quinta-feira, 7 de março de 2019

motoboy entregou a marmita e me deu sua calabresa.

Eu havia acordado cedo mas, com a pilha de serviços acabei esquecendo de fazer o almoço, como já era hora e a fome logo ia bater, resolvi pedir uma marmita. Liguei para um delivery e fiz o pedido, o atendente disse que em no máximo meia hora chegaria o rango. Desliguei e voltei para os papéis, planilhas e computador. Aqui em Campo Grande, MS, faz um tempo doido em certa época do ano. De manhã um calor de lascar e de repente cai um toró que não acaba mais e termina com frio ou retorna o calor. Até dizemos que é a cidade de três climas. Aquele dia foi um desses, depois de uma manhã escaldante o tempo virou do nada e lá pelas onze e meia caiu o maior dilúvio. Justo no horário de entrega do almoço. Desde que fiz o pedido havia se passado bem mais que meia hora, na verdade já era por volta de uma e dez e nada do almoço chegar. Não liguei para reclamar porque o tempo chuvoso de fato dificulta as entregas, isso ponderei comigo. Foi então que alguém toca a campainha, vejo pela janela que era o motoentregador, todo ensopado. acionei o portão da garagem e fiz sinal para ele entrar. Estacionou a moto dentro, fechei o portão, a chuva não parava. O boy, tirando o capacete foi logo pedindo desculpas pelo atraso, eu disse que, entendia e não tinha porquê se desculpar. Ele estava sem aquela roupa de chuva que os motociclistas usam. Coloquei a marmita na pia e comentei que estava ensopado, ele explicou que como o tempo amanheceu bom nem se preocupou em levar a capa de chuva aí deu no que deu. Ele só com o colete e camiseta, calça jeans e tênis. - Ainda bem que deu uma diminuída e consegui entregar tudo e, olha só! a sua foi a última e bem na hora que piorou. Comentou ele. O jovem era bem simpático e comunicativo. Rosto bem feito, cabelos curtos, não mais que 25 anos. Eu disse a ele que poderia esperar em minha casa até a chuva passar, isso se não tivesse que voltar para o serviço.Ele agradeceu e disse que esperaria até porque a minha entrega era a última e só voltaria a trabalhar as dezenove horas. Então pedi que sentasse e ofereci um café para esquentar. Aceitou. Fiz duas xícaras grandes de expresso pra nós e disse que se não se importasse eu colocaria a camiseta e colete na centrífuga e depois em frente o ventilador que secaria Rapidão. O boy disse que não queria encomodar, eu respondi que não era incômodo nenhum e que isso evitaria resfriado. Busquei uma toalha seca passei para ele, tirou o colete e camiseta,e expôs um tórax e abdomem liso delicioso que na hora me encheu de tesão. Dei uma olhada no conjunto, calça molhada apertada, cueca com elástico a mostra , cinto de pano, pinto marcando a calça e a parte de cima nua. Dei bobeira em olhar pois essa olhada minuciosa fez o boy me perguntar com um leve sorriso: - Que foi cara! É só um Entregador ensopado.... ..... e começou a se secar com a toalha. Fiquei sem graça com a observação e pra disfarçar catei a roupa e fui passar na centrífuga e estender. Disse para ficar a vontade. Voltei ofereci mais café, aceitou e fiz mais duas xícaras. Tomamos um gole e ele me perguntou se eu não ia almoçar. Respondi que havia perdido a fome e arrisquei uma cantada bem sem vergonha. Eu disse meio em tom de piada meio sério, que com aquele tempo eu preferia cair de boca em um " ensopado" e talvez eu pedisse na janta ou amanhã... Pronto, cantada lançada. O boy respondeu que, se eu gostasse de ensopado de calabresa não precisava esperar. - Tá quase no ponto aqui! ele disse. Respondi no mesmo tom de safadeza: - E o que falta para ficar no ponto? Ele me olhando bem safado: - Cara, se sabe, dá uma conferida. E Eu: - Sério,vou conferir hen! Ele: - A vontade! Só a calabresa que não está tão quente ainda. Rsrsrsrs Nisso me aproximei dele e apalpei sua rola alisando por cima da calça e alisei seu peito .Ele pediu para tirar pra fora pois assim eu degustaria melhor. Abri seu cinto e barguila e continuei a alisar sobre a cueca ela tomou forma que parecia querer furar a roupa , me abaixei, puxei sua cueca, e calça liberando a pica do boy apontada para meu rosto. Iniciei a sessão chupeta e sessão lambida, chupava a pica e lambia as bolas e cheirava seus pêlos do saco molhado, a piroca era quente, suculenta e saia bastante baba. O boy só viajava sem presa de acabar aquele boquete, suas mãos alisavam meus cabelos e ele dizia baixo umas coisas.... Eu chuparia aquela rola até a noite se ele deixasse, mas, dado momento perguntou se eu também dava, com a boca na cabeça da pica, só fiz sinal de positivo com minha cabeça. Mamei mais um pouco e me levantei para levar vara. Quando fico sozinho em casa tenho o costume de ficar de fio dental e , quando tirei minha bermuda o boy me vendo assim, fiu preto socado no rabo comentou: - Cara, bem viado, hen! Fiu socado. Vira aqui, vira. Me virei debruçando na pia e levei um tapão na bunda,,,eu disse, ai,,,e ele respondeu,,,,, ai, é, safado.... ai é. E me deu outro que me encheu de mais tesão ainda. Começou a roçar sua rola em minha bunda, tirava o fio de lado, pedia para eu empinar e passava a cabeça em meu rego. Dedou e enfiou um dedo no meu cú , metia o dedo e com outra mão dava tapas, seguido de meus ais e ele respondendo,,, gosta né vadio, meteu dois dedos e continuou me fudendo assim. Quando sentiu que meu cú estava bem preparado, colocou a camisinha, empinei o bunda e ...: - Pronto prá ganhar a calabresa? E engatando a cabeça da linguiça na minha entrada, com as mãos em meus ombros, deslizou toda ela prá dentro de mim e sem dar tempo de meu cu acostumar com a vara meteu sem parar, me fazendo gemer de prazer. A linguiça calabresa do boy se afundava em minhas entranhas e o boy que parecia querer me rasgar com seu instrumento duro, combinava as metidas com tapas em minha bunda seguido de xingamentos. De minha parte era só delírio cada metida cada tapa cada xingada, me fazia sentir uma puta sendo realizada pelo macho. Tirou a rola, me virou de frente, ergueu minhas pernas encaixando seu quadril no meio e naquele frango assado na pia, sua rola novamente me penetrava inteiro. O boy olhava para mim e dizia: - Safado, gosta de vara né! Tá gostando viado, tá. E disparava seu quadril pra pra frente e pra traz, frenético, firme, tirando e colocando a calabresa até onde podia em meu cú me arrombando e arrancando inevitáveis gemidos. Saciado de me enrabar, parou as metidas, se escorou na mesa e eu adivinhando sua vontade, tirei a camisinha e chupei sua rola até minha garganta sentir a porra toda do boy. Ele deu um longo suspiro de alívio, de satisfação. Depois tomamos outro café. Coloquei sua calça e meias para secarem também. Na volta, ele enrolado na toalha me perguntou se eu usava a parte de cima da lingerie também. Respondi que sim e o boy disse que dá outra vez queria eu completa, me faria a puta mais feliz e realizada. Tomamos banho, fiz mais uma chupeta nele. Ficamos conversando até suas roupas secarem. Tivemos mais alguns encontros além desse. Talvez eu conte aqui.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

O pastor tirou minha virgindade

Como já disse nos outros contos, sou casado, tenho 34 anos, loiro, 1,80m de altura, 77 Kg, 19cm, boa pinta e discreto, moro em São Paulo. O que vou relatar aconteceu quando eu tinha 26 anos. Quando tinha 19 anos passei a frequentar uma igreja evangélica bastante conservadora, eu já sabia que eu gostava de homens, pois, as vezes eu chupava o Rodrigo, que na época tinha 21 anos, depois eu me sentia muito culpado, mas logo estava eu lá chupando o Rodrigo novamente. Quando eu tinha uns 16 anos quase todos os dias eu chupava o pau do Reginaldo, que é irmão do Rodrigo, na época ele tinha 26 anos. Eu parei de chupar o Reginaldo quando uma vez ele tentou me comer, ele foi bruto e doeu, eu desisti e ele tentou me pegar a força, só não me estuprou porque eu gritei, ele só me deixou ir por medo dos vizinhos escutarem meus gritos de socorro. Voltando a falar do Rodrigo, o pau dele não era grande, mas era grosso, ele não não era muito bonito, mas ele era legal e eu era louco por ele, apesar de eu sempre chupar o pau dele, ele não permitia que eu o beijasse, ou seja, não tinha troca, então, quando ele gozava eu me sentia usado. Um dia o Rodrigo pediu pra me comer, eu deixei, ele lambuzou o pau dele com manteiga, me colocou de 4 na pia da cozinha da casa dele e tentou enfiar o pau dele no meu rabo de uma única vez, como doeu bastante, me desvencilhei dele rapidamente e não deixei ele tentar novamente. Chupei ele até meus 23 anos, sentia ciúmes das meninas que ele saia. Quando eu estava com 24 anos me batizei nessa igreja evangélica que estava frequentando desde os 19 anos e logo me deram um cargo de liderança com os jovens, durante 2 anos não me envolvi com mais nenhum homem, minha vida se resumia a sair de casa para ir ao trabalho, a faculdade e a igreja, quando saia com amigos era o pessoal da igreja. Aos 26 anos os hormônios voltaram a borbulhar com força e eu a sentir vontade de me relacionar com homens novamente, eu me acabava na punheta, assistindo vídeos e pornográficos e quando gozava, logo vinha a culpa. Apesar de eu ser bonito, ter bom emprego e ser bem sucedido, eu não namorava ninguém e nem dava espaço para alguma das varias pretendentes se aproximar, mas ninguém na igreja desconfiava de nada, pois, eu era másculo e tinha "bom testemunho", acredito que pensavam que eu estava focado no trabalho e estudos, ou que eu tinha um nível social e cultural que não se sujeitaria a alguma intervenção na minha vida privada. Mas eu me preocupava com o fato de ficar velho num cargo de liderança entre os jovens, pois, não pretendia me casar por pressão social e sabia que eu não seria jovem a vida toda, então, um dia mandei um e-mail ao pastor que estava a frente dos jovens informando que estava renunciando ao cargo de liderança entre os jovens. Os pastor Samuel respondeu ao meu email, disse que estava muito triste com meu pedido de renúncia, que não gostaria de aceitá-lo, e pediu para falar comigo pessoalmente. Marcamos de conversar, quando cheguei ele me disse que eu poderia ficar a vontade para conversar com ele sobre qualquer coisa, que o que o que falassemos ali ficaria somente entre nós dois. Ele me questionou o motivo de eu querer deixar o meu cargo, eu disse que estava trabalhando e estudando demais, então, não queria mais ter compromissos aos finais de semana, pra ter um tempo pra mim. Ele me respondeu que desde que me conheceu eu já trabalhava e estudava, e mesmo assim eu exercia com zelo o meu cargo, disse que o problema fosse esse eu poderia manter o cargo e fazer somente o que estivesse ao meu alcance. Ele insistiu em perguntar se não tinha outro motivo, e repetiu que eu poderia ficar a vontade pra falar qualquer coisa para ele, que ele estava disposto a me ouvir, aconselhar, sem julgamentos e também que o sigilo da conversa era garantido. E eu tentei falar, mas sem revelar do que relamente se tratava, disse a ele que embora muitos enxergassem em mim as qualidades de um cristão perfeito, eu não me sentia digno de ostentar este rótulo de bom moço, porque eu me sentia muito fraco e tinha defeitos que se as pessoas soubessem fariam elas mudarem totalmente de opinião sobre mim, ainda que eu continuasse a ser a pessoa que sempre fui. O pastor Samuel perguntou quais eram estes defeitos, disse para eu não me torturar, não me cobrar demais, pois, ninguém é perfeito, disse que ele próprio era uma pessoa com muitos defeitos mesmo estando a frente da igreja, que é ilusão achar todo mundo é bom e certinho o tempo todo Eu disse que não queria entrar em detalhes, que eu não me sentia a vontade sobre o assunto com ele, mas o pastor Samuel insistiu que a única forma de tentar me ajudar era eu falando o que estava acontecendo e insistiu que o sigilo da nossa conversa estava garantido. Então eu abri o jogo, disse a ele que eu travava uma luta diaria comigo mesmo já fazia muitos anos, e que esta esta guerra estava relacionada aos meus sentimentos, que para a igreja é algo considerado antinatural, mas que pra mim me parecia ser natural, pois, eu não conseguia controlar meus pensamentos e desejos, e que embora eu não quisesse ser assim, eu não conseguia deixar de ser, também que não entendia porque não obtinha respostas as minhas orações nas quais eu implorava pra deixar de ser assim. O pastor Samuel me perguntou se o motivo da minha renúncia era eu ter feito sexo com algum homem. Eu disse que não, que era somente o desejo mesmo, mas era uma vontade muito grande, que eu não sabia até quando ia resistir. Eu contei que durante a adolescência e antes de ser batizado na igreja eu tinha chupado alguns homens, mas nunca tinha conseguido ser penetrado, disse que as únicas duas vezes que tentei doeu demais, então, desisti, e que numa dessas tentativas eu quase acabei estuprado. O pastor Samuel disse para eu ficar tranquilo, que muitos homens ao longo da vida em algum momento sentem atração por homens, que ele mesmo já tinha passado por isso, que muitos homens casados, inclusive, alguns da igreja, levam vida dupla e saem com homens as vezes, disse que não é correto com suas esposas, e que ele conseguia entender a minha situação. Eu estava meio perturbado em estar falando daquilo com o pastor, mas ao mesmo tempo aliviado por compartilhar com alguém, eu estava muito ofegante e chorando, então, ele veio na minha direção e me deu um abraço forte, eu senti que o pau dele estava duro. Ele disse que muitos homens agem por instinto, acham que transar com um homem é como transar com uma mulher, por isso dói, mas que sexo anal quando é feito com carinho é bem gostoso tanto para quem penetra quanto para quem é penetrado. Eu fiquei sem ação, embora me sentisse confortável sendo abraçado por ele, achei estranha aquela situação, me desvencihei dele e me afastei. Ele me disse que assim como ele guardaria sigilo sobre nossa conversa, ele também gostaria que eu não comentasse com ninguém o que aconteceu ali, pediu desculpas por ter uma ereção e por ter me constrangido ao encostar seu pênis duro em mim. Eu disse que ele não me constrangeu, que estava sendo muito confortante conversar com ele, mas que aquela situação só me deixou com ainda vontade de transar com um homem. Ele me disse que se eu quisesse matar a vontade isso também ficaria entre nós, ele se aproximou, me abraçou pondo a minha mão sobre o pau dele que estava duro feito uma pedra. Eu fiquei alisando o pau dele por cima da calça mesmo, ele apertou minha bunda, começou a mordiscar meu pescoço, eu me contorci todo, ele começou a desabotoar a camisa social e debaixo dela tinha um corpo bronzeado, peitoral e tórax definido pelo trabalho como pedreiro. Naquela hora descobri que debaixo do terno do pós tais existe um homem delicioso, de 35 anos, 1,77m e 75 Kg bem distribuídos e bem roludo. A gente estava se beijando quando ele forçou minha cabeça para baixo, eu me ajoelhei, desafivelei o cinto, baixei a calça dele até a altura do joelho, na sequência baixei a cueca e saltou para fora um pau de 19 cm duro, grosso e cabeçona rosa. Eu comecei a mamar o pau dele ofegante, era difícil engolir inteiro por conta do tamanho e da grossura, mas as vezes ele me fazia engolir inteiro até engasgar. Ele me despiu, me colocou sentado em cima da mesa, me beijando e pincelando meu cu com seu pauzão, na sequência beijou meu peito, mordeu meus mamilos e deslizou a língua até achar meu pau, me mamou por um tempo e de repente meteu a língua no meu rabo. Ele me disse que se eu quisesse ele iria adorar comer meu cú e me fazer gozar com o pau dele dentro de mim, que ele seria carinhoso, como os outros não foram. Ele me virou de bruços sobre a mesa, deitou por cima de mim com o pau no meio da minha bunda e o peito quente sobre minhas costas, ele sussurrou no meu ouvido: "se quiser dar pra mim, empina essa bunda gostosa"... Eu empinei, ele saiu de cima, me fez me posicionar se 4 sobre a mesa, ficou chutando meu rabo e lubrificando ele com baba, na sequência cuspiu sobre meu rabo, depois cuspiu sobre o pau dele e começou a forçar devagar a cabeça do pau dele contra meu rabo. Quando a cabeça entrou ele parou pediu para eu relaxar que ele esperaria um pouco para meu cú se acostumar com o pau dele, ele foi enfiando de pouco em pouco com essas pausas para eu acostumar, quando estava quase no final ele me mandou empinar a bunda, quando empinei a bunda meu cú engoliu o resto do pau dele de uma vez, ele me deu um tapa na bunda e gritou: "o pau do seu macho está inteirinho dentro de você meu macho". Ele começou a bombar devagar, ficou assim por um tempo, depois foi aumentando a velocidade, socando cada vez com mais vontade, eu suava e estava delirando de prazer de sentir as bolas dele batendo na porta do meu rabo, de repente ele deu um urro, gozou com o pau dentro meu rabo, mas ele não tirou o pau pra fora. Ele mandou eu bater punheta com o pau dele dentro de mim, que ele queria sentir meu cú piscar quando eu gozasse, e assim foi, gozei jatos e mais jatos com o pau dele cravado inteiro no meu rabo. Ele tirou o pau dele pra fora do meu rabo, me virou de frente, e abocanhou meu pau que ainda estava sensível por eu ter gozado, ele me fez contorcer e gemer de prazer enquanto ele limpava meu pau com a língua, sugando cada gota da minha porra. Ficamos deitados no tapete por um tempo, sem falarmos nada um para o outro, mas um alisando o outro. Depois levantamos, nos vestimos, ele disse para eu não me torturar pelo o que aconteceu e voltar sempre que quisesse, que por ele, ele me comeria todos os dias, mas que se eu quisesse apenas conversar, ele estaria disponível também. ????????????????????????????????????

