terça-feira, 27 de dezembro de 2011

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

UMA PAUSA FORÇADA

AI COMO TO BANDIDA!!!!!!!!!!!!

UM FELIZ NATAL PRA TODOS VCS E UM ANO REFLETO DE PAZ,AMOR E MUITA ROLA

RSRSRSRRS

GALERA ESTOU SEM COMPUTADOR AQUI EM CASA

NOS PROXIMOS DIAS ESTAREI DE VOLTA COM OS VIDEOS E CONTOS

OBRIGADO PELO OS ELOGIOS E CRITICAS

TEREMOS MUITAS NOVIDADES

CARAIO DO DE RESSECA E NAO COMI NINGUEM

SOBRE UMA CRITICA QUE ALGUEM FEZ,DIZENDO QUE NADA AQUI NO BLOG FUNCIONA

COMPRA OUTRO COMPUTADOR GATO,O PROBLEMA DEVE SER O SEU SERVIDOR

BEIJOS,BEIJOS  VOLTO LOGO LOGO

ARRASSEM COM SEUS PAUS PRA FORA

O LINK DOS VIDEOS AMADOR ESTARA AQUI EM BREVE PARA BAIXAR

domingo, 18 de dezembro de 2011

LOIROS DELICIOSOS BOY 2

LEITE DO MEU LEITE PAI E FILHO PART 2

Ele, talvez, nem tenha percebido. Ou não ligou. Afinal ele também estava batendo punheta, e fazia isso com o filho na sua frente. Ele também foi bem safado e puto. Claro que foi. Aquela gozada espetacular que ele deu não foi por causa de uma simples punheta, como tantas outras que, pelo jeito, fui descobrir com esse episódio , ele costumava sempre bater em casa. Ele teve aquele orgasmo lancinante porque tocou uma punheta na presença do filho, enquanto falava com ele. Claro que foi isso. Meu pai foi um taradão, um tremendo safado. Isso foi me deixando tonto de tesão de novo, e me trouxe à cabeça todo aquele leite dele, um oceano de porra jorrado na parede do banheiro. Meu pau imediatamente respondeu e começou a ficar duro de novo. Eu tinha que ir lá conferir o leite do meu pai, a porra que me fez, o sêmen do homem que me criou. É óbvio que o pau falou mais alto que o cérebro, e tratei de ir no banheiro, e saí do quarto nu mesmo, de pau já duro, pra ver a porra dele na parede e no chão.
Passei pela porta e vi a poça da minha própria porra na entrada - não tinha como sair do banheiro sem ver aquilo, mas estava tão tarado pela porra do meu pai que nem liguei pra isso. E lá estava o porra dele, branca e viscosa, amontoada na parede e escorrendo lentamente, fazendo uma lagoa de leite de macho maduro no chão que cheirava forte no banheiro inteiro. Fiquei doido com aquilo, com a aparência, com o cheiro, era a porra do meu pai, era tesão demais ver aquilo e saber que ela foi gozada tão fartamente por uma punheta que ele bateu por estar tão excitado me vendo junto dele. Ajoelhei e então me entreguei à loucura: esfreguei meu pau duro na parede e no chão, lambuzando meu pau na porra do meu pai, cobrindo ele todo com o leite e comecei a bater uma punheta safada. Estava louco, completamente tomado pelo tesão de ter a porra do meu pai lubrificando a minha punheta e o cheiro de porra dele me deixava ainda mais descontrolado. A sensação era indescritível, apoiei a mão direita no chão atrás do meu corpo e soquei com violência uma punheta sentindo o sêmen viscoso do meu pai e sem tirar o olho do leite dele na minha rola, no chão e na parede. Foi aí que olhei para a porta e vi que meu pai estava ali, parado, a pouco mais de um metro de mim, em pé, assistindo à cena com a mão punhetando com força o pauzão rígido.
Gelei de susto e surpresa. Estava tão hipnotizado pelas sensações de prazer que não me dei conta que meu pai deveria estar ali o tempo todo observando o filho empapar o pau com a porra dele e se masturbar feito um doido. Eu agora estava entre o susto e o transe de ver meu pai, agora sem qualquer obstáculo, tocando punheta feito um tarado na minha frente. Era uma das coisas mais lindas e eróticas que poderia ver na vida. Não levou alguns segundos e meu pai, que não parava de se punhetar, fez sinal com a cabeça pra eu continuar. Imediatamente reiniciei, como filho obediente que sou, e ao ver todo o prazer que eu estava sentindo ao ficar entre olhar e sentir a porra dele no meu pau e observar ele violentando a própria vara, meu pai soltou o sorriso mais sacana que já vi na minha vida e um olhar feroz de animal no cio, completamente tomado pelo instinto sexual. Eu também respondi sorrindo, e lambi os lábios de modo bem lascivo pra provocá-lo ainda mais. Ele ficou doido, começou a urrar e gemer feito um leão enquanto maltratava o pau sem dó. De repente ele ajoelhou e esfregou o pau todinho na poça de porra que eu tinha deixado no chão, virou pra minha frente e aumentou ainda mais o ritmo da punheta no pau agora coberto no meu leite. Puta, aquilo foi um tesão sem igual. Virei pra frente dele e pressenti, como um choque elétrico percorrendo o meu corpo, que o orgasmo ia vir à galope. Meu pai já estava descontrolado na punheta, uivando feito um lobo, perdido entre o êxtase de sentir e ver minha porra no pau dele e olhar feito um tarado o filho socando uma na sua frente, também com o leite dele cobrindo o pau. Eu estava tão louco e tarado, tomado pelo tesão, que enfiei a mão na poça de porra do meu pai e lambi os dedos com vontade, saboreando o leite de meu pai com todo o prazer, sentindo aquele gosto forte e intenso de leite de macho. Isso foi demais pra mim e pra ele, que grunhiu quase explodindo de tesão "PUUTOO!!!". Aí não dava mais pra aguentar, o contato com o leite do meu pai, saboreá-lo em minha boca e ver o meu macho criador tocando punheta na minha frente feito um leão, aquilo tudo junto me lançou em um gozo extremo, e meu pai, ao pressentir isso, grunhiu animalescamente "Goza, filho, esporra pro papai!!!" Ouvir meu pai querendo que eu gozasse pra ele era meu limite final. Eu esgacei a boca ao sentir o prazer tomar meu corpo e só consegui gritar "PAI...!!!" e esguichei jatos fartos de porra que caíram sobre a poça de porra do meu pai entre minhas pernas e os mais fortes atingiram o pau do meu pai. Ele arregalou os olhos e não se conteve, berrou, urrando de prazer e jorrou sua porra ainda mais forte que a minha, depositando o seu leite na minha poça de porra entre seus joelhos e também atingindo fartamente o meu pau, minha mão, minha barriga, peito e até minha cara e minha boca escancarada. Aquilo tudo reiniciou meu orgasmo, e os jatos seguintes saíram ainda mais intensos, com ondas de prazer tormando meu corpo enquanto eu meu esvaía em jatos de sêmen. Meu pai não se deu por vencido e continuou a jorrar feito uma mangueira leite e mais leite, lavando o chão do banheiro e empapando minha rola e meu corpo no seu leite. Quando o último jato saiu do meu cacete exausto, gemi e senti uma fadiga imensa, tamanha foi a sensação de prazer que experimentei. Meu pai ainda socava punheta e grunhia e urrava, soltando as leitadas finais sobre meu corpo, e quando o último jorro foi expulso pela sua vara de macho ele olhou pra mim, exausto, tomado pelo prazer, e sorriu um sorriso cheio de amor e orgulho.
Eu estava tão cansado que balançava, a vista meio turva. Meu pai percebeu a intensidade da sensação e veio até a mim, também sôfrego, se arrastando com o corpo fatigado de prazer, e me abraçou, me envolvendo em seus braços fortes e encostando minha cabeça em seu peito peludo e musculoso. Abracei meu pai com força, acariciando seu corpão malhado, sentindo os pelos suaves pelo corpo e, completamente tomado pelo amor dele, o olhei e vi que ele também me olhava, cheio de ternura. Ele disse "filho...". Eu nem deixei ele terminar, apenas disse meigamente "Eu sei, pai! Também te amo!". Ele sorriu de novo, cheio de alegria por ter sido compreendido, beijou com amor a minha testa e começou a lamber a sua própria porra da minha cara. Eu ria, louco de contente por estar vivendo aquele momento de proximidade tão intensa com meu pai. Ele sorveu o próprio sêmen com prazer e também riu, me olhando como uma criança que acabava de sair do parque de diversões e me deu um selinho molhado com sua porra nos meus lábios que me arrepiou inteiro. Continuamos abraçados, eu todo melado na porra do meu pai, feliz da vida, e ele, enorme, envolvendo meu corpo, e sua rola, que cobria meu cacete, pulsava e começava a crescer novamente. A minha, claro, também latejava de tesão e reagiu, endurecendo rapidamente. Ele olhou para nossas varas, agora já lutando duras, uma contra a outra, e de repente, com um olhar sacana, começou a acariciar a minha bunda, com os dedos quase no buraco do meu cu, e disse: "acho que precisamos tomar um banho...juntos?". Respondi, sorrindo e cheio de animação. "Sim, pai. Quero muito!"
É. A porta estava aberta...pra muito mais.
CONTINUA...

