sexta-feira, 14 de agosto de 2015

VIREI A PUTINHA DO VESTIARIO DA ACADEMIA

Ola, sou o Renato e tenho vinte anos. Sou de Recife. Tenho 1,quilos. Tenho cara de mais novo, uma bundinha morena lisinha e empinada. Sou safado e viciado em um pau duro. Hoje vou contar como acabei sendo enrabado dentro do vestiário masculino. Costumo ir a academia para discretamente malhar meu bumbum e deixar ele ainda mais gostoso para os safados que gostam de comer uma bundinha. Mas como não quero chamar atenção das pessoas do lugar onde moro para esse meu segredo, acabo indo a academia no fim da noite e espero que ela fique praticamente vazia para fazer algumas localizadas para o meu bumbum. Quando a academia já está perto de fechar e até o professor vai embora, malho meus gluteos até cansar rs. Faço isso desde o ano passado e quem já me comeu pode atestar a gostosura da minha bundinha dura e empinada rs. Mas na semana passada aconteceram coisas diferentes. Há mais ou menos uns 2 meses, um garoto branco e alto, aparentava ter uns 17 anos, havia entrado para a academia. No começo, ele ficava até tarde também, mas ia embora mais cedo e eu podia malhar escondido o bumbum. Então aos poucos ele começou a ficar cada vez mais tarde, me deixando sem opção a não ser ir usar os aparelhos mais distantes, nos fundos da academia e perto dos vestiários. Mas em um fim de noite, enquanto eu estava distraido e empolgado com minhas séries, ele chegou e falou comigo: - Nossa! Você sim gosta de malhar viu? - Falou rindo. Olhei para ele pelo espelho que estava na minha frente e o refletia olhando para mim fazendo agachamentos como faço quando estou em cima de uma pica. - Gosto muito! - Respondi sem parar a série. Então ele foi para uma esteira, um dos outros aparelhos que estavam atrás de mim. Continou me olhando pelo espelho e se apresentou: - Meu nome é Maik! Qual o seu? - Renato. - Prazer conhece-lo Renato! Ficamos só nós dois aqui até tarde e nunca nos apresentamos. rs. - Verdade. rs. Quando terminei o exercicio, ele perguntou: - Que musculo você quer malhar fazendo esse exercicio? Fiquei envergonhado de dizer que malhava meu bumbum para deixa-lo mais atraente, então gaguejei e disse: - Er... Minhas coxas. - Ha ta. Nesse momento fui para o vestiário pensando porque não falei a verdade. Porque não deixei a vergonha de lado... A essa hora da noite no vestiário nunca tem ninguém e eu sempre fui o último, então acostumei a tirar toda a roupa e me lavar com toda intimidade do mundo. Por costume, comecei a tirar a roupa no meio do vestiário mesmo e nem imaginei que o Maik poderia vir. Quando estava prestes a tirar a minha roupa de baixo, o Maik entrou já sem camisa e suado. - Quase nunca uso o vestiário antes de sair. Melhor tomar uma ducha e chegar em casa fresquinho! - Falou enquanto passava rápido por mim e foi a área aberta que estava a minha frente onde ficam os chuveiros. Então tirou logo o calção a cueca e ficou totalmente pelado bem de frente para mim. Ligou o chuveiro e se virou para minha direção. A primeira coisa para qual olhei foi sua pica. Seu corpo era todo liso e o pau, mesmo mole, era longo e fino. Antes de qualquer parte do corpo, ele começou a passar a água na rola. Vi ele colocando a cabecinha vermelha para fora e tudo. - Hey, Renato! Ouvi ele me chamando e rapidamente tirei o olhar da sua pica. Comecei a ficar vermelho porque quando olhei para o seu rosto, ele olhava para o meu e com certeza tinha percebido que eu encarava seu pau. - Não vai vir tomar uma ducha também? - Me perguntou enquanto eu tentava me recuperar da vergonha. - Não, é que tenho que ir e... - Não tenha vergonha! - Então abriu um chuveiro que estava ao seu lado. - Vem logo! Senti que meu pau não estava tão duro por baixo da cueca. Achei que poderia disfarçar que eu tinha um tesão grande em pica. Então virei de costas e tirei minha roupa de baixo, para poder esconder por mais alguns segundos o meu pau meio duro. - Nossa! Seus exercicios para coxas estão indo bem, hein? Mas tem um porém... - Qual? - Falei ainda de costas enquanto guardava a cueca dentro da bolsa e tentava não me excitar ainda mais por estar exibindo minha bunda para um quase desconhecido que estava sem roupa atrás de mim. - Você está com uma bunda super feminina! Me excitei ainda mais ao ouvir isso, então me mantive de costas mexendo na bolsa para me esconder mais. - Sério? - Perguntei excitado mas tentando parecer surpreso. - Sério! Muita mulher não