era alcoólatra, violento e tinha dupla personalidade. Agressivo e violento com os filhos, exceto com minha irmã, mas quando bebia ficava insuportavelmente chato, cantava, jogava comida fora, andava semi nú e sempre dormia pelos cantos da casa: no chão do banheiro, cozinha, na sala ou na porta da varanda. Nossa casa era bem modesta e várias vezes os gemidos de dor e desespero de minha mãe sendo comida por ele, quando o mesmo estava sóbrio. Era de uma violência sem tamanho...assim como sua caceta, que já tive a oportunidade de observar no banho, ou quando estava alcoolizado e quando resolvi abrir a cortina do quarto deles em uma das vezes que acordei ouvindo minha mãe chorando com aquele macho montado nela, sem dó nem piedade... Nessa ocasião eu fiquei assustado, sem entender direito o por quê ele a penetrava por trás, mas ouvia ele dizer: _ Fica calada e aguenta no cú até eu me aliviar. Pelo menos esse cú ainda dá pra comer, sua buceta tá muito frouxa... também depois de parir três... arrombada, larga, passou 3 cabeças de guris nessa xereca, agora tem que aguentar no cú... _Tá doendo muito, não aguento mais, tá machucando pleo amor de Deus tira... _Tiro nada, deixa sangrar esse cú, Buceta boa tenho na rua... Eu estava espiando e sem reação. Era uma garoto muito novinho, porém fiquei espantado com seu urro quando gozou dentro de minha mãe e desmontou sobre ela. Logo depois ele retirou seu pau ainda um pouco duro escorrendo porra e deitou-se do lado dela e acendeu um cigarro ao lado da cama. Nessa época eu tinha apenas uns 10 anos, Passado uns 2 anos, ou menos, eu sempre lembrava daquela cena. E sua bebedeira aumentou em intensidade e frequência. Assim como sua violência comigo e com meu irmão mais novo, apenas minha irmã mais velha era poupada das surras de cinto de couro... Certa vez, eu já estava começando meu período de masturbação. Eu gozei pela primeira vez me masturbando com uns 12 anos ou menos. Enquanto me acabava na punheta vendo cine privê na tv. Era o máximo!!! mesmo sem sexo explícito deixava qualquer garoto de minha idade muito excitado e promovia boas punhetas. Estava numa bronha escondida com a televisão com o volume bem baixinho e de repente meu pai chega cambaleante e muito bêbado. Escorou-se no portal e caiu no chão. Levei um baita susto e tentei levantá-lo, porém a tarefa era quase impossível. Ele permaneceu um tempo ali e, como meus irmãos e minha mãe estavam dormindo resolvi arrastar um pouco o corpo de meu pai para dentro da sala e colocá-lo em uma posição mais confortável, deitado ao lado do sofá. Voltei para o sofá e retornei ao que estava fazendo, pois as cenas do filme eram bastante sensuais... esfregava meu pau, ainda meia bomba, por dentro do shorte que usava, sem cueca. Afinal meu pai não iria acordar tão cedo e de modo tão fácil. Comecei a dividir minha atenção entre as cenas do filme e do corpo de meu pai. Ele usava uma calça da empresa que trabalhava, com o ziper um pouco aberto, demarcando o volume especial de sua piroca de macho cabeçuda, sua camisa estava totalmente aberta, revelando seu peitoral definido pelos anos de trabalho árduo e pelos abundantes até suas calças. Em determinado momento tomei coragem e comecei a acariciar seu peito e sentir sua respiração e ouvir seus roncos. Ele estava com as pernas afastadas e com a boca aberta e ressonava profundamente. Fui ficando mais excitado e mais ousado e desci minha mão até a cintura de sua calça, enquanto me masturbava com a outra mão. Não passei minha mão por cima de sua calça, fui logo abrindo o batão e enfiando minha mão adolescente em direção ao seu pau... senti a textura macia, grossa e sua glande muito avantajada. Eu ficava imaginando aquele pau grosso e extremamente cabeçudo penetrando bucetas e cús... como ele metia com violência em minha mãe. Sua rola permanecia mole, uma pouco mais consistente pelos meus carinhos, passei um dedo pelo buraco da sua glande e senti um melado, parecendo pré gozo... trouxe meu dedo na boca e lambi. senti uma gosto não muito agradável.... uma mistura salgada e acre de urina, e um melado que deveria ser sua lubrificação seminal. Repeti tal degustação e percebi que seu pau permanecia mole, não tanto quanto no início dos meus toques. Não consegui mais resistir aquela situação: masturbando e lambendo o o melado da piroca de meu pai e me masturbando freneticamente... explodi em gozo. Silenciosamente e em abundância, veio até meu queixo e esparramou pelo meu peito e barriga... passei a mão e fui limpando meu corpo e espalhando meu gozo na rola de meu pai por dentro de sua cueca. Levantei, me limpei no banheiro, desliguei a televisão e adormeci quase como pedra... (fim da primeira parte)

Era só uma ajuda com o estudo