2 JOGADORES DO VITORIA NA CAM

sábado, 17 de dezembro de 2011

PEDRO GOSTOSINHO DE CUECA



VIDEO BONUS( NOVINHO CARENTE)

MAMANDO O AMIGO NA CAM

TORCEDOR SAO PAULINO COM ATAÇA NA MAO

RODRIGO SEXY BOY

COVER DO LUAN SANTANNA

FELIPE LEMAO (PREVIA)

LOIRINHO MATA PAPAI DE TESAO

INDIOZINHO NA CAM

PAQUITINHO MICARETEIRO

MAIS UM MULATO DA HORA THOR

RAPAZ CABELUDINHO

MULATINHO DELICIOSO

CARLINHOS MARRENTO

PAQUITO BRANQUINHO

MORENO SENSUALIZANDO DE CUECA VERMELHA

ALEMAOZINHO GOSTOSO

RODRIGO DE 18 ANOS SAO PAULO

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

BRINCADEIRA COM O PRIMO

Tenho trabalhado muito, sou técnico em segurança de trabalho, trabalho há um bom tempo numa montadora de veiculos, e moro na capital, vou todos os e além do mais o trabalho é duro.
Finalmente, recebi uma proposta de uma empresa especializada em Segurança de trabalho e lá serei consultor, vai melhorar bem minha carga de trabalho. Vou viajar pelo estado e refazer minhas folgas.
Porque estou contanto isso, ás vezes eu durmo na casa de uma tia, que fica na região metropolitana, é raro, mas, fica de dificil voltar de moto muito tarde e retornar pela manhã cedo.
Eu sou casado, tenho 35 anos, já sou casado há oito anos e não tá lá essas coisas, minha mulher engordou bastante e acho que esta muito desmotivada, sendo que ela só tem 30 anos. Não temos filhos.
Eu curto muito lutas, faço jiujitsu há 12 anos e tambem faço outras modalidades, corro e jogo um futebolzinho com a rapaziada de vez em quando.
Tenho um corpo definido, pele morena, pelos lisos, cabelos pretos curtos e ficando calvo, tenho 1,76m e 75kg. dizem que tenho a cara de bravo, mas de bravo eu não tenho nada.
Na casa, com a minha tia mora meu primo de 22 anos, o conheço desde que nasceu porque minha mãe e essa minha tia além de irmãs, são muito chegadas.
Este meu primo, sempre bricamos muito, ele fazia luta também por minha influência , mas abandonou a muito tempo e agora até tá um pouco fora do peso.
Ele é de pele clara e muito liso, tem os cabelos lisos , castanho claro, tem olhos castanhos claros é da mesma altura que eu, só que anda pesando um pouco mais tipo uns 78 kgs.
Insisto com ele para voltar a treinar, mas tá enrolando , dizendo que trabalho e faculdade não da tempo pra mais nada.
Nos últimos dias, estou bem desetimulado de transar com minha mulher...mas, também não procuro outra, acho que não quero nenhum rabo de foquete...e transar com puta é meio foda, né?
Convivo muito com homens, no trabalho e nos esporte, nunca senti tesão, mas, tambem não sou daqueles que tem asco de outro homem.
Vejo homens pelado nos vestiários da acadêmia e do trabalho, observo o saco, as pistolas, dos caras e tudo mais, mas olho para as bundinhas, viu?
As vezes entro no vestiario da acadêmia e tem algum cara, na ducha de costas lavando o rego, eu fico com aquilo na cabeça, acho que é excitante, mas nunca passou disso.
Em uma noites destas, que fui dormir na casa da minha tia, cheguei antes do meu primo, ele chegou por volta de 10:30, liguei pra ele falei que o esperaria na pracinha que tinha perto da casa dele, que tem uns espetinhos e fica agitado lá com uma moçada.
Chegou tomamos umas e depois fomos pra casa, ele disse que iria tomar banho, que tava todo suado e eu lembrei que ainda não tinha tomado e resolvi tomar tambem, comecei a tirar os sapatos no quarto dele, onde durmo e ele foi para o banheiro...enrolei na toalha e fui e encontrei a porta só encostada e ele já tava no box. Entrei e dei uma mijada e pergunteise podia esperá-lo ali, ele disse que sim e se quisesse poderia entrar lá junto com ele.
Foi o que fiz, entrei e continuei a conversar. Foi engraçado, estavamos muito descontraídos, na verdade ele já me viu pelado outras vezes, trocando de roupa no quarto. Fiquei ponde reparo nele e agradei muito do corpinho fora de forma dele, da bundinha branquinha, consistente e lisa e ele tem um jeitão de meninão, meio desajeitado.
Só saimos de lá juntos, e só de toalha, fomos pro quarto e ele me empresstou um short para dormir, depois que nos vestimos começamos uma brincadeira de lutinha...eu dando uns golpes nele e ele me chamando de "seu fudido", que aqueles golpes eram novos pra ele, eu disse que eu era mais forte e ele estava fora de forma...e rimos...Saimos só dos golpes de braços e começamos a embolar as pernas também, só que estavamos de shortes largos e sem cueca e não teve como não começar tocar nossas pistolas umas na outra.
Encaixei um golpe que ficava com meu pinto roçando na coxona dele, bem perto da bunda...não teve jeito, meu pau foi começando a reagir... fui ficando de duro e aproveitei e o imobilizei...deitando por cima dele...
Não sabia o que estava fazendo, só sei que estava acontecendoalgo, que poderia ser bem perigoso para nós dois.
Vi que ele parou de reagir, não fez mais força para se soltar...comecei a falar cooisa desconexas com ele...usando termos de batalhas, se ele iria desistir ou se entregar...se correr o bicho...e por ai vai...palavras de alguém que estava nervoso, com tesão e próximo por tentar um sexo com um outro homem, que por sinal era meu priminho.
Ele ficou calado, não dando nenhuma resposta, o virei de lado e encaixei meu pau que ja´estava duro, por dentro do short, na bunda dele que também ainda estav de short.
Falei bem baixinho no ouvido dele, desiste ou posso baixar seu short...ele deu um sorriso...desci minha mão até o pau dele que tava bem duro também...
Assim o fiz, abaixei o short dele e em seguida o meu...minha psitola foi logo indo para o meio do reguinho dele. Estavmos um pouco suado, pois aquela brincadeira já durava mais de meia hora.
Estavamos de ladinho...queria penetrá-lo...perguntei, vamos levar essa brincadeira pra frente...ele só vez um movimento com a cabeça , e parecia que se sentia imobilizado...estavamos os dois com os shorte no meio da perna, ele não procurou puxá-lo pra cima...então, o deitei de bruço e enfiei meu pau no meio das coxas dele...fiz o movimento de vai e vem, por um tempo...tava ficando descontrolado...passou um tempinho, levantei e fui procurar o cuzinho dele, meu pau tava babando, sendo que a muito tempo isso não acontecia deste jeito...abri as pernas dele e segurei como se fosse um golpe...encostei e forcei procurando o cuzinho, que estva bem lá no fundo, porque ele tinha uma bunda mais avantajada.
Fiquei cutucando com a acabeça do meu pau bem na portinha, ele começou gemer, vi que em qualquer momento iria começar entrar, a baba tava lubrificando legal...mas, não era o sufiente para comê-lo.
Levantei e dei uma cospida na portinha e na cabeça do pau e retornei a tentativa de penetrá-lo...que começou a dar certo...ele gemeu e pediu para parar...eu falei, Pô , agora, que tá indo...ele dise que tava doendo...peguei um pouco mais leve, sem tirar...voltei a forçar e ele não se manifestou ao contrário...a cabeça do meu cacete começou entrando...tava gostoso demais...fui fazendo o vai e vem...mesmo sem ter entrado tudo e veio a sensação de gozo...puta que pariu...não aguentei quando comecei a gozar gostoso, naquela bundonda de outro macho...acho que sempre desejei isso, mas não me permitia nem pensar. Neste momento deu pra entrar um pouco mais...esporrei muito e sai de cima dele e fui pro lado dele na cama de solteiro que naquele momento tinha ficado desconfortável para nós dois.
Dei um beijo no rosto dele e me levantei...ele disse que teria quer ir no banheiro de novo...foi e quando voltou perguntei se estava tudo bem e ele disse que sim. Dormimos e acordei bem cedo no outro dia , tomei um banho correndo e sai para o trabalho no sabado de manhã.
Passei o dia inteiro com aquilo na cabeça...não sabia se tinha agido certo o não, só sabia que otesão tinha sido demais.