tem uma bunda feito a sua! Era impossível que meu pau não endurecesse ainda mais com aqueles elogios a minha bundinha. - Olha, desculpa dizer isso, mas ver você assim de costas me deixou excitado! Senti um frio na barriga. Então olhei para trás por cima do ombro e vi que o Maik se masturbava de leve seu pau durissimo. Era branco e tinha uma cabeçona vermelha. Não parecia ser tão grande, só um pouco maior do que era mole. Acho que uns 15 cm. Mas tinha engrossado bastante agora que estava duro. - E agora? Como vou para casa desse jeito? - Não sei. - Falei e dei uma risadinha enquanto me curvei um pouco para frente para empinar ainda mais a bunda. - Você vai ter que dar um jeito, Renato! Olhei para trás novamente por cima do ombro e fui em um dos banheiros reservados. - Já volto. - Falei enquanto entrava. Então usei o chuveiro de dentro para me lavar e deixar o Maik foder meu corpo limpinho. Quando voltei, virei novamente as costas e mexi mais na bolsa. Me curvando cada vez mais. - Já decidiu o que vai fazer para amolecer minha pica? - Sabe que ainda não sei...? - Falei olhando para o Maik que já tinha desligado o chuveiro e me secava enquanto se masturbava. Então, me apoiei na pia que estava do meu lado e empinei a bunda o máximo que pude. Cuspi na minha mão e lubrifiquei meu cuzinho. - Que tal tentar usar meu bumbum? Escutei seus passos vindo em minha direção e depois de olhar novamente por cima dos meus ombros, o vi passando cuspe no seu pau. Chegou rápido atrás de mim e usando uma das mãos para apertar minha nadega, ele começou a tentar encaixar a pica dura no meu rabo. Meu cuzinho protestou um pouco quando comecei a sentir a cabeça entrando. o Maik foi enfiando devagar mais com força, então quando senti que a cabeça estava terminando de entrar, quase a metade do pau lubrificado do Maik escorregou para dentro da minha bunda. - Aiiiiiinnnn, como você fode forte, safado! Começou então a fazer um vai e vem devagar. Meu cuzinho ainda ardia um pouco e eu tentava relaxar. Então senti as mãos grandes do Maik segurando minha cintura e ele começou a enfiar e a tirar a pica com mais força. - Aiinnnn, fode forte, assim, gostosoooooooooooooooooooo! Não demorou para eu sentir as coxas dele batendo nas minhas nadegas. Eu delirava de tesão enquanto ele continuava me fodendo com bastante força. - Delicia, Delicia, fode vai, fodeee, Aiiiinnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn! Tá gostoosooo não paaaraaa, não para, não para, caralhoooooo!!! Foi tudo muito rápido. Enquanto me apoiava na pia, me masturbava e já começava a gozar. Foi quando senti o Maik foder com mais força e mais velocidade. Meu cuzinho doia e ele apertava minha cintura com toda força que tinha. Soltei meu pau antes que gozasse, mas era incontrolável não gozar ao sentir aquele cara me dominando completamente. Me segurando com toda força e não se importando se estava me fodendo forte demais. Ele só queria me usar e gozar dentro e eu me excitava muito mais ao pensar assim. - Vou gozar nesse cu gostosooooo!!! - Ele gritou em forma de gemido ofegante. Nesse momento, eu já começava a jorrar porra para todos os lados. - Gostooosooooooooooo! Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn!!! - Gritei forte sem me importar que estava em plena academia. Só vim perceber o liquido quente dentro do cuzinho quando ele diminiu o ritmo e quase me deixa cair quando soltou minha cintura. Minhas pernas fracas após aquela gozada forte. - Caralho! Que cu gostoso da PORRA! - O maik falou enquanto ia ao chuveiro limpar o pau. Fiz cara de safado e sorri, indo para o chuveiro ao lado dele. - Que gozada, hein safado? Está tudo escorrendo pelas minhas coxas! rs. Peguei um pouco da porra que escorria e experimentei. Sou viciado em porra e não iria deixar aquela se estragar, afinal, estava com sede! Nos lavamos e saimos juntos da academia. - Te encontro aqui segunda, putinho? - Claro, safado. Quero tomar sua porra direto da fonte! - Segunda vou te arrombar mais ainda! Olhei para os lados e vi a rua deserta. O puxei pelo calção para um canto escondido e escuro e disse: - Deixa eu dar um beijo de despedida! E me abaixei e puxei seu calção e cueca. O peguei de supresa e seu pau estava mole, mesmo assim, beijei e dei apenas uma chupadinha na cabeça do pau. - Agora pode ir, rs. Ele deu um tapinha na minha cara e fui para casa. Iria esperar ansioso pela segunda-feira. Depois conto como foi.

terça-feira, 11 de agosto de 2015