A pouco tempo tinha terminado o ensino médio e como estava muito indeciso com relação ao que pretendia cursa. Decidir fazer um cursinho preparatório tanto para os vestibulares públicos, privados e também o ENEM. Em março o tal curso começou no turno da noite. As turmas cheias e os professores utilizavam boas dinâmicas para o pessoal entender os assuntos. Passado um mês ocorreu uma divisão. Algumas turmas optaram pela tarde só restando 2 turmas pela noite. Continuei a noite e entrou mais algumas pessoas inclusive um vizinho. Seu nome era José, 19 anos, um negão, corpo malhado devido a academia que estava fazendo, alto, e com lábia que conquistava qualquer uma. Já havia estudado com ele quando tinha uns 8 anos. Assim que me viu já ficou do meu lado e foi vendos os assuntos que estavam pendentes. Ele acabou pedindo que eu fosse na sua casa no sábado para dá uma força (queria dar outra força a ele rsrsrsrs). Topei e quando chegou o sábado no horário combinado de tarde cheguei na casa dele. Quando apareceu com um short de futebol sem camisa. Se não tivesse encostado no muro eu tinha desabado. Fomos ao quarto que ele divide com o irmão dois anos mais novo que também não era de se jogar fora. Começamos com física e ele foi entendendo aos poucos. A madrasta dele e o pai estavam indo visitar uma amiga em outra cidade e o irmão dele estava na casa da avó que era em outro bairro. Ficamos só, e eu continuei explicando algumas duvidas de biologia. Percebi que quando ele me perguntava alguma coisa colocava a sua mão na minha coxa. Ele começou a falar que estava a muito tempo sem transar e perguntou se eu ainda era virgem. (Mal sabia ele que não) Fiquei sem graça, mas falei que não era pra não me sentir por baixo. Ele continuava como bombadeio de perguntas e queria saber quem foi a mina que transei. Sabia que ia me ferrar, e fui enrolando até que ele me solta. - Você é virgem da frente, mas de trás seu primo disse que não. Merda, merda, merdaaaaaaaa. Fiquei pálido. Eu perdi virgindade com meu primo. Só nunca pensei que o imbecil iria dizer. Ele sempre pagava de hétero e nunca trocamos carícias. - E você... acredita nele? - Digo tentando reverter a situação - Não acreditei logo de cara, ele tava bêbado, mas como dizem que bêbados soltam verdades então joguei um verde e sua reação foi minha resposta. Droga, droga, drogaaaa. Agora to lascado. Nisso ele levanta e noto um volume considerável marcado no short que ele abaixa e pula um cacete de 19 cm e percebo que o José é todo depilado. Fiquei abismado por nunca ter visto uma vara daquele tamanho. Nem mesmo tinha feito com ninguém desse tamanho. Agora eu definitivamente estava ferrado. - Vamos brincar um pouco, então abre essa boca ai e chupa meu cacete. Não pude fazer nada a não ser cair de boca. Comecei chupando de leve a cabeça da vara que era um tanto diferente já que o corpo não era grosso como um todo. Até o meio era um diâmetro e depois ia afinando. Ele empurrava com força e tive que abocanhar a vara inteira. Ia me engasgando, e ele só gemendo. - Isso... engole desse jeito. ... Vai.... Ae puto... Ele tira o pau da minha boca e me manda despir e ficar de bruços na cama. - Abra as pernas. Hoje você vai sentir o que um homem de verdade faz. Suas mãos percorrem minhas pernas apesar de sair para ajuda ele a estudar nunca saio despreparado e depilado. Ele aperta minhas nádegas com força. E depois de um segundo quieto eu sinto um tapa forte que me arrepia e assusta ao mesmo tempo. Do outro lado a mesma coisa. E esses dois tapas me deixaram mais excitado que o normal. Deitando sobre me ele encaixa sua vara esfregando na porta do meu cu. E diz: - Ta todo arrepiado, rsrsrs. Vou fazer ir a loucura agora. Dito e certo ele se levanta e abre minha nádegas e mete a lingua no meu cu. Meu primo não tinha feito isso. E ele conseguiu arrancar gemidos meus. Sua língua passeava entre meu orifício e meu saco. Fazendo me contorcer, intercalava com tapas na bunda e carícias. Vez o outra tirava a língua e mordia as nádegas. Começou a subir por minhas costas beijando e mordendo de leve. Mordendo meu pescoço ele introduziu um dedo no meu cu. Cada vez eu gemia mais. Tentava me controlar, mas toda vez que conseguia ele conseguia provocar mais. Virando meu rosto ele me tasca um beijo ao mesmo tempo que mete o segundo dedo. Sinto um desconforto de leve, mas estar beijando ele me faz quase gozar. Percebendo que estou relaxando mais um pouco sinto um outro tapa e o terceiro dedo me invadi. E a dor tentar volta quando sinto uma nova mordida no pescoço na parte esquerda. Loucura que um cara estava me proporcionando um prazer desse jeito. José retira os dedos de me sinto um vazio e ele sai de cima. Pega uma camisinha e o lubrificante que tinha no bolso ( A peste já tinha tramado tudo. ). Pede para eu abri as pernas e coloca o lubrificante no meu cu e um pouco no pau já com a camisinha. Aos poucos sinto sua vara me invadindo. Abrindo cada vez mais. - Empina essa bunda. - Diz me dando outro tapa na bunda. Faço o que ele pede e sinto o saco encostado nos meus. A dor e o prazer estavam quase ne enlouquecendo. Meu ânus estava em brasas. José deixou sua vara cravada por um tempo até eu acostumar um pouco. Não demorou muito e o entra e sai começou. A intensidade a cada metida me deixou arrepiado e querendo mais. Ele foi acelerando e eu pedindo mais. - Que rabo. Vou fuder ele todinho. - Mete, issooooo... Vai .... mais rápido.... Oh .... Isso - Você num vai .... Sentar direito tão cedo.... Pedi pica vai... - Aii... Me dáaaaa.... essa pica.... Ele retira o pau todo não da nem tempo de sentir o