MEU VIZINHO TESUDO E GOSTOSO

Eu sempre evitei envolvimento maior com vizinhos. No máximo falo um “bom dia” sem conversar muito. Entretanto com Leo, um morador do 12º andar é diferente. Ele deve estar com uns 35 anos. Alto, branco e sarado. Devia ser bom transar com ele, mas não sabia o caminho para isso. Bom, era só vontade. Como saimos e chegamos no mesmo horário é comum nos encontrarmos no elevador, na garagem ou mesmo no hall, e sempre rola uma conversa mais longa. Na semana passada, como era sexta-feira e minha mulher está em outra cidade para passar o Natal com a mãe, fui com amigos tomar uns drinques. Já passava das 20:00h quando voltei e ao entrar na garagem encontrei com Leo. Coincidência bem-vinda. Ele chegava da academia onde malhava toda noite. Vestia um short azul e camiseta regata branca. Não pude deixar de reparar naquele homem. O tesão e as doses que eu bebera no bar fizeram com que eu quisesse sentir aquele homem me fodendo. Entramos juntos no elevador e na subida ele observou que eu carregava um note book. Comentou que tinha comprado um e que não conseguia acessar a internet. Estava pensando em procurar a assistência técnica. De repente eu senti que a oportunidade chegara. Falei que eu conhecia um pouco de informática e se quisesse eu poderia olhar o note book. Achei que ele iria recusar mas ele falou que se não fosse incomodar aceitaria minha oferta. Subimos ao seu apartamento. Ele mostrou o note book em cima de um balcão..tipo cozinha americana. Puxou um banco alto e pediu que eu sentasse para ver o note book. Sentei, liguei a máquina e fiquei observando. Realmente, o problema era que precisava digitar a chave. Devia estar no manual. Realmente encontrei. Percebi que ele postou-se ao lado e sua coxa encostava no meu ombro quando debruçava para olhar a tela. Resolvi fazer um teste e deixei meu braço encostar mais na coxa. Fiquei um pouco tenso. Meu coração só faltava sair pela boca. Mas, surpresa... ao invés de se afastar ele aproximou-se mais e logo pude sentir no meu braço a pressão de suas pernas. Num movimento mais ousado virei meu braço de modo que ficasse encostando na sua virilha. Senti o pau duro sobre o short. Como se não percebesse iniciei um movimento de esfregar meu braço no pau. Nesse momento já sabia que ia rolar algo entre nós. A bebida me deixou ousado. Virei-me para ele e perguntei: -posso? Ele falou: -como quiser! Não esperei mais, enfiei a mão no calção e puxei a pica, deixando-a perto da minha boca. Estimei que devia ter uns 17cm a 18cm. Grossa e grande, do jeito que gosto. Iniciei uma sessão de chupada. Não entrava toda na minha boca. A metade eu manuseava com a mão. Ele apertava minha cabeça fazendo com que a cabeça da pica tocasse o fundo da garganta. Deixava ficar um pouco e puxava. Depois repetia o movimento. Fiquei chupando uns cinco minutos. Ele perguntou: -você deixa eu meter este cacete no seu cú? Eu me fiz de bobo e disse: -acho que sim, mas se doer você tira, pois eu nunca fiz isso. Ele falou que iria tomar cuidado e me chamou para ir para o quarto. Lá ele tirou a roupa ficando nu na minha frente. Mandou que eu ficasse nu e deitasse de bruços na cama com as pernas de fora. Fiz o que ele mandou. Vi pelo espelho que tinha ao lado da cama ele apanhar uma camisinha no criado mudo e colocar no pau. Ele ficava na metade. Só de ver a cena meu cú piscava de tesão. Ele cuspiu na mão e esfregou no meu cú. Pedi: “Leo, devagar...devagar” Ele abriu minhas pernas...cuspiu no meu cú. Senti ele aproximar-se e a cabeça da pica esfregando no meu rego. Pedi: “devagar..por favor”. Ele falou: “não se preocupe. Vou te foder legal. Vou arrombar este cú”. E foi pressionando o meu cú com a cabeça do pau. Começou a entrar devagar. Era grande demais. Doía. Eu dizia..”ta doendo...tá doendo”. Ele falava – espera um pouco seu veadinho que vou colocar devagar” Mas eu queria o pau no meu cú e pedi: “vem Leo..enfia tudo...arromba meu cú”. Ele não esperou. Senti ele debruçar-se sobre mim...e num movimento mais forte o pau entrou no meu cú me rasgando. Não deu para reprimir o grito: “AIIIIII!!! AIIIII!!! Ele estava sobre mim com a pica dentro do meu cú. A dor foi grande que senti lágrimas no rosto. A dor foi passando e eu pedi: “agora Leo. Fode tua cadela”. Senti o cacete entrar e sair forte. Eu pedia: “mais...mais...fode tua mulherzinha...meu macho...meu garanhão tesudo”. Ele arfava e enfiava o pau bem forte. Falava: “que cú gostoso. Que cú apertado”. Leva no cú, cachorrinha” Toma, seu veado”. Eu pedi: “Leo, não goza no meu cú. Goza na minha boca. Quero engolir tua gala”. Nesse momento meu cú já estava todo aberto...só senti prazer sendo fodido com um homem em cima de mim. Era tesão demais. Depois de uns minutos ele disse que ia gozar. Tirou o pau e ficou em pé ao lado da cama. Sentei-me, tirei a camisinha e coloquei o pau na boca. Chupava e punhetava o cacete até que senti ele crescer na minha mão. A gala veio com força na minha boca. Muita gala. Encheu minha boca. Engoli bastante. Ouvi ele falar: “engole putinha..engole”. Eu engoli tudo. Gota por gota. Depois fiquei lambendo o cacete ainda melado. O que ele fez em seguida foi surpresa. Deitou-se ao meu lado...veio para cima de mim e disse: “vou te beijar para sentir o gosto da minha porra”. Encostou a boca na minha e deu um beijo de arrepiar. Senti a língua passear pela minha boca. Foi o primeiro beijo de um homem. Não era muito diferente, mas só serviu para acender o tesão novamente. Ficamos abraçados nos acariciando. Depois, meu cú já arrombado recebeu mais uma vez aquele cacete. Desta vez não doeu. Entrou direto. Fui enrabado na posição por cima, sentado de frente. Enquanto ele me comia pediu para eu bater uma punheta para ele ver. De frente, sentado com a pica no meu cú bati uma punheta e gozei em cima do peito dele. Depois passei a língua lambendo minha gala. Nos beijamos para ele sentir meu gosto. Já passava das 23:00h quando eu voltei para casa. O Leo já comeu meu cú mais uma vez. E agora eu tenho uma pica bem perto. Porém eu já disse para ele que um dia quero ver ele fodendo minha mulher. Ele espantou-se, não acreditou, mas depois viu que é verdade. Quando as férias terminarem em janeiro e minha mulher voltar vou fazer ela foder com o Leo. Vai ser divertido.
marcos.2100@hotmail.com

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

SEM QUERER,ROLOU

(Antes de tudo, esta história é real)

Olá, meu nome é Gabriel tenho 19 anos.