Peguei o tio na bronha

Meus pais precisaram viajar e eu tive que dormir na casa da minha avó. Cheguei a noite e já com sono tomei um achocolatado na cama mesmo e dormi. Quando acordei de manhã, minha avó avisou que estava saindo e o café estava na mesa. Também disse que meu tio estava dormindo e custaria acordar, para eu não mexer com fogão. Fiquei mais um pouco na cama, era verão e estava muito calor então eu tinha dormido só de calça de moletom e sem camiseta, mas agora até o moletom estava quente demais. Pensei em ir até o quarto do meu tio Cléber e ver se ele tinha um calção menor para me emprestar. Ele era bem mais velho que eu, foi adotado pela minha avó, era filho do caseiro da casa de campo que o abandonou após a morte da esposa. Ele sempre foi bem quieto e na dele, eu sempre o admirei pelo brilho da sua pele mais escura e pelas curvas que ele tinha nas laterais da barriga que sumiam dentro da calça dando uma grande curiosidade sobre o que tinha lá embaixo. Quando cheguei no quarto, senti um cheiro forte de chulé, percebi que suas meias do futebol e as chuteiras estavam penduradas na sapateira perto da porta que estava entreaberta. Antes de abrir, decidi olhar um pouco para garantir que ele estava mesmo ainda dormindo. Ele não estava, estava no meio do quarto muito bagunçado, pela abertura da porta eu via ele sentado em frente a escrivaninha com o velho computador de cpu todo aberto. Na tela eu conseguia ver o que ele estava vendo, um vídeo onde uma mulher loira de calcinha vermelha chupava o pinto de um cara vestido com uniforme dos correios. Meu tio estava sem camisa e só com um calção surrado de jogar futebol, percebi que ele estava esfregando a mão sobre o pinto dentro do calção. Com a outra mão voltava ao início o filme que não estava totalmente carregado. Eu só tinha visto pinto de outro homem mole e aquilo dentro do calção do meu tio não estava mole, eu podia perceber. Aos poucos o que estava dentro da minha cuequinha endureceu também. Eu só sabia torcer para que ele tirasse para fora a rola dele. Ele só pegava, esfregava e batia uma punheta agarrando o pintão por cima do calção de tecido fino. De repente ele trocou de página e tinha outro vídeo que já estava carregado, era de uma mulher bunduda rebolando a bunda em um cara que parecia um trabalhador que foi consertar o cano ou algo assim. Nesse começou a rolar penetração, o cara enfiou um pinto não muito grande dentro da buceta da mulher, vídeo bem amador, eu podia ouvir o áudio de onde estava, um pouco baixo, mas a mulher falava que o marido não ia chegar, que o cara podia fazer tranquilo. A cadeira que meu tio estava sentado era de rodinha, ele se movimentava um pouco pra cada lado enquanto esfregava seu membro por cima da calça mas quando começou a penetração no vídeo ele colocou a mão pela abertura da perna do calção e foi puxando pra cima, até deixar escapar seu pintão preto, que era medio, mas muito grosso e torto para esquerda, quando ele puxou um monte de pele que cobria a cabeça, apareceu aquela cabeçona rosada e brilhosa. Começou um vai e vem que escondia e mostrava aquela cabeça, nesse hora eu não consegui me controlar, abaixei a minha calça de moletom até o pé bem devagar e comecei a bater uma punhetinha também. Querendo mesmo entrar ali e bater uma punheta naquele pintão de preto pentelhudo gostoso. O cara do vídeo começou a meter forte na mulher e meu tio repetiu a velocidade na punheta e eu também, eu tava quase gozando, mas aí ele empurrou a cadeira pro lado esticando o braço como para pegar algo, e eu não via mais o pintão pelo vão da porta, comecei a ouvir mais barulho mais rápido da punheta do titio, mas não conseguia ver, eu não podia perder o gozo dele, nunca tinha visto de outro cara queria saber se era transparente como o meu, percebi que na mão dele tinha um pedaço de papel, pensei "por isso ele foi pro lado, para pegar o papel". Eu precisava ver aquela gozada, o barulho da mão batendo punheta com cuspe, os estralos, ficaram mais rápidos, tentei abrir mais um pouco a porta para poder ver o pau dele de novo, nessa hora sem querer esbarrei nas chuteiras que caíram e eu tentando evitar abri mais a porta. Na mesma hora vi o meu tio largar o papel e virar a cadeira de rodinha em direção a porta com o pinto grosso preto na mão, já era, ele não podia evitar, o susto foi tão forte que quando ele gritou: sai moleque! O primeiro jato já tava indo no carpete escuro, aquele leite grosso. A cara de bravo do tio mesclou com a cara de tesão enquanto tinha um orgasmo me olhando de calça arriada até o pé, pinto na mão, chuteira com meia fedida na outra, gelado. Tio deu umas gemidas contidas, ahhh ahh, Foram mais uns três jatos no chão até ele respirar fundo e ofegante me dizer. - O que tá fazendo aqui moleque? - Dormi aqui, meus pais tiveram que viajar ontem a noite - E o que você tava me olhando aí com essa calça abaixada - Desculpa tio, estava com calor que queria um calção. -PORQUE NAO BATEU PRA ENTRAR?! - a cara era de bravo e o pintão ainda meia bomba tava pingando leite no carpete - OLHA A SUJEIRA QUE ME FEZ FAZER! - Desculpa tio Cléber, deixa eu limpo, vou buscar um pano. - Pega essa meia aí mesmo moleque. Peguei a meia de dentro da chuteira o cheiro ainda mais forte do que antes, eu já tinha guardado meu pinto, mas ainda estava muito duro dentro do moletom, abaixei e comecei a limpar o chão... - Tá bom agora pega esse papel aí e limpa aqui também já está com a mão na massa. - Eu peguei o papel e fui com muito medo pegar aquele pinto pesado e gozado pra limpar, cheguei bem perto, passando na cabeça o lenço de papel, percebi uma leve pulsada que deixou a cabeça um pouco maior, nessa hora não resisti e coloquei a boca. Mas meu tio tirou rápido. - Está louco moleque, tu é viado, sai fora imagina minha mãe volta e te pega aqui, já está limpo, vaza. - Desculpa tio, não conta pra ninguém, vou por a meia pra lavar. Chegando na lavanderia olhei pra ver se ele tinha ficado no quarto, ele tinha. Peguei a meia suja de gozo com aquela mistura de cheiros de macho preto pentelhudo gostoso e passei na minha boca bem devagar enquanto batia uma com a mão dentro do moletom gozando em poucos segundos. Achei que ficaria meu gozo só na mão, mas sujou minha calça. Decidi tirar e voltar pedir o calção pro meu tio enrolado numa toalha que peguei no varal, mas isso é história pra outro conto...

