quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

MEU IRMAO RAPHAEL É MARAVILHOSO PART 2

No mesmo dia, lá pelas 10 da noite estávamos assistindo TV, um canal de esportes de ação, quando Raphael disse que ia pro quarto. Então disse a ele: - Já vai bater punheta não é moleque. E ele disse: - Tem um filme que ainda não vi, quer ver também? Fomos para o quarto dele e começamos a assistir o filme. Certa hora, já com muito tesão, nós dois, Raphael pediu que eu saísse do quarto, para que ele ficasse mais a vontade. Mas o filme era muita putaria e continuei lá assistindo. Para Raphael não ficar com vergonha de mim, comecei a esfregar a mão no meu pau e fui abrindo a bermuda até que fiquei pelado e ele não deixou por menos. Lá estávamos nós a vontade, nús, assistindo o filme. Ambos cheios de tesão e eu não conseguia parar de olhar pro Raphael. Já não sabia mais se era curiosidade de saber onde ia o jato dele ou se estava mesmo admirando meu irmão. Era a segunda opção, es estava sentindo um tesão enorme em ver meu irmão de pau duro e cheio de tesão. Que garoto delicioso, uma piroca de uns 18 centímetros e ainda com 14 anos. Corpo lindo, sem pelos, somente alguns ao redor do pau e bem clarinhos. Eu desfarçava bastante para que ele não notasse nada. Sempre pensando numa maneira de encostar naquela barra de ferro. Até que Raphael brincando comigo disse: - Thiago, olha como meu pau tá, quase explodindo. Então eu disse, mesmo sabendo que o pau dele era maior que o meu: - Pauzinho né Raphael, explodindo tá meu... Raphael começou a rir e disse que eu era cego de não ver que o pau dele era maior que o meu. Essa foi minha oportunidade. Fui na área de serviço, peguei uma fita métrica e medi meu pau, 17 cm. Raphael pediu a fita e mediu o dele, um pouquinho mais de 18 cm. Aquilo me deixou com mais tesão e não conseguia para de olhar mais pro pau dele. Eele então disse: - Chega mais perto, pode ver como é maior. E ele continuava batendo punheta. Fiquei sem ação e fui me aproximando, quando ele pediu que eu colocasse minha mão. Eu disse que não, mas ele falou que não tinha problema pois eramos irmãos e isso não me tornaria menos homem. Não resisti. Segurei no pau dele e não me contive. Comecei o movimento de vai e vem no pau do Raphael ao mesmo tempo que em mim também. O moleque gozou novamente, uma inundação de porra e agora eu sentia aquilo entre meus dedos, quando gozei também. Depois que gozei, fiquei preocupado com o que Raphael iria pensar, mas ele agiu com muita naturalidade e não se falou mais nisso. O que Raphael podia pensar de mim? Ficamos como se nada tivesse acontecido durante o resto da noite. Quando fui dormir, não parava de pensar no pau do meu irmão e queria ir em frente, chupá-lo e até mesmo já pensava em dar minha bunda prá ele. A primeira vez que eu pensava essas coisas... e tinha que ser justamente com meu irmão?? Tentei não pensar e finalemnte dormi. No dia seguinte acordei tarde pois Raphael acabara de entrar de férias e eu já pensava nele. Naquela pica linda e branquela, naqueles jatos de porra. Mas não queria deixar que ele percebesse nada. Daí levantei e agi normalmente, apenas fazendo um pouco mais de barulho para chamar a atençao de que eu já estava acordado. Prá minha surpresa, Raphael me gritou de seu quarto. - Thiago, quer vir aqui? To vendo outro filme que você ainda não viu. Não pensei duas vezes e corri prá lá. Meu irmão estava vestido colocando o filme e começamos a assistir. Eu já não olhava mais o filme, somente olhava pro Raphael. Ele me deixava louco e eu não sabia o que fazer e fui tirando minha rola da bermuda. Raphael, que acho que já percebia minhas olhadas, tirou somente sua camisa e passou a me observar, percebendo como eu olhava para os peitos dele. Depois de muito tempo, tirou a bermuda e me olhou, já dizendo: - Chega mais perto irmão, igual você fez ontem. Comecei a olhar de perto e Raphael colocou minha mão no pau dele. Eu tremia de tesão até que Raphael disse: - Quer dar um beijo irmão? Eu nem respondi, me aproximei mais para beijar aquela estaca e Raphael logo empurrou minha cabeça. Comecei a chupar aquele moleque que fodia minha boca como um leão, num movimento de vai e vem louco, chegando algumas vezes a me engasgar. Rapahel inundou minha boca de porra e eu muito sem graça não sabia o que dizer. O pestinha então disse: - Fica calmo irmão, sou seu irmão e não vamos nunca falar nada prá ninguém. Me deu um abraço forte e meu pau muito duro estava encostado nele que não se incomodou. Comecei a beijar Raphael e ele mexia no bico dos meus peito, o que me deixava mais alucinado de prazer. Raphael já estava de pau duro novamente e eu nem tinha ainda gozado. Ficamos ali na maior putaria, mas sempre com o Raphael fazendo papel de ativo e eu de passivo. Rapahel começou a esfregar a mão na minha bunda e dedilhar meu anus. Cada vez eu ficava mais fraco até que Raphael levantou e saiu do quarto Foi no banheiro de nossa mãe um tubo de KY. Ele ainda me perguntou, até com certa inocência? - Irmão, por favor, deixa eu botar na tua bundinha? Fingi uma certa resistência mas logo disse a ele que faria isso por ele. O moleque não pensou duas vezes. Foi logo passando o creme no meu cú e na piroca dele, como se tivesse muita experiência. Mas também, com a quantidade de filmes que ele assistia, tinha mesmo muita experiência. Raphael me colocou de lado na cama e foi metendo por trás, só pedi a ele que me abraçasse quando tivesse com a piroca dentro. Doeu muito no começo mas logo foi ficando gostoso e Raphael perguntou se eu estava gostando. Não foi possível mentir de tão bom que era. Raphael me abraçou por trás e começou e me estocar, como um homem experiente. Que delícia era aquele moleque. Eu ainda me contorcia de dor e tesão misturados, mas o tesão era tanto, que mesmo eu estando tenso, dei finalmente a gozada que eu tanto sonhava. Minha porra resvalou meu rosto e acertei meu próprio olho. Nunca eu tinha gozado tanto na minha vida, o que me levou a acreditar que eu gostava mais de menino que menina. Logo depois da minha gozada, senti o pau de Raphael inchando cada vez mais dentro de mim e ele urrava de tesão. Vieram os jatos de porra dentro de mim, aquilo me extasiava e era muito quente. Vários jatos daquela porra grossa e desta vez no interior do meu corpo, aquilo me deixava louco. O pau de Raphael nem amoleceu e lá estava meu irmãozinho me fodendo novamente e dizendo que me amava e que estava louco por mim. Que meu cú era maravilhoso e que queria me foder prá sempre. Eu estava tão extasiado que mal conseguia falar, mas pedi a Raphael que deixasse eu sentar no pau dele, para que eu pudesse vê-lo me fodendo. Outra coisa que pedi a Raphael foi que ele deixasse eu gozar sobre o corpo dele. Ele disse: - Pode irmão, pode gozar o quanto quiser sobre meu corpo, enquanto eu puder fuder seu cú você pode gozar a vontade. Não deixei por menos, Raphael deitado e eu sentado naquela pica, olhando prá ele e com a minha piroca também muito dura e apontada prá ele. Gozei como nunca antes tinha gozado. Inundei os peitos de Raphael e poderia até ter gozado no rosto dele, mas ele colocou a mão. Meu irmão me mostrou do que eu gostava e o que me faltava prá gozar tão distante quanto ele. Não paramos mais, até o fim de semana fudemos sem parar em todos os cômodos da casa. Até que minha mãe e meu padastro voltaram de viagem. Mas mesmo assim, até o final de Dezembro não paramos mais de foder. Sempre que temos uma oportunidade dou o cuzinho pro meu irmão. Quando não pinta oprtunidade, Raphael sempre dá um jeito de ir no meu quarto e me enraba na calada da noite. Que moleque maravilhoso de gostoso. Isso foi bom até prá minha namorada, que agora é fodida por mim com mais vontade, pois penso em meu irmão me fodendo e meto a pica nela com vontade. Já Raphael sempre me jura fidelidade... se quiserem continuo.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

MINHA FESTA DE ANIVERSARIO

Quando fiz 13 anos ganhei uma festa que se tornaria inesquecível pra mim... Durante o dia fomos nós mesmos os organizadores... Colocamos a decoração,arrumamos as mesas e tudo mais... Era muito trabalho... Mas ganhamos ajuda extra... Um menino de dezesseis que tinha o apelido de Negão,apesar de ser bem branquinho,se ofereceu pra ajudar e minha Mãe aceitou imediatamente...ela já o conhecia há muito tempo... Ele era magrinho... Mas trazia na short que usava um volume que me chamou atenção...e ele percebeu que eu olhava... O dia foi passando e a festa começava ganhar a cara que minha mãe queria... A tarde quando só faltava colocar o bolo na mesa minha mãe perguntou ao Negão se ele queria tomar um banho e ele disse que sim... Minha mãe mandou que eu levasse uma toalha pra ele e o mostrasse onde era o banheiro e que era pra eu aproveitar e tomar banho também... Fiquei parado sem entender e levei ua bronca do tipo: vai logo menino!! Cheguei no banheiro e já encontrei o Negão pelado... Pendurei a toalha e fiquei parado olhando o corpo magrinho dele que carregava um pau que parecia estar meio duro e meio mole... Ele me olhou e perguntou se eu ia ficar ali parado... Mandou que eu trancasse a porta e tirasse a roupa também...obedeci e conforme ia tirando minha roupa ele ia se aproximando e me ajudando... Foi ele que tirou meu short revelando minha ereção... Vendo isso... Ele começou a me chupar... Fiquei encabulado e me encostei na parede gelada tentando fugir dele... Assustado ele parou e me pediu desculpas,só que ele esava com o pau duraço... Foi minha vez de atatcar... Não sabia o que estava fazendo,mas cai de boca naquele pau enorme... Ele foi me levando pra dentro do box onde a agua do chuveiro já fazia subir o vapor da agua quente ... Um gosto de pau com agua...quem já chupou um pau molhado sabe do que estou falando... De repente ele me levantou me deu um beijo na boca que me deixou bambo... Ele me abraçava forte e deixava suas mãos percorrerem livres pelo meu corpo arrepiado...do meu pescoço até minha bunda,do meu peito até meu saco... Ele foi me virando até que ficou com a boca na minha nuca... Pegou um creme pra cabelo encheu a mão me empurrou um pouco pra frente e encheu minha bunda com ele... Me inclinou pra frente de forma que meu cuzinho ficasse exposto... Enfiou um dedo e começou a fazer uns movimentos circulares,vai e vem e logo já eram dois dedos... Quando pensei que tinha acabado ele tirou os dedos e substituiu pelo seu enorme pau... Foi colocando sua cabeça na minha entradinha e foi empurrando... Comecei a sentir um pouco de dor e cooquei minha mão na coxa dele dando o sinal de que estava doendo... E ao inves de parar foi aí que ele empurrou tudo... Senti uma fisgada como se ele tivesse me cortado ao meio... Aí sim ele segurou minha cintura e se manteve parado... Senti os pelo dele encostarem na minha bunda...esqueci a dor... Então ele começou a se movimentar lentamente...sentia o comprimento do seu penis ir e voltar... A medida que se movimentava ele acelerava mais e mais... Meu pau duro e enchardo pedia pra ser masturbado...atendi seu pedido... Enquanto me punhetava me cu piscava na vara do Negão..isso fazia o tesão dos dois aumentar... Senti meu pau esquentar... Meu cuzinho foi trancando no pau do negão que também tinha aumentado a velocidade... Eu estava gozando com um pau enfiado na minha bunda e que agora também me enchia porra por dentro... Ele socava firme até que saísse sua ultima gota... Ele me levantou encostando seu peito em minhas costas e me deu um beijo enquanto meu cu expulsava naturalmente se pau ... Acabamos o banho eu fui pro meu quarto me vestir pra festa e o Negão pra casa dele... Quando cheguei no meu quarto só de toalha tive a curiosidade de olhar o meu cuzinho...abri bem as pernas perto de um espelho que tinha ao lado da minha cama e fiquei passando o dedo em volta... Foi quando ouvi alguém dizer: hum que delicia... Olhei pra ver quem era e não me assustei... Era meu primo Daniel que tinha a mesma idade que eu... Corri pra porta e a tranquei e ele correu pra minha cama... Voei em cima dele deixando ele grudado na cama fiquei por cima dele segurando suas duas mãos... Ele estava com um short tão fininho que eu conseguia sentir o volume dele embaixo de mim...comecei a me apertar contra o pau dele fingindo uma luta... E ele entendeu ... Entrou na sacanagem... Começou a fingir que queria sair me empurrando pra cima... Senti que seu pau estava duro meti a mão por baixo e o segurei , fui saindo de cima dele e tirando aquele pau durissimo pra fora... Assim que o avistei já fui abocanhando... O deixei bem babado pois o queria dentro de mim... e o Daniel entendeu... Quando tirei a boca e o olhei ...imediatamente me virou e me pos de quatro e sem pena cravou seu pau no meu cu... Comecei a tocar uma sem piedade...Meu primo fazia com que aquilo fosse maravilhoso...não tinha dor era só prazer... Meu cu começou a piscar e se trancou quando eu gozei o que fez o Dani gozar muito dentro de mim... Ficamos um pouco mais ali e quando achei que tinha terminado... O Daniel me deu um beijo longo e molhado e me disse: FELIZ ANIVERSÁRIO