No sábado passado meu Tio que é casado e tem uma filha, veio com sua mulher passar a noite na minha casa, minha mãe que adora dançar, convidou eles para irmos a uma Festa dos anos 80's 90's, que eu adoro!!!

Fomos à tal festa, chegando lá meu tio que adora um bom Chivas Real (Whisky) comprou algumas doses, na fila para compramos, eu ficava acariciando o pênis do meu tio, como a música estava muito alta, tinha que chegar perto do ouvido dele para poder falar, então já aproveitava para tirar umas casquinhas, rsrs... Voltamos para a mesa com as doses e acabei tomando uma com energetico. Como não sou de beber, fiquei bem alegre, dancei muito e fiz várias amizades. Meu Tio que ama whisky bebeu 5 doses, ficou bem alegre... Logo mais tarde por volta das 2hr da manhã, meu tio que já não aguentava mais de tanto cansaço foi para o carro, minha mãe que estava acompanhada com seu namorado e uma amiga, pediu para que eu fosse pedir para o meu tio levar a amiga da minha mãe na casa dela, fui lá e ví meu tio deitado, roncando de tanto cansaço, não pensei outra coisa e voltei para dizer para a minha mãe que ele estava dormindo, ela compreendeu e pediu um táxi para a amiga dela. Voltei para o carro, fiquei lá um bom tempo visualizando o volume do pênis do meu tio sobre a calça, como ele dormia, comecei a acaricia-ló, ví logo que começava a ereção, parei por um tempo e depois continuei, nessas paradas que eu dava, ví que meu tio parou de roncar e lógico estava fingindo que estava dormindo, comecei a acariciar mais forte e quando eu estava apalpando e dando umas apertadas, ele fingi que acorda, eu logo pego meu celular e finjo estar mandando mensagens e meu me surpreende e diz "dá mais uma pegada aí" fiquei um bom tempo acariciando, quando ví que já estava com bastante ereção meu tio levantou um pouco o banco do carro para ver se à mulher dele vinha, como ele observava, ele acabou tirando o pênis dele para fora, me surpreendi ví que era aquilo mesmo que eu imaginava, eu tinha muito fetiche por ele, sempre que me masturbava, ficava pensando nele, não deu outra e comecei a masturba-lo, fiquei um bom tempo o masturbando, quando do nada o namorado da minha mãe sai para fora e vem em direção ao carro, ele guarda o seu bom e grande pênis e liga o carro, falando que vai me levar para casa. Fomos para a minha casa, só que ele passou direto, como eu estava sem a chave que ficou com a minha mãe, entrou em uma rua deserta, totalmente escura, e pediu para eu continuar pegando, que estava maravilhoso, masturbei ele bastante, quando sinto a mão dele sobre a minha cabeça, empurrando lentamente para o seu pênis e diz "chupa essa p*rra aí" aquilo era um sonho para mim, esperei muito por essas 4 palavras, não deu outra, comecei a fazer aquele boquete maravilhoso, eu colocava seu cacete inteiro na minha boca e ele gemia, depois de uns 8 ou 9 minutos o chupando, ele começou a suspirar, foi na hora que ele gozou na minha boca, que delicia, engoli como se fosse água, quando menos esperava, saiu mais um pouco daquela coisa maravilhosa, masturbei ele com minha mãe cheia de porra, e logo em seguida caí de boca, limpando com minha língua todo aquele gozo. Foi maravilhoso, ele não disse nada depois que terminamos, ligou o carro e fomos de volta para o baile, buscar minha mãe e minha tia, entrou em outro assunto, falando comigo como se nada houvesse acontecido, mas eu amei aquilo e quero denovo, acho que ele também gostou, e não vejo a hora de ele viajar para cá novamente, vou poder desfrutar mais e mais daquele cacete maravilhoso...