FUDIDO POR PESCADORES NO ACAMPAMENTO

Essa é a historia mais recente que ja contei, aconteceu cerca de 5 meses atras. Eu sempre gostei de acampar, e em uma ocasião, olhando na internet lugares bons para acampar achei um lago de uma represa que tinha otimos lugares para acampar. Numa sexta feira, pela manha, sai de casa e fui, era longe, mais ou menos uns 120km. Cheguei la arrumei minhas coisas no mato e esperei ficar de noite. No periodo da noite, me masturbando, escutei umas vozes e vi umas luzes se aproximando, nunca tirei tao rapido o consolo do rabo. - Opa, ta acampando ai? A gente só vai por o barco no lago para pescar. - Não tem problema - eu disse ao pescador Eram 3, um mais novo, parecia ser irmão de um dos mais velhos, conversei um pouco com eles e fui pra minha barraca dnv. Eles aviam dito que sairiam do lago só de manha cedo. Quando era mais ou menos as 2 horas da manha eles sairam do lago com o barco, ,e acordei dnv. - Desculpa pelo incomodo, mas agora a gente n te acorda mais. - N da nada, eu nem estava dormindo mesmo - respondi a eles - É, deu pra notar - disso o mais novo, apontando pro meu pinto de borracha. Fiquei muito vermelho, com muita vergonha mesmo, eles aviam me pego no flagra. - Hey, não precisa ficar vermelho, a gente n tem preconceito com isso - Eu até gosto de um viadinho as vezes- falou um deles com o pau na mão Depois de algumas encarradas, um deles puxou o pau pra fora, e eu comecei bater punheta pra ele, não eram paus grandes, mas eram 3 paus, eu ja estava muito feliz por isso lkkkkk O mais novo ficou relutante, não queria muito, mas o irmao dele disse - Um cu não se joga fora rapaz, aproveita, mete o pau ai Não foram os 3 de uma vez, mas foi quase 2 horas dando o cu sem parar, quando um gozava, vinha o outro e todos sem capa, nunca tinha me sentido tão puta, levei 6 gozadas, dentro do meu rabinho, e foi mto bom, nunca tinha sentido tanta porra dentro de mim.

Meu pai

Olá gente, meu nome é Donavan, eu tenho 18 anos e vou relatar um conto, é o meu primeiro conto então peço perdão se houver erros. Tenho 18 anos, 1,65 de altura, sou branco de cabelo curto e castanho, grandes lábios e um corpo até bem definido. Tudo começou em uma tarde de julho de 2018, era férias escolares, minha mãe aproveitou pra vigiar com minha irmã e me deixou em casa com meu pai. Eu estava dando uma volta atoa pela cidade, então decidi voltar pra casa. Cheguei em casa às 18:00 e assim que abri o portão já escutei uma movimentação muito estranha dentro de casa, assim que abri a porta da sala escutei alguns gemidos vindo da televisão e vi meu pai escondendo o corpo com um cobertor, olhei pro pornô na tv, olhei pro meu pai e era notável o quão sem graça ele estava, ele tentou mudar de canal mas no nervosismo do momento acabou não conseguindo de primeira. De início, eu me sentei e sugeri que continuassemos vendo, ele ficou mais sem graça ainda mas aceitou, eu conseguia ver ele engolindo em seco e o grande volume na coberta, passou alguns minutos do pornô, e eu me arrisquei a tirar a bermuda junto com a cueca, a essa altura estávamos tão a vontade que meu pai tirou a coberta e me revelou uma grande e grossa pica. Meu pai é branco e tem cabelos preto, barba por fazer, tem certa de 1,78 de altura, é jogador de futebol então tem um corpo muito bonito, 41 anos e um pau tão lindo, mas tão lindo. O pau dele deve ter 19cm, completamente reto e uma cabeçona rosinha e um saco grande com poucos pelos. Eu fiquei hipnotizado pela pica do meu pai, no mesmo momento que ele tirou a coberta de cima dele já subiu aquele cheiro de macho. Vi isso como um sinal e me aproximei, ele pegou minha mão e colocou ela no pau dele, e eu o punhetei por alguns minutos, mas só isso não me bastou Posso chupar? - eu perguntei Cala a boca e mama logo - ele me respondeu Meu pai não é do tipo muito amoroso, não me surpreendeu ter sido rude até nessa hora, mas não questionei muito e mamei, mamei muito aquela vara, eu mal conseguia pensar, eu estava mamando o meu pai, e é de longe a pica mais gostosa que já mamei. Ele já estava quase gozando, então ele me pegou e me puxou pra cima e me colocou em seu colo, de frente pra ele, como se eu estivesse montado em um cavalo (e eu estava) Ele foi forçando a pica, e no momento que entrou eu senti uma dor horrível misturada com prazer, ele deixou eu me acostumar enquanto massageava meus mamilos e então eu consegui começar a quicar. Meu pai suava, gemia baixo e revirava os olhos, eu continuava sentindo uma dor, mas ver aquela cena só me fazia quicar mais e mais. Ele deu tapas na minha bunda, meteu com tanta força que em certo momento ele não aguentou e me puxou pra baixo e gozou na minha boca, eu nunca imaginei ver meu pai assim, muito menos fazer isso com ele, mesmo depois de gozar ele puxava minha cabeça me fazendo engolir toda a sua pica. Me chamou pra fumar um cigarro e tomar um banho, e no banho aquele corpo era mais escultural ainda, quase um pecado. Conversamos sobre tudo, ele me pediu pra manter sigilo e me disse que não havia nada de errado. Naquele mesmo banho eu o fiz gozar de novo. Mamei cada centímetro daquela vara como se fosse um picolé e tomei mais porra. Enfim gente, logo eu volto pra publicar outro conto.

Jogo quente - A orgia do time (O técnico viu tudo)

Olá caros leitores, esse conte se passou quando eu tinha uns 20 anos, eu participava de um time de vôlei do bairro e participávamos de alguns campeonatos. Certa vez iriamos participar de um campeonato de varias regiões era a primeira vez que eu iria participar e nosso time estava desfalcado com apenas 9 jogadores em media de 20 a 22 anos, chegando ao dia do jogo foi um sufoco tremendo e acabamos perdendo. Nosso técnico era muito motivador e depois do jogo iriamos para uma pousada, o técnico passou em uma conveniência e comprou várias bebidas para o time comemorar o jogo que foi um fracasso, mas todos agimos como um verdadeiro time. Chegamos na pousada por volta das 20h e passaríamos a noite lá e só iriamos embora no outro dia as 7h. Estávamos em 12 ao total, 9 jogadores, o técnico, o primo dele motorista da vam e outro rapaz que ajudava com os equipamentos, água e tals. Como eramos em 12 a pousada tinha apenas 6 camas em cada quarto então nos dividimos, eu fiquei no quarto com o rapaz da vam e outros 4 meninos do time o técnico e o gandula com outros 4 meninos no outro quarto ao lado. Após todos tomarem banho, nós juntamos no mesmo quarto e começamos a beber, varias conversas, risada, alto astral, nem parecia que tínhamos perdido o campeonato. Quando deu umas 00h30 o técnico disse que iria dormi o gandula e outros 3 meninos também foram, o técnico disse para não fazermos muito barulho. Depois que eles saíram, o cara da vam que tinha uns 35 anos e muito bonito por sinal começou a falar putaria, todos nós entramos no embalo e já estavamos bem alterado da bebida, quando foi por volta das 1h30 fomos deitar pra dormir. Eram 3 beliches e quando deus umas 2h o cara da vam começou a sussurrar pra mim, mas eu estava tonto da bebida e achei que era minha mente, até que ele desceu da cama de cima e começou a me chamar, mas ele me chamava pegando na minha bunda e fala "olha lá, o outro menino não foi pro outro quarto e ele tá chupando o outro cara", e eu continuava como se estivesse dormindo e já estava de pau duro, pois ele estava tentando me acorda e alisando minha bunda. Dai eu me virei e ele parou de mexer na minha bunda então eu disse " deixa os caras curti e não vai arrasta mais não, você poderia ter visto e ficar calado" o cara da vam me respondeu " da cama de cima não da pra ver direito, por isso eu desci e te chamei porque pensei que você queria ver" e colocou a mão na minha bunda, eu disse pra ele " eu vou quer ficar olhando putaria, se eu fosse participar pelo menos" o cara da vam deitou em cima de mim e disse " a gente pode curti nós dois" todos no quarto estavam de cueca e eu senti o pau dele hiper duro que chegava a pulsar na minha bunda. E me disse " relaxa, os carinha ali já estão se chupando pega nada a gente fazer algo", eu estava meio sonolento, mas só de sentir o pau dele na minha bunda o sono passou na hora. O cara da vam se cobriu com meu lençol, abaixou minha cueca e a dele e começou a passar o pau na minha bunda até que colocou a cabeça no meu cuzinho, o pau dele era bem grosso além dele ser bonito, ele começou a empurrar lentamente o pau no meu cu e eu comecei a gemer, ele imediatamente tapou minha boca com a mão e aquilo me deu mais tesão, depois que entrou tudo ele começou a me bombar de ladinho, eu abria a perna e colocava nas grades da beliche, aquilo estava muito gostoso, eu queria gemer alto, mas não podia. Dai eu nem tinha percebido que o jogador 2 estava virando pra gente olhando e quando eu vi ele se descobriu e colocou o pau duro pra fora, eu chamei ele com a mão, então ele levantou na ponta do pé e colocou o pau na minha boca, o cara da vam disse " é assim que eu gosto, um bacanal de garotos". Quando pensamos que não escutamos uns barulho vindo do banheiro, o jogador 1 foi e ascendeu a luz, ficou tudo nítido, o jogador 3 e 4 se chupando na cama e o jogador e o 5 comendo o cuzinho do 6 no banheiro, na hora todos parou de fazer o que estava fazendo, menos eu e o cara da van. Eu logo me levante e chamei o jogador 2 para me comer, ele enfio o pau dele no meu cuzinho de uma vez, enquanto isso eu o cara da vam levantou e foi comer o jogador 3, o jogador 4 veio pra beliche q eu estava transando e colocou o pau na minha boca e eu comecei a chupar. Depois disso eu fui no banheiro e o jogador 5 estava chupando o jogador 6 eu então levantei a bunda dele e meti meu pau naquele cuzinho rosado e apertado. O jogador 6 levantou minha perna e colocou na minha, eu ainda estava metendo no cuzinho do jogador 5, então o jogador 6 deu uma esfregada com o pau no meu cu e enfiou a rola no meu rabo de uma só vez. depois de muto tempo a gente ali fazendo uma orgia, nós juntamos os 7 no meio do quarto e começamos a nós masturba uns aos outros, gozamos todos juntos, eu já tinha ideia do pau que eu iria sentar no sigilo e a bunda que eu ia meter. depois que gozamos, fomos tomar banho de dois em dois. Como eu já fumava na época, eu sai pra fumar, depois de ter fodido com a metade do time, quando eu sai pra fora o técnico estava no corredor próximo a porta, quando ele me viu me chamou e me pediu um cigarro, ficamos conversando e eu em choque, dai ele me chamou pra pegar o carregador dele que tinha ficado na vam, chegando lá, ele entrou e me chamou pra ascender a lanterna do meu celular, quando estávamos saindo ele segurou na minha cintura por trás e disse "eu vi tudo que aconteceu no quarto" eu disse que não sabia de nada e o técnico já foi abaixando meu short, ele me dava muito tesão pois ele era muito bonito, eu me virei, sentei ele no banco da vam e comecei a chupa o pau dele, fiquei saboreando aquela rola uns cinco minutos e ele me disse "Você não vai ficar só no boquete né, porque eu vi você fazendo coisa melhor" eu disse que faria o que ele quisesse, o técnico me levantou, me virou, separou minha bunda e mandou eu sentar ( no seco, só com a minha saliva que tinha ficado no pau dele", mas o técnico era tão gostoso que eu tinha que representar, eu sentei de uma vez só no pau dele e comecei a pular loucamente, ele batia na minha bunda e mandava eu sentar mais forte, o gemido dele era bem grave e dava muito tesão (só de lembrar). depois ele me virou de quatro e começou a mete com força no meu cuzinho, eu mordia o encosto do bando da vam de tanto tesão. Dai vimos pela janela o gandula se aproximando, como tínhamos deixado a porta da vam encostada ele entrou, eu estava sentado no banco do corredor e o técnico na janela, o gandula perguntou o que estávamos fazendo ali? respondemos que estávamos conversando sobre o jogo e fomos pegar o carregador. O gandula questionou porque estamos tão suado pois não estava muito calor, o técnico dando risada disse que estávamos transando, o gandula nos surpreendeu, colocou o pau pra fora e perguntou quem ia chupar, eu olhei pro técnico e ele fez o gesto de tanto faz, eu virei a cabeça e comecei a chupa o pau do gandula. o técnico logo me levantou e voltou a meter no meu cuzinho, era tanto palavrão naquela vam, tapa na minha bunda e cada vez mais eu chupava o pau do gandula com mais intensidade e ele gemia mais alto, o técnico metia mais forte no meu cu até que ele começou a dizer que ia goza, as bombadas do técnico ficou mais frenética, até que ele encheu meu cuzinho de gozo, eu sentia o gozo entrando e o pau do técnico latejando dentro de mim, ao ver aqueele gestou de tesão do téccnico deu mais tesão no gandula, ele segurou minha cabeça no pau dele e encheu minha boca de porra, quando ele tirou o pau da minha boca eu continuava a lamber o esperma que escorria e ele continuava a gemer, O gandula saiu da vam primeiro quando eu e o técnico estávamos saindo ele me segurou e disse que não era justo, me sentou no banco e começou a me masturba, quando eu disse que estava quase gozando ele caiu de boca no meu pau, gozei dentro da boca dele e ele engoliu tudinho. No outro dia fomos embora, todos como se nada tivesse acontecido e como se o técnico não tivesse descobrido nada, depois de 2 meses o time foi desfeito, pois o técnico ia mudar de cidade a trabalho. E me chamou um dia antes da viajem no vestiário da quadra e comeu meu cuzinho pela segunda e ultima vez. depois disso nunca mais rolou uma orgia de time. Gostou do meu conto ? Fique a vontade pra vota e comentar !