domingo, 27 de janeiro de 2013

NA CABINE DO BANHEIRO

INTREGUED 1

UMA TRANSADINHA NO ESCRITORIO

PEGANDO O PRIMO DE JEITO

VOCE MERECE UM CORRETIVO,ISSO SIM PART 04

Eufórico! Essa é a palavra que descreve o meu estado naquele momento. Eu tinha transado com o meu pai! Mal podia esperar pra contar pro Seu Pedro! Estava tão longe, deslumbrado com o que tinha acabado de acontecer, que nem vi meu pai do meu lado, pronto pra sair: – Tá pensando em que, seu porra? Ele fala, tocando no meu obro – Já sei, o cuzinho tá arrombadinho, é? – Acho que sim pai! [risos] – Você me arrombou mesmo. Mal consigo me mexer pra levantar daqui! [risos] – Anda! Sobe e vai tomar um banho! – Ele debocha – Você tá pior que puta de rua, depois que acaba de foder com um cara qualquer! [risos] – Pai! – Putinha de rua! Ha! Há! Há! – Vai caralho! Não faz essa cara não. Eu sei que você gosta disso! Há! Há! Há! – Vindo do senhor, eu gosto mesmo! – Ah! Seu sem vergonha! – Ele fala, indo em direção à porta – E vê se limpa essa sujeira toda! Se eu voltar e encontrar essa bagunça, te corto na cinta! – Cinta? Ah, não! Mas se forem umas palmadinhas eu posso até pensar em deixar tudo assim mesmo! – Safado! […] À noite eu estava no meu quarto, terminando um trabalho da escola. Ouvi o barulho do carro do meu pai e fui até a janela. Ele estava sozinho. “Hum! Não trouxe nenhuma vagabunda! Oba!” Sem que ele me visse, saí da janela e corri lá pra baixo. Tava doido de vontade de repetir a dose com ele. Cheguei na sala e me sentei no sofá, ligando a TV. – Tá acordado ainda, Rodrigo? – Tava sem sono, pai. – Sem sono? Sei! Há! Há! Há! – É pai, sem sono. – Olhei pra ele e perguntei: – E o senhor, já vai dormir? Ele se aproximou de mim, e antes que eu pudesse falar qualquer coisa, me agarrou pelo cabelo num gesto brusco, que me fez soltar um grito. Ele segurou a minha cabeça, me fazendo olhar diretamente nos olhos dele. – Desde quando, Rodrigo? – ele fala cheio de raiva. Eu fiquei com medo. Ele estava nervoso pra valer. – O que pai? Pára! Você tá me machucando! – Desde quando você anda aprontando com o Pedro? Fala, porra! – Ele me dá um tapa na cara. Eu começo a chorar... – Pai! Pára com isso! Ele me joga no sofá e começa a tirar o cinto da calça. E só naquele momento eu pude compreender que ele havia descoberto tudo. – De onde o senhor tirou essa ideia, pai? Mas ele nem se deu ao trabalho de responder. Me mandou tirar o shorts, tapando a minha boca com ele: – Se tirar o shorts da boca, apanha dobrado, seu porra! Eu não ousaria fazer isso. Ele falava sério, e eu não tinha dúvidas de que ele realmente cumpriria o que estava dizendo. Me virou bruscamente, fazendo com que eu ficasse deitado de bruços no sofá. Em seguida, ele segurou as minhas mãos e pisou forte nas minhas pernas. O contato do couro do sapato com a minha pele provocou uma forte ardência, mas ele nem se importou. – Aaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...! – Meu grito foi abafado pelo shorts. – Aaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiii...! Primeiro ele mandou ver com a cinta, alternando entre minhas nádegas e as coxas. E batia pra valer, mesmo! Não era como das outras vezes, em que ele fazia tudo se divertindo com a situação. Ele estava realmente sério, e bravo, muito bravo comigo. Tentei olhar pra ele, mas a única coisa que pude ver, foi a sua rola dura por dentro das calças. Ele larga a cinta e me enche a bunda de tapas fortes e certeiros. – Filho de uma puta! Slap!... Slap!... Slap!...Slap!... Slap!... Slap!... – E o Aírton me disse que a até mijada do Pedro você leva, seu veado do caralho! Ele solta as minhas mãos, mas continua me batendo. Porém, foi diminuindo a intensidade dos tapas. Eu fui me acalmando, não sei como, e ele também. Meu instinto fala mais alto e, mesmo com o rosto todo molhado levo minhas mãos na pica dele. – Isso, filho da puta! É isso que você quer, não é? Ele me faz deitar de barriga pra cima no sofá segurando minhas pernas, e as levanta dobrando pra trás. A minha bunda vermelha fica toda exposta e ainda com o shorts tapando minha boca, eu solto um gemidinho: – Huuuummmmm...! Ele percebe e abre as bandas da minha bunda, acertando uma cusparada forte no meu rabo: – Safado, filho da puta! E eu que pensei que você era só meu, seu porra! – Ele dá uma chupada fenomenal no meu cu. – E pensar que eu quis te dar um castigo te obrigando a trabalhar lá na obra, com o Pedro! Ele tira o shorts da minha boca. – Mas eu sou, pai! Só seu! Huuummmmm...! Isso, pai! Mete a língua aí, mete! Huuummmm...! – Você é um putinho safado, isso sim! Onde já se viu, ficar lá servindo de passatempo pro pedreiro. Até mijada você leva, seu puto! Você gosta? Eu olhei pra ele e pensei em responder que sim. Ele pergunta de novo: – Você gosta? Não vai me dizer que você bebe? Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! – ele falava e lambia meu cuzinho com maestria, me fazendo gemer alto e forte. – Ahhhhhhhhhhhhhh...! Não, pai! Isso não! Ele tira o pau pra mijar, na minha frente, e mija nas minhas pernas e na minha barriga. Ahhhhhhhhhhhhh...! Isssssss...! Paizinho, que coisa deliciosa! Isso parece que deixou ele mais safado, pois passou a meter a boca na minha bunda como se quisesse arrancar um pedaço dela. – Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! Tá gostoso? Hummmm...! Hummmm...! Gosta da língua do pai no cuzinho? Isssssssssssss...! Hummmm...! Hummmm...! – Gosto! Ahhhhhhhhhhhh...! Que delícia! Ahhhhhhhhhhhhh...! – Sabe qual vai ser o seu castigo hoje? Sabe? Eu fiquei sem entender nada. A surra que eu tinha levado, pelo menos eu pensava assim, já não tinha sido castigo suficiente? Ele me solta e me faz sentar no sofá. – Vai ficar sem gozar, seu porra! [risos] – Não vai bater punheta e, mesmo assim, se gozar, fica uma semana sem o papai aqui. [risos] E não vai mais trabalhar na obra! – ele fala sarcasticamente. – Mas pai! Eu já não to aguentando! – Aguenta! Ô se aguenta! Aproveitei e quis saber como ele tinha descoberto o meu lance com o Seu Pedro. – Eu “molho a mão” do Aírton pra ele dar uma olhadela de vez em quando na obra. Mais no geral é a noite, quando eu sei que o Pedro não vai estar lá. Só que, como a sogra dele mora pra aquelas bandas, ele acabou suspeitando quando não via um de vocês lá e foi dar uma espiada. O resto, você já sabe, não é mesmo, seu veado do caralho? – E aí ele correu contar pro senhor, não foi pai? – O Aírton é meu amigo, Rodrigo. Ele sabe que eu tenho a mente aberta pra certo tipo de coisa, e por duas vezes ele já tinha me chamado pra conversar e quando eu ia, ficava sem jeito e acabava mudando de assunto. – E então? – Dessa vez, eu fui procurar ele e acabei encurralando ele. E ele soltou tudo. – E você ficou puto comigo, não foi pai? – Só não quero que você fique falado, Rodrigo. Isso eu não ia aguentar mesmo. Então, toma cuidado daqui pra frente. O Aírton é meu amigo e eu tenho certeza que ele não vai sair por aí falando isso pra ninguém, mas... – Mas o que, pai? – Você vai ter que “molhar a mão dele também”, se é que você me entende, filho. Ele falou isso com um risinho safado no rosto. É claro que eu entendi o que ele quis dizer com “molhar a mão do sargento”, mas me fiz de inocente: – Como assim, pai? Vou ter que pagar pro sargento ficar de bico calado? – [risos] De certa forma, Rodrigo, vai sim! Isso faz parte do meu “trato” com ele. Ele me levantou com uma certa brutalidade e ordenou de forma autoritária: – Agora, pisca o cuzinho pra eu ver! Assim! Pisca! Isssssssssssssssss...! Que safado! Pisca mais, tesudo! Issssssssssssss...! Assim, safado! Agora sente a língua entrando! Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! Isssssssssssssssss...! Gosta? – Ohwwwwwwwwwwwwww...! Ahrrrrrrrrrrrr...! Mais, pai! Ahrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr...! Muito gostoso! – Vou meter a língua o máximo que eu puder! Hummmm...! Hummmmmmmmmmmmmmm...! Ohhhhhhhh!... O cuzinho gostou tanto que mordeu minha língua! Safado! – Pai, o que você tá fazando é pior que uma surra de cinta de me deixar sem fôlego! Deixa eu gozar, por favor!? Deixaaaaaaaaaaaa! – É você quem sabe, Rodrigo! Se quer gozar, vá em frente! Mas depois não diga que eu não avisei. Ele larga as minhas pernas e se afasta, indo em direção a escada. – Pai! Onde o senhor vai? – Se não for do jeito que eu quero, você já sabe! – Pai! – Eu quase caí de joelho, suplicando. – Vá em frente, Rodrigo! – Ele começou a subir a escada. Eu vi que ele não estava brincando. – Tá bom, pai! Eu faço como o senhor quiser! – Há! Há! E tem que fazer mesmo! – ele fala, voltando pra sala – Tá pensando o que, seu veado? Ele abre o zíper da calça e põe a jeba dura feito pedra na minha cara. – Agora, chupa aqui, anda! E agradeça por eu deixar você beber a minha porra! – Huuummmmm...! Valeu, pai! Obrigado! Agora, mete a pica na minha boca, vai! Quero sentir sua rola! Mete? – Assim? Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! É? Assim é bom? Ou é melhor se eu fizer assim? Ele segurou a minha cabeça, e começou a foder a minha boca como se fosse uma bocetinha virgem. – Hummmmmmm...! Ohwwwwwwww...! Ohwwwwwwwww...! Hummmm...! Hummmm...! Que boquinha safada! – Ahrrrrrrrrrrrrrrrr...! Ahrrrrrrrrrrrrrrrrr...! Ai, que delícia! Que loucura! Isso, fode pai! Ahrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr...! – E as bolas? – Hummmm...! Hummmm...! Que sacão pai! Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! Isssss...! – Ahrrrrrrrrrrrrrr…! Que delícia, Rodrigo! Ahrrrrrrrrrrrrrrrrrrr…! Meu pai ia à loucura. Deixei tudo bem babado... Voltei para a rola... – Hummmm...! Hummmm...! Hummmm...! Cacete gostoso pai! Hummmm...! Hummmm...! Delícia! Issssssssssssssss...! – Isso, seu porra! Chupa! To quase gozando, filho da puta! – Goza, pai! Você pode, vai! Enche a minha boca com essa porra gostosa! – Ahrrrrrrrrrrrrrr...! Isso! Ahrrrrrrrrrrrrrr...! Eu posso e você não! – Vai pai! – Tô gozando! Ahrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr...! Ahrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr...! Abre a boquinha! Isso! Isssssssssssssssssssssssssss...! Ohwwwwwwwwwwwwww...! Ahh! – Delícia, pai! Aaaaiiiiii! Eu to quase explodindo! Aaaaaiiiiiiii! – Nada disso, Rodrigo! Aguenta aí! Eu não quero ter que me privar dessa sua boquinha deliciosa e desse cuzinho gostoso! – Ele falou enquanto ia pegando a porra que escorria pelo meu peito e barriga com o dedo e levando a minha boca. – Ai, pai! Mas não é fácil! E você ainda vem com esse dedo gostoso! – A escolha é sua, filhão. Toma mais um pouquinho aqui, toma! Isso! Assim! – Eu te adoro, pai! [risos] – Anda! Levanta daí e limpa essa sujeira. E não se esqueça, hein! Se gozar... – Tá bom, pai! Mas também colabora, né! Pára de me provocar! – [risos] E eu lá te provoco, seu porra? De que jeito? – [risos] Ah, pai! Esse teu jeitão de safado aí já é o bastante! [risos] Ele vem até mim e: – Pfft! Pfft! Safado? Safado é você! – Dá um tapa na minha cara – E aí! Topa dar uma força pro Sargento, hein seu sem vergonha? Eu olhei pra ele e dei uma piscadinha. – Safado! – Ele foi em direção a escada – Eu ainda vou tirar essa história a limpo com o Pedro! Ah, se vou! – Como assim pai? O que você vai fazer? – [risos] Fica tranquilo veadinho! Eu não vou despedir o seu pedreiro não. Há! Há! Há! Depois, você vai acabar gostando do que eu to querendo fazer...