KELVIN CLARK

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

ATUAL NAMORADO DO EX

O MELHOR BABA QUE EU PODERIA TER PART 1

Meus pais viajaram a Europa comemorando o aniversário de casamento. Meu irmão viajou pra Bhaia com os colegas da formatura. E eu iria ficar sosinho durante uma semana. Nem acreditei. Até que na noite anterior a eles irem viajar me disseram que eu ia ter uma "babá". Eu fiquei puto da vida, pois nessa semana eu (como todo bom adolescente gay de 14 anos com o libído super alto) estava planejando me dedar e me masturbar todas as noiteis antes de dormir assistindo a vários vídeos pornos no meu netbook, gemendo alto e se possível andar pelado pela casa, tendo chances de bater uma a qualquer momento. Mas com uma babá isso será impossível. Tive que aceitar, afinal não era eu que decidia isso. Até que eles me disseram que meu primo Rafael que iria ficar comigo. "Menos mal" pensei "Se ele for bonito e gostoso da pra eu bater um punheta pensando nele me comendo". A ultima vez que eu tinha visto Rafael ele tinha 15 anos e eu 10. Pelo que eu lembrava ele ja era botnito.No dia seguinte eu cheguei da escola esperando ver-lo lá dentro. Ninguém. Aproveitei para bater umas enquanto esperava. Foi só eu tirar meu pau duro pra fora, que a campainha tocou. Me arrumei e fui. Ao abrir a porta vi aquele Deus grego diante de mim. "Rafael?" perguntei, ele fez que sim com a cabeça e depois sorrio.Lá dentro reparei que ele estava todo suado, o que eu acho muito sexy. Ele tinha um peitoral delicioso. Usava uma regata preta agarrada e um shorts branco. Eu quase voei em cima dele pra arrancar aquele shorts e começar uma boquete bem molhada, mas me contive. "Porque voce tá todo suado?" perguntei "Acabei de voltar da academia, mas como é que tão as coisas??" ele disse isso e tirou a camisa. Começamos a conversar sobre os 4 anos longe um do outro. Ele começou a explicar que fazia faculdade de medicina... até que me perdi no corpo dele. Um deus loiro de olhos azuis, com braços torneados, um peitoral bem definido e um tanquinho que qualquer cara invejaria e qualquer mulher amaria. 1,80 aproximadamente de puro fetiche. Ele disse que ia tomar banho. Quase morri imaginando a agua correndo naquele corpaço perfeito. Comecei a imaginar ele ensaboando o pau e começando a bater uma punheta bem gostosa e molhada. Meu pau começou a ficar duro com essa imagem, ate que... ele abaixou o shorts e a cueca e ficou nusinho na minha frente. Eu quase gozei dentro as calças. Meu pau tava muito duro, mas eu escondi com a almofada. Ele foi para o banheiro e eu fiquei olhando aquela bundinha redonda com marca de cueca boxer, andando na minha fente. Eu tava muuuito duro. Ele entrou no box e ligou o chuveiro, mas não fechoi a porta. "Quer que eu feche a porta?" me fiz de idiota "Não precisa, você é homem e é meu primo, não tenho vergonha". Fiquei olhando ele se ensaboar, exatamente como na minha fantasia, mas sem a punheta. Eu não aguentei e comecei a bater punheta. Comecei o vai e vem até gozar. Aquele filme porno gay ao vivo foi tão exitante que eu gozei até no meu cabelo. Fui na cozinha me limpar e quando voltei ele tava enrrolado na toalha sentado no sofá mudando de canal. Sentei no sofá na frente dele, tentando não prestar atenção no pau dele por baixo da toalha. "Voce se lembra da ultima vez que nos vimos?" ele me perguntou. Como eu poderia esquecer, afinal foi com ele eu eu bati munha primeira punheta. "Sim" "Lembra do que eu te encinei?" "Óbvio, foi uma das melhores coisas que já aprendi" "Pratica com frequencia?" "Todos os dias se possível" "Voce é dos meus. Aí, você bate coom seus amigos?" "Não, mas sempre quis experimentar" "Tá afim agpra?Eu tenho uns DVDs pornos aqui na minha mochila" ele tirou da mochila um monte de DVDs com capas de mulheres peladas com as mãos em todas as partes possíveis. "Tudo bem, pose ser" eu disse, claro que eu nem iria pretar atenção no DVD e sim nele. Ele pois o DVD, sentou do meu lado e desembrulhou a toalha ficando peladão do meu lado. Ele começou a passar a mão no pau e conforme o filme ia passando o pau dele ia crescendo. Quando eu vi que não dava pra crescer mais comentei, quase caindo de boca "Seu pau é bem gande!" "Tem 23 cm, e voce não vai bater?" eu tava com o pau super duro mas não tinha tirado da calça. Depois que ele disse isso eu tirei e comecei a bater pensando nele fodendo e gozando na minha boca depois rasgando meu rabo no meio. O pau dele era todo depiladinho. Era muito exitante ver a mão dele correr por um cacete tão grande, e o saco dele ia pra cima e pra baixo. Quando eu ia gozar ele falou "Eu tenho lubrificante, quer um pouco?" eu fiz que sim com a cabeça. Ele pegou na mochila uma garrafa de 500 ml de Coca com uma coisa branca "As vezes eu gozo nessa garrafa pra me lubrificar em outras punhetas, pode ser?" eu quase peguei a garrafa e joguei em mim inteiro, mas deixei ele por um pouco no meu pau. "Tira essa roupa, ta me dando aflição" ele tirou minha roupa a força, claro que eu deixei. Agora os dois estavam pelados batendo punheta na sala. Eu pensei que nunca mais teria essa chance e comcei a pensar em coisas pra dar brecha que eu queria sentar naquele cacete bem rigido e depois bater uma bem gostosa, mas ele foi mais rápido. "Voce viu que eu to depilado?" "Sim, e daí?" "Eu me depilei agora no banho, passa a mão pra ver como ta lisinho" "Passar a mão?" eu perguntei. Ja estava tremendo de nervoso e percebi que ele tambem. "É. Passa a mão no meu saco e em cima do pau, ta muito liso" ele pegou minha mão e botou no saco dele. Minha mão tava tremendo, mas acho que isso ajudou. Começei a masagear o saco dele e fui ficando cada vez mais duro. Passei pelo pau e comecei o sobe e desce naquele pau lobrificado com gozo. Olhei para ele e ele olhuo para mim e nós entendemos o recado um do outro. Ele me puxou ao mesmo tempo que eu sentei em cima dele, sem sentar no pau "Voce ta afim de me chupar até eu gozar na tua boca" ele perguntou acariciando meu pau. Eu nem respondi eajoelhei no chão e meti a boca no pau dele. Comecei lambendo o saco e fui subindo pelo pau até chegar na cabecinha do pau dele. Parecia um cogumelo. Dei uma lambidas na cabecinha até que ele empurrou minha cabeça com tudo e eu senti o pinto dele no fundo da minha garganta. Eu chupei uma meia hora, e ele ia gemendo cada vez mais alto, as vezes ele olhava pra mim e as vezes fechava os olhas e punha a cabeça pra cima. Eu comecei a bater punheta bem forte pra ele. Com toda minha força até que ele começou a gozar e gritar alto de prazer. Era muito gozo e parecia que não ia acabar nunca. Eu só fechei os olhos e mamei nele. Quando ele parou de gemer eu abri os olhos. Senti minha cara toda gozada, e minha boca tambem. Olhei para ele e a barriga dele tava toda molhada com gozo "Voce goza muito, eu amei!" "Sempre adorei isso em mim" Ele puxou meu cabelo e começou a beja toda minha boca gozada. Eu sentei no colo dele tentando encaixar o pau dele no meu cu, mas ele disse "Agora sua vez" Ele me jogou no sofá e começou uma boquete bem molhada. Ele pegou a garrafa e despekou metade do gozo em mim e nele. Ele ficou lambendo e fez graganta profuna. Eu gemi como nunca antes. Empurrei a cabeça dele pra cima e para baixo. Ele levantou, ajoelhou em cima de mim e começou a esfregar os dois paus um no outro. ele tava batendo punheta pros dois, e por incivel que pareça, ele e eu tivemos um orgasmo ao mesmo tempo. Ele gozou de novo, gritando, mas não gozou como antes. Já eu nunca gozei tanto nem tive um orgasmo tão bom, mas nem dava pra distinguir qual era o gozo dele ou o meu. Ele deitou e eu em cima dele. Ele pois dois dedos dentro da minha boca e eu chupei como se fosse o pau dele. Até que com uma mão ele abriu minha bunda e pois os dedos la dentro. Não começo foi devagar, mas depois acelerou. Eu ainda tava em cima dele. Senti o pau dele endurecer em baixo de mim e o meu tambem. Comecei a bejar ele, enquanto ele me dedava. "Só não como seu rabo porque to sem camisinha" ele disse "Mas relaxa que agente tem a semana toda" ele disse isso e continuou me beijando e me dedando

CASADO BOMBADO

DEI PARA O IRMAO DO MEU AMIGO(TEEN GOSTOSO)

Tenho 15 anos, olhos castanhos e sou magro, tenho um amigo Bruno, olhos verdes, e um corpo forte, ele tem 18 anos, tenho relações sexuais com ele.Era fim de tarde, Bruno foi me chamar em casa para assistir a alguns filmes pornos em sua casa, chegando lá o irmão dele André, de 15 anos também, lindo, olhos verdes e mais forte que eu, aposto que ele pega muitas garotas, estava indo tomar banho, vi ele sem camisa, fiquei com muito tesão e vontade de dar a bunda.Bruno tinha me chamado para me comer, então subimos em seu quarto e ele fechou a porta, só que eu abri novamente sem ele perceber para o seu irmão nos ver, Bruno tinha uma namorada e um filho com uma outra mulher três anos mais velha que ele.Gemia tão alto que concerteza o André escutaria, vi uma sombra passar, era André, mais nada dele entrar, então fiz o Bruno gozar e disse que ia embora, mais fiquei escondito em sua casa, até o Bruno ir para a escola de noite, pois repetiu de ano.Os pais de André costumam fechar o mercado que eles tem ás 22h então tinha algumas horas para botar o plano em pratica.Primeiramente, fiquei no quarto do roludo Bruno mexendo em seu PC com a porta aberta, vi André passando pelado pela casa sem ter me visto então sai do computador e fui ver o que eles tava aprontando.Desci a escada e vi que ele tava comendo a nossa vizinha Aline, ela era muito gostosa mesmo, tinha 17 anos, percebi que ele já come mulheres com seus 15 anos, a rola dele é maior que a do Bruno, a barriga esta formando tanquinho, porque ele joga futebol.Assim que a Aline foi embora eu desci a escada dizendo que tinha visto tudo e ele tentando limpar a goza no sofa e tentando esconder seu pau pediu para não contar para ninguém, muito nervoso.Eu falei minha condição, que não contaria para ninguém se ele me comesse naquela hora, André ficou meu confuso e disse que topa, mais falei que queria transar no quarto dos pais dele.O quarto era lindo, pedi para que ele colocasse o rayban que ele tinha, ele obedeceu, ficou mais GOSTOSO ainda, ele deitou na cama com o pau duro e eu tirei minha roupa e sentei nas suas cochas, era dura, muito dura, começou a fazer sentido o porque as meninas vivem falando: "Quem não quer o André?".Ele me mandou sentar logo na rola dele, assim que sentei e gozei, ele ficou até assustado, fiz a festa com a rola dele, só sei que ele gozou no meu cú umas 3 vezes no minimo, cavalquei muuuuuito, ele estava todo suado e muuuuuuuuuuuuuuito mais gostoso, começei a chupar a rola dele, a chupar a boca, os peitos, o saco, TUDO!Quando viramos já era 21h43, tinhamos feito mais de 3 horas de sexo. Disse que ia embora, mais minha bunda doia muito, pedi ajuda para ele me levar, André muito gentil vestil um shorts branco, sem camisa, com o rayban e me levou com a bike dele até minha casa, encostando sua rola ainda com volume na minha bunda.Ele me deixou lá e eu perguntei: "Amanhã tem mais?" Ele olhou para trás e fez um gesto com a mão como se tivesse me comendo.Apartir desse dia, transo com os irmãos sempre, um dia fiz sexo com os dois, mais isso deixo para o outro conto!