O vizinho Traficante com Fome de CÚ na madrugada

Olá Leitores, Este é o meu Primeiro conto, e é um Conto REAL. Vou me Apresentar, Me Chamo Marcio Guervara(Nome Fictício), Atualmente tenho 30 anos, Moreno claro, mas muitos me acham branco); cabelos lisos, 1.69m, Sou gay, mas superdiscreto, Moro em São Luis, Capital do Maranhão, Mas o que irei contar aconteceu no Interior do Maranhão no ano de 2015. Apos o falecimento do meu Pai, minha mãe se mudou pra interior do Maranhão e eu continuei morando em São Luis. Passando uns meses, tive q ir cuidar dela, pois tinha se acidentado, nada de tao grave. Assim que cheguei no interior fui logo pesquisando no facebook alguns perfil de la, ate q encontrei um carinha bem legal, ficamos tipo namorando uns 4 meses, depois terminamos. Atras da casa de Minha mae morava uma senhora e o seu neto, O Ricardo (nome ficticio), de uns 22a, traficantizinho, ele tinha uma namorada, praticamente mulher, pois passava o tempo todo la, dormia e tudo mais, Eu me dava muito bem com ela, porem com ele nunca nem tinha se quer dado um oi, ele nunca me encarava, mas era amigao do meu irmão, a namorada dele as vezes me convida pra sair nós três, mas como eu n falava com ele sempre inventava umas desculpas, detalhe, ela era linda, mas n valia nada, rsrsrs. Eles viviam em pé de guerra, brigavam muito, tanto que uma vez eu tive q separar uma briga deles dois. Certo dia, Eles tiveram um briga no inicio da noite, nesse dia a vó dele tinha viajado p Sao Luis, eram muitos palavrões e gritos, e essa briga durou por algumas horas, se aquietaram ou sairam de casa, sei la o q deve ter acontecido, so sei que n escutei mais barrulhos... Por volta de umas 2:00h da madrugada ouço bater na janela do quarto, e chamar pelo meu Nome. -Ele: Marcio, Marcio, sou eu Ricardo! Eu acordei bem assustado, fiquei paralisado na cama, sem me movimentar por alguns segundos, eu imaginei q ele tivesse matado a namorado e estava pedindo ajuda. Passando +- uns 2 minutos eu respondi. -Eu: O que foi rapaz? -Ele: Ei pow, abre ai pra mim, Eu to sozinho em casa, Juliana(nome fictício da namorada dele) foi p casa da mãe dela, e eu to com medo de dormir em casa sozinho. Realmente ele era medrosao, n dormia so em casa. -Eu: Espera ai. Fui pensar o q fazer, achei estranho ele chamar por mim, e n pelo meu Irmao, ja que ele nem falava comigo, porem n maldei nada. Nessa hora minha mãe acorda. -Mae: Ricardo? o que aconteceu,- Falando do quarto dela. -Ele: Sou eu Ricardo, é que to sozinho em casa, to com medo, eu queria q a senhora deixasse eu dormir hj ai. Minha mãe se levanta e pede pra mim abrir a porta dos Fundos e eu fui so de cueca box, modesta parte eu tenho umaa coxas ate grossa, bem branquinha e peluda.rsrsrs Minha mae deu um lençol pra ele dormi no sofá. Minha mãe foi deitar e eu tambem. O quarto que eu estava dormindo so tinha uma cama de casal, ainda n tinha porta pq a casa ainda tava sendo reformada, só tinha cortina, deitei na cama, questão de uns 5 minutos Ricardo aparece no quarto: -Ricardo: Ei pow deixa eu dormir ai contigo, eu to com medo desse cachorro. O cachorro era de porte grande, cachorro do meu irmao. -Eu: Deita ai pow. Ele deitou, eu fiquei de barriga p cima, nao demorou muito eu sinto a respiraçao dele mais proxima de mim, estiquei um pouco da minha mao, ele ja estava so alguns centímetros de distancia de mim, nessa hora percebo q ele estava de pau duro, e ele se encosta mais em mim. -Eu: Ei pow o q é isso? -Ele: Vamos curti, vai ficar so entre nós. -Eu: Quem te falou q eu curto essas coisas? -Ele: Eu sempre tive vontade de fuder com vc. Nessa hora ele me beija, e eu supernervoso correspondi, boca gostosa, boca de maxo. Ele poe o pau p fora, devia ter uns 18cm a 19cm, n deu p eu ver direito, pq estava no escuro, bate uma punheta de leve, depois cair de boca, chupava o pau, beijava a boca, o pau dele era uma delicia, aquilo tava me deixando louco de tesao, q por um momento esqueço q estava na casa de minha mãe e sem porta no quarto. -Eu: Tu curte fuder um cú tambem ou so gosta de receber um boquete? -Ele: sim pow de boa. Na mesma hora ele levanta da cama e tira 2 camisinhas do bolso e joga em cima de mim, o safado ja tinha ido na intenção de meter rola em mim e eu inocente. kkkkkkk Eu ponho a camisinha no pau dele, fico de bruço, ele tenta meter, mas n entra, detalhe eu sou bem apertado. Ele sai de cima de mim e começa a chupar meu rabo...Nossa que boca era aquela, E eu me segurando pra n gemer de tanto tesão, me contorcia, mordia o lençol. Ele para de chupar meu cu, mordia minha bunda, gente o maxo tava realmente faminto por cú e pergunta. -Ele: Como faço p pau entrar nesse cu gostoso? Eu quero fuder teu Cu, cara... Fui pegar peguei um creme de cabelo, passei no meu cu, deixei bem meladinho. -Ele: Fica de 4 que me pau agora entra nesse teu cu apertado. Ele parecia que n tinha muita experiência em fuder cú. kkkk Ele tentou mas deslizava e n entrava. Eu ja tava qse caindo na real, comecei a pensar, Meu Deus, que loucura, eu estava na casa da minha mae, fudendo no quarto sem porta. Era um misto de Tesão e medo ao mesmo tempo. Ai eu falo. -Eu: Nao pow vamos parar por aqui... -Ele: Vamos tentar mais um poquinho,ou entao deixa eu chupar teu rabo? -Eu: Nao cara, mae pode acordar e to ferrado. Ele começa a me bjar. Eu peço pra ele ir p sala dormir no sofá. Ele vai, derrepente ele volta sem a bermudar, ficou de pé proximo da cama e diz. -Ele: Chupa porra que eu sei q tu ta afim de chupar minha rola. chupava tudo, ovos, chupei uns 10, fiz uma caprichada gulosa, garganta ponfunda, nessa hora, sinto o pau dele dar uma Guinada e quase solta um gemido, tirei o pau dele mais de mil, a porra dele jorrou na minha cara, de imediato limpei com o lençol mesmo. O pau dele continuava dura igual um ferro. -Eu: Ta bom Ricardo... vai p sofa. -Ele: Ta, vou deitar aqui, Mas vou ficar de boa. Ele deita do meu lado e começa socar punheta, e eu quase infantando, peço p ele ir p sofa novamente. Acho q nessa hora minha mae escuta, sem demora ela abre a cortina, nessa hora ele tinha acabado de tirar uma das pernas de cima da minha. Isso Ja era umas 5h da manha -Mae: Meu Deus, o q é isso? Ela n chega a ver ele socando punheta. Nessa hora finjo q to dormindo. Minha Mãe Abre a porta dos fundo, pra colocar o cachorro p mijar, dizendo ela, sem demora aparece a esposa do Ricardo, nessa hora ele ainda estava na cama nu, sem a bermuda, so tava com a camisa. -Esposa de Ricador: Dona, A senhora viu o Ricardo? Mae: Ele ta aqui dormindo com Marcio. Quando ele escuta, se levando mais de mil p vesti a bermuda, porem no desespero ele n consegue e ela pega ele ainda tentando se vestir. A namorada, esposa, sei la, entra no quarto, me ver deitado, e ele tentando se vesti kkk -Esposa de Ricado: Ricardo, marcio o q tu faz deitado pelado com meu marido? Eu: Ta louca! Ta pensando q sou viado? quem ta nu é ele nao eu. Nessa hora eu tiro o lençol de cima de mim, e mostro p ele q n to nu. Gente detalhe eu sempre dormi totalmente nu, n sei pq nesse dia dormi com cueca, Eles dois sairam brigando, e eu continue deitado, qse infartando. Só escuto meu irmao comentar. -Irmão: Esse cara é louco, deixa a namorada em casa e vem dormir com macho!? Minha mae me chama p conversar e perguntar o q tinha acontecido. Eu falei o q tinha conhecido da minha forma, logico. Falei q eu nunca tinha falo com ele, e q ele chegou perguuntando se podia deitar comigo na casa, falei deita ai.. ai depois ele queria q eu comesse ele. kkkkk Eles continuam juntos ate hoje, porem ele o tempo todo me perturba pelo facebook querendo querendo terminar o que aconteceu.... Mas to me fazendo de dificil por enquanto. kkkk Se acontecer algo, conto pra vcs...

Com o cunhado da minha irmã

Hoje vou contar algo que aconteceu a alguns meses atrás, com o cunhado da minha irmã. Não tenho muito contato com familiares, sempre fui de trabalhar aos finais de semana, então nas festinhas, churrascos de família, almoço de domingo e etc, eu sempre estava de fora. Nessa ocasião, era festa de 15 anos de uma sobrinha, que com antecedência acabei descolando umas folgas beirando a data, pra curtir a festa, e a chácara que seria a festa. Entre os "mais chegados", que foram pra essa chácara dois dias antes da festa, estava o Leandro, irmão do marido da minha irmã. Leandro é moreno claro, 28 anos, deve ter cerca de 1,90m pra mais, sempre morou em sitio, cuidando das coisas, acabou ganhando um corpo legal com a rotina de vida que ele tinha. Nuca tive amizade com ele, temos a mesma idade, sempre frequentávamos os mesmos lugares, casas, cidade pequena... não tem muita alternativa pra sair, então acabávamos nos trombando muito, mas era um "oi" e cada um no seu canto. Acabamos nos aproximando um pouco quando ele me pediu uma bermuda emprestada pra poder entrar na piscina da chácara, ficou só eu e ele na piscina , papo vai papo vem, ele comenta que sempre vê minhas fotos nas redes sociais, que eu aparento ter bastante amigos, que saio bastante e que ele gosta de sair, mas além de não ter muita coisa pra fazer aqui na cidade, não conhece muita gente (ele mora aqui a uns 2 anos só), então ele acabava ficando muito tempo em casa sozinho. Pediu meu meu número de celular, e disse que quando eu fosse sair, se pudesse chamar ele, botar ele na minha turma, fazer amizades e tal.. acabei concordando, não vi maldade. Rolou a festa, não conversamos mais, os dias foram passando, nunca mais o vi. Até que postei uma foto minha, no status do WhatsApp, em que eu estava de sunga e ele comenta: - Nossa Renan, tem algo duro aí? - Tem nada pô, normal.. - Teu normal já é bem maior que a minha arma totalmente dura, eu acho. Na hora achei o papo estranho, já tinha escutado algumas conversinhas sobre o Leandro, que ele curtia homens também, mas eu botaria a mão no fogo pra defende-lo, ate esse papo. Resolvi afrontar um pouco, no WhatsApp a gente fala coisas que cara a cara não sairia tão fácil, né? - Ah Leandro, para... você é grande, tem 2 metros, mão grande, pé grande ta aí resmungando de que? duvido muito que logo a "arma" não é grande. Sem resposta, fui surpreendido com uma foto da pika dele dura grande e grossa na tela do meu celular, seguido de um "ta vendo.. queria ser pauzudo igual você". (PS: foto que ele mandou da rola dele está logo abaixo) Desconversei, dizendo que ele nunca havia me visto pelado.. fiquei com medo, dele estar me zuando, querendo descobrir algo pra espalhar pra minha família e cortei o assunto. Nesse mesmo dia, eu estava sozinho em casa, fiquei com o papo na cabeça e resolvi atentar por mensagem. - Leandro, ta fazendo o que? To sozinho aqui, mó tédio.. vamos beber alguma coisa? - Ok, 5 minutos eu tô aí. Com arrependimento do convite, comecei a esperá-lo, que de 5 minutos, já se passaram 2 horas e nada dele chegar em casa. Aliviado, achei que ele tivesse desistido, tomei um banho, botei um porno aleatório na tv da sala e deitei pelado no sofá enquanto matava tempo. Até que levo um baita de um susto quando vejo o Leandro na janela da sala, me olhando e olhando pra tv. Fiquei azul de vergonha, ele deu risada e virou as costas, achei que tivesse ido embora, mas em menos de 30 segundos ele já estava dentro da minha sala sentado no outro sofá assistindo a tv também. Até que ele me solta a frase - Quer apostar quanto que o meu pau é menor que o seu? - 100 reais, falei num tom de brincadeira, achando que isso ia morrer ali. - Não, bora fazer o seguinte. Quem tiver o pau menor come o outro, blz? ele disse. - Não, quem tiver o pau maior, que come. Bem mais justo. Respondi. Ele deu risada, achei que ia me zuar e pular fora. Mas já foi abaixando a bermuda ate o joelho, tirando uma pika mole da bermuda sem cueca. Ele de olhos fechados e eu olhando pro corpo dele. Meu pau tava endurecendo, mas o dele não, quando ele falou olhando pra mim com aquele sorriso safado: -- Não consigo pensar numa sacanagem pra essa porra endurecer.. bate uma pra mim? Então eu comecei a punhetar o meu pau e o dele ao mesmo tempo, foi eu botar a mão já ficou bem duro, e ele gemia de tesão, o pau dele tava pulsando na minha mão, babando já.. senti que ele já estava quase gozando, quando parei e disse: - É, você perdeu. O meu é maior mesmo. Vai ter que dar. Leandro se abaixou e caiu de boca no meu pau que já estava explodindo.. a sensação foi maravilhosa, agarrei a cabeça do safado e comecei a fuder com força naquela boca, que me fazia um belo boquete.. lambia, babava, cuspia, o cara mandava muito bem, era um vai e vem gostoso demais, tão bom que não demorou muito acabei enchendo a sua boca de porra, e segurando sua cabeça forçando ele a engolir tudo. Ele não parava de mamar, quanto mais eu gozava, mais ele sugava cada gota que saía do meu pau. Até que ele se levantou, lambendo os lábios e disse: - Não vou dar pra você hoje. Por isso te fiz gozar. Tenho que ir. Subiu a bermuda, e foi embora. Depois disso ele veio em minha casa num domingo, num churrasco, nem olhou na minha cara. A amizade não vingou. E umas duas semanas depois ele me chama no WhatsApp pra dizer que voltou pra cidade dele e que temos algo pendente ainda. Um dia quem sabe a gente não completa o serviço...