AMIGO DE FUTEBOL....

Bom me chamo Paulo(fictício). Tenho 24 anos branco 1,83al 80kilos. Isso aconteceu a dois dias eu está jogando futebol o jogo acabou. Vencemos. Todos do time foram embora eu e meu amigo Samuel (fictício) fomos tomar banho chegou no vestiário tiramos a roupa e entramos em baixo do chuveiro que no caso são 8 chuveiros um do lado do outro. Entramos em baixo da ducha já pelados e não passou despercebido o tamanho do seu pau. Tava meio bomba, devia ter uns 17cm ele percebeu meu olhar e disse rindo. -Quer pegar kkkkk Eu: - Ta louco, nem vem com graça. Ele: -Pega vai, se vai gostar. Eu: -Não mano vamo embora que está tarde já. Ele: -E mesmo Já passava das 22:00 e tínhamos que ir andando . No caminho ele disse que não pode deixar de notar que eu estava olhando para seu pau. Eu fiquei tímido e fingi não ouvir ele disse sentir tesão com aquele momento que não era pra eu ficar assim e tudo mais. Aí ele me perguntou. -oq vc achou do meu pau? Eu: mano olha eu achei um... A deixa pra lá. Ele: - Não mano me diz. Nessa hora estávamos passando por uma rua bem escura. Aí eu disse: - Mano vc tem um belo pau. Ele: -obrigado, quer ver? Eu antes mesmo de responder ele chegou e me pegou por trás e disse no meu ouvido. -Pega no meu pau que eu pego no seu. E ele já beijando meu pescoço me apertando ao seu corpo e eu sentindo o seu pau duro na minha bunda. Aí eu disse: -Mano estamos no meio da rua. Ele me soltou e fomos caminhando quando ele diz - Tem uma construção aqui perto oque você acha? Eu: -Uma loucura. Mais mesmo assim eu fui. chegando lá nos certificamos de que estava vazia. Ele me pegou pelo braço, me puxou e me beijou e que beijo envolvente naquela loucura de dois machos com tesão fomos tirando a roupa um do outro e nos beijos fui decendo pelo seu corpo aos beijos até chegar na sua barriga aí eu tirei sua cueca e pulou aquela vara deliciosa pra fora batendo no meu queixo paguei e levei a boca e chupei muito gostoso levando ele a loucura eu chupava e lambia e batia seu pau na minha cara. Ele só gemendo de tesão. Aí me levantei e o beijei novamente ele se livrou do beijo e já foi arrancando minha cueca e chupando o meu pau e minhas bolas e foi me virando mordendo minha bunda e foi enfiando a cara no meio da minha bunda e meteu a língua no meu cuzinho me fazendo gemer e sentir um tesão jamais sentido por mim. Ele se levantou e posicionou atrás de mim e passando seu pau no meu cuzinho começou a forçar até entrar a cabecinha aí ele parou um pouco pra eu me acostumar me abraçou e disse no meu ouvido. - Você nunca vai se esquecer desta loucura. E enfiou tudo de uma vez me rasgando ao meio eu grite, chorei e comecei a gemer e ele começou a bombar e metendo forte no meu cuzinho eu dizendo: - Come gostoso, come Samu, isso delícia fode gostoso, fode, fode. Ele: -Seu putao gostoso agora vai ser minha puta quando eu quiser. E dava tapas na minha bunda. Eu tirei seu pau do meu cuzinho e chupei mais um pouco e pedi pra sentar na sua rola ele se sentou numa paredinha que tinha começado a fazer eu fui e me posicionei em cima dele ajeitando seu pau na entradinha do meu cuzinho e fui sentado devagar até sentir suas bolas. Cavalguei gostoso e fui rebolando. E pulando quando ele anunciou seu gozo comecei a cavalgada final bem rápida e forte e eu dizia - Vai enche o cuzinho da sua puta de porra, mete gostoso, goza, goza, fode gostosooooooo. Eu também gozei sem tocar no meu pau E ele encheu meu cu de porra quentinha. Ele tirou seu pau do meu cuzinho e disse: -Chupa. Eu chupei aquele pau gozado com gosto do meu cuzinho. Que delícia... Nos beijamos. em seguida. Seu celular tocou era sua namorada. Nos vestimos e fomos embora. Desculpem se estendi meu conto Espero que comente e vote também. Se quiser add no msn. Pcesarcvrl1988@hotmail.com

OS GAROTOS DA RUA DE TRAS

sábado, 26 de janeiro de 2013

MEU IRMAO RAPHAEL É MARAVILHOSO

Meu nome é Thiago e tenho hoje 19 anos. Moro em Curitiba e sou de uma família bem sucedida e muito unida. A história que vou relatar aqui aconteceu há dois meses atrás. Minha mãe e meu padrasto haviam acabado de sair pro aeroporto, pois ele é executivo de uma multinacional e em algumas viagens de negócios leva minha mão para passear. Eu apesar de já estar de férias na faculdade,fiquei com a responsabilidade de chamar meu irmão de 14 anos, Raphael, para que não se atrasasse para a escola, pois estava fazendo as provas de final de ano. Ao entrar no quarto dele, vi que o mesmo estava acordado. Ele estava limpando o rosto com papel toalha. Achei estranho e perguntei o que estava acontecendo. Ele disse que estava assuando o nariz e então eu saí do quarto dizendo a ele que levantasse logo pois já estava na hora. Meia hora depois meu irmão estava pronto e o levei no portão de casa. Ele foi para a escola e desejei a ele boa prova. Quando voltou da escola perguntei sobre a prova e ele tinha se saído muito bem, como sempre. Somos inteligentes e quase não estudamos em casa, geralmente aprendemos tudo na própria aula. Passamos o dia como todo e qualquer adolescente da nossa idade que fica sozinho em casa. Assistimos TV, jogamos na internet, facebook, skype e etc. No dia seguinte, às seis da manhã novamente meu relógio tocou e fui chamar meu irmão. No momento que entrei no quarto dele, vi o mesmo retirando um DVD do laptop que estava sobre a cama e guardando na mochila. Perguntei o que era. Ele meio assustado desconversou e eu disse a ele para andar logo pois tinha horário para a prova. Sobre a cama novamente vi um bolo de papel toalha e desconfiei daquela cena. Assim que Raphael saiu, fui ao quarto dele e lá estava o bolo de papel toalha amassado entre a cama e a parede. O papel já meio engomado e com maior cheiro de água sanitária. Logo pude entender tudo. Rapahel, estava naquela fase de filmes de sacanagem e muita punheta. Eu já tive 3 namoradas, transei com elas e mais algumas meninas e sempre gostei bastante. Mas uma coisa me deixou muito curioso com relação a Raphael. Foi o fato de ele estar limpando o rosto. Será que ele tinha passado porra no rosto ou quando gozou o jato foi até o rosto dele? Essa curiosidade tava me matando e por duas noites não dormi. Será que ele tinha um jato tão forte assim. Nem eu com 19 anos tinha um jato com essa potência. Também fiquei doido prá ver o filme que ele assistia, mas sabia que ele tinha levado para a escola, pois vi quando guardou na mochila. A tarde, quando voltou fiquei doido para pedir o filme a ele mas não sabia como. É que aqui em casa não temos essas intimidades e nunca eu e Rapahel falamos sobre estes assuntos. Assim, passamos mais uma tarde como outra qualquer. Mas minha curiosidade só aumentava. Imaginei várias sacanagens com meninas e toquei três punhetas neste dia, sempre deitado de barriga para cima e em todas as vezes joguei a porra sobre meu abdômem na tentativa de ver se ia no rosto. Chegava no máximo nos peitos. Talves eu precisasse de um filme para me dar mais tesão. Assim, coloquei meu relógio para despertar às 05:45 horas, 15 minutos antes do normal. Queria dar um flagrante no meu irmão. No dia seguinte, levantei em silêncio e fui pro quarto do Raphael e não deu outra. Lá estava ele, deitado de barriga prá cima, o laptop aberto em cima da cama e ele se masturbando. Quando me viu, puxou rapidamente o edredom e fechou o laptop. Tentei agir com tranquilidade prá não assustar meu irmão. Assim eu disse: - Raphael, tá na hora de levantar, hoje é 4a feira e sua última prova do ano. Ele disse: - Já vou levantar Thiago, pode ir. Então perguntei: - O que você estava assitindo? Pode continuar, isso é normal na nossa idade. Ele então disse: - Não não, sai logo por favor, depois eu te falo. Então saí do quarto para deixá-lo a vontade e logo retornei. Dizendo: - Levanta que tá na hora. Neste momento, ele já estava se limpando, novamente no rosto. E já num tom mais amigo, de quem notou que eu sabia o que estava acontecendo, disse: - Já to levantando, já terminei o que eu estava fazendo. Aproveitei o ar de brincadeira do meu irmão e disse: - Queria ver este filme, você pode me emprestar? Ele respondeu: - Esse eu não posso, pois tenho que devolver agora na escola pro meu amigo. Mas devo trazer outro e aí eu te empresto. Passeri a manhã toda esperando Raphael chegar da prova e não parava de pensar no filme que ele poderia trazer. Só na expectativa, bati duas punhetas e meu tesão não passava. As vezes ficava pensando... por que nunca tive muito essa coisa de ver filmes assim? Pegar emprestado de amigos, trocar filmes baixados da internet e etc? Aquele porra só com 14 anos tava mais esperto que eu. Mas em compensação ele era virgem e eu já tinha comido várias garotas. Raphael somente dava beijinhos na boca e olhe lá. Mas era um garoto muito bonito, parecido com o pai dele, meu padastro. Este, descendente de ucranianos, vivia até casar-se com minha mãe em Prudentópolis, no Paraná, e sua família era de pessoas lindíssimas, todas loiras de olhos azuis, olhos mais bonitos que os meus. Cada menina linda na família e Raphael também era assim. Pele muito clara, cabelo loiro, curto e espetado, olhos azuis e um corpo bem definido para um garoto de sua idade. Tava começando a formar a caixa toráxica. Finalmente meu irmão chegou da escola e eu não sabia como abordá-lo para perguntar sobre o filme. Almoçamos, dormi após o almoço e nada. Até que percebi uma hora que ele estava muito quieto e fui ao quarto dele, que estava com a porta trancada. Bati e pedi que abrisse e ele pediu prá eu esperar. Criei coragem e num surto perguntei: - Você trouxe o filme? Deixa eu ver seu mané... vai ficar se amarrando? Deixa eu ver também... Prá minha surpresa Raphael abriu a porta e deixou eu entrar. Mas o safado não estava fazendo nada e ainda me perguntou se eu tava ficando maluco. Ele disse: - Tu tá ficando doido Thiago? Eu tava dormindo, apenas fechei a porta pois a dona Maria ainda estava em casa quando eu troquei de roupa prá ir dormir. Mas se quiser ver o filme, tá aqui. Eu trouxe tres desta vez. Só vou devolver semana que vem, quando saírem as notas das provas. LOgo respondi que queria sim ver o filme e ele pegou na mochila. Levei um pro meu quarto e comecei a ver sozinho. Acho que nem assisti 15 minutos de filme e e meu tesão era gigante. Já tava quase gozando e mais uma vez joguei sobre meu corpo para ver até onde ia. NOvamente não consegi jogar no meu rosto. Relaxei um pouco e fui devolver o filme pro Raphael, ou melhor, trocar por outro filme, já que ele tinha trazido três. Já eram umas 5 horas da tarde. Cheguei no quarto dele e lá estava Raphael, deitado na cama, somente alizando o abdômem e com uma rola duríssima, a cabeça passava do umbigo. Ele se cobriu e continuou como se eu não estivesse ali. Então fiquei assistindo o filme com ele. Meu pau também já estava muito duro, mas eu estava vestido e ele coberto. Até que em um dado momento, Raphael tirou o edredom e começou a tocar punheta, extasiado como estava, nem percebia minha presença. Nunca tinha sentido nada pelo meu irmão, nem naquele momento. Minha curiosidade era única, ver se ele gozava mesmo tão longe. Assim fiquei vendo o filme e olhando pro Raphael. Até que em dado momento, vi seus infinitos jatos de porra sairem em direção ao seu peito, rosto, cabelo e até mesmo passarem por sobre sua cabeça. Nunca tinha visto tanta porra junta na minha vida. Raphael pareceia um chafariz de porra e gemia de prazer. Quando os jatos cessaram, ainda era possível ver a porra dele saindo e não mais espirrando, mas escorrendo pelo próprio pau e pela mão. Eu queria tentar imitar Raphael e logo pedi o filme emprestado. Ele me deu o filme e começou a se limpar. Já estava com muito tesão e me tranquei no meu quarto para reproduzir a cena que acabara de assistir. Deitei como ele, fiquei um bom tempo somente me alisando, até não aguentar mais e finalmente toquei a punheta. Mas não era como Raphael, acertei no máximo meu queixo e confesso que enquanto via o filme, também pensava muito na punheta do Raphael