BRINCANDO COM O AMIGO NO BANHEIRO DA NATAÇAO

Iai galera, estou aqui para contar sobre minha primeira aventura com o meu amigo Victor.Bom, na época eu tinha uns 15 anos e era meio magro. Tinha começo a fazer natação e a academia, estava afim de ganhar corpo, assim como o meu amigo Victor que já era bem forte e tinha 15 anos também. Ele era da minha altura mais ou menos 1,60 e tinha os olhos verdes claros e o cabelo louro, e era bronzeado. Na natação, sempre eu pegava ele na casa dele e iamos juntos, na volta a mãe dele pegava a gente.E foi que em algum dia milagroso, como de rotina eu fui pegar ele na casa dele. Vou confessar, ele tava com um short de banho, com a sua mochila e uma camisa regata colada ao corpo...isso me deixou com o maior tesão. Passado algum tempo, até esqueci da situação e fomos pra natação onde ficamos três horas fazendo exercicios pesados e no final, mortos de cansados fomos para o banheiro masculino tomar nosso banho e ir para casa. Sempre na mochila eu levava meu shampoo, sabonote e minha cueca. A sunga eu lavava na hora mesmo e vestia o short e a camisa que tinha vindo pra natação. Comecei a tomar meu banho, e a divisória entre um choveiro e outro era uma pequena porta de vidro. Com isso, eu e Victor sempre ficamos um do lado do outro conversando besteiras sobre garotas, escola etc... Nesse dia, Victor tinha esquecido seu sabonete e me perguntou se ele podia usar após eu terminar de usar o meu...eu disse que podia, então ele foi logo se ensaboando...Quando eu vi aquela cena, ele deslizando aquele sabonete pela barriga malhada nele e logo no pal dele...me deu um tesão louco e meu pal ficou duro como uma pedra. Meio que constrangido, tentei virar meu corpo para esconder da vista de Victor, fracasso...ele viu e na mesma hora o pal dele começou a latejar um pouquinho e começou a ficar duro. Fiquei louco, e perguntei se ele tava afim de bater uma comigo...ele disse que não, porque não gostava de estar ali comigo sozinhos no banheiro e eu disse que era besteira pois eu sempre batia punheta em casa. E no fim ele acabou cedendo e nos sentamos no mesmo box, no dele e ficamos no chão batendo uma punheta bem gostosa. Eu fiquei olhando pro pal dele e perguntei se eu podia chupar e ele disse que não, porque gostava de mulher etc. Eu disse que também gostava de mulher mais estava sentindo um prazer louco por ele e no fim ele acabou deixando. Eu fui logo de boca, engolindo aquele pal gostoso e grosso e enfiando ele todinho na minha boca, e no mesmo momento eu apertava as bolas dele nas mãos e isso fazia ele gemer muito, ele urrava de prazer. Não demorou muito e ele anunciou que ia gozar e na mesma hora eu enfiei o pal dele com tudo na minha boca e senti aquele liquido leitoso e quente na minha boca e engoli tudinho, devorando cada gota. Ele ficou me olhando sem jeito e eu pedi pra ele pegar no meu pal e bater uma pra mim. No mesmo instante ele não exitou e começou com movimentos leve subindo e descendo meu pal pela mão dele lisinha, e com isso ele começou a acelerar e logo tava bombeando meu pal na mão dele e não demorou muito eu gozei na mão dele. Terminado, nos lavamos e quando estávamos indo para a porta nos encontrar com a mãe dele confessamos que queriamos que aquilo se repetisse, e isso é outra história que aconteceu na casa dele...

MEU TIO TIROU MINHA VIRGINDADE

Gente primeira vez q conto 1 conto erotico q é real. Meu nome é Fernando tenho 15 anos, tenho olho verde, cabelo preto, 1,60 de altura e sou magro.Meu tio ele tem 45 anos, é quase igual a minha altura maior 1 pouco e ele é meio barrigudo, não faz academia masi tem 1 braço forte e 1 força . Meu tio tem 1 rancho e sempre final de semana vai pra la de moto, só q 1 final de semana ninguem queria ir e meu pai falo pra min ir com ele, eu aceitei de boa pq com meu tio posso toma banho na piscina avontade q meu pai não fica enchendo o saco, meu tio arrumo as coisa e eu tbm saimos de madrugada, meu tio ando rapido até chega na estrada de chão aonde ele foi devagar e conversando comigo, e eu sempre gostei do meu tio sempre batia punheta pensando como era o pau do meu tio, e ele muito devagar ficei vendo o corpo dele logo ficei com o pau duro, chegamos no rancho e fui logo no banheiro toma banho, meu tio bateu na porta e falo - Fernando cuidado pra não acaba a agua - eu não falei nada e continuei tomando banho terminei fui pro quarto, só tinha 1 quarto e 1 cama, ficei meio ansioso pra dormi junto com meu tio, logo ele aparece só de cueca e fomos dormi, de noite eu acordado ele me abraço de cueca e sentia seu pinto ficei com o pau duro, meu tio acordo e falo:- Quer da 1 chupada Fernando?Eu assustei e ele peguo minha mão e levo até na cueca e comecei a fazer massagen no pau dele, e ele tiro o pau dele pra fora, era enorme e grosso e muito cabeludo, peguo e mordei minha orelha e falo:-Chupa pro titio fernando-Tabom tio.Colocei na boca e ficei meia hora chupando sem para ele gozou 1 vez na minha boca, ele bateu na bunda e mando eu vira e fica de lado eu ficei ele fico de lado tbm e enfio o pau dele no meu cu e gritei muito era minha primeira vez ele me seguro forte e continuo enfiando, tava saindo sangue do mue cu mais estavo começando a gosta ele enfio da 22:30 até 01:20 ele gozo 2 vez na minha bunda e falo q sempre queria me come, durmimos junto e ele durmiu abraaçando eu com o pau mole relando no meu cuzin eu maei aquela noite, amanheceu nois 2 ando pelado no rancho e sempre q me via ele mandava eu chupa ou ele encachava o pau no meu cu e dava 2 rancada e saia de novo, foi 3 dia melhores da minha vidaa nunca vou esquece isso era quando tinha 13 anos hoje ele ainda me come só q ta masi dificil .

CASADO SARADINHO NA CAM

MEUS TIOS SAFADOS

Sou do inteiro do Pernambuco, um menino normal, como toda criança adorava brincar, aos 7 anos sem saber até então o que era uma vida sexual, tive minhas primeiras experiências, de inicio uma pouco frustrantes, ao decorrer vocês vão entender o ponto que estou querendo chegar com essa frustração.Minha vida sexual, digamos que começou muito cedo, um menino inocente, aos finais de semana sempre ia para fazendo de meu avô, na ferais praticamente passava meses por lá... Um dia, achei muito estranho o convite de um tio, para ir no mato atrás de algumas “criações” de boi, que meu avô cria. Eu até pela idade, vocês devem imaginar que as conversar não era lá essas coisas de interessantes, até o que interrogava muito meu tio, como uma criança normal que queria saber as coisas... indo ao encontro do bois, ele fez suas obrigações impostas por meu avô, e na volta, ele decidiu que íamos em um riacho tomar um banho de rio, de inicio ele já foi falando que tava com o pau duro, gente aquela palavra PAU, no contexto da historia por mim era totalmente desconhecida, se ele tivesse falado pinto, eu ia saber o que é, agora PAU, foi anormal.. heheh Enfim, interroguei novamente, disposto a descobrir o que a palavra pau significava, então ele foi logo colocando aquele negocio grande pra fora, meu TIO devia ter uns 18 anos, e eu com apenas 7, fiquei com vergonha de tirar a roupa e mostra o meu pequeno “pinto”. Papo vai, papo vem, ele começa a passar a perguntar se eu tinha vontade de chupar... quando ele perguntou não sei o que aconteceu que meu pinto, começou a ficar duro, então eu disse que tinha, ele me fez abaixar e colocou aquela tora deliciosa em minha boca, uma mistura de medo e tesão tomou conta, logo após ele perguntou se podia comer meu cú, eu disse q sim, ele foi alisando aquele cacete com muito cuspe... naquele dia foi só isso, no caminho ele foi me manipulando e ameaçando para eu não comentar o que tinha rolado, com ninguém, eu muito obiente não comentei, fingir q não tinha acontecido nada.. esse tinha sido meu ultimo dia de férias... fiquei alguma tempo sem ir pra lá.. minha mãe teve uma briga com a mulher de meu avô, e daí passamos algum tempo sem andar por lá.. fui crescendo, e cada dia aumentava meu tesão por meninos... um certo dia mais crescido, voltei a fazenda de meu avô.. como não sou besta fui logo exigindo que ia dormir com meus dois tios, a noite no escuro estava disposto a ir pra cama do tio que me deu a primeira experiência sexual... espereii todo mundo dormir, fiquei acordado, quando já ia pra cama de meu tio pra minha surpresa ele já tava de meu lado, sem nem tocar em mim, aquilo me deu u frio na barriga, só que fiquei com medo do outro tio perceber alguma coisa, encontrei meu bumbum do pau de Fabio, que já tava meio duro, ele foi me alisando, e baixando minha cabeça p seu pau, quando olho para o lado o meu outro tia já estava me alisando, aquele foi o maior susto de todos, fiqueii vermelho, eles começaram a dá risada, já tinha combinado tudo... cair no cacete do outro tia, enquanto Fabio cuspia em minha bunda e deixava toda lambuzada. Ele foi colocando aquela vara enorme dentro de mim, muita dor eu sentir, mais resistia tudo, que delicia eu tinha 2 homens malhados e gostoso, chupava um e outro colocava em meu rabo. Eles colocavam tanta força me arrombaram todo, depois da surra de vara que falei, me colocaram de joelho e começaram a se masturbar em minha frente, fiqueii com boca cheia de gala... engolir tudoo. Depois daquele dia, vireii a putinha de meus tios, todas as vezes q eles querem eles me comem, as vezes eu preciso adular pra que eles me arrombem.