vazio ele mete tudo de uma vez fazendo me gritar. E de novo. - Quero você cavalgando no meu cacete. Trocamos as posições e eu começo a sentar nele. Comecei de vagar para provocar ele, mas não durou nem 30 segundos ele segurou na minha cintura e fez eu acelerar o ritmo. E cada vez que a pica entrava parecia que tinha atingindo mais fundo. Uma de suas mãos vai de encontro ao meu pau e ele masturba-me aumentando ainda mais meu tesão. Não aguento mais e gozo em sua mão e sua barriga. E ele acelera as metidas e seu pau parece engrossar mais. Ele levanta e me abraça urrando com seu gozo. Sinto seu pau pulsando e os jatos de porra saindo enchendo a camisinha. Caímos na cama nos beijando. Tentando recuperar o fôlego depois disso. Seu pau ainda alojado no meu cu. - Gostou desse macho aqui? Ou vai fica com aquele merda do seu primo? - Diz José com uma mão alisando minha bunda. - Gostei muito, não da pra comparar. - digo fazendo carinho no peitoral - Vamos tomar um banho ? - Diz e me dá um tapinha enquanto retira o cacete do meu cu - Va... Vamos. No chuveiro ainda mamei ele um pouco e engoli todo o gozo. José saiu para pegar a toalha e eu estava terminando de me lavar quando sinto uma mão na minha bunda que achei que fosse de José, mas não era seu Vinícius. O seu pai. Continuo?

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Virei escravo no orfanato - Parte 2

Olá a todos. Continuando de onde parei, o Otávio começou a me comer todas as noites. Inicialmente ele esperava a luz apagar e ia pra minha cama, onde começávamos a nos beijar e eu fazia um boquete nele, depois ele comia minha bunda. às vezes, raramente, fazíamos 69, mas ele não gostava muito de chupar. O negócio é que com o tempo os outros meninos do quarto começaram a ouvir nossos gemidos e percebíamos que eles batiam ´punheta nos ouvindo toda noite. De dia, normal, todo mundo se tratava feito amigo, mas de noite era aquele aroma de sexo. Então, durante uma das fodas da noite, eu e o Otávio começamos a ouvir uns gemidinhos de menininha, um "ai, ai ohhh" e começamos a procurar de onde vinha. Era o Ivan comendo o Marcos, que parecia uma menininha já que estava tudo escuro. O Ivan tinha uma rola grande e veiudona e o Marcos estava com um pintinho duro muito pequeno, do tamanho de um dedo mindinho. Quando eles viram que estávamos vendo tudo, aceleramos a foda e eles também. Nesse momento o Marlon levantou e falou "Também quero" e foi até a cama do João, que batia uma. Ele já foi forçando o caralhão dele na boca do joão, que também tinha um pau de tamanho considerável. Como o João era mais fraco, resolveu não lutar muito. Ele ficou "para filha da puta" mas eu e o Ivan começamos a falar pra ele que era gostoso e era pra liberar e ele logo começou a chupar o Marlon. Em pouco tempo o Marlon de uma maneira meio bruta virou o João e passou a meter rola nele. Ficamos os tres casaisinhos fodendo até que todos gozaram e fomos dormir. No dia seguinte acordamos todos e fiquei feliz que ninguém estava se achando pelo que fez. Todo mundo acordou no clima da brincadeira que sempre rolava, de jogar travesseiros uns nos outros, arrumamos o quarto e fomos comer. Passamos a agir de maneira muito normal durante o dia, mas de noite formavam-se os casais das fodas, sempre os mesmos. Até que uma noite, depois de uns bons dois meses assim, o Marlon disse que todo mundo era viado meio na zoeira enquanto enrabava o João e o Ivan disse que viado era quem comia, dai ele disse "Vamos então trocar um pouco pra sentir como é" e o Ivan riu, mas o Marlon começou a dizer (enquanto enrabava ainda) que todo mundo ali era amigo e não tinha nada demais ficar experimentando coisa nova. Não sei o que ele tinha, mas convenceu todo mundo. A gente espalhou os colchões no chão e todo mundo começou a se pegar, com beijo de lingua pesado e punhetando/chupando uns aos outros. Naquela noite, todo mundo deu e comeu. Todo mundo bebeu porra. Eu nem imaginava isso. Então depois daquela noite ficou meio que combinado que depois que apagassem as luzes ninguém mais era de ninguém, porém os casais iniciais não iam desmanchar e que se um menino quisesse ser uma putinha mais menina durante a noite e passar com seu par, era só avisar. Depois desse dia o orfanato ficou muito legal. A gente tomava banho juntos, esfregando as rolas umas nas outras, brincando de encoxar sem medo e rolava umas chupadas rapidas pra ninguem mais ver. De noite, era sexo até secar porra no pau. Eu era comido umas cinco vezes por noite, mas no fim comia um pouco o Marcos, que era o único que gostava só de dar no grupo. Com o tempo, ele virou nossa namoradinha secreta. Apesar de eu e o João ainda darmos muito, todo mundo tratava o Marcos como menina. Conseguimos um vestido pra ele e ele deixou o cabelo crescer. As freiras não podiam saber nada, mas quando iamos para o quarto ele se maquiava e ficava agindo igual uma menininha. Era uma delicia comer o cu dele e beijar ele na boca. Enfim, passamos muitos anos curtindo essa foda, mas na próxima eu posso contar coisas especificas que aconteceram, como a vez que um outro menino passou um mes dormindo com a gente ou quando traçamos a madre superiora.