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

VIZINHO ENCREIQUEIRO

ORGIA COM O PACIENTE

TESAO NO VESTIARIO DO CLUBE

WINGHT TRASH

INICIAÇAO

AMIGOS HOT


Friend needs prostate advice brought to you by PornHub

CHUPANDO O VIZINHO TICUDO

Meu vizinho se chama Roberto. Um homem negro, forte, que chama atenção na rua. Sempre andando com cara de mau e escutando música bem alta em seus fones de ouvido. Estávamos subindo no elevador. Não nos conhecíamos, apenas conversávamos eventualmente em "conversas de elevador". Quando olhava para ele imaginava uma pica giganta escondida em baixo de suas calças. Tinha uma imensa vontade de cair de boca nela. Roberto mora um andar abaixo do meu. Desceu no seu andar e eu continuei no elevador. Fui para casa, tinha que pensar em uma desculpa para poder entrar dentro de seu apartamento, e quem sabe, chupar sua piroca gostosa. A única coisa possível seria pedir para ele algo emprestado, uma ferramenta, algo desse tipo. Fui até seu apartamento, pedi uma chave emprestada. Sem deixar eu entrar no apartamento me alcançou a ferramenta. Voltei triste para casa. Sentei no sofá da sala e fiquei pensando uma maneira para atrair aquele macho viril. Peguei a chave, fui até meu ventilador e comecei a mexer nele. Consegui tirar uma peça que o fazia parar de funcionar. Voltei ao apartamento de Roberto, lhe pedi ajuda poia não conseguia arrumar meu aparelho. Muito prestativo, ele foi até meu apartamento. Como o ventilador era de teto, subiu em cima de uma cadeira para poder mexer nele. Quando ele ficou de pé na cadeira, seu pau ficou na altura de meu rosto. Pensei em botar a mão na hora em cima dele, mas não podia ser tão rápido, iria assustar o rapaz. Ele comentou que no dele aconteceu algo parecido. Perguntou se eu tinha uma peça cinza que vinha nele. Fui até meu quarto, fingi procura-la (era a que estava no meu bolso). Voltei com a peça, ele instalou e o ventilador voltou a funcionar. Agradecido pela ajuda de Roberto, o convidei para tomar uma cerveja comigo. Peguei duas latas na geladeira e me sentei na sala com ele para beber. Depois de algumas latas e muita conversa ele disse que tinha de ir para casa. Insisti para ele permanecer, mas ele disse que precisava ir. Quando se levantou do sofá, me levantei junto, insistindo para ele ficar e conversar comigo. Porém, ao invés de segurá-lo pelo braço com o intuito de impedi-lo de ir embora, coloquei a mão em seu pênis. Não tinha, realmente, pensado em fazer aquilo. Foi completo instinto. Depois de estar com a mão envolvendo seu pau, ficamos nos encarando por um momento. Roberto pediu que eu largasse, mas eu não tirei a mão dali, até movimentei-a para aconchegar melhor seu saco em torno da palma da minha mão. Pude sentir seu pênis começando a ficar duro, pedindo para ser chupado. Roberto disse: "Vai tirar a mão daí ou vai querer continuar?" Aproveitando a situação, e o lugar a que ele poderia me levar, respondi: "Quero continuar" Seu pênis endurecia a cada segundo que passava. Sem nada falar, me ajoelhei na altura se deu pênis. Roberto recuou, mas percebia nele a vontade de ser chupado. Avancei em sua direção e segurei seu pau por cima da calça, ainda estava duro. Seu pau está duro, eu sei que tu quer ser chupado - disse Roberto acabou aceitando. Ele estava nervoso com a situação, e eu estava adorando. Ele abaixou suas calças, usava uma cueca branca. Quando ia abaixar sua cueca também, disse para ele apenas relaxar e aproveitar o momento. Ele se sentou no sofá e eu fiquei entre suas pernas. Por cima da cueca era possível ver o tamanho enorme da sua pica. Mordia ela por cima da cueca mesmo. Ele estava gostando. Quando abaixei sua cueca, revelou-se uma pica enorme, negra, grossa. Chegava quase ao tamanho do meu antebraço, parecia as picas que víamos em filmes pornôs. Realmente, era uma coisa perfeita. Podia masturba-lo com as duas mãos e ainda sobrava pau para agarrar. Passava a língua desde sua base até a ponta da cabecinha, ia lambendo-a como se fosse um doce. Comecei a mamar aquele pau. Pouco dele conseguia engolir, seu tamanho era muito grande, e ao encher a boca com ela parecia que eu estava engolindo apenas um pedacinho. Roberto forçava meu rosto e enfiava seu pau até o fundo da minha garganta, ao tirar eu gemia e pedia mais mais mais. Ele segurava o pau dele e batia com ele em meu rosto, batia na minha bochecha, esfregava no meu rosto, passando pela boca, olhos, testa. Que pau delicioso que era aquele. Depois de mamar muito aquele pau, massagear e chupar suas bolas, ele me disse que ia gozar. Goza dentro da minha boca por favor - disse Fiquei com a palma das mãos no chão, abri minha boca e coloquei minha linguinha para fora. Roberto encostou a cabecinha do pau na minha língua e começou a punheta-lo. Gozou. Nunca tinha visto tanta porra saindo de um pau. Preencheu minha boca, escorreu pelo meu corpo, e não parava de sair. Era viscosa, bem branca, deliciosa. Engoli tudinho, era um gosto delicioso. No final, ainda chupei mais aquele pau para aproveitar as últimas gotas que ele tinha liberado. Roberto foi para casa, mas aquela não ia ser a última vez que tínhamos feito algo...ele disse que queria voltar, e eu queria muito chupar mais daquele pau e comer aquela porra gostosa dele. Avaliem, comentem Abraço

O AMIGO DO MEU PAI ABUSOU DE MIM

Era verão. Estava na nossa casa de praia com a família. Além de mim, meu pai e minha mãe, um casal e amigos dos meus pais estava lá conosco. Iriam passar uma semana lá conosco. Era noite. Não me lembro qual o dia. Mas já estava de madrugada. Estava no meu quarto navegando na internet. A janela do meu quarto dá no pátio da casa, diferente das janelas dos outros quartos que são viradas para a rua. Estava olhando alguns vídeos pornos (como sempre). Mas mal podia saber que estava sendo observado por João (o amigo do meu pai). Estava olhando vídeos de homens chupando paus enormes (não costumo ver esse tipo de vídeo, prefiro os heterossexuais). Estava batendo uma punheta bem gostosa olhando aqueles videos, então João colocou a cabeça para dentro do quarto e gritou "Punheteiro" Levei um susto. Logo fechei o site e botei minha bermuda. Fui até a janela e ele estava ali, rindo de mim. Pediu para ver o vídeo, disse que não iria mostrar para ele. Ele saiu, deu a volta na casa, e entrou nela. Veio até meu quarto e fechou a porta. Disse que estava dando uma volta no pátio pois estava sem sono, e então, viu aquela cena minha no quarto. J: Eu vi que tu tava vendo vídeo de homem chupando pau, tu curte isso é? R: Só tava olhando cara, não me enche. Vai pro teu quarto. J: Não vou não, porque tu vai chupar meu pau e vai ser agora. E se tu não me chupar eu vou falar pro teu pai o tipo de vídeo que tu tava vendo. João tirou a bermuda e botou pra fora a pica dele. Era de tamanho médio, nada muito fora do normal. Ele começou a vir até a minha direção com a pica dura. Tranquei a porta do quarto e me abaixei para chupar aquela vara deliciosa. Caí de boca nela logo, João ficava segurando minha cabeça e trancando a pica dele no fundo da minha garganta. Chupava gostoso a piroca dele, aquela sensação de fazer algo escondido dentro da minha própria casa me dava um tesão enorme. Sugava suas bolas enquanto batia punheta no pau dele. Que delícia que era chupar o pau dele macho. João gozou. Veio porra na minha cara, no meu peito, por tudo. Fiquei todo sujo com o gozo daquele macho. Comi tudo que pude. Depois de gozar ainda fiquei esfregando a pica dele no meu rosto. Aquele cheiro de pau me dava um tesão enorme, esfrega-lo babadinho no meu rosto me deixava louco. Depois de não aguentar mais gozar, João voltou para seu quarto, mas no dia seguinte ele voltou, porém só contarei isso no meu próximo conto.