THI DELICIA

O CANTOR DA CALÇINHA PRETA

Era outubro de 2010. Era a primeira vez que saía sem meus pais: podia dar pinta à vontade e quem sabe, arrumar um macho pra fuder no fim da noite. O local escolhido: show do Calcinha Preta. Tudo porque os bailarinos e cantores são muito gostosos, em especial, o cantor que tinha acabado de entrar na banda. Já acompanhava o trabalho dele na antiga banda e sempre gozava a jato vendo o streaptease que ele fazia no palco. No final do show, fui até o camarim. O camarim era dos cantores. O outro cantor estava dando entrevista e ficamos a sós: eu e o cantor novo. Fui à direção dele já mordendo o lábio. Nunca tinha desconfiado de sua sexualidade, mas estava disposto a me oferecer, não custava nada tentar! Pedi pra ele tirar a nossa foto e ele ergueu a câmera e tirou. Vimos a foto e eu comecei a levantar a camisa dele. Ele levantou mais e deixou a barriga toda de fora. Eu comecei a alisar a barriga dele e disse ‘Você é muito gostoso’. Ele respondeu ‘Como você sabe se ainda não provou?’. Meu pau latejou e eu respondi ‘Vai me deixar provar?’. Ele levou minha mão até o seu pau e disse ‘Lógico, putinha’. Não hesitei e o agarrei. Mas ele me deu um empurrãozinho e pediu pra abaixar meu fogo porque o outro cantor podia entrar a qualquer momento. Pediu pra eu lhe esperar na porta do camarim e disse que iríamos pro quatro do hotel em que ele e a banda estavam hospedados. O hotel era em frente a casa de shows, então, fomos a pé mesmo. Entramos no quatro, ele me agarrou e me beijou. Parecia alguém desesperado por sexo. Foi logo tirando a camisa e me jogou na cama. Me puxou pelo cabelo e me deixou sentado na cama. Tirou o cinto e a calça rapidamente. Eu tirei a cueca e me deparei com aquela pica dura, apontada pra mim. Cabeça gigante e com as veias marcadas. Passei a mão e enfiei na boca. Quando engoli, ele fez um som de tesão tão forte, que parecia um animal urrando, definitivamente, ele tava sem boquete há um tempo. Engolia até onde dava, passando a mão na sua barriga e apertando o seu saco. Tirava o pau da boca e engolia as bolas todas e punhetava o pau dele. Ele gemia! Me pegou pelo cabelo com força e me trouxe de volta ao seu pau. Fazia um vai e vem tão forte com a minha cabeça que tava me machucando. Mas eu fiquei quieto, lógico. Eu tava chupando o pau de um dos homens que eu mais desejava, não podia perder a oportunidade. Parou com o vai e vem, ele pediu pra botar a língua pra fora e começou a bater o pau na minha língua. Subi um pouco e lambi a barriga dele. Subi mais e lambi os mamilos dele, mas ele me empurrou de volta pro pau. Chupei mais um pouco, até que ele me pediu pra ficar de quatro na cama. Tirei minha roupa e fiquei de quatro. Ele pegou da carteira uma camisinha e botou no pau. Subiu na cama, deu uma tapa muito forte na minha bunda e me chamou de ‘viado gostoso’. Se jogou por cima de mim e falou bem no meu ouvido ‘Meto com carinho ou arrombo?’. Eu respondi ‘Agora você arromba, na próxima, você mete com carinho. Ou você acha que o homem que eu mais desejei que metesse no meu cu, vai meter só uma vez?’. Ele começou a respirar ofegante e falou ‘Vou meter em você como nunca ninguém meteu’. E ele começou a meter forte, me pegando pela cintura. Fazia vai e vem e eu sentia suas bolas batendo na minha bunda. Ele foi aumentando a velocidade, me chamando de putinha e falando que meu cuzinho era todo dele. De repente, ele começou a meter muito forte e me puxar pelo cabelo. Eu comecei a gemer e ele disse que era o cu mais gostoso que ele já tinha comido. Eu gemi igual uma mulherzinha e pressionei o pau dele com o cu pra aumentar o tesão. Ele disse que ia gozar e queria que engolisse. Tirou o pau do meu cu e continuou na mesma posição. Eu me virei e fiquei em frente a rola deliciosa dele. Ele tirou a camisinha, puxou meu cabelo e me botou pra chupar o pau dele. De repente, aquele jato quente veio na minha boca e o cantor gritou, urrou, de forma selvagem. E era eu quem tinha provocado aquilo! Sem dúvida, foi a maior jato de porra que eu já engoli. Depois ele comeu meu cu e eu paguei boquete pra ele de novo. Dormimos juntos e trepamos quando acordamos. Agora, sempre que a Calcinha Preta vem no meu estado, ele me come. E a minha fama se espalhou pra outros integrantes, mas isso é história pra outros contos.

ENRABEI O FILHO E FUI ENRABADO PELO O PAI DELE

Bom, hoje tenho 38 anos, mas aconteceu quando tinha 16 anos, tinha um vizinho que tambem era da minha idade, sempre comia a bunda dele e ele a minha, certo dia estava eu em cima dele e de repente apareceu seu pai, um senhor de 64 anos e muito ignorante, quando ele entrou no quarto se deparou eu em cima do filho dele, só seu filho que não viu, pois eu estava em cima e forçando a cabeça dele para baixo, o velho viu e saiu rapidamente, naquele momento eu sai correndo pra minha casa sem falar nada, passou uns dias e voltei pra casa do vizinho, para minha supresa só estava o velho, fiquei pasmo, pois fazia dias que tinha visto e pensei que o velho tinha viajado, tentei voltar e ele mim chamou, mandou sentar e começou a mim dar um sermão, como não tinha saida fui logo dizendo seu antonio aquilo que o sr. viu é normal, e ele enfurecido foi logo mim dizendo, se é normal então mim dar sua bunda, fiquei parado, mas logo respondí, o sr quer mesmo? e logo baixou sua calça e tirou seu pau mole e diz é todo seu, que pau, como não tinha saida fui pegando naquele pau enorme e grosso e alisando bem defagarinho, comecei a chupar, chupar, e pau dele crescendo cause não cabia na minha boca, que pau gostoso muito maior do que a do filho, sua barriga bem lisinha, ora um senhor de 64 anos com aquele cassete, fui a locura, ele gemia, chamava de gostosinho, delicia, pediu para que tirasse minha roupa, disse que não pois seu pau era muito grande e eu não aguentaria, começou a mim beijar e beijar, quando mim reparei ele já estava com o pau na minha bumda, não resistí e pedí que colocasse devagarinho e ele foi metendo, metendo, gemendo, como estava gostoso, ele começou a gemer e gemia, depois sentí seu liquido na minha bumda pedí para não parar e toquei uma punheta em mim gozei o bastante, ele mim abraçou e disse que ficaria comigo, mais que deixasse seu filho, concordei, ficamos uns tres anos juntos mas tive que mudar de cidade nunca mais ví. depois conto a transa dele e o amigo comigo.