Virei escravo no orfanato - Parte 1

Olá a todos, me chamo Douglas e atualmente tenho 53 anos, mas vou contar o que aconteceu quando eu tinha apenas 14. Naquela época eu vivia em um orfanato de uma cidadezinha do interior. Era um local afastado da cidade e eu tinha acabado de ir para lá. Nunca conheci meus pais e sempre vivi em orfanatos, mas quando completei 14 anos tive de sair do local que estava pois estava muito velho e foi para o orfanato da cidade vizinha, onde os garotos de 14 a 21 anos viviam. Quando cheguei ali, estava assustado. Sabia que ia ser um cara novo em um local com pessoas mais velhas. Era um menino acanhado, gordinho, lisinho e inocente. Na verdade, tudo naquela época era inocente. Não podíamos ver muita tv e quase não tinha pornografia. E com tanta gente em orfanato, bater punheta era um momento muito raro. Cheguei e logo fui apresentado a Madre Superiora Aurora, uma mulher que aparentava ter 50 anos, alta e com seios imensos, uma bunda grandona e uma cara de brava. Ela me disse que ali os meninos estudavam pela manhã, rezavam após o almoço e de tarde estudavam mais, sem tempo para brincadeiras e de noite eram trancados em seus quartos para orar e dormir no escuro. Já estava acostumado com essa vida e ela me apresentou ao meu quarto. Até então, eu estava acostumado a dividir com apenas mais um menino, mas lá eram 3 beliches em um quarto apertado com um banheiro. Ela me mostrou que minha cama seria a do meio, parte de baixo e me mostrou o armário. Me apresentou aos meus 5 colegas de quarto: Otávio, Marlon, Ivan, Marcos e João. Otávio era da mesma idade que eu e também tinha acabado de se mudar. Era magro e sorridente. Marlon tinha 16 anos, meio forte, porém também muito legal. Ivan era o mais velho de todos nós, com 17 anos e bem incorpado para a idade. Marcos e João tinham ambos 15 anos. João era mulato e Marcos era loiro e lisinho igual a mim. Conversamos um pouco e vi que fiquei com pessoas bem bacanas. Tivemos as aulas, me acostumei com tudo ali e de noite fomos dormir. Porém, com aquele silêncio da noite e pensando que, apesar de conhecer meus companheiros de quarto, ainda não tinha amigos ali, comecei a ficar me sentindo solitário. Depois do terceiro dia eu já chorava baixinho na cama de noite. Quando chegou o final de semana (no qual tínhamos de ajudar a limpar a casa e depois podíamos brincar), lembro que estava de noite chorando na cama quando senti alguém se aproximando do meu beliche. Era o Otávio, que falou "Douglas, você ta bem? Toda noite você chora" "É que me sinto sozinho aqui" "Quer que eu fique um pouco com você?", sequei as lágrimas e disse que sim. O Otávio então passou a dormir comigo todas as noites. Depois de alguns dias, comecei a perceber que ele dormia me abraçando e sempre me forçava a virar de costas para ele. Passei a sentir aquele pau duro se roçando em mim, até que uma noite, enquanto dormia, senti que ele estava pelado e se roçando na minha bunda. Ele tinha tirado minhas calças. Me virei pra impedir algo, ainda fingindo dormir. Ao invés disso, ele começou a beijar a minha boca e passar o pinto duro dele no meu. Nessa hora senti meu pau endurecer feito pedra e não resisti, comecei a beijar a boca dele também. A gente ficou assim um tempo, até que ele começou a me empurrar pra baixo. Eu já sabia o que ele queria e eu nunca tinha feito, mas com o tesão que estava só me abaixei e coloquei pau dele na boca. Chupei um tempo, achei gostoso, mas ele me puxou de novo e me virou de lado, abriu minha bunda e começou a enfiar o pinto com tudo. Eu ia gritar, mas ele tampou minha boca e começou a bombar. Logo a dor deu lugar ao tesão e eu estava batendo uma enquanto ele me comia. Na hora que ele foi gozar, puxou minha cabeça de lado e me beijou enquanto me enchia de porra. Caiu desfalecido pro lado e eu fiquei ali, batendo uma ainda e logo gozei. Mal sabia eu que minha vida mudaria...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Me descobrindo com meu primo e meu irmão. PARTE 02.