TUIN MEU CUIDADOR

Quando tinha doze anos um vizinho chamado Antonio que era gago começou a ficar meu amigo...me dava doces e me fazia agrados... Ele tinha vinte anos... Mas não aparentava perigo... Meus começaram a gostar muito dele pois ele me tratava muito bem e eu também gostava muito dele ele tinha um jeito de garoto ainda... Ele foi abandonado pelos pais e cresceu sozinho...morava num quartinho que tinha nos fundos de uma mercearia...ele se tornou tão íntimo da familia que agora ele participava das nossas refeições... Um dia o Tuin ficou doente e meu pai o levou pra nossa casa pra cuidar dele.. Ele ficou no meu quaro enquanto se recuperava... Os dias passavam e lentamente ele foi se recuperando... Um dia enquanto ele dormia eu me levantei pra olha-lo... Fiquei admirando o corpo dele um tempão... Ele estava com um pijama curto do meu pai que deixava tudo solto e ele estava com uma ereção... Aquela visão me deixou inquieto... Eu queria botar a mão ...mas se ele acordasse?... Fui lentamente olhando pra ele pra ver se estava dormindo e fui colocando minha minha mão sobre aquele membro latejante... Pousei a mão e ele nem se mexeu...porém, seu latejava e pulsava....sentia o coração dele ali...meu pequeno pau ficou durinho como uma pedra... Mas ainda não tinha tesão...ele se mexeu e eu voei pra cama... Os dias passaram e meus pais tiveram que passar duas noites fora... Entãopediram que Tuin cuidasse de mim... Na confiança foram cumprir suas obrigações ....tudo correu bem durante o dia até a tarde eu tive que tomar banho pra jantar... Eu já era bem grandinho pra que alguém me desse banho...mas o Tuin insistiu em me ajudar... Aí eu deixei já que ele era tão meu amigo não tinha problema... Entrei no banheiro e comecei a tirar minha roupa quando ele perguntou se podia tomar banho junto comigo eu disse que sim... Era minha chance de ve -lo pelado...rapidamente ele começou a tirar a roupa revelando um corpo quase igual ao meu diferente apenas por causa dos pelos no penis e o tamanho do proprio... Ao ver o Tuin pelado meu pintinho começou a ficar duro.. Tentei esconder mas ele viu e brincou dizendo que queria pra ele... Entrei no chuveiro e comecei a me ensaboar ele veio por traz e tirou o sabonete da minha e começou a passa-lo em mim...foi deslizando pelas minhas costas foi pelo meu peito,desceu até a minha cintura,foi até entre minhas nádegas e aí eu tremi... E ele percebeu...deixou o sabonete de lado e começou a fazer espuma com as mãos percorrendo o mesmo caminho anterior... Até chegar a minha bundinha... Só que dessa vez ele parou e relou o dedo no meu cuzinho que piscou e eu não tive como disfarçar... Então ele me abraçou e eu de costas senti o penis duro entre minhas coxas. Fechei minhas pernas e prendi seu pau... Com tanta espuma ele começou a brincar de vai e vem e eu fui me entregando...ficamos ali um tempão ele não queria nada além daquilo ali naquele momento... Ele parou de repente e acabou de me banhar como se tivesse arrependido..me sequei e ele ficou no banho mais um pouco... Fui para o meu quarto e ele foi logo a seguir... Perguntou se não ia jantar e eu disse que não.... Então decidimos dormir... Durante a noite fiquei pensando na nossa brincadeira no chuveiro e decidi deitar na cama do Tuin.. Tirei toda a minha roupa e me enfiei embaixo das suas cobertas.... Ele chegou bem pro canto pra não encostar em mim ficamos quase de conchinha se não fosse a distancia que ele tomou... Mas eu sabia o que eu queria... E de costas fui encurralando ele na parede até que me encostei nele e comecei a esfregar minha bunda no pau dele... Logo cresceu e eu muio tarado meti a mão e tirei a peça dele pra fora colocando já na mira do meu cuzinho piscante... Ele começou a tirar a camisa e arrancou a calça ficando nu tambem... Obedeceu minha mão e conduziu seu pau pro meu cu que queria sentir aqula rola.... Depois de cuspir na mão e encharcar o meu rabo o Tuin delicadamente começou a introduzir sua rola no meu cuzinho... Entrou a cabeça com certa facilidade pois estava bem escorregadia... Doeu um pouco o restante que parecia ser mais grosso...mas o Tuin foi muito cuiddoso comigo.... Ele foi penetrando até eu sentir os pelos dele encostarem na minha bunda... Meu cuzinho parecia comer o pau dele... Ele começou a bombar e eu comecei a sentir um liquido incolor a sair do meu penis...estava muito gostoso... Ele me pegou pela cintura e me pos de quatro começou num vai e vem que chegava a me sacudir,sua respiração chegava a esquentar meu corpo ... De repente senti o pau dele inchar dentro de mim e como agua quente eu senti o gozo dele me invadir... Ele deitou sobre mim e sem tirar se penis adormecemos... Durante a noite e a madrugada ele me comeu varias vezes... Em uma dessas ele me chupou até me fazer gozar pela primeira vez... Quando meus pais chegaram os convenci a deixare o Tuin a morar conosco... E aí foi um sonho agora gozava com Tuin o tempo todo....

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

AMIGOS DE QUARTO 2013

O CABELELEIRO

DESEJANDO O AMIGO DE QUARTO

CHIQUITOS HERMOSOS

RESPIRE SOBRE MIM....

COLO GOSTOSO DO IRMAO

Ola a todos eu sou o Carlinhos, vou contar a vocês como meu irmão e eu ficamos mais íntimos. Papai e eu sempre fomos muito apegados, gostava de ficar em seu colo era muito gostoso sentir seu peito com finos pelos colado em minhas costas, gostava de sentir seu volume me cutucando a bundinha, quando cavalgava em seu ombro me sentia intocável, protegido, porem um acidente de carro o levou de mim e ficamos minha mãe, meu irmão e eu sem sua linda e confortável presença. Em meio a esta tristeza meu irmão se aproximou de mim, sempre me perguntando como estava, pois pela tristeza passei a ficar mais quieto em meu quarto. Minha mãe teve que conseguir um outro emprego, sempre saia bem cedo e chegava tarde, trabalhava muito, mas ao maximo que podia era presente e sempre dizia compensarei nas férias e assim era feito em nossas férias sempre íamos a algum lugar e nos divertíamos muito, mesmo assim a falta de papai era grande e insubstituível. Piter sempre que chegava do trabalho me chamava em meu quarto para que eu o fizesse companhia, nos fazia um lanche e ficávamos assistindo tv, vendo filmes ou jogando vídeo game. No começo ficávamos sem camisa, mas com o tempo passamos a ficar apenas de cueca. Mesmo após alguns anos no falecimento de nosso pai ainda me entristecia ao ver alguém parecido com ele ou carinho entre pai e filho ao vivo ou na tv e nessas horas meu irmão me abraçava não era como meu pai mas era bom, estranho no começo mas aos poucos fui me acostumando com seu contato, seu cheiro, e passei a procurar este contato mais vezes. Quando estávamos assistindo tv sentava bem próximo dele e ele passava o braço em meu ombro, ai eu deitava em seu peito, que lembrava o de papai, algumas vezes sentava em seu colo, mas quando começava a sentir seu volume ele dizia que estava calor, que eu estava pesado ou uma desculpa qualquer para levantar. Peguei meu irmão Piter algumas vezes olhando para minha bunda quando estava deitado de bruços no sofá, mas ele sempre disfarçava quando eu olhava, ajeitava disfarçadamente o volume entre suas pernas, aquilo estava me deixando louco, seu corpo estava cada vez mais bonito, mais homem, mais chamativo aos meus olhos, por diversas vezes me encontrei pensando em suas cochas peludas, seu peitoral, seu pau, eu ficava excitado, mas tentava me livrar destes pensamentos afinal era meu irmão, porem muitas vezes sonhava com ele. Ao mesmo tempo em que queria evitá-lo, queria estar perto, às vezes tentava não ser percebido outras queria chamar sua atenção e parece que ele estava percebendo isso, não sabia ao certo se gostava ou não mas seus carinhos ficaram mais freqüentes, seus abraços, seus toques, porem continuava não permitindo que ficasse por muito tempo em seu colo e sempre me afastava do abraço mais carinhoso, isto me deixava confuso. O tempo passou pensei que o melhor que deveria fazer era guardar este sentimento apenas para mim. Piter bonito como é sempre chamou muita atenção tanto de homens quanto de mulheres, nunca o vi com nenhum homem ou olhando para um, mas via como eles o olhavam e não gostava, sentia um ciúme enorme, mas me controlava. Também sentia ciúmes das mulheres, mas o que podia fazer principalmente contra suas namoradas ou ficantes? Nada, apenas tentar ser o mais receptivo para evitar confusão. Não me lembro mais a data precisa, mas cheguei em casa e estranhei por estar tudo fechado, mas pensei que Piter tinha ido para a casa da namorada, arrumei um lanche, comi, assisti um pouco de tv e depois fui para meu quarto, escutava uns sons estranhos de cama sendo arrastada mas com um certo ritmo vozes, mas não entendia o que diziam, abri devagar a porta e vi algo que apertou meu peito de uma forma que me deixou paralisado por alguns instantes. Meu irmão Piter em cima de sua namorada bombando sem do, depois de me recompor do susto e voltar a mim, sai correndo, queria sumir, desaparecer, de repente percebo que estou sendo perseguido era Piter correndo atrás de mim só com uma bermuda , acelero a corrida , procuro um lugar para entrar, meu bairro era novo e não tinha muitas casas encontro o barracão abandonado de um antigo frigorífico e pelo buraco da cerca entro, meu irmão continua me seguindo, me chamando, pedindo para que eu pare, mas não queria ouvir sua voz, aquilo era como fincadas em meu peito e me fazia chorar ainda mais. Entrei no prédio, grandes vãos com algumas maquinas velhas, entrei em um cômodo com uma grande porta e tentei fecha la porem meu irmão a segurou, empurrou e entrou. _ Para, Carlinhos, o que você esta fazendo? Porque este desespero, ate parece que nunca viu ninguém transando, não é só pela transa não é, o que foi me diz, sou teu irmão, o que esta acontecendo? _ Sai daqui, não quero falar com você, sai. Gritei e tentei sair, mas Piter fechou a porta dizendo: _ Não Carlos, vamos conversar agora. Tentava empurrar, chorava, gritava, esmurrava batia, mas era em vão, meu irmão era bem mais forte que eu me segurou pelos braços e tentando me imobilizar me virou apertando me contra seu corpo suado, quente, me abraçou e disse baixo em meu ouvido. _ Calma, só quero conversar com você, quero apenas entender o que esta acontecendo, eu te amo sou seu irmão, estou aqui e vou te proteger ate de você mesmo se for necessário. Aquelas palavras, o jeito em que estávamos , a cena dos dois na cama voltando como um filme em minha mente, todo meu esforço tentando escapar, tudo veio de uma vez e me afrouxou as pernas os braços, apenas me desabei em choro, não conseguia falar pensar , nada. _ Calma, fique calmo meu irmãozinho, estou aqui, relaxa, vem aqui comigo deita aqui e se acalme. Meu irmão sem me soltar direito apenas me deixando um pouco mais livre para segui lo, sentou se no chão e me fez deitar em seu peito entre suas pernas, me abraçava com uma mão e com a outra acariciava meu rosto e meus cabelos. Uma nova onda de sentimentos chegava, mandando embora aquela agonia , tristeza colocando em seu lugar um tezão nuança antes sentido, o cheiro do seu corpo quente, ainda com um cheiro de sexo misturado com suor, sua pele em contato com a minha, seus pelos, parei de chorar e ainda com alguns soluços olhei para cima vi seus olhos e depois foquei em sua boca, linda, falando coisas que nem me recordo, nem ouvia, não resisti tirei minha mão nem sei de onde puxei seu rosto para mais próximo e o beijei com todas as minhas forças, com toda vontade, percebi uma certa ezitação no começo mas depois ele relaxou me abraçou forte e me correspondeu o beijo que durou alguns instantes. _ Ho meu menino eu sabia que isso iria acabar acontecendo, não sabe o quanto eu lutei contra, ficava sem saber o que fazer, você precisava de mim, mas sabia que gostava mais do que podia de mim, e eu também acabava me excitando e não queria que nada de mal acontecesse. _ Isso e mal? É ruim? _ Não irmãozinho mas não é certo, é não sei, errado... O beijei novamente a boca para que se calasse, não queria ouvir aquilo, não queria ouvir que meu maior sonho era errado. Aproveitei para acariciar todo seu corpo, beijar seus ombros, sei pescoço, morder sua orelha, mamar sues mamilos, levantei seus braços e coloquei os acima de sua cabeça e cheirei e lambi suas axilas, como sonhei com aquilo , Piter jogou sua cabaça para trás enquanto eu deslizava minha língua do centro do seu peito ate a base do seu pinto, e soltou um gemido forte quando abocanhei seu mastro, ai que delicia aquele pau, salgado na medida certa da minha boca, lambi e suguei muito sua cabeça retirando gemidos de meu irmão e depois coloquei ate a garganta por três vezes e fiz anciã mas ouvir os gemidos e ver meu irmão apertando os olhos com expressão de prazer me levou a uma satisfação incrível voltei a beija lo agora ele que me deitou no chão e me deu um banho de língua, fez algo que nunca imaginei, abocanhou meu pau, e me sugou , me tirando espasmos, lambeu meu cu, colocou meu pau na boca voltou a lamber e babou bem um cu e enfiou um dedo, fazia vai e vem em um buraquinho e mamava em meu cacetinho, como se estivesse ligado direto na tomada descargas elétricas passavam pelo meu corpo, não resisti e explodi em um gozo jamais alcançado e imaginado em meus mais delirantes sonhos, me virou de constas lambeu de minha nuca a minha bunda, dando leves mordidas, em minha nádegas. _ Não sabe o quanto me controlei, para não fazer isto antes, não tem noção do quanto esta bundinha me torturou! _ Você e que me torturava todos os dias com todo seu copo, com sua simples presença. _ è agora, esta pronto? _ vai me faz feliz. _ Vai doer um pouco, mas farei com o maximo de carinho. _ Haaaaaaaaaaiiiiii _ Desculpe meu amor mas dói mesmo, relaxe para ador passar poso continuar? _ Vai, não para quero ser seu! _ Meu irmão voltou a enfiar e colocou tudo, senti quando minha bundinha tocou em seus pelos, depois de um breve momento senti seus pelos roçarem em minha bunda,seu cacete se movimentar dentro de mim, tentando encontrar espaço, me causando dor, prazer, varias sensações aquele homem em cima de mim, meu objeto de desejo, meu irmão, seu peso sobre mim, seu corpo suado peludo e quente se esfregando no meu, fez com que a dor fosse desaparecendo e meu prazer subir , já rebolava, e tentava sentir tudo que era possível, Piter acelerou as metidas, cada vez mais rápido mais forte, _ Há há ram Gemia, raspava a garganta, com sua voz forte possante de homem, em meu ouvido, me levando a um prazer maior, ouvia o barulho do seu saco bater em minha bunda. Ai como era gostoso aquele cacete entrar e sai do meu cu. Me virou de frango assado, me beijava, sugava minha língua, aquele homem era uma fúria, me devorava, bombava forte, tirava quase tudo e colocava novamente, metia rápido, mais lento, mais fundo só no começo estas variações provocavam sensações novas e cada uma mais gostosa que a outra. Por horas aquilo se repetiu ate que gozou em meu cu me enchendo de porra quente, gozei também sentindo aquele cacete pulsar dentro de mim, aquele hurro de macho, nos beijamos ficamos e ficamos deitados um tempinho abraçados, nos recompondo. Levantamos, nos vestimos e tentamos abrir a porta, não estávamos conseguindo, começamos a bater e a gritar na esperança que alguém nos ouvisse aquilo parecia castigo estávamos condenados, começamos a nos desesperar aquele lugar estava abando nado e se ninguém nos ouvisse? Continuamos a bater e a gritar, parávamos e voltávamos depois de algum tempo. Finalmente o guarda nos ouviu, provavelmente não tinha nos ouvido antes devido aos fones de ouvido, fomos embora e a partir daquele dia tudo mudou, não ficávamos mais de cueca, ficávamos pelados o tempo todo só nos vestíamos quando estava na hora de nossa mãe chegar. Minha mãe se envolveu com um cara e acabou se casando novamente, achamos por bem sairmos de casa e morarmos apenas nos dois, para dar e ter mais liberdade e privacidade. Hoje moramos juntos cuidando um do outro. Tenho 35 e Piter 43, ninguem sabe de nossa relação intima, Piter e eu somos bem discretos, mas para mim o que importa e que eu o amo e vou sempre o amar.