Meu companheiro de quarto era sonambulo.

Meados de 2012 fui trabalhar em uma parada de dez dias numa empresa em Jacarei - SP. éramos umas 30 pessoas e fomos hospedados pela empresa numa pousada, duas pessoas por quarto. No meu quarto ficaram eu e o Rodrigo, um garoto de 21 anos que trabalhava de mecânico de manutenção na obra tambem. Um garoto bonito, moreno, aproximadamente 1.75 altura e uns 60 kg, usava uma roupas da moda e não saia do celular pois ficava o tempo todo conversando com a namorada. No segundo dia, chegamos na pousada por volta das 19 horas depois de um dia intenso de trabalho, ele tomou banho, se arrumou e saiu pra jantar, o mesmo eu tambem fiz depois. Ja era umas 22 horas quando desliguei a tv e fui deitar, pois os proximos dias tambem seriam intensos, e ele ainda não tinha chegado no quarto. Acordei por volta de uma da manha com ele sentado na beira da minha cama, só de cueca, conversando sozinho. Não entendi nada, falava umas coisas que eu não entendia, falei com ele pra retornar pra cama dele, ele foi deitou e dormiu. No outro dia comentei com ele, ele riu e disse que eu tava doido, que isso não tinha acontecido, que eu tinha sonhado e tals, deixei pra la e não rendi a conversa. Noite seguinte a mesma coisa, banho, janta, telefone com namorada, e eu deitando no mesmo horario. Não era uma da manha quando acordo novamente com o Rodrigo deitando na beirada da minha cama, so de cueca, falando algumas coisas que não entendi, e logo após dormindo. Tentei fazer ele voltar pra sua cama mas não consegui, tive que dormir no canto da cama, de conchinha com o Rodrigo, relando meu pau naquela bundinha gostosa que ele tinha. Voce que esta lendo pode ate perguntar porque eu não passei pra cama dele, lógico que iria aproveitar pra tirar um sarro daquele corpinho, principalmente daquela bundinha linda que eu achava ser virgem, e tambem pra que quando ele acordasse visse que eu não estava sonhando, e sim ele. Por um longo tempo, com muito cuidado, fui acariciando aquela bunda por cima da cueca e depois por baixo tambem, passei a mão nas coxas dele e que coxas, na barriga, no abdomen, e por fim no pau dele. Ele tinha um pau de uns 19 cm e grosso, uma delicia, tava meia bomba, todo raspadin, uma delicia. Tambem tirei meu pau pra fora e fiquei relando na bundinha dele, passando no rego e no cuzinho, quando quase gozei na bunda dele, tentei enfiar mas não deu, nem o dedo entrou. Acabei adormecendo e não me lembro se dormir com o pau pra fora e se recoloquei a cueca dele no lugar. De manhã quando acordei ele ja não estava na minha cama, ja tinha levantado e estava tomando banho. Assim que ele saiu do banheiro, me deu bom dia com uma cara seria, e evitou conversar comigo o dia todo. A noite, depois do jantar, ele saiu e não o vi. Adormeci como sempre por volta das 22:30 (tava muito cansado) e quando acordei de madrugada, la estava ele sentando na beira da minha cama conversando sozinho, tentei demove-lo a deitar na cama dele em vão, e pelo contrario, ele foi pro banheiro tirou a roupa e abriu o chuveiro. Fiquei ali olhando aquela cena, aquele garoto delicioso, malhado, maxo, todo pelado debaixo do chuveiro na minha frente, porra vei não sou de ferro, tirei minha roupa e fui tomar banho com ele. Ensaboei o corpo dele, lavei ele todinho, dei uma caprichada no pau e na bundinha, abracei ele pelas costas e fiquei sarrando a bundinha dele e punhetando ao mesmo tempo ate ele gozar, e como gozou viu. Bati uma tambem bem gostosa ate gozar, me enxuguei, a ele tambem, voltei pra cama, ele deve ter ido pra dele, dormi e no dia seguinte foi um dia normal como o anterior, porem não o vi durante todo o dia nem na hora do almoço pois estava numa area diferente da dele. Na noite seguinte não aconteceu nada, acho que estavamos tão cansados que dormimos a noite toda, ou ele aprontou e eu nem vi. Sabado trabalhamos ate as 20 hrs pois no domingo não teriamos serviço, chegamos na pousada, ele tomou banho primeiro como sempre e disse que iria sair com a galera pra tomar umas brejas, aproveitar o sabado, porque no domingo poderia acordar mais tarde. Ate me chamou pra sair mas respondi que gente mais velha dormia cedo kkkk, afinal tinha idade pra ser pai dele. Acordei bem de madrugada com a zueira dele chegando e abrindo a porta, acendendo a luz, conversando alto. Fiquei puto cara com aquilo, chamei a atenção dele bem de boa, ele pediu desculpas, vi que estava meio alterado, bébado. Aproveitei e fui no banheiro da uma mijada, e quando tava bem la mijando ele entrou tambem so de cueca, colocando o pau pra fora e mijando junto comigo. Ele deu uma reparada no meu pau e me disse, tio seu pau é bem menor que o meu olha, virando o pau pra minha frente. Olhei tambem e vi que ele tava meia bomba e que realmente era bem maior que o meu (meu deve ter uns 15 cm, e eu tambem ja tinha pegado naquele pau né, respondi que sim era maior e pra não sair perdendo disse que o importante não era o tamanho e sim como usar ele. Rodrigo ficou meio que sem graça e ao mesmo tempo meio que curioso com o que eu falei, e me perguntou o que eu tava querendo dizer eu respondi que era melhor a gente ir dormir porque ja estava tarde. Ele deitou, eu tambem, e passado uns 40 minutos eu acordo novamente com ele deitando na minha cama. Pow, eu tava puto ja com aquela situação, cansado, com sono, ter sido acordado por ele quando chegou e ainda ter falado que eu tinha pau pequeno, e agora novamente o cara me acordando so de cueca pra dormir na minha cama, pow. Falei, agora vou me aproveitar dessa situação. Virei ele pro canto da cama, fiquei de conchinha, e quando passei a mão pelo corpo dele vi que estava de pau duração meu, e que pau viu, ainda não tinha o visto de pau duro assim. Tirei a cueca dele e joguei no chão, tirei a minha tambem, comecei a sarrar ele beijando aquela nuca deliciosa, passando a mao naquela bundinha gostosa, meu pau duraço e não deu outro, comecei a penetrar aquele cuzinho virgem (eu acho né). Custei pra consegui botar a cabeça mas entrou, depois foi so curtição. Fui enfiando devagar e bombando, no inicio bem devagarzinho depois ja no ritmo normal, e enquanto comia ele, lhe punhetava e beijava suas costas. Durante todo o tempo ele se manteve dormindo (eu acho) não esboçando nenhuma reação. Depois que ele deu uma gozada deliciosa, eu gozei tambem dentro dele, descansei um pouco e o coloquei na cama dele. Vesti nele a cueca (dessa vez não quiz deixar provas, sei la no que isso daria né), me lavei e deitei tambem. Domingo levantei tomei cafe e dei uma saida pra relaxar, quando retornei ele ja tinha levantado e saido, não o vi mais até o dia seguinte quando levantamos juntos pra sair pro trabalho. A segunda transcorreu normal, a noite dormimos no mesmo horario, sem muito papo, a noite ele deu umas conversadas mas não veio pra minha cama. Na noite de terça pra quarta, quando ele veio dormir (eu ja estava deitado mas não tinha dormido ainda) tirou toda a roupa e disse que iria tomar um banho pois estava todo suado (ele nunca tinha ficado nu assim na minha frente a não ser o dia da mijada) entrando pro banheiro logo a seguir. Achei aquilo estranho mas não disse nada, fiquei na minha. Ele demorou pra tomar o banho, ficava se esfregando, passando a mão pelo corpo, ameaçou uma punheta (eu vendo tudo pois ele não fechou a porta do banheiro) depois veio se enxugar no quarto. Enquanto se enxugava perguntou o que eu achava do corpo dele, se eu achava ele bombada e tals, e outras perguntas meio sem nexo, eu ia respondendo e falando que tava com sono e que ia dormir. Virei pro canto e fingir estar dormindo, quando via pelo reflexo da luz que ele estava me olhando e mexendo no pau. Assim acabei dormindo a te ser acordando por ele deitando no canto da minha cama totalmente nu. Não deu outro, dei outra metida gostosa gozando dentro daquele cuzinho apertadinho novamente e batendo uma pra ele, porem dessa vez dormimos os dois ali, juntinhos e totalmente pelados. Quando acordei ele ja estava tomando banho, levantei e sentei na beira da cama com o lençol tapando meu pau quando ele me deu bom dia e disse que se eu quisesse poderia ir tomar banho que ele ja estava acabando. Levantei, peguei a escova, escovei meu dente e entrei no chuveiro, enquanto ele se enxugava. Até na sexta, quando viemos embora foi assim todas as noite, com diferença que fiz ele mamar meu pau, eu mamei o dele e ainda gozei na boca dele uma vez, sempre com ele dormindo e nunca tocando no assunto. Viemos embora na sexta a tarde, e ja no sábado em casa, quando estava desfazendo minha mala encontrei um bilhete escrito: foi muito bom trabalhar com voce, voce foi um otimo companheiro de quarto, desculpa meu sonambulismo, espero nos encontrar novamente por ai, abraços seu Rodrigo.