Naquele momento perfeito em que eu comia a bundinha linda do meu irmão de 15 anos, meu irmãozinho dava aula de como ser um passivo exemplar no sexo a três. Ele rebolava a bundinha no meu pau enquanto chupava o pau e os bagos do nosso primo com maestria. Cada vez mais eu aumentava a força em que eu empurrava meu pau no seu cuzinho, e ele só gemia cada vez mais, mas não reclamava de forma alguma, acho que ele estava com o tesão a mil naquele momento. Aproveitei que ele tava de quatro e meti a mão no seu pau que estava duraço mas todo melado, acho que ele já gozou de tanto tesão, mas sua energia parecia ilimitada, ele não parava de pedir mais, só que quando eu peguei no seu pau eu não aguentei, dei uma super gozada dentro daquele cuzinho delicioso, foi perfeito, eu fiquei totalmente sem forças e me joguei nas costas do meu irmão que também se deitou na cama em cima do seu gozo, e pra completar, meu primo dá uma bela gozada nas minhas costas, e depois se joga em cima de mim e do seu próprio esperma. Estávamos esgotados, um em cima do outro e todos melados das nossas gozadas. Sem nenhuma dúvida aquele foi o melhor sexo que já fiz na vida, acho que tive uns 3 orgasmos, garanto que muitos transaram a vida toda e nunca tiveram um momento de tesão como tivemos essa noite. Voltando ao assunto, Lucas todo esmagado por nós dois disse: -Pessoal, vamos sair de cima de mim agora, sou muito pequeno pra aguentar dois garanhões desse em cima de mim, preciso de um banho. Tony disse: Tá. E se levanta de cima de nós e eu logo em seguida saio de cima do Lucas também. Nós 3 vamos em direção ao banheiro e começamos a nos lavar juntinhos. Essas situações estavam se tornando engraçadas. Ficamos pela primeira vez e nós 3 parecíamos ter a intimidade de um casal. Meu irmão entrou em baixo do chuveiro e sem precisar eu pedir a permissão, começo a lavar o pau lindo do meu irmão, pego o sabonete e começo a esfregar com carinho, e enquanto eu esfrego, meu primo que não poderia ficar só olhando me agarra por trás e começa a esfregar seu pau que já tá duro de novo na minha bunda. Vi na cara do meu irmão que ele tava adorando e queria ver aquela cena. Fiquei louco de tesão pelo meu irmão atrás de mim e peguei o condicionador, esfreguei no pau dele e dentro do meu cuzinho, admito que eu tava morrendo de medo mas eu queria ser comido ali mesmo pelo meu primo, nem que me machucasse pois eu nunca tinha feito aquilo. Ele começou a empurrar de leve o pau na entrada do meu cuzinho, eu tava sentindo um pouco de dor e tesão ao mesmo tempo, ele começou a empurrar cada vez mais forte e eu gemia cada vez mais, quando de repente ele dá uma empurrada que foi o ultimato, seu pau rasgou meu rabo todinho naquela hora e entrou até o fundinho, eu dei um grito de dor, foi uma dor horrível, tenho certeza que me machucou, mas o tesão era muito grande e eu não podia estragar aquele momento. Mas Tony disse: -Caio, te machuquei cara? Desculpa, quer parar? -Acho que machucou um pouco mas não pare, já estamos aqui vamos até o final, tá gostoso mesmo assim. E Lucas meu irmão, não parava de se masturbar vendo Tony me fudendo. Mandei meu irmão virar contra a parede e colado com o Tony eu empurrei meu pau dentro do cuzinho do meu irmão de novo, sem pena empurrei de uma vez só e comecei a comer ele enquanto eu levava pau intensamente do meu primo. Estávamos ao mesmo tempo Tony me comendo e eu comendo meu irmão embaixo do chuveiro no banheiro. Eu já tinha levado muito pau e tava prestes a gozar dentro do meu irmão quando eu sinto algo muito quente dentro de mim, notei que meu primo gozou primeiro, o que foi aquilo, que sensação estranha e boa ao mesmo tempo, eu sabia que tava cheio de gozo do meu primo dentro de mim, aquilo era delicioso e me deixou com mais tesão ainda o que me fez gozar dentro do meu irmãozinho também. Lucas virou seu rosto pra trás e começou a me beijar intensamente, chupando minha orelha, mordendo meus lábios, aquilo era coisa dos Deuses, nada poderia ser melhor que estar enrabado pelo meu primo, com o pau dentro do cuzinho do meu irmão e o beijando intensamente daquele jeito. Nossa cumplicidade era impressionante. Terminamos aquela transa perfeita, tomamos nosso banho e enquanto nós nos enxugávamos eu perguntei aos dois: Tony e Lucas, quero que me respondam sinceramente, vocês já ficaram com caras? Vocês são gays? Tony reponde: -Cara, fiquei pelado na frente de amigos a vida toda, só na sua frente que eu só ficava de cueca porque você era muito tímido e eu ficava com medo de te assustar. Eu até ontem não me achava gay, mesmo já tendo batido punheta entre amigos algumas vezes, mas siceramente, se ser gay for tão bom quanto foi hoje, pode me considerar gay, risos. Lucas disse: -Sim Caio, sou gay, sempre fui. E eu falei: -Por isso que você leva rola com tanta facilidade né? risos. Brincadeira viu, você virou minha putinha agora, vou comer esse rabo lindo todo dia. Lucas ficou todo vermelho e respondeu: -São ossos do ofício, geralmente sou passivo e adoro sentir um pau dentro de mim. Quando quiser me comer não precisa nem bater na porta do meu quarto