O QUARENTAO GOSTOSO DA ACADEMIA

Sabe aqueles dias em que você acha que nada vai acontecer? Pois é, num desses dias, eu fui pra academia na maior preguiça. Tem dias que você ta desanimado e seu treino não rende nada. Mas outras coisas bem que me renderam nesse dia. Terminei o treino e como de costume fui tomar um banho. O banheiro da academia que frequento é pequeno e tem poucas cabines de banho. No mesmo horário que costumo ir também frequenta um cara de aparentemente uns 40 anos, mais baixo que eu, que tenho 1,82, moreno, pele clara e corpo legal, mas o que mais me chama a atenção são as coxas do cara. Sou meio encanado em coxas, apesar de ser um bissexual muito discreto. Tenho namorada, e ao que sei esse cara também tem, pois já o vi acompanhado em algumas confraternizações do pessoal da academia. Voltando ao banheiro, esse cara, sempre muito sério e calado entrou e eu estava La no banho, quando ele começou a se despir, eu que sou meio safado e como só estávamos nós dois lá dentro, me virei pra não ficar olhando e evitar ficar de pau duro quando o visse de cueca. Fiquei lá me esfregando e sofrendo por dentro, de vontade de observá-lo nem que fosse rapidamente, já que ele se encontrava na cabine em frente à minha. Não deu outra, resolvi dar uma espiada rápida. Pois neste exato momento em que me virei notei q ele estava me observando fixamente e ficou sem graça, pois não esperava meu movimento rápido e disfarçado. O jeito era puxar papo e foi o que fiz: - Tem dias que não dá anima pra treinar né.... - Pois é cara, hoje eu também to bem cansadão, o negócio é chegar em casa e relaxar... O problema que meu pau, com seus 20 cm grosso, foi dando sinal de vida. E eu meio contorcido pra esconder e ainda no papo com o cara. -Eu também cara, não quero fazer mais nada hoje, só descansar. - De repente surge algo gostoso pra fazer e você muda de ideia oras...(e sorriu) Droga agora que meu pau vai bater no teto mesmo. O cara deu um sorriso que pode ter sido sacana, ou ele estava sendo apenas simpático. - Se surgir algo assim eu to dentro mesmo... - E esse pau duro ae ta dentro também... - Até antes que eu... - E será que tem como eu dar uma pegada no sigilo? Putz, tudo que eu e meu meninão queríamos naquele momento era que aquelas mãos grossas dessem uma pegada naquela hora. - Demoro!! Então ele saiu do banho, e como ele era gostosão, um quarentão em forma de pernas bem definidas, braços largos. Chegou bem perto, deu um sorriso sacana outra vez e sem cerimônia deu uma pegada gostosa, fiquei com mais tesão do que já estava. A mão dele era grande e macia, ele segurou meu pau e puxou levemente em sua direção e eu fiquei ali meio sem reação. E agora? Eu agarro o cara? Mas fiquei parado só curtindo enquanto ele me masturbava de frente p mim, ora olhando meu pau, ora olhando nos meus olhos. O barulho dos chuveiros, o medo de entrar alguém naquele momento, tudo isso me excitava ainda mais. Ficamos mudos, só curtindo o tesão do momento por uns instantes, e num ímpeto ele se abaixou lentamente e eu pensei, pronto agora eu gozo só de sentir a boca dele no meu pau. Só pensei, mas isso não seria problema porque eu sou do tipo que demora pra gozar. Eu fechei os olhos pra sentir o que estava por vir e delirei quando os lábios dele tocaram a cabeça do meu pau, lentamente e ao mesmo tempo com vontade. Ele contornou a cabeça do pau com sua língua, desceu até a base e voltou, abriu mais a boca e fez com que meu pau penetrasse então aquela boca gostosa. Repetiu o momento algumas vezes, e como aquele cara sabia fazer isso. Depois daquela chupada que durou pouco tempo eu o agarraria ali mesmo, mas não foi o que -aconteceu. Ele se levantou, sorriu de novo voltou pro chuveiro e me disse: - Gostei!!! Droga, será que era só isso, porra eu queria mais, como vou fazer pra aliviar esse tesão imenso? E respondi: - Gostei também!! Mil pensamentos na minha cabeça, terminamos o banho, nos trocamos e eu não parava e observá-lo, desta vez deixando notar meu interesse. Saímos do banheiro e esperei que ele fosse na frente. Lá fora já, ele subiu na moto dele e eu já ia entrando no meu carro estacionado ao lado quando ele me disse: -Me segue. Pronto. Era tudo o que eu queria. Segui sua moto com meu carro, e não muito longe dali chegamos em uma casa toda fechada, de aparência bonita. Ele acionou o controle e fez sinal pra que eu entrasse com o carro, já que a garagem era bem extensa. La dentro desci do carro, um pouco nervoso e tímido com a situação. Ele veio em minha direção me deu a mão e eu disse : - Prazer E ele respondeu sorrindo - Já já! E deu uma gargalhada gostosa. Ele era realmente bem gostosão. Ri também e entramos. Me ofereceu uma bebida e sentamos no mesmo sofá. Neste momento resolvi que já era hora de deixar a timidez do lado e mostrar a que tinha vindo. Coloquei a não na coxa dele, e dei uma alisada seguida de um aperto. Meu pau já estava duro novamente e se deixava notar na bermuda. Ele enfiou a mão dentro da minha bermuda até chegar ao meu pau que já conhecia muito bem e eu retribui. O pau dele também já estava bem duro, um pouco menor que o meu, com veias aparentes, um belo pau eu diria. Nesse esfrega de paus e mãos, eu puxei a cabeça dele perto da minha e lancei um beijo, e não foi um beijo qualquer, foi um beijo de enrijecer ainda mais nossos paus. O pau dele babava um pouco e eu passava os dedos na pontinha e espalhava o liquido lubrificante ao redor da cabeça, ao mesmo tempo que sentia aquela língua gostosa se enrolando na minha e ficamos assim por um bom tempo até que deslizei dos lábios dele para o pescoço, e sem deixar marcas, passava ora minha língua, ora meus dentes de leve ao redor do pescoço. Ele fez o mesmo em mim em seguida, e com as duas mãos foi tirando minha camiseta e em seguida meu tênis, meia e bermuda, numa habilidade admirável. Estava eu só de cueca e pau duro com aquele gostosão me alisando de diversas maneiras e em várias partes do corpo. Depois do pescoço desceu até meu peito liso e modéstia parte definido, mais um pouco até a barriga e continuou descendo, que sensação fantástica. Quando achei que ele tocaria meu pau, ele pulou e passou pro meio das minhas coxas, lambendo por toda sua extensão e novamente subiu ao local tão esperado, levantando parte da cueca ele chegou ao meu saco, e como esse cara sabia brincar com um saco. Chupava com vontade meu saco, virilhas e aquela famosa área de ninguém, que aliás é muito excitante e subia novamente pro saco, quando tirou o pau duro pela parte de baixo da cueca. Sua língua quente percorrendo cada parte dos meus 20 cm me deixando louco, mais do que já estava, e por um bom tempo ele ficou a chupar enquanto eu viajava nos pensamentos da excitação. Esse cara foi generoso demais comigo, de alguma forma teria que retribuir. Peguei-o pelos cabelos de leve, ergui sua cabeça ligeiramente e tasquei-lhe outro beijo, enquanto o fui levantando e o colocando no sofá novamente, e com muito jeito, enquanto eu tirava sua roupa, lambia-lhe o corpo, lábios, orelhas e alisava seu peito. Novamente aquele tesudo estava nu diante de mim. Era minha vez de lamber aquele corpo inteiro, do pescoço, à barriga, e como ele fez, pulando para as coxas, que pra mim eram motivos para várias punhetas anteriores, em casa sozinho. Cai de boca naquelas coxas, acho que fui até um pouco desesperado tamanha era meu tesão naquela parte do corpo dele. Mas pude notar que não só as coxas eram bonitas, a perna toda, inclusive os pés, os quais eu dei um banho de língua que o levou a loucura enquanto eu passava minha língua na sola, subia e chupava seus dedos. Ele me dizia que aquilo era incrível. Subi novamente passeando por toda aquela área a qual já havia demarcado de saliva e cheguei ao pau dele, e estava bem cheiroso. Não me fiz de rogado e cai de boca, retribuindo os momentos inesquecíveis que me fizera passar. Lambia, chupava e notei que ele também delirava de tesão como eu. Subi novamente até sua boca e o beijei, nossos paus se encontravam e como é boa essa sensação, só quem provou sabe. Sempre acho que seria impossível qualquer homem, seja da sexualidade que for não sentir prazer neste tipo de contato, mas voltando ao conto, ficamos um bom tempo nesse esfrega, sobre e desce até que meu pau escorregou, esfregou o saco dele e desceu ligeiramente até seu cuzinho. Louca sensação. Fiquei ali alisando um pouco e notei que o caminho estava liberado pra mim. Beijos, esfregas, meu pau esfregando no cuzinho dele, o dele na minha barriga. Resolvi leva-lo ao delírio mais uma vez com a língua. Desci novamente, passando pelo pau dei uma chupava pra não perder o costume, o saco também ganhou uma chupada e finalmente o cuzinho, que era bem apresentável, (risos). Passei a língua ao redor, e já pude percebê-lo se contorcendo de leve, levei minha língua ao centro e toquei de leve, podia sentir o tesão que ele estava e intensifiquei os movimentos introduzindo a língua naquele rabinho, ora tirando, lambendo, atacando com mais voracidade. Pronto, aquele rabinho já estava entregue a mim, subi novamente, perguntei-o sobre a camisinha e prontamente fui presenteado com uma, notei que ali mesmo no sofá eu iria gozar naquele cara. Junto com o preservativo veio um tubo lubrificante. Voltamos a nos agarrar e nos beijar. Mal podia esperar para comer aquele cuzinho tão gostoso, daquele macho viril, que estava ali todo entregue a mim. É gostosa essa sensação de posse. Durante nossos esfregas mudamos de posição no sofá, e percebi que a introdução seria na posição frango assado. Vesti o preservativo, de forma apertada, já que costumo usar aqueles um pouco mais largos. Nesta hora teria que caber, lubrifiquei meu pau, e em seguida brinquei com meus dedos e lubrificante naquele cuzinho gostoso, introduzi um, percorri até sua próstata com o dedo e massageei levemente, caindo de boca no pau dele. Gemeu tanto que fiquei com medo que gozasse. Resolvi introduzir o segundo dedo pra fazê-lo relaxar. Novamente meti nele com os dedos enquanto chupava seu pau e pude notar que ele gostou muito desta “brincadeira”. Só que meu pau já latejava de tão duro e não via a hora de estar no lugar do meus dedos.Tirei os dedos e me aproximei, posicionamento a cabeça do meu pau na portinha daquele cú. Ali brinquei um pouco, e sempre notava a cara de safado daquele cara coxudo e tesudo. Já era hora. E eu comecei a meter levemente, até sentir a cabeça entrar, nossa que delicia, ele soltou um “ai” e pediu para que eu ficasse parado. Parei, com apenas a cabeça enfiada e brincava com o pau dele. Eu já estava louco e não aguentava mais olhei pra ele, que me consentiu. Era tudo que eu esperava, e não pretendia mais parar. Fui socando meu pau de forma constante naquele cú até sentir que meu saco tocava sua bunda. Novamente parei, olhei pra ele, sorri e pisquei pra ele, que sorriu também. A hora de meter era aquela, tirei o pau e meti novamente, e repeti por algumas vezes devagar, aumentando a velocidade e subitamente comecei a estocar naquela bunda gostosa, ele gemia e eu Tb, querendo muito mais daquilo tudo. Meti um tempo naquela posição, ele com as pernas nos meus ombros. Disse a ele que queria come-lo de todo em todas as posições e ele me respondeu: “Hoje eu sou seu” ....Porra nessa hora casaria com ele. (risos). Virei-o de quatro e sem demora desta vez, meti minha vara inteira e comecei a socar, segurando-o pela cintura, puxando-o pra mim. Gemidos, corpos suados, a sala cheirava sexo. Deitei sobre ele sem tirar o pau e continuei metendo enquanto beijava seu pescoço, levantamos e eu o peguei de pé encostado de frente pra parede. Apertei-o gostoso na parede enquanto sussurrava sacanagens no seu ouvido e metia no seu rabo. Metemos de lado no chão, enquanto eu apertava seus mamilos, logo em seguida eu permaneci deitado no chão enquanto ele cavalgava sobre mim, ora saia do meu pau e levava o pau pra eu chupar, voltava e sentava novamente, novamente peguei-o de quatro no sofá e meti por mais um tempo quando senti que ia explodir de tesão e gozo. Disse a ele que ia gozar e pra completar essa transa que já tinha sido fantástica, ele pediu que eu gozasse na boca dele. Me levante arranquei a camisinha, e ele já esperava de joelhos e boca aberta. Essa posição submissa me alucina. Me masturbei segurando-o pelos cabelos quando senti uma sensação incrível e percebi que muita porra estava por vir, o saco esquentou e a porra saltou do meu pau direto para a face dele, escorrendo para sua boca. Orgasmo incrível. Gozei muita porra e enfiei novamente o pau na boca dele, que chupou meu pau melado, fazendo cara de prazer, e começou a se masturbar, afinal eu também queria que ele sentisse o que senti. Com meu pau na boca logo ele gozou, e gozou bastante também, no chão da sala estava a porra dele e um pouco do que escorreu da minha. Eu disse a ele: - UAU! Ele sorriu, me convidou pra tomar um banho. Depois do banho me vesti. Nos despedimos e fui pra casa relaxado e com a certeza de que aquele tivera sido meu melhor dia de academia! Se o conto é verdade ou não é??? Deixo por conta de sua imaginação. RS abraço!!! misterwm@live.com