O amigo do meu irmão

Olá, me chamo Lucas, tenho atualmente 24 anos, carioca e universitário. Tenho 1,76 de altura, corpo magro definido, bem normal eu diria. Tenho olhos cor-de-mel, cabelo castanho claro, barba sempre aparada e um dote de 19cm razoavelmente grosso. Sou gay, porém minha família não sabe sobre mim. Sexualmente, sou versátil com preferência por ser ativo. Geralmente sou eu que vou ao encontro dos caras, não o contrário. Porém, recentemente, algo inusitado aconteceu comigo, tão inusitado que senti vontade de escrever. Meu irmão mais novo, que chamarei de Leo, tem um amigo de infância chamado Bruno. Eles cresceram juntos, e hoje, ambos estão com 19 anos de idade. Recentemente, estive notando como Bruno estava ficando bonito e atraente, mas como sempre ouvi ele e meu irmão conversando sobre meninas, nunca pensei que rolaria nada entre nós. Ele, parecendo mais novinho que sua idade, cabelo liso castanho-escuro, mais baixo que eu, e magrinho também, sempre vem passar os finais de semana aqui com meu irmão. Os pais deles se separaram faz pouco tempo e ele meio que se refugia aqui. Eu e meu irmão dividimos um quarto, com duas camas de solteiro, porém, como Bruno e meu irmão dormem muito tarde aos finais de semana por causa de jogos no computador, geralmente eles dormem na sala, um em cada sofá. Como no Rio faz muito calor, já perdi as contas das vezes que acordei, fui até a sala, e vi os dois dormindo por lá, Bruno sempre sem camisa, por vezes com a bermuda meio larga ou aberta, onde dá pra ver os leves pelos de sua barriga e, às vezes, virilha. Algumas vezes consegui notar uma ereção enquanto ele dormia também... Mas evito olhar muito com medo de ele acordar e perceber algo. Neste último final de semana, nossos pais viajaram e Bruno veio, como sempre, fazer companhia ao meu irmão. Eles sempre falando sobre pegar meninas, e eu quieto no meu canto. Chegou a noite e eu fui pro quarto para dormir. Durmo de barriga pra cima, geralmente, e sem camisa quando sinto calor, o que foi o caso, e tenho sono leve... De madrugada, provavelmente umas 4 horas da manhã, ouço alguém entrando no quarto e acordo um pouco assustado. Achei que era meu irmão e fui reclamando, quando ouço a voz de Bruno: "Lucas, desculpa te acordar, mas se importa de eu dormir aqui? Leo pegou no sono no sofá maior e não quero dormir no sofá menor..." Meu coração disparou. Ele nunca havia feito isso. Comecei a sentir meu pau ficar muito duro, e, deitado na cama de barriga pra cima, com certeza marcando o short. Minha mente pervertida começou a funcionar... Porque não tentar? Minha cama ficava próximo do interruptor da luz. " Sem problemas, Bruno, pode sim. Liga a luz pra pegar o travesseiro no guarda-roupa, e um lençol ou edredom se quiser." Quando ele ligou a luz, olhou diretamente pra mim, com um volume considerável no short, sem camisa, olhando na direção dele. Ele pareceu meio desconfortável de início, mas então riu e falou enquanto pegava o travesseiro: "Tava tendo um sonho bom aí?" "Estava sim", eu disse rindo. "Quase uma reprise da minha útlima transa." "E foi bom?", ele perguntou. Eu apertei minha piroca por cima do short mostrando bem o volume pra ele e disse rindo: "Foi maravilhoso, não dá pra notar?" Ele riu também. Pegou as coisas e foi se ajeitar na cama. "Posso desligar a luz?", perguntei. Ele respondeu que sim, e eu desliguei. Passado algum tempo, ouço Bruno falando: "Sabe, sempre falo de meninas e putaria com seu irmão, mas na verdade, nunca fiz nada. Falo mais pra não parecer esquisito por ser virgem com 19 anos... Tenho vergonha disso e não queria que ele descobrisse." "Seu segredo está seguro comigo.", eu disse. "Mas, pra te dizer a verdade, acho que o Leo também nunca fez nada do que diz fazer. Acho que vocês enganam um ao outro". Ouço a risada dele e em seguida um suspiro. "Eu queria saber se é realmente bom... Eu ando com tesão o tempo todo, mas só sei tocar punheta, nunca consigo chegar nas minas." "É muito bom... mas quando você faz uma vez, você só sente vontade de fazer mais, o que pode ser meio ruim quando você não consegue fazer...", eu disse. "Sim, eu acho que sim. Caralho, essa conversa me deixou com mais tesão Lucas, melhor eu ir dormir." "Dormir com tesão? Vai tocar uma punheta rapaz, melhor se aliviar." "Mas você não tocou... tava aí todo excitado." "Ainda estou." O quarto ficou silencioso por um tempo. Eu não sabia o que fazer. Estava nervoso por ser amigo do meu irmão, e se fizéssemos algo, eu teria que olhar pra ele no dia seguinte, nos finais de semana seguintes, e fingir que nada aconteceu. Mas tomei coragem e falei: "Se quiser, podemos ajudar um ao outro." "Ih, tá me estranhando Lucas? Que ideia é essa?", ele disse em tom brincalhão. "É só brotheragem, com dizem, uma brincadeira entre amigos. Juro não contar nada pro Leo nem pra ninguém, até mesmo porque também não quero que saibam." Levantei, tranquei a porta de chave e liguei o abajur do lado da minha cama. Fui até ele, com o pau latejando no short, e falei: "Que me diz? Vamos brincar?", sentei na cama que ele estava e peguei no pau dele e dei uma apertada de leve, e ele suspirou de tesão. Abri a bermuda dele e comecei a mexer no pau dele sobre a cueca, ele parecia nervoso, apesar de estar gostando. "Relaxa, Bruno, só aproveita o momento." Abaixei a cueca dele, e peguei naquele pau gostoso, um pouco menor que o meu, porém mais grosso, e comecei a tocar pra ele. Ele não sabia o que fazer, portanto nem me importei de ele não tocar em mim, foquei em dar prazer a ele. E como ele adorou eu tocando punheta pra ele. Fechava os olhos e gemia baixinho enquanto eu sentia aquele pau grosso latejando na minha mão. Aproveitei que ele estava de olhos fechados e não resisti, comecei a chupar o pau do Bruno. Coloquei o máximo que consegui na boca e olhei pra ele, vi que ele abriu os olhos, um pouco assustado, mas depois colocou a mão na minha cabeça e começou a empurrar ela contra o pau dele, me fazendo chupar mais. Eu engolia aquela pica com muita vontade e tesão. Enquanto chupava, abri minha bermuda, tirei meu pau pra fora, e comecei a tocar punheta. Aquela piroca gostosa enchia minha boca, eu passava minha língua em cada canto dela, chupava a cabeça e ele ia a loucura se contorcendo na cama. Eu sentia que ele estava prestes a gozar, e como ele confessou que era virgem, me senti seguro o suficiente pra querer tomar o seu leite. Então, comecei a chupar com mais vontade, até que ele sussurrou em meio a gemidos baixos: "Eu vou gozar cara, eu vou gozar..." Não tirei a piroca da boca, continuei chupando e logo senti aquele jorro de porra quente na minha boca. O moleque gozou pra caralho! Quase não aguentei tomar tudo, e caiu um pouco pra fora da boca também, mas foi maravilhoso! Eu continuava tocando punheta sentindo aquela piroca latejando e escorrendo leite na minha boca. Limpei a pica bem com a boca e falei: "Caralho, que pena que vc já gozou, não consegui gozar. Queria mais uma ajuda... O tesão aqui só aumentou." "Ajuda como?", ele disse, meio nervoso, um pouco desconfortável com a ideia de ter que tocar no meu pau. "Bem, estava pensando... Podemos nos ajudar um ao outro. Você quer perder sua virgindade, e eu quero gozar...", eu falava isso acariciando a piroca dele e tocando uma punheta leve. "Acho que podemos resolver as duas coisas". Senti a piroca dele ficando dura na minha mão de novo, e percebi que ele entendeu o recado. Continuei tocando até sentir o pau dele bem duro de novo, fui até o guarda roupa, peguei uma camisinha e o gel, e voltei pra cama. Ele ainda estava deitado na cama, com a pica pra cima, meio sem reação, e assim o deixei. "Você quer perder a virgindade, Bruno? Prometo que vai gostar e ninguém nem vai precisar ficar sabendo que foi comigo..." Ele balançou a cabeça afirmativamente e mordeu o lábio inferior demonstrando tesão. Abri a camisinha e coloquei no pau dele, enchi de gel e coloquei um pouco na porta do meu cu também. "Se quiser, pode fechar os olhos. Só aproveita a sensação", assim que, imediatamente ele fechou os olhos. Tirei minha bermuda de vez, subi na cama e me ajeitei pra sentar naquela piroca. Peguei nela e coloquei na entrada do meu cu e comecei a sentar devagarzinho. Ouço Bruno soltar um suspiro ao sentir a cabeça do pau dele entrando no meu cuzinho apertado. Doía bastante, o pau dele era bem grosso, mas o tesão e a vontade de ser arrombado por aquele pau eram maiores, e eu sentei mais, sentindo o pau dele deslizando e rasgando meu cu. Soltei um gemido baixo de tesão. Tirei o pau dele, e vi ele abrindo os olhos, me olhando, pedindo mais... Aquilo me deu mais tesão e sentei na pica dele com vontade, até entrar tudo. Segurei o grito de dor, e deixei o pau dele lá dentro um tempo pra me acostumar. Aquela pica grossa estava latejando dentro de mim... Que sensação gostosa da porra! Quando me acostumei, comecei a cavalgar naquela piroca, e eu via ele ficando cada vez mais louco. Eu sentava com vontade, ouvindo minha bunda bater na virilha dele e a cama rangendo um pouco com o movimento. "Ai, calma, assim eu vou gozar de novo... Porra, nunca imaginei que fosse tão gostoso meter num cu, caralho!", ele disse sussurrando. Sentei e fiquei rebolando de leve na pica dele, e falei: "Me come de quatro. Vai ser melhor pra eu gozar sem sujar você..." Levantei, e ele também. Me ajeitei na cama, de quatro, com o cu bem empinado pra ele, que ficou em pé. Coloquei o lençol que ele pegou embaixo do meu pau pra eu gozar nele. Enquanto ainda ajeitava o lençol, sinto uma estocada forte no meu cu e me seguro pra não dar um grito de dor e prazer. O moleque metia com vontade. Começou a meter aquela piroca com muita vontade no meu cu, sem pena, sem se preocupar se doía nem se eu tava gostando. A sorte é que eu estava adorando. Sentir aquela piroca grossa me arrombando me deixava louco de tesão. Comecei a tocar punheta sentindo ele meter, enquanto segurava na minha cintura me puxando em direção da sua pica. Ele aumentou a velocidade das metidas e eu, da minha punheta. "Lucas, vou gozar cara, isso tá gostoso demais, vou gozar!" "Goza, goza dentro do meu cuzinho, goza metendo, vai? Quero sentir o leite quente dentro do cuzinho." Ele continuou metendo com mais força, até que começou a gemer sussurrando e eu sinto, pela camisinha, algo quente dentro do meu cu, a porra daquele moleque... Aquilo me encheu de tesão e eu comecei a gozar loucamente no lençol embaixo de mim também, com meu cuzinho piscando naquela piroca grossa dentro de mim. Enquanto eu gozava ele ainda deu mais umas metidas, até que parou, ofegante e tirou o pau. Eu me sentia literalmente arrombado e muito satisfeito com isso. "Acho que você vai ter que pegar outro lençol", eu disse ofegante e sorrindo. Ele riu também, tirou a camisinha e amarrou, e eu escondi pra jogar no lixo depois. Escondi também o lençol pra lavar depois. Colocamos nossas roupas, e ele deitou de novo na cama. "Espero que tenha gostado de perder sua virgindade. Agora não precisa mais ter vergonha do meu irmão, você passou a frente dele.", eu disse rindo. "E se quiser contar vantagem, pode falar que foi com uma menina, sem problemas." "Tudo bem, Lucas. Obrigado por guardar o segredo... E obrigado por ter feito isso por mim também, eu realmente adorei meter. Acho que é como você falou: agora eu só vou querer mais", ele disse rindo. Eu ri também. E era justamente com isso que eu contava, que ele quisesse mais. Estou ansioso pra que o próximo final de semana chegue logo, na esperança de que ele queira mais. Dormimos, cada um na sua cama, e no dia seguinte ele foi embora logo depois do almoço, quase não o vi. Mas a lembrança do que aconteceu já me fez tocar punheta algumas vezes... Torço pra que ele queira mais comigo, e não com meninas... Mas se ele não quiser mais, vou compreender também. Só fico feliz de ter matado minha vontade. E torço que mais surpresas assim aconteçam na minha vida. Espero que tenham gostado da minha experiência! Se quiser, me escrevam e me contem suas experiências também.

Dando uma mãozinha para o meu amigo da faculdade.