viu, risos. Tony disse: -Não esqueçam de mim viu. Sei que vão transar muito sem mim por aqui, mas quero comer esse seu cuzinho também viu Lucas. Adoro um cuzinho pequeno e branquinho como o seu, risos. E lucas responde: -Se quiserem amanha podemos repetir tudo de novo. Só que dessa vez você me come Tony, mas só se topar em deixar o Caio te comer também, não sou ativo mas adorei ver um garoto levando na minha frente, se você comeu o Caio, nada mais justo de deixar ele te comer também, né. Tony olha pra mim e pro Lucas com a cara meio assustada e diz: -Olha, não garanto que vou conseguir mas podemos tentar, aquele grito de dor do Caio me assustou, doeu tanto assim Caio? -Sim doeu bastante, não é pra menos, você enfiou um pau que mais parece um braço dentro de mim, mas de toda forma a dor passou na hora, o tesão falou mais alto, risos. Me deu sono agora, vamos fazer um trato entre nós três aqui: O que aconteceu entre nós vai ser nosso segredo de morte e sempre que estivermos reunidos no meu quarto ficaremos totalmente pelados, mas sempre com a porta trancada né, risos. Vocês agora viraram meus namoradinhos secretos, só quero ver vocês aqui no meu quarto sem roupa nenhuma e quero fuder todo dia, risos. Tony diz: -Safadinho você né... Gostou de levar rola né. Nem se preocupe, estarei sempre disponível pra vocês. Lucas disse: -Estou sempre aqui do quarto ao lado, meu cuzinho tá disponível 24h, se vocês aguentassem eu dava agora de novo, risos. Todos rimos, Lucas foi pro seu quarto dormir, eu e Tony tiramos toda a roupa e fomos dormir. Antes de pegarmos no sono, pedi para o Tony dormir me agarrando por trás, e assim ele fez, e dormimos um sono profundo e muito prazeroso. É isso ai pessoal, gostaram desse conto? Pensei em encerrar por aqui mas dependendo de vocês posso contar como continuou essa relação e chegou a virar um triangulo amoroso. Beijo na bunda de vocês

Fodi com o guardador de carros

Rio de janeiro, todo dia é dia pra um sexo né? Mas se é sexta feira, ai a situação fica melhor ainda. 21h, um calor absurdo e eu sem ideia de onde ir nessa noite. Meus amigos tinham viajado e eu precisei ficar para terminar de organizar o TCC da faculdade. A noite toda recebia mensagens dos meus amigos mostrando como estavam curtindo a viagem pra praia e eu preso no apartamento com calor e com vontade de transar. Meu nome é Robson, sou um cara de 1.80 de altura, moreno, lábios grossos, mãos grandes, cabeça raspada, corpo não muito sarado mas sem barriga e um pau de 17cm grosso o bastante para dificultar a metida. Eu não aguentava mais olhar para a tela do computador, estava precisando sair e me distrair um pouco mas a verdade é que sair sem os amigos é foda. Resolvi que iria dar um pulo na orla e tomar um suco pra espairecer um pouco, então fui tomar um banho e vestir uma roupa leve. Botei uma bermuda, uma regata e um chinelo. Peguei a carteira, a chave do carro e fui. Rodei pela praia procurando um lugar para estacionar, mas estava tudo cheio. É que nessa época do ano, vem varios turistas para o rio e fica difícil mesmo e o jeito foi deixar em uma rua de prédios bem próximo a orla e rezar pra dar tudo certo. Achei a vaga e logo veio um rapaz descalço, moreno, com seus não mais que 20 anos - Ai tio, pode deixar que dou uma moral no teu carro. passo o olho pra nenhum vacilão piar - Valeu. Na volta te dou uma grana. e sai. Tomei o meu suco, vi umas madames passeando com os seus cachorros, uns caras gostosos correndo, e vários turistas sendo enganados pelos vendedores ambulantes que cobravam 8 reais por uma agua para turista, enquanto para os da cidade cobrava 1,50. Nego é foda né? hahaha Depois de acabar o suco e comer umas iscas resolvi que ia dar uma volta e ver se achava ao menos um cu pra meter dando mole pela rua. Ao abrir a porta do carro o garoto que antes tinha falado comigo veio correndo do outro lado da rua -ae tio, ninguém chegou perto jaé? Fiquei aqui fitando o teu carro pra vagabundo nenhum chegar -Valeu menó. Tu tem quantos anos? - tenho 19 Senhor - Show e trabalha aqui direto? - Trabalho sim, tirar uma grana e ainda me divirto as vezes - disse ele apertando o pau por cima do short preto surrado que usava. Ali percebi as intenções do menino e já fui indagando ele pra saber mais. Talvez eu tivesse achado o cu para eu meter bem mais rápido do que eu esperava. -Sério? Se diverte como? metendo nas piranhas filhinhas de papai que passeiam com os cachorros né safado? - e dei uma risada. -Claro chefia, elas gostam de mamar um favelado Sorri e dei 20 reais pra ele. Nunca soube quando dar realmente para eles, mas valorizo todo tipo de trabalho e acredito que se tenho 20 reais que não vá me fazer falta, dou sem dó. O Garoto ficou todo feliz dizendo que nunca tinha ganhado tanto de nenhum “criente” dele e que com 20 conto dava até pra deixar eu mamar ele. Ele disse isso brincando enquanto olhava pra nota, mas eu não iria perder tempo e já fui logo dizendo - e pra deixar eu foder esse cu? Quanto vale? (Continua)

Chupando o Tio