MEUS 2 TIOS ME FUDERAM

Primeiramente esses nomes são fictícios para preservar a integridade das pessoas descritas. Primeiramente esses nomes são fictícios para preservar a integridade das pessoas descritas. Olá. Meu nome é Antônio tenho 18 anos. Sou moreno magro nerd e adoro uma rola de tiozão grisalho acima de 40. Sou bi, e se for pra ficar com caras tem que ser acima de 40. Sempre tive 2 tios grisalhos que eram muito gostosos com aquela barriga cheia de pelos brancos, e pra minha sorte consegui dar e chupar a rola deles, não ao mesmo tempo e claro. O primeiro tio se chama Jorge de 48 anos, cabelo ruivo e branco nas laterais e barrigudo cerca de 1,70 metros, ele é viciado em filmes de putaria, e como tenho internet sempre baixo os filmes pra ele. A 1 ano atras em um belo dia ele tava sozinho em casa, já que a minha tia da aula de culinária na 5ª e crochê na 3ª. Aproveitei a oportunidade e fui correndo levar um DVD pra ele. Como tenho liberdade entrei na casa dele, chamei ninguém atendia, então fui até o quarto dele abri a porta e ele tava dormindo só de cueca, com uma cueca toda larga que dava pra ver as bolas dele pelas laterais. Então acordei ele e falei que tinha mais um filme, então entreguei o filme pra ele, e ele pediu pra eu colocar o filme no DVD, e eu coloquei. O filme começou a tocar e comecei a perceber o volume na cueca dele subir, então ele falou: Nossa esse filme é bom. E eu falei em seguida: Deve ser mesmo, o tio já ta de pau duro. Aí ele começou a rir e falou: Você também tá de pau duro, mesmo antes de colocar o filme. Eu nem tinha percebido mas já estava mesmo. Meu tio falou: Vamos ver qual pau é maior, o seu ou o meu, então ele tirou o pau enorme dele pra fora, sentei do lado dele e tirei o meu também. Meu pau era uns 2 centímetros maior, mas o dele era mais grosso. Então ele segurou no meu pau e deu umas três batidas, e eu também segurei o pau dele, comecei a bater punheta pra ele e o pau dele começou a ficar melado foi então que comecei a chupar. Enquanto engolia a rola dele ele gemia demais, foi quando de repente gozou um jato imenso na minha garganta. Quase morri de tanto nojo, cuspi aquela porra toda e fui lavar a boca. Em seguida ele começou a chupar meu pau também, e era muito bom nisso, quando de repente gozei na boca dele também, só que no meu caso ele engoliu toda a porra. Quando ele acabou de chupar ví que a rola dele já tava uma rocha denovo, foi aí que ele me colocou de quatro e começou a meter no meu cú. Tava doendo muito, e ele enterrava lá no fundo. A única coisa que eu gostava era das bolas dele estalando no meu rabo e daquela barriga quentinha na minhas costas. Ele ficou uns 5 minutos metendo e de repente gosou lá no fundo do meu rabo, senti aquela porra ferevendo dentro de mim. Depois desse dia sempre levo um DVD pra ele no dia do curso da minha tia, aí agente faz esse ciclo. Ultimamente ele tem pedido pra eu comer ele também. Meu outro tio Mateus um pouco mais velho com 53 anos cabelo grisalho e barrigudo também, cerca de 1,8 metros. Esse o volume da de ver mesmo com calça. Sempre muito caseiro e sério nunca imaginei que ele fosse querer me comer, mas não sabia que ele e minha tia não trepavam a séculos, já que ela é muito velha e gorda. Enfim, um belo dia toda minha família juntamente com a família do meu tio foram passar um feriadão (5ª, 6ª, sab, dom) na casa de parentes distantes. Eu resolvi ficar em casa, e meu tio também teve de ficar pois tinha que cuidar de sua cerraria para não roubarem a madeira estocada na rua (ele também não gostava muito dos parentes que estavam indo visitar). Foi então que, pra minha sorte, minha tia falou pra mim: O teu tio também não vai, porque tu não fica lá com ele, ae almoça com ele e ajuda ele a vigiar a cerraria e tratar das galinhas (eles criavam galinhas). Então na primeira noite que fiquei lá meu tio foi tomar banho quando der repente o chuveiro queimou. Foi então que ele me chamou. "Antonio! Faz favor e pega aquela resistência pro tio que ta ali no armário". Então eu peguei a resistência e bati na porta, e ele me mandou entrar. Quando eu entrei ele tava peladão com aquela rola parcialmente dura com a cabeça parcialmente descoberta. Pensei minha nossa que gigante e grossa, isso que nem ta dura. Ai enquanto ele pedia pra eu segurar as partes do chuveiro que ele ia desmontando, eu tentava não olhar. Ele montou co chuveiro e eu saí. Quando chegou na hora de dormir era inverno muito frio, e só tinha um edredom. Então ele falou que só tinha um edredom e perguntou se um cobertor pra mim dava, então eu falei "Acho que sim". Ele falou (pra minha felicidade): Quer dormir aqui? Pode deixar que o tio não vai te comer não. Aí eu comecei a rir e concordei. Quando de repente meu tio tirou a calça e ficou só de cueca, e falou: "Nem liga, o tio só dorme de cueca". Então eu falei, eu também, ae tirei a calça e nos deitamos. Meu tio falou pra eu chegar mas para trás pra não cair da cama, então me aproximei dele um pouco. Ambos estávamos dormindo pro mesmo lado, alguns centímetros mais próximos e estaríamos de conchinha. Coloquei minha mão nas costas e encostei na barriga dele e rapidamente tirei, mantendo as mãos nas minhas costas na altura da bunda. Meu tio se aproximou um pouco e coloquei a mão um pouco pra atras e encostei no pau dele, e tirei rapidamente, só pra saber mais ou menos a distância. Deixei minha mão bem próxima do pau dele. De repente o pau dele começou a crescer e tocou minha mão. Meu tio se aproximou e seu pau ficou ainda mais pressionado em minha mão. Eu fingia que estava dormindo, quando do nada ele esfrega o pau na minha bunda. Peguei no pau dele e comecei a massagear por cima da cueca. Meu tio tirou o pau pra fora e comecei a bater pra ele, foi quando ele disse: "Acha que o tio não viu você secando o pau do tio lá no chuveiro?". Começamos a rir e ele mandou eu chupar o pau dele. Entrei pra debaixo do edredom e comecei a chupar a rola dele, mal cabia na minha boca. Do nada ele gosa na minha boca, dessa vez engoli a porra, já que tava acostumado a tomar a porra do meu tio Jorge. O tio Mateus falou: Hmm já é profissional esse boquete hein. Falei pra ele que também chupava o tio Jorge sempre, e ele começou a rir. Mesmo tendo gosado ele mandou eu continuar chupando. Depois de uns 5 minutos chupando denovo ele gosou denovo, e tomei mais porra. A porra do tio Mateus era diferente da do tio Jorge. Acho que porque ele não trepava muito com minha tia, a porra dele se acumulava e ficava mais branca e grossa, e um pouco mais salobra. Depois de gosar aquela porra na minha boca pela segunda vez, sem descanso ele mandou eu sentar no pau dele. Nunca tinha galopado antes, mas adorei. Enquanto eu sentava naquela roa enorme me debruçava sobre a barriga dele e segurava nas boas dele (enormes, nem encolhiam de tão grandes). No fim ele gozou um leite quente no fundo do meu cu. Dessa vez não senti dor já que ja estava calejado do tio Jorge. Sempre que tenho a oportunidade, vou com o tio Mateus em um morro perto de onde moramos "pegar algumas ervas pra chá", e já aproveitamos pra ele me comer e eu chupar a rola dele.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

SEXO ENTRE PAIS DE AMIGOS

BRENT EVERETT GARAGEM

BRASIL CACETUDOS BIG

BIG DICK BRASIL

BRASIL FROM BANANAS

INICIANTES BRASIL

HOMENS CASADOS

BRASIL TOP MODELS SECRET

FUI PESCAR E LEVEI VARA DO MEU AMIGO

Vou contar tudo o que aconteceu comigo numa pescaria com meu amigo Edson. Meu nome é Otávio, sou casado, tenho 35 anos, 1,82 mt, 75 kilos e meu amigo também casado, o Edson, tem 38 anos e mais ou menos 1,80 mt. Ele e a esposa, nos fizeram uma visita e combinamos uma pescaria na represa de Joanópolis/SP. Juntamos a tralha e partimos numa sexta-feira, saímos de Itupeva e duas horas depois estávamos na represa. Montamos a barraca num gramado próximo e como já estava escuro dormimos. Na manhã de sábado, acordamos cedo e fomos pescar, mas, não nada de peixes. Quando já estava de tardinha, começou as nuvens ficaram escuras e não demorou para começar uma chuva bem gostosa. Largamos a tralha e fomos para a barraca. Ficamos conversando e tomando algumas cervejas e decidimos dar uns cochilos. De repente, o Edson, virou-se e me deu uma encoxada e sussurou baixinho: “Que bunda gostosa”. Percebi que ele estava dormindo e ao invés de empurrá-lo pro outro canto, deixei ele esfregando seu pau que estava ficando duro em minha bunda, senti um tesão inexplicável. Num impulso, comecei a alisar seu pau e ele gemia, estava gostando. Então, enfiei a mão por dentro de sua bermuda e segurei aquela vara enorme e acariciei. Ele acordou e ficou me olhando e não disse uma só palavra. Estava aprovando minha iniciativa. Continuei e ele abaixou a bermuda, fechou os olhos e disse: “Chupa ele, chupa”. Nem precisou pedir novamente e eu caí de boca naquela vara gostosa. Chupava como uma piranha. Depois de babar muito no pau, ele pediu pra tirar minha bermuda e ficar de quatro, pois iria terminar o que eu havia começado. Prontamente atendido, fiquei de quatro e ele lubrificou meu rabo e seu pau com a única coisa que tinha na barraca: Sabonete liquido. Meu amigo então, segurou meu quadril e encostou a cabeça daquela vara enorme no meu rabo que lentamente foi aceitando até ficar só as bolas pra fora. Ele parou pra que meu rabo se acostumasse com o volume. Doia muito, mas o tesão era maior. Pedi então pra ele fazer um vai-e-vem, no que fui atendido prontamente. Eu uivava como uma loba. Ele aumentava o ritmo, dando estocadas bem fortes. Sentia seu suor pingando em minhas nádegas. Entre alguns tapas na minha bunda ele dizia: “Quer mais sua puta?”. Eu dizia que sim que queria mais, mais e mais. Estava adorando. Ele estava pronto pra gozar, tirou o pau do meu rabo, que estava totalmente arregassado e aberto como um funil. Ele segurou a cabeça bem perto do meu rabo e gozou muito. Senti toda aquela porra quente entrando pelo “funil”. Êxtase total. Ele então deitou-se e perguntou: “E aí, gostou?”. Olhei nos olhos dele e disse: “Adorei demais”. Não consegui dormir a noite toda, pensando naquela trepada. No outro dia, guardamos toda a tralha e voltamos pra casa. Minha esposa me recebeu e perguntou: “Pegou muito peixe?”. Respondi: “Pacú”. Meu amigo emendou: “E piranhas”. Já estamos marcando uma nova pescaria, mas dessa vez, vamos mais equipados