Dando uma mãozinha para o meu amigo da faculdade. Este conto nada mais é que um relato do dia em que dei uma mãozinha para o meu melhor amigo nos tempos da faculdade, iniciei meu estudo na universidade aqui de Chapecó (prefiro não dizer a qual cursei) mas posso dizer que curso foi rsrs. Ciências contábeis, e também posso dizer o nome dele, Eduardo. E já no primeiro semestre já tive dificuldades para avançar e foi aí que conheci ele, me ajudou no entendimento de uma matéria e daí por diante nossa amizade só se fortaleceu. Já no segundo semestre fazíamos trabalhos juntos, inclusive os de extraclasse em casa, algumas vezes na minha outras na dele. O Du, assim eu o chamava era muito dedicado aos estudos, morava com a mãe. Eu ainda morava com meus pais e minha irmã mais velha que nunca estava em casa, ou estava no trabalho ou na casa do seu namorado. Du namorava uma garota que cursava psicologia muito linda por sinal, perfeita, cabelos vermelhos (ruivos) olhos azuis, magra, peitinho pequeno mais bem redondinho, mais além de sua beleza o que chamava a atenção dos homens era sua bunda proporcionalmente com seu corpo era toda empinadinha e durinha e como dizem rebitada, além disse ela é muito sensual adora vestir aqueles shortinhos jeans desfiados, que mostrava a polpinha da sua bunda, usava vestidos soltos e bem curtos, e segundo o Du ela não gostava de usar calcinha quando estava de vestido, só pra não marcar...rsrs, e assim ela andava, ou melhor desfilava pelos corredores da faculdade deixando os colegas da faculdade doidos de tesão. O Eduardo era simplesmente louco por ela, porem ele era muito nerd e ela muito ninfetinha rsrs, o pessoal dizia que, ela era muito areia para o caminhãozinho dele. E por isso e outros motivos acabou atrapalhando o relacionamento fazendo com que ela terminasse com ele. Du ficou arrasado ficou super deprimido, faltava nas aulas estava indo mal nas provas. Fiquei preocupado com ele, e eu tinha é que fazer algo pra ajudar, então liguei pela manhã pra ver se estava tudo bem e pra dizer que era pra ele ir na aula hoje porque iria ter prova e iniciar conteúdo novo, porém ele me disse que não iria ir porque não sabia nada. Então me prestei a ajudar ele disse. - Tudo bem Du. Daqui uns 20 minutos passo aí pra te explicar o conteúdo que passou e o que acredito que vai cair na prova. Ele disse... -Quer vir, venha... vou deixar o portão aberto, é só entrar depois vc tranca porque a mãe já foi pro trabalho. E eu vou ficar mais um tempo na cama. Tá. -Ok! só vou tomar um banho e logo chego aí. Estava muito quente, já pela manhã. Então tomei meu banho rápido vesti uma regata meu calçãozinho vermelho da adidas rsrs, sabe aqueles de caminhada com um leve corte nas laterais, e com forinho por dentro rsrs, que dispensa cuecas, kkk eu dispenso kkk e vcs? Eu o uso, sempre quando vou pedalar, faz tempo que tenho ele, acho que desde os meus 14 anos, tá bem velhinho quase transparente e quando sento no selim/banco da bike pra pedalar ele praticamente atola no meu bumbum...rsrsr, mais eu adoro usar. Mais enfim arrumei os materiais na mochila peguei minha bike e fui pra casa dele mostrar o conteúdo, chegando lá, tudo certo, portão estava aberto, a porta da casa também, entro e tranco o portão, guardo minha bike, e vou a procura do Eduardo fui até a sala nada dele, na cozinha também não, pensei comigo será que ele tá dormindo mesmo? e nem percebeu que eu já cheguei, vou lá, os quartos era no segundo piso, subo as escadas calmamente, a procura do quarto do Du, tinha três portas deduzi que era aquela que estava entre aberta, entrei sem fazer alarde e pego o danado dormindo, já era umas 8:30, e eu não pensei duas vezes e dei um puxão naquele lençol. Quando tiro o lençol me deparo com ele todo nu de barriga pra cima e pelo estado do seu pau meia bomba ele devia estar sonhando com a ex. Ele acordou meio assustado mais não demostrou ter teve vergonha por estar nú e na minha frente, eu sem ter reação e sem saber o que fazer sentei na sua cama e ri, fazendo alguma brincadeira com ele dormindo de barraca armada Du? Rsrsr. Tava sonhando com besteirinha né? Rsrs - Pior que estava sim Andrezinho... Ele ainda meio dormente... rsrs -hummm... me conta - Não sei se posso te contar, vc provavelmente vai rir... -Vou não... conta, conta... - Hum, não sei não... - Conta eu sou um túmulo...rsrs - hu sei... - eu não conto, eu juro... - ...tá - Vou te contar, mais vc jura que não conta pra ninguém, - ta eu juro. - Então André sonhei com a minha ex. - kkkk eu já imaginava isso - sim e vc também estava no sonho... - eu??? - sim! - Fiquei curioso... agora conta -sim, veja só ela estava sentada no meu colo só de vestidinho e sem calcinha, e aí quando a coisa começou a ficar boa ela se levantou e foi embora, e daí vc apareceu do nada e disse que ela pediu pra vir dar uma mãozinha pra mim... ai vc começou a bater punheta pra mim... e eu estava prestes a gozar quando vc me acordou... - ahhh estraguei seu sonho kkkk - estragou mesmo. Eu to a mais de mês na seca, to implorando pra dar uma gozadinha e vc vem e estraga. Rsrs - kkk, desculpa foi sem querer rsrsrs. Fiquei sem graça, mais percebi que quando ele estava contando seu sonho seu membro reagia... acho que ele está na seca mesmo, rsrs. Disfarcei e disse trouce o caderno com ultimo conteúdo se vc quiser copiar, que daí vai dar tempo até de vc estudar. Ele sentou do meu lado e disse, -sei lá... estou meio decepcionado! baixou a cabeça. - que isso Du, decepcionado porque...??? - ah por causa dá... nem quero falar o nome dela - capaz, vai ficar assim por causa dela, pare. Vc vai encontrar alguém melhor que ela. - será? -sim. Imagina se eu fiz vc quase gozar em sonho. Kkk - verdade! Mais foi só em sonho... - ué mais tu acha que eu não consigo fazer...? falei rindo rsrs - rsrs acho que não. - Consigo sim. - Duvido Andrezinho, ela em minutos fazia eu gozar... - é em quantos minutos? - há sei lá... uns 10 minutos. Rsrs - eu consigo em menos tempo. - Duvido! - Dúvida, ta e se eu fizer vc vai copiar o conteúdo e ir na aula hoje? - hu... não tô muito afim de ir pra aula... - Pare, vc ta correndo da aposta. - to não. - então feito? - ta.... Feito. Nesse momento, caiu a minha ficha, o que eu estou fazendo? como vou fazer isso? oque ele vai pensar de mim depois? sei que eu já tive algumas experiencias antes, mais faz muito tempo, e na época foi como meu primo e..., kkk tudo em família. Mais já era tarde pra voltar atrás, ele já estava deitado com os olhos fechados e com aquele pau aguardando pra ser acariciado. Respirei fundo e pra falar a verdade eu ate estava gostando da situação e também, acho que devia isso pra ele, ele sempre me ajudou com o curso. E foi com esse pensamento que iniciei com uma das mãos meio que tímido fui acariciando, estava ainda meia bomba mais logo começou a esquentar e se enrijecer, então peguei bem na base e pude sentir toda a sua espessura, consegui envolver com a mão bem firme e logo ficou totalmente rígido. E nesse momento me venho na mente como era que eu fazia meu primo gozar e assim eu iniciei os movimentos de vai e vem com apenas uma das mãos, mais pra minha sorte ele realmente estava na seca porque com aqueles simples movimentos o pau dele já estava babando, me aproximei mais e me arrumei de uma forma que acabei ficando de joelhos e assim pude usar as duas mãos, uma agitando seu membro e a outra acariciando seus testículos. Confesso que me lembrou do meu passado de batedor de punheta, pro meu primo e até pro meu tio e eu estava adorando aquilo. Do Eduardo eu só ouvia alguns gemidos, e já que ele estava gostando, não me custava nada em caprichar. Mas o safado além dos gemidos, já me chamava de Jessica que era o nome da sua ex... - ai jessica... que gossstoso... vai jesssica... assim assim só vc sabe jé... E sem saber de quanto tempo já tinha se passado... me aproximei mais dele de uma forma que ficasse mais confortável pra mim e manti um ritmo só, e foi assim que aquele membro se transformou em um vulcão prestes a entrar em erupção, incontrolável já aponto de explodir, suas veias cresceram, a cabeça estava super vermelha e não deu outra, foi só um suspiro e ele soltou dois ou três jatos fortes e fartos de porra saltando e respingando no meu rosto, lençol e na sua barriga. Me assustei, e ao mesmo tempo me surpreendi com a tremenda gozada que o Eduardo deu, a sua porra mais parecia um creme de leite, pela sua consistência e cor do que um esperma comum. Pensei comigo realmente estava acumulado rsrs, me senti até que bem em poder alivia-lo apesar dele ficar me chamando mesmo depois de ter gozado de Jessica, não me importei e até gostei. fique mais um tempinho ordenhado o levemente até ele expelir totalmente seu esperma, que escorria pelas minhas mãos parecendo mesmo um vulcão e suas lavas de fogos, kkk que no caso de porra. Ele deu umas bufadas de alivio e ficou quieto, eu levantei meio correndo sem olhar para o rosto dele porque me baixou um vergonha apenas disse vou me limpar, e fui pro banheiro que fica no fundo do corredor entrei e deixa a porta aberta mesmo por que eu iria só limpar minhas mãos sujas do seu gozo, mais quando fiquei de frente pro espelho da pia, e me vi com uma poça enorme de esperma grudada na minha bochecha quase escorrendo pra minha boca, tive uns pensamento e vontades de provar sentir o gosto daquilo, sei la talvez porque estava parecendo mesmo com um creme de leite ou das lembranças do meu passado (leiam meus contos anteriores), ou por apenas curiosidade. não pensei duas vezes e pus o dedo arrastando pra minha boca, fechei os olhos e degustei e gostei, passei o dedo novamente mais umas duas vezes removendo toda aquela porra do meu rosto. Fiquei maravilhado em poder fazer aquilo, e pensei naquele momento, com certeza ele gozava na boca dela e ela certamente não perdia nenhuma gotinha...rsrs Abro meus olhos e me deparo com o Du, bem atrás de mim sorrindo, não sei quanto tempo ele estava ali, se ele percebeu o que eu fiz, mais com um pouco de vergonha apenas disfasei e fui pro quarto dele dizendo agora é contigo tem que copiar o conteúdo. - tá. Vc venceu Anndré. Já vou copiar a matéria. E foi assim que ajudei meu melhor amigo da facul. A voltar a estudar. Claro que não terminou por aí, porque também tive que ajudar ele a recuperar sua autoestima, e esquecer da sua ex. rsrs Continua... Autor: Anndres Chapecó – SC

Meu cunhado um deus grego mim comeu

Tudo bem!! É a primeira vez que escrevo aqui. Tenho 1,82 ,67kg corpo um pouco definido . Meu cunhado , Matheus(nome fictícia) ele e bastante bonito e com um corpo bem definido o fato aconteceu do feriado de 15 de Novembro , eu estava com Matheus do carro tínhamos ir comprar gelo quando estávamos vindo já ele veio com um papo que minha irmã estava grávida (ela estava com 8 meses já) e estava na seca e mim perguntou se eu tinha um buraco par ele meter o pau dele, falei brincando na hora que tinha um bom só era ele quere na hora ele mim da uma encara com uma cara de safado e moda os lábios fiquei com um pouco de vergonha e peguei o celular. O restante do dia Matheus não tirava o olho de mim fui par casa por volta das 7 horas tinha marcado de ir par pizzaria com meus amigos. No outro dia, se acordei com Matheus mim chamando por volta das 10 horas estava sozinho fui abrir o portão ele entrou falei que ia tomar banho estava numa ressaca terrível com uns 5 minutos, Matheus entra falando ia mijar ele pergunta se pode também tomar banho porque estava com calor deixei, ele começou a tira a roupa um deus grego na minha frente rsrsrs, o pau dele estava meu bomba deveria ter uns 20 cm pedir a ele par ensaboa as minhas costas de propósito ele veio sentir o pau duro topar na minha bunda fui a loucura derepente ele mim enconstrou do box e falou do meu ouvido , da essa bunda gotosa por teu cunhado , de uma empina então ele abriu a minha bunda e começou a lamber fui no céu kkkkKKK, ele pediu par eu chupa seu pau comecei a chupa e bate uma punheta dele também foi um bom tempo assim o pau dele estava duraço ele mandou eu ficar de quatro e empina a bunda bem par ele. Matheus botou cm por cm bem devagar e começou um vai e vem delicioso tava muito bom ele começou a acelerar as estocadas e perguntou aonde eu queria receber o leitinho dele pedi par beber ele tirou o pau e botou na minha boca foi uns 8 jatos de porra engolir tudinho se levantamos e fomos tomar banho deixa outra mamada dele e bebi tudo de novo já era por volta umas 11 e meia da manhã ele se vestiu e falou que queria agora sempre meu cur e foi embora. Bom espero que tenham gostando do meu conto esse e o primeiro, mim adicionem como amigo de vocês par agente conversa .