Ola! Me chamo John, 22 anos, 1.70alt, 65kg, branco. Esse sera um dos contos veridicos que vou compartilhar com vocês. Eu desde meus 14 anos senti uma atração pelo meu tio! Não via isso como algo errado, mais sabia que não podia contar pra ninguém o que sentia por ele. Sempre foi legal, carinhoso comigo e o jeito dele me tratar é um dos motivos pelo qual sinto muito tesao/atração por ele. Ele é alto, magro, tem 25 anos, bonito e tatuado. Aconteceu em Dezembro do ano passado: Eu e meu tio tínhamos ido a uma festa com amigos, mais logo cada um foi pro seu lado, com sua turma, curti, bebi demais fiz de tudo um pouco na festa rsrs. Mais ou menos 4h00 da manha ele me chamou, pra irmos pra casa porque ele não estava muito legal, ja estava mal porque tinha bebido muito. Me despedi de amigos e fomos para casa, porque ele iria dormir na minha casa. Chegando tomei banho, me troquei e quando entrei no quarto ele estava deitado na minha cama apenas de cueca, sem camisa, um pouco suado e fiquei literalmente sem ar! O cara (meu tio) com quem eu sempre fantasiei muitas vezes estava na minha cama só de cueca e eu fiquei excitado, querendo pular dm cima dele e fazer tudo que fantasiei. Ele me olhou e disse; "pode deitar aqui comigo cara, somos familia", até estranhei um pouco, porque ate pra deitar na mesma cama ele nao encosta em outro cara nem querendo, mais um pedido desses nao se nega, atendi a vontade dele e deitei do lado dele e ele ficou me olhando com um olhar de quem estava querendo algo! Do nada ele falou; "eu me lembro de quando eu morava aqui e tu ficava passando a mão no meu pau, uma vez eu tirei tua mão lembra ?" Na hora gelei, mais como talvez poderia acontecer algo eu respondi: "Foi só uma vez, foi mal"- ele me olhou e disse: "isso eu nao faria não mano, sabes disso! Mas como nao peguei nenhuma mina.." ele tirou o pau pra fora e mandou eu chupar o pau dele! Segurei no pau dele que por sinal é bonito, branco as veias bem saltadas e a cabeça do pau bem rosa e o saco branquinho e parecia ter uns 22cm. Eu coloquei a mão no pau dele e comecei a lamber bem devagar a cabeça do pau dele, chupei so a cabeça e limpando a babinha que saia do pau dele, depois deslizei minha lingua da cabeça do pau até as bolas dele comecei a chupar, coloquei as o saco dele na boca e fiquei chupando enquanto punhetava ele em seguida coloquei cada cm do pau dele na minha boca, mais nao coube tudo porque é grosso e grande! Mais mesmo assim ele pressionava minha cabeça no pau dele, e eu não conseguia soltar, ele ria e dava tapa na minha cara quando fazia isso, enquanto eu chupava, ele colocou a mão por dentro da minha bermuda e passava o dedo no meu cu, tentando colocar do dedo, dava tapas na minha bunda, na minha cara e dizia que logo eu iria provar a porra dele. Fiquei chupando ele por mais uns 10 minutos e minha boca ja meio dormente e foi quando ele simplesmente gozou, sem avisar, segurando minha cabeça e apenas senti os jatos da porra dele direto na minha garganta e quente, ele urrava quando estava gozando. Depois de me fazer tomar a porra dele, mandou eu limpar o pau dele, fiz o que mandou, chupei ate a última gota de porra, ele vestiu a cueca e simplesmente dormiu, eu cansado da festa acabei indo dormir realizado depois de ter chupado e sentir o "leite" dele. No dia seguinte foi normal, sem estranhamento. Se acontecer uma próxima vez não ira ficar só no Boquete rs. Espero que tenham gostado do meu primeiro conto ??

Eu e meu tio cesar

Ola meninos!! Hoje vou contar essa historia picante da minha vida sexual que envolve aquele gostoso do meu tio... Na epoca eu era bem novinho... Muuuuuito novinho e meu corpo estava se desenvolvendo de uma fora um pouco diferente, meu quadril estava ficando largo e meu bumbum empinado e ficando arredondado! e assim ele é até hoje! minha cintura era e é fina e isso dava mais volume pro meu quadril!quando comprava calça ou chorts pela medida da cintura eu ficava com aquele bundão! e eu tenho um tio chama Cezar, ele tem um sitio que ganhou de erança dos meus avós! sempre me levava la pra passear e ver os animais, cachorro, cavalo e outros que tinha la! eu adora ir e nadar! numa epoca comecei a notar que meu tio ficava me olhando enqanto eu nadava...e ja que o chorts era curto e colava no corpo quando molhado...revelava o desenho do meu bumbum!!bom eu percebia os olhares dele e isso me intimidava, pois , eu não sabia o que ele estava pensando! um dia ele deu uma saidinha e eu fusse o computador dele! vi varias fotos dele assim de sunga, cueca e confesso que isso me dispertou um tesão por ele que comecei a tremer enquanto olhava as fotos!deixei o pc desligado, troquei de roupa e fui embora e o pensamento naquelas fotos! anoite não pude me conter e comecei a pensar nele e me consolar com o dedinho mesmo!!eu ja sentia atração por homens mas pelo meu tio foi recente! no outro dia fui denovo na casa do tio pra nadar e aproveitar bisbilhotar o computador dele!!consegui nadar mas olhar o computador não deu!! então eu vi denovo meu tio me olhando la de cima!aquilo começou a me ecitar e eu comecei a ficar tremulo e sabi que aquilo nada mais era que tesão!! fui ao quarto como de costume e comecei a