MEU TIO DOTADAO

ola pessoal, tenho 49a, casado tres filhas, porem desde os 14a tenho meu lado gay secreto, de la até hoje foram só qutro homens com que me relacionei, vou contar pra vc a minha primeira vez, sou de uma cidadezinha prox. de bh. e nos fds e ferias ia para casa da minha avó e la is nadar , pescar, e brincar muito, como disse aos 14a, naquela epoca tinha muito pouca experiencia sobre sexo, e meu tio saia comogoa para pescar em um rio que cortava a propiedade da minha avó, ele tinha a epoca 36a, e eu sempre dormia em um colchão no quarto do meu tio zé maria, saimos pars pescar e o dia estava pessimo, nem precisava trocar de minhoca tamanha a paradeira, ja iamos embora qdo meu tio tirou o pau para fora para urinar, olhei espantado, era enorme, oerguntei a ele se as mulheres que ele sia aguentam aquele cacetão, ele sorrindo me disse que não só as mulheres, mais que ja ficou com homens tbm e que aguentam tranquilo, fomos embora, e ja a noite acordei de madrugada para ir ao banheiro e vi meu tio nu se masturbando, ele me perguntou se eu não me masturbava, disse que não, que ja tinha ouvido falar, mais era mentira, claro que ja havia gozado, cobri a cabeça e fui dormi, no dia seguinte saimos mais tarde para pescar pois ele disse que a noite os peixes aparecem, saimos, mais meu tio sempre me xingava, pois não isco o anzol e nem tiro os peixes do mesmo, peguei um piabinha, e ele ao tirar me falou, pelo seu jeito de fresco com certeza vc vai gostar de pegar em minhocas muito maiores que estas, entendi mais não me preocupei, pois sabia que gostava de meninas, e nem passava pela minha cabeça algo diferente, pegamos alguns peixes e fomos embora, no caminho ele me falou que iria me ensinar como se bate um punheta, tomamos nosso banho e depois da tv fomos nos deitar , deitei e meu tio veio deitar ao meu lado, deitou atras de mim encostando aquele pau enorme em minha bunda e pegando no meu pau dizia, é assim que se faz, estava bom sentir aquela mão, mais o pau me assustava, após algun minutos ele pegou minha mão e colocou na pica dele. era estranho pegar em um pau desconhecido eenorme. mais tinha que obedecer, ele lambeu minha orelha e disse poe ele na boca, não acreditava naquilo, meu tio me pedindo aquilo, mais ele insistia, comecei passando a boca no corpo do pau, ele pegpi meu cabelo e me obrigou a por aquilo na boca, era nojento aquela baba que saia,(que mais tarde eu iria adorar) limpava minha boca no cobertor ou cuspia,, ele me andou parar, acho que eu estava machucando o pau dele pela minha inexperiencia, dormimos, sem antes ele me dizer que na beira do rio ele iria terminar o serviço, no outro sia saimos mais cedo do que de costume, chegando la ele nem seguer preparou as varas de pescar, e ja veio com a vara dele para que eu chupasse, e assim eu fiz, ele falou como tinha que fazer para não machucar seu apu, que deveria lamber o pau de cimas embaixo, lamber o saco, e ir subindo até a cabeça, e tentar por o maximo dela na boca, aprendi direitinho, hoje me sinto um expert no assunto, depois de muito mamar ele tirou um pote do bolso, e lambuzou meu rabo com algo semelhante a pomada, começou a presionar aquela tora contra meu buraquinho, só sei que dei um berro qdo senti que a cabeça havia entrado, ele parou, tirou o pau se lavou no rio, e mandou continuar chupando seu pau, enquanto mamava, ele dizia, vou te enranar, vc vai ter este pauzaõ todo no seu cuzinho, enquanto apertava meus mamilos, confesso que estava adorando,, chupar aquele pau era tudo de bom pena não conseguir colocar ele todo na boca, em minutos ele gozou e segurou minha cabeça contra seu pau me fazendo engolir tudo, corri para o rio e laveri minha boca dfeixando meu tio rindo da situação, pescamos por mais uma hora e fomos embora, no caminho ele me perguntou se eu estava gostando daquilo, disse que sim, disse que estava com medo da minha mãe descobri, e que tinha certeza que não aguentaria seu pau na minha bunda, ele sorriu dizendo que se eu não contasse para ninguem, seria impossivel alguem descobrir, e que ele a noite iria fazer algo diferente, e que ele iria tentar colocar tudo dentro de mim, tomei meu banho, jantei. e depois da tv fui me deitar, apesar do medo, não aguentava de curiosidade, queria saber o que de diferente ele faria, e tbm queria muito chupar aquele pauzaõ, ja era tarde, acho que ele esperou mi9nha vó ir dormir, ele chegou trancou aporta e ja veio em minha direção, ja deitado ao meu lado cai de boca sem ele precisar pedir, mamava com todo gosto, lambia as coxas, e ele sempre me elogiando, até que depois de um tempo ele me virou tirou meu short e começou lamber meu cuzinho, enfiava a limgua la dentro. mordiscava a s nadegas me fazendo delirar de tanro tesão, ja lubrificado pela saliva, ele ainda colocou aquela pomada, pedir para que empinasse a bunda, e começou a penetração mais dolorosda e prazerosa da minha vida, no inicio eu gritava, mais ele sabis como fazer, deixou a cabeça la dentro do meu cuzinho, e comelou a morder minhas orelhas, meu pescoço, e a apertar meus mamilos, o que era dor passou para calor, prazer, e ele sentindo foi aumentando os movimentos, só sei que qdo assustei as bolas ja batia em minhas nadegas sinalizando quer ja estava tudo dentro de mim,. e ele no meu ouvido, ta vendo como vc aguenta facil, eu nem queria conversa, só rebolava, e dizia, come tio, me fode, não sei como mais gozei sem ao menos tocar em meu pau, que sensação maravilhosa é gozar com um pau bem gostoso dentro de vc, meu tio tbm gozou dentro de mim, foi maravlhoso, após este dia virei frequentador assiduo da casa da vovo, qdo eu não ia eleia me buscar, depois conto pra vcs mais transas com meu tio, e os outros dois caras que ja foram chupados por mim, hpje sou casado, minha esposda sabe, até aceitou dividir comigo o pau de um cara bemn dotado. alguem se interessa, leopoldo654@hotmail.com

domingo, 20 de janeiro de 2013

MALHADINHO DE PAU DURO

PAU DO BONITINHO DO BAIRRO

O DONO DO BLOG DE PAU DURO NA CAMISINHA

COM O AMIGO DO ACAMPAMENTO

PEDRO E AMIGO

CHU´PEI MEU IRMAO COM ELE DORMINDO

Bem sou moreno claro olhos verdes, 1,75 atualmente com 41 anos, meu irmão Marcos é mais novo que eu 3 anos, ele meu irmão por parte de pai, fui conhecer ele quando já eu com 15 ele com 12 anos, ele é branco, 1,75m muito bonito, sempre muito comunicativo e uma facilidade de pegar mulher de dar inveja, depois que nos conhecemos viramos muito amigos, só saiamos juntos para a noite, festa em cima de festa, quando fiz 17 anos arrumei um serviço em uma cidade próxima de onde morávamos e também arrumei para ele na mesma empresa, falei com minha madrasta ela deixou pois eu tinha que tirar ele de nossa cidade pois estava se envolvendo com drogas, ai mudamos para essa nova cidade eu e ele, a empresa que eu trabalhava pagava toda nossa despesa casa, almoço, janta, roupa lavada, muita mordomia. Mas vamos ao que interessa... um dia saímos a noite tomamos todas que tínhamos direito (hehehe todo dia tomávamos toda), mas neste dia quando chegamos em casa ele muito bêbado deitou com roupa e tudo, eu fui tomar meu banho, quando cheguei no quarto ele tava de calça Jeans tênis no pé dormindo, ai como irmão mas velho tirei o tênis dele, desabotei a calça, até então nem passava nada pela minha cabeça, apenas cuidando do irmão mais novo mesmo, tirei a calça dele, ai a coisa começou a mudar de figura, ele tava com uma cueca branca apertada marcando o pau mole mas via que era um pau grande pelo sinal, fiquei olhando ele de cueca, umas coxas grossas poucos pelos, tirei a camisa dele também e sempre admirando a marca do pau na cueca, e fui ficando de pau duro com muito tesão, já tinha feito troca-troca com primos, amigos do bairro que morava mas na infância, na juventude meu negocio era mulher mesmo, mas aquela imagem dele de cueca branca me deixou com tesão, deitei na minha cama, mas sempre olhando ele, me levantei fui até a cama dele, passei a mão bem de leve no pau dele por cima da cueca, ele dormindo até roncando, não fiquei satisfeito só com a aquela passada de mão e comecei a alisar o pau dele sempre sobre a cueca, bem devagar, o pau foi reagindo aos carinhos foi ficando duro, tirei para fora, olhando aquele pau, pensando nossa que pau bonito bem maior que o meu que tem 15 cm o dele 18 cm com uma espessura mediana, na o meu é curto e muito grosso, e comecei a sentir o pau dele na minha mão, comecei a bater uma punheta para ele sempre olhando aquele pau pro rosto dele, meu coração batendo a mil por hora, não resisti e dei uma lambidinha naquela cabeça vermelha roliça, coloquei na boca, pensei uma chupadinha bem de leve, mas quando percebi já tava chupando bem gostoso, sugando colocava o que cabia na minha boca, chupei o pau dele uns 15 minutos aquela sensação de dureza mas com uma textura macia, senti o as veias do pau incharem tirei da boca, e senti um jato de porra na minha cara e logo outro, o pau dele ficou todo lambuzado, ai voltei a chupar limpando aquele cacete tomando aquele leite sentindo pela primeira vez aquele gosto diferente meio azedinho, acido, mas muito gostoso, limpei o pau dele com a boca guardei o pau dele na cueca, e fui para minha cama ainda com porra na cara, uns 3 minutos depois ele se levanta e vai para o banheiro, pensei comigo, agora eu to ferrado ele tava acordado, voltou eu fingi que tava dormindo, ele não falou nada, no outro dia eu só esperando ele falar alguma coisa, mas ele não tocou no assunto, a noite quando fomos dormir ele tomou banho e deitou pelado na cama, sempre dormia de short e camiseta, eu fiquei olhando ele pelado de barriga para cima quando vi que ele dormiu fui e chupei novamente e ele dormindo, e novamente gosou na minha boca, moramos juntos 5 anos, nunca tocamos no assunto mas vira e mexe ele dormia pelado e eu chupava ele até sentir aquele jato de porra na minha boca, chupava ele pelo menos 3 vezes por semana durante esse tempo que moramos juntos, até hoje não tocamos neste assunto, eu tenho certeza que desde a primeira vez ele tava acordado mas fingiu que dormia, atualmente nos vemos muito pouco, moro em mato grosso e ele em São Paulo, e depois que casei nunca mais fizemos nada.