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

SENDO ARROBANDO PELA SEGURANÇA NA RAVE

Esse relato vou ser bem direto e esse aconteceu ano passado. Bom as vezes vou em festa rave e de acordo com as coisas que você toma isso vai dando um pouco tesão, e neste dia era uma festa que começava no sábado a noite a acabava no domingo a tarde/noite. Sou discreto e tranquilo na minha, algumas sabem que eu curto pegar caras e outras não, mas não é segredo pra ninguém... voltando ao assunto, Cheguei na festa e estava na fila, sou alto com 1,80alt, 80kg, moreno e tenho a bunda bem grande e como estava a noite fui com uma calça um pouco mas justa e moletom que deixava minha bunda bem marcada, estava eu na fila que por sinal estava demorando e do meu lado um pouco mais distante tinha dois seguranças que eram altos e mais que eu deveriam ter us 1,85alt por ai e eram pardos e bem fortes, e um deles que estava bem na minha direção começou a me olhar e nisto reparei que ele estava me olhando, virei e comecei a olhar e quando reparo na calça um pauzão duro marcando todinho pro lado que dava pra ver até ele pulsando o pau... Nisto já fiquei louco e fiquei morrendo de vontade de mamar aquele cara, mas tive que entrar pra festa com meus amigos. Durante a festa na madrugada eu comecei a sentir muito calor e queria colocar uma bermuda pra ficar mais confortável e como estava quase tudo escuro num sitio que rolava a festa tinha alguns partes distantes que o povo coloca barraca e tals... Eu já estava num tesão e curtindo a festa quando reparo que o segurança da portaria estava indo pra uma parte do sitio onde estava estacionado alguns carros e percebi que ele acabou entrando num carro e como já queria trocar de roupa aproveitei e pegeuei minha mochila e fui... fingir de bobo e fiquei entre a porta do motorista onde ele tava e um outro carro e como era um pouco distannte ninguém me via... tirei o tênis e a calça e acabei ficando com muito tesão e tirei a cueca deixando minha bunda grande, redondinha e lisa aparecedo e virei pra janela do carro dele, quando percebo que ele abre a porta e já passa a mão na minha bunda e fala: Bundão em, além dessa cara sua de safado que tava me olhando lá em baixo tu tem um rabo gostoso em. Nisso ele já sai do carro e fecha a porta e ja manda eu ajoelhar e começo a mamar ele bem gostoso, ele tinha um pau de uns 17cm bem grosso que eu chupei todo até as bolas.. depois de uns 10 minutos chupando, ele me pede levantar e empinar a bunda e começa a abrir meu cuzinho e linguar bem gostoso e com issso eu gemia bem alto e como o som era muito alto ninguém escutava... Ele começou a dedar e depois colocou a cabecinha do pau e foi empurrando até que senti o pau todo entrando escorregando, ele foi bombando bem forte que nisso eu sentia dor e prazer ao mesmo tempo, enquanto eu gemia ele coloca os dedos na minha boca pra eu chupar e eu ja tava louco de prazer, depois de alguns minutos bombando no meu cu ele fala que vai gozar e tira o pau de jorra todo leite na minha bunda bem quentinho, depois ele da um tapa na minha bunda e levanta as calças e saiiu andando, eu me limpei e vesti minha roupa e voltei pra festa

sábado, 29 de dezembro de 2018

IRMÃO DO MEU EX-NAMORADO part 1

Retornando o conto Após acordar e ver meu pau todo babado e short meio molhado pensei: caramba o tesão era tanto que acordei com o pau todo babado. Mas achei estranho Fernandinho já ter levantado, pois ele sempre acordava tarde. Levantei com o pau meia bomba marcando todo no short e fui direto pro banheiro, escutei barulho do chuveiro e vi que a porta estava aberta falei “Oi” com receio de ser os pais do meu ex e para não ficar uma situação meio constrangedora, caso eu passasse pela porta, logo em seguida escuto a voz de Fernandinho. Pode entrar Renan, respondo puts cara to com mo vontade de mijar. Fernando diz entra ae, to tomando banho, mas já vou sair meus pais saíram foram a feira, pedi pra trazerem pastel pra nós dois, imaginei que iria querer também. Fui entrando no banheiro, e ele estava de costas só com a bunda a mostra, nunca tinha reparado quando ele ficava de cueca, mas quando o olhei pelado de costas reparei e pensei caramba puxou o irmão e é até melhor essa bundinha, mas foi um pensamento vago só de admiração sem intenções e logo fui entrando e dei aquela mijada gostosa, concentrado na mijada naquele alivio. Fernandinho puxa assunto, perguntando se tinha dormido bem, achei estranho porque ele nunca perguntava isso e não era de puxar assunto de manhã imaginei que estivesse de bom humor, respondi dizendo que sim havia dormindo bem, mas tinha acordado com o pau todo babado e achei estranho, pois difícil acontecer isso, mas falei que eu deveria estar com muito tesão, Fernando deu risada e falou toma um banho então e eu arranjo uma cueca pra você, logo respondi deu pra perceber que estou sem né e rimos. Fui escovar os dentes e ele saiu do banho dizendo, pode ir tomando banho, vou ao quarto se trocar e já trago a toalha, cueca e um short do meu irmão. E a partir desse dia comecei a notar um tratamento diferente de Fernando em relação a mim, sempre tentava me agradar e fazer as coisas pra mim cheguei até comentar ao meu ex, e ele dizia que o Fernandinho estava normal e eu que estava enxergando de uma forma diferente, pois ele sempre foi assim comigo, sou meio desligado a algumas coisas então pensei é deve ser isso mesmo. Certa noite Fernandinho chega da balada na madrugada, esse dia estava muito abafado. Aqui em santos quando faz calor é muito ruim porque não há quem aguente fica um mormaço, uma quentura que ninguém aguenta até mesmo com ventilador. Então eu estava de short branco e sem cueca sem camisa e sem lençol como de costume já naquele tempo. Eu estava meio sem sono, mas tentando dormir, com os braços pra cima cruzado e a cabeça em cima dos braços e de barriga pra cima. Escutei a porta da casa abrindo e depois Fernandinho entrando no quarto bem na miúda. Ouvi o barulho tirando a roupa provavelmente ficando de cueca como de costume não queria falar com ele se não perderia o sono de ve, então finge que estava dormindo. Ao ir pra cama dele, ele sempre pisava no meu colchão nos pés pra subir na cama dele, então senti indo se deitar. Deram uns 5 minutos e eu não conseguia dormir estava cheio de problema na cabeça pensei que Fernandinho já estava dormindo, quando sinto alguma coisa encostar-se ao meu pau bem de leve, achei estranho e me assustei e me mexi pensando ser algum inseto. Voltei a tentar dormir quando senti novamente só que agora dava pra sentir que era um dedo fiquei quieto na minha e fiquei pensando será que é o que estou pensando, e então quando sinto a mão toda de Fernandinho dando uma pegada de leve no meu pau, aquilo me subiu um calor mais forte, meu pau começo a ficar duro e sair pra fora do short deixando metade dele pra fora do short. Sabia que não era meu ex porque ele estava roncando. Meu pau duro feito pedra meu coração acelerado pensando que porra é essa, quando Fernandinho puxa meu short pra baixo deixando meu saco pra fora e começou a fazer um carinho com os dedos e eu estava amando aquele prazer. Escutei que ele começo a se movimentar na cama quando o celular dele caiu no chão e fez barulho ele logo recuou e eu me assustei e me virei pensando que era alguém. Passou se um tempo ele não fez, mas nada meu pau voltou ao normal e finalmente peguei no sono. Depois não vi mais nada porque tenho sono pesado, então se ele fez algo não senti. Acordei no outro dia e notei que meu pau estava meio babado e o short meio gosmento como se eu tivesse dado leitada dormindo, depois mil coisas passo na minha cabeça aquele dia. Os dias se passaram percebia que Fernandinho estava me tratando muito bem até mesmo o jeito marrento dele tinha sumido comigo me chamava pra ver serie com ele, meu ex não ligava passava mais tempo no celular conversando do que falando comigo. Comecei a criar uma amizade forte com o Fernandinho, e sobre o dia que ele pegou no meu pau já era meio que esquecido pois não tinha acontecido mas nada depois, pensei que fosse só uma curiosidade dele ou slá. Certo dia chamei Fernandinho pra conversar e perguntar a opinião dele sobre meu relacionamento com o irmão dele, falei que estava pensando em terminar pois só brigávamos e eu estava desconfiado de umas coisas, ele disse que não iria se meter nisso, mas pediu pra eu não terminar porque se não eu não frequentaria mais a casa deles e seria chato pois ele gostava da minha companhia, fiquei feliz em escutar isso, papo vai papo vem resolvi dar mais uma chance e aguentar mais um pouco. Nesse mesmo dia a noite meu ex falou que iria sair com o pessoal do trabalho, mas que eu podia dormir na casa dele porque já era costume todo final de semana eu dormir lá. E como era uma confraternização do trabalho dele não podia levar acompanhante. Chegou de noite ele saiu e fiquei lá conversando com a mãe dele e logo depois Fernandinho chegou e me chamou pra jogar os jogos novos que ele trouxe, falou vamos fechar essa porra hoje (não lembro que jogo era) então ficamos lá jogando deu 2 horas da manhã meu ex não chegava e continuávamos jogando, achei estranha a demora do meu ex liguei chamei no whats e ele não respondia e nem atendia. Já nervoso chamei uma amiga dele no whats perguntando se estavam no barzinho ainda. Ela disse que já estava em casa, mas achava que ele tinha ficado lá com os meninos achei mais estranho ainda porque ele sempre ficava com as amigas e não amigos. Reclamei com Fernandinho que o irmão dele era foda e fui me deitar falei que não queria mais jogar ele entendeu e colocou a serie vikings e fomos deitar. Eu estava com uma bermuda jeans estava sem meus shorts pra dormir, Fernandinho viu que eu ia dormir de jeans, falou dorme de cueca é ruim dormir com jeans, peguei tirei a bermuda e fiquei de cueca e coloquei um lençol por cima pra cobrir. Passo um tempo falei que iria dormir já que seu irmão não chegava e Fernandinho disse que estava sem sono não estava conseguindo dormir, eu na brincadeira na maior inocência kkk falei vem aqui eu te faço dormir rapidinho e dei risada, ele deu risada e disse esta bem quero ver se você consegue. Logo me assustei e pensei puta que pariu. Quando Fernandinho se levantou e veio deitar no colchão comigo mil coisas passo na minha cabeça. Continua.....

O MARIDO BÊBADO DA MINHA AMIGA

Há alguns anos tinha nascido a bebezinha da minha amiga e já estava com 1 ano de nascida, mas ainda era muito dependente. Estava rolando uma festa na cidade e minha amiga queria ir com o marido dela e como nos conhecemos de longa data, ela me chamou pra olhar a filhinha dela que ficaria dormindo até ela voltar da festa. Eu disse que sim. O esposo dela era um homem muito bonito, pernas grossas porque jogava futebol. Mas confesso que nada me passou pela cabeça. Ele já estava alto da bebida que havia tomado mais cedo e foi tomar banho, minha amiga ainda esva ajeitando a filhinha pra colocar pra dormir quando ele grita pedindo a toalha que tinha esquecido. Até aí eu não tinha pensado em nada. Foi quando ela me pediu pra levar a toalha pra ele, atendi de pronto e levei, chegando lá, bati na porta, ele pegou a toalha, pendurou e voltou pro banho. Percebi que ele tinha esquecido a porta aberta e fiquei muito curioso. Minha amiga precisou ir na casa da mãe dela ajeitar os cabelos. Olha só, parece que estava tudo conspirando pra que isso acontecesse. A filhinha dela já estava dormindo e assim que ela saiu, olhei pra ver se já tinha chegado lá pq da janela da casa dela dava pra ver a outra casa. Assim que vi o sinal verde a adrenalina subiu e voltei lá no banheiro, ele estava parado por trás da cortina eu cheguei, falei com ele e perguntei se precisava de ajuda e já fui pegando o sabonete e passando nele que não falou nada, só curtiu o momento. Aproveitei pra ensaboar seu peito e ir descendo até o pau, depois corri lá fora pra ver se ela estava voltando, vi que não e voltei, liguei o chuveiro pra tirar o sabão e aproveitar pra passar a mão novamente por aquele corpo que era grande e peludo. Depois de atiçar, fingi que estava ajeitando o papel higiênico meio abaixado e com a bunda arrebitada. Pra minha surpresa, ele chegou por trás esfregando o pau na minha bunda, foi quando vi que ele estava excitado. Deixei ele ali com vontade e fui pra sala. A todo momento ficava na ansiedade da minha amiga voltar e nos pegar ali. Mas ela não voltava. Ele saiu do banheiro enrolado na toalha marcada pelo pau que ainda estava duro e foi se trocar. Me sentei no sofá da sala próximo ao braço e ele veio. Estava com uma camisa e uma bermuda jeans, abriu o ziper, desabotoou e colocou o pau duraço pra que eu chupasse enquanto ficava olhando pela janela pra ver se a esposa voltava. Aproveitei a oportunidade pra chupar com vontade aquele pau lindo e suculento. Comecei lambendo a cabeça, depois fui colocando aos poucos na minha boca cada centímetro que entrava me deixava mais doido de tesão até que consegui engolir tudo e ouvir aquele macho gemendo. Estava uma delícia quando ele dá sinal de que a esposa estava voltando. Ele foi pro quarto e eu fiquei pensando... Bem, amanhã ele não vai lembrar de nada mesmo. Mas aquela noite não sairia da minha cabeça. Depois descobri que não saiu da dele também. Ele não gozou naquela noite, mas a vontade ficou gritando dentro dele. Então aproveitamos outras situações onde por alguns tempos aconteceram muitas coisas gostosas e perigosas que contarei em outro momento. Espero que tenham gostado. Pois o conto é verdadeiro. Um abraço e até a próxima.