trocar de roupa!e depois sai! pra dar um gelo fikei uns 3 dias sem ir la na casa dele!! e ele um dia me ligou perguntando pq não fui la!! menti que tava doente mas que estava melhorando e que no dia seguinte eu iria!! então eu comecei a pensar em realmente mexer com o libido dele!!peguei meu shorts que ja era curto e cortei mais ainda a barra deixando o mais curto ainda!! provei pra ver que tamanho tinha ficado e notei que ele se encaixava em minhas nadebar e mostrava a poupa da minha bunda! fiquei com medo mas falei é esse aqui mesmo que vou usar!no outro dia eu fui na casa dele! sem ele ver troquei de roupa e vesti o tal shorts!quando sai e fui nadar notei que ele estava na picina! fiquei meio com medo! mas notei que ele me olhou e um volume no shorts dele apareceu na hora! então comecei a desfilar. empinei o rabo, e passei meu rebolando, deitei tomar sol!! e notei pelo reflexo da agua que ele não tirava os olhos do meu bumbum!! então ele levantou e saiu! achei que tinha assustado ele!!mas aproveitei e fui fussar o PC dele!olhei denovo as fotos! quando notei um album diferente! escrito assim "secret" e resolvi abrir!! nossa eram fotos minhas trocando de roupa, nadando, tomando sol!!fiquei assim meio assustado e me ecitei em sabe que ele estava é afim de me pegar!!como meu tio era casado e a tonta da mulher dele não largava do pé dele ele um dia me convidou pra andar a cavalo!! eu estava na picina com o shorts que eu cortei estremamente curto! e ele me disse: paulinho...vamo andar a cavalo? preciso exercitar o meu animal!! aceitei mas disse que não tinha roupa e ele disse que era pra eu ir assim mesmo! me deu um cavalo e falou -monta!!eu montei e ao montar o shorts subiu e entrou no meu rabo! apareceu mais da metade da minha bunda!! e olhou e disse -assim mesmo garoto!! achei que ele iria pegar outro cavalo mas não! ele começou a puxar pela rédia! e no meio do caminho e disse agora eu vou montar!! e subiu atraz de mim!! nossa aquilo me deu uma tremedeira!!e ele atraz da minha bunda quase nua!!ele me deu a redia e disse assim: vai guiando que eu me seguro em voce!e pos as duas mãos uma em cada lado da minha bunda e alizando meu rabo disse!-vamo sobrinho preciso exercitar...fui indo guiando o cavalo!enquanto ele alizama meu rabo! sentia o dedo dele antrar no meu shorts e sair! ele me disse pra eu entrar aonde tinha uma cachoeira! e eu assim o fiz!! no meio do caminho enquanto ele alizava minha bunda! senti o dedo dele por diversas vezes tocar no meu cu! então não aguentei e parei o cavalo! ele perguntou pq parou?? eu olhei pra ele assim meio de costa e chegie co meu rabo mais em cima do colo dele! e falei...é por que to com tesão!!então deci do cavalo naquele mato fechado!e ele tirou meu shortinho e começou e me beijar!! ele disia que faz tempo que queria transar comigo! e eu repondi eu sei disso tio...eu tambem queria!!ele ficou louco e me pos ajoelhado na frente dele e perguntou se eu sabia o que ele queria que eu fizesse! eu não respondi!! peguei no ziper da calça dele e baixei e notei que ele taba sem cueca!! foi só puxar o pau dele pra fora e começar chupar!!o pau dele era grosso e anchia minha boca!! mesmo assim eu mamei muito!! olhava na cara dele e via ele gemer!!socava uma punheta e chupava!!então ele pos a mão no meu bumbum e meteu o dedo que mais parecia pinto de tão grande e grosso! e eu chupando, gemendo, chupando...então eme pediu pra eu ficar de quantro que ele iria realizar um sonho! eu fique e logo senti a cabeça do pau dele forçando! começou a doer e ele perguntou- quer que eu pare? -eu disse não!!-descascou a fruta... agora tem que comer!!ele enfiou com força! doeu um pouco mas logo aliviou e seu comecei a sentir prazer nakilo tudo dentro de mim!!ele socava devagar mas foi logo acelerando!! e eu gemendo feito puta!ele dizia:-nossa...melhor que minha esposa!!-apertadinho...hummm!! geme meu sobrinho, geme...putinha do tio, geme biscatinha...que eu vou comer vc sempre!! e eu gemedo...ai... aaaiii...hummm...vai tio...vai tio...vaaaiiii...que deliciaaaaa...mete tio..meteeee...que deliciaaaaaaa...goza no meu cuzinho tio...gozaaa!! ele ficava loco quando eu falava isso!! e derrepente senti ele tremer e se apoiando no chão quando ele falou.. vou gozar!! como tava de camisinha ele gozou dentro do meu cu!! pude sentir aquela coisa quente la dentro!! prefiria que fosse sem a camisinha!! mas a sensação de sentir o pau duro e groosso do meu tio foi maravilhoso!! ele ficou sem ar e eu tambem cansado!! então vesti meu chortinho e disse vamo embora tio ou quer ficar mais um pouco? ele disse-vamos!-mas isso fica entre nos ta? e eu com a maior cara de safado disse...só se o senhor fizer sexo comigo denovo!! ele respondeu:-pode apostar que nós vamos repitir!! e voltamos!! eu troquei de roupa e voltei pra casa!! bom hj tenho 19 anos!!e meu tio cezar continua um tesão de homem! viril e um tremendo garanhão!!isso mesmo! eu e ele mantemos nosso sexo sempre que podemos e sentimos vontade!! escondido da corna da minha tia kkkkk!! aquela vaca nem sabe o homem que tem!!bom esse foi meu conto de hj!! bjinho meninos!