PRIMEIRA VEZ DO MEU VIZINHO

Aconteçeu na constução da casa dele... ele tinha 9 anos, bundinha durinha e uma cara de lerdão, tipo de ñ saber de nads... mas ele era safado, e de ousadia ele intendia perfeitamente. Eu, 14 anos, Sarado, olhos castanhos, 13 cm de piroca, ja tinha comido varias garotas, mas nunca tinha comido um macho... Todo mundo estava no lado de fora da casa velha onde ele morava, eu tava brincando cm ele, (so pra disfarçar) então começamos a brincar de luta dentro da construção da casa dele, eu sempre agarrava ele pelo pescoço e aproveitava para encoxa-lo, e meu pau fikava duro feito pedra... ele encostava e perguntava o que era aquilo encostando na budinha dele, eu disse bem assim, vem aki nesse quartinho que eu te mostro... Ele curioso, ja sabia um pouco do que se tratava, veio ver... Quando ele entrou e viu eu com aqueles 15 cm na mão, fikou envergonhado e saiu correndo, mas eu fui atras e consegui pegar ele antes que ele escapasse...Fui logo pegando ele e começando a encoxa-lo com minha pica pra fora... ele tava de cueca marrom(como as crianças ficam) eu abaixei a cueca dele e peguei meu pau, ae ele disse: epa, epa... sai fora, ae eu falando no seu ouvido bem baixinho... deixa eu comer esse cúzinho seu Bebê(apelido dele) ae ele dizia aquele ñ com cara de sim, eu ñ sou besta e disse, eu te dou uma pimentinha, kkkk, ele queria 10 reais, eu falei, aff, eu ñ tenho 10 reais para te dar... depois de muita conversa ele aceitou a pimentinha...Segurei na cintura dele e me encostei na parede, ñ deu pra colocar ele de quatro. Eu pincelei meu pau na porta do cuzinho dele e falei... calma, calma, ñ vai doer... eu comecei bem devagar, enfiando a cabeça bem lentamente, mas ele ja começava a gemer... ate que devagarzinho, ja tava com minha pica todinha no cú dele... ae começei a fazer aquele movimento de vai e vem... ate que enfiei meu cabaço de vez naquele cú apertadinho, ae ele deu um grito e falou, aiiiiiiii, aiiii... doeuu !!! e saiu pra sua kasa... mas ninguem percebeu o que tinha acontecido !!Cheguei em casa, ja que ñ gosei na foda, bati uma punheta na intenção dele... gozei pá karaii pensando naquele cú gostoso dele... No outro dia ele me fikava cobrando a pimentinha, eu disse que ñ ia dar porra de nada, então ele disse que ia dizer para minha mãe, ae eu falei bem assim: - vai, diz que eu pego e digo pra sua mãe que vc me deu o cú, iae, quem de noix dois que vai se ferrar ? eu ou vc ? Ele pensou bastante e deixou pra lá...Sempre eu tento comer o cu dele de novo, agora que ele ta com 10 anos. e eu com 15 e 15 cm de piroca, mas ele ja ta esperto e ñ deixa... mas eu sepre dôu umas encoxdas neles quando minha mãe ñ ta em kasa..

O GAROTO DA LAN HOUSE

Esse é meu primeiro conto então vou pegar leve. Estava eu na Lan House como faço quase todos os dias. E como gosto de ver umas sacanagens na net, eu sempre sento em um computador mais reservado. Na fileira em que eu estava só tinha eu, até chegar um garoto moreno claro e bem novinho, tipo uns 14 anos. Eu estava vendo videos pornos gays e ele viu e fez questão de sentar do meu lado. Assim que começou a usar o computador também colocou porno, mas só que de héteros (homem e mulher). Foi aí que começou a ficar interessante; ele olhava pro meu computador e eu pro dele, depois comecei a observar o pênis dele todo duro sob a bermuda tactel e ele percebeu.Então quando faltava pouco pro tempo dele acabar ele virou pra mim e fez um sinal obsceno (aquele famoso sinal que indica que a pessoa quer foder) e eu lógico aceitei na hora. Agente marcou num lugar perto da lan house, é tipo um parque onde as pessoas vão para caminhar, nadar, jogar futebol, vôlei e etc. Chegando lá, fomos pra uma espécie de mata fechada que tem lá. Meu pau já tava latejando de tanta vontade, então peguei no pau dele por cima da roupa mesmo, estava duríssimo também. Ele tirou o pau pra fora, me agachei e segurei-o, a cabeça era muito grande. Comecei a chupar saboreando bem o gosto daquele pau. Dei á ele um boquete que ele jamais vai esquecer. Ele começou a fazer um vai-e-vem e eu engolia aquele pau com vontade. Então ele me perguntou:- Você só chupa? - e eu respondi que também adorava dar o cú. E foi o que eu fiz, abaixei as calças, ele apalpou minha bunda a alisou meu cú com vontade, depois cuspiu na mão e lubrificou-o. Ele foi enfiando bem devagar e eu gemia pra dar mais prazer a ele. Ele começou a me comer, primeiro bem devagar, depois com muita força dando tapinhas na minha bunda, então me apoiei numa arvore e comecei a rebolar no pau dele. Ele começou a meter mais rápido, então pedi á ele que parasse porquê queria que ele gozasse na minha boca. Ele tirou o pau dele do meu cú e voltei a chupá-lo, ele cuspiu na minha boca e fez eu engolir todo o seu caralho, então comecei a beter pra ele, até que gozou na minha boca. A primeira esguichada caiu na minha garganta, depois ele gozou todo o resto na minha boca. A porra dele estava quente e grudenta e eu saboreei cada gota. Uma delícia de porra!!!Ele me disse pra eu não contar nada á ninguém, e como eu já tenho 18 anos é óbvio que não contei. Dois dias depois descobri que ele estuda na mesma escola que eu, só que em horários opostos.

VINICIUS PAQUITO GOSTOSO 2

PAI HETERO,MAS SAFADO

Quando meu pai e minha mãe se envolveram e eu nasci, ela tinha 23 anos e ele 17. Eram vizinhos e fui gerado por uma aventura. O tempo passou e a relação entre os dois era amigável. Eu o via muito pouco pois ele foi estudar fora. Voltou uns 8 ou 9 anos depois, e quando eu tinha onze resolveram morar juntos. Isso foi legal, até então eu não tinha nem um homem por perto e talvez, sem sua influência eu tivesse me tornado uma passiva louca.Bem, não tínhamos muita intimidade, então as coisas se desenrolaram meio que lentamente. Saíamos pro futebol, jogávamos videogame, enfim, tínhamos uma relação normal. Mas eu não conseguia exprimir certas curiosidades minhas. O tempo foi passando e eu fui suprindo essas curiosidades de outras formas. Eu o olhava dormir no sofá, imaginava se nossos corpos seriam iguais um dia. Tinha fascinação especial pelos seus pés grandes e pelos pelos de seu corpo.Meu pai tinha seus 1.80 cm não era sarado, tinha uma barriguinha de chopp bem peludinha. Todo ele tinha pelos ralos e negros como seus cabelos. Seus olhos eram castanhos e seu sorriso bem animado. Era professor de direito e minha mãe enfermeira. Às vezes ficávamos sozinhos em casa a noite, mas nunca fizemos nada. Aos meus quinze, desesseis anos meu interesse no corpo de meu pai passou a mudar de simples curiosidade para interesse sexual. Talvez ele notasse. Certos comportamentos seus me fazem pensar isso. Mas não nos adiantemos. Agora, quando ia por roupas na lavadora, passei a cheirar suas cuecas. As vezes meladinhas da polução noturna, com gotas de urina ou cheiro leve de suor. Mas geralmente limpas e cheirosas. Quando, sem camisa eu o flagrava dormindo no sofá, não mais me contentava em ficar olhando. Agora cheirava suas axilas, pegava em seu pau... Ele nunca acordou. Aos finais de semana, se minha mãe estivesse de folga saiamos os três. Se não, íamos eu e ele cuidar do jardim. Seu corpo suadinho vestindo só uma bermuda baixa, que deixava seus pentelhos da virilha e o inicio da divisória das nadegas aparecendo. Eu preferia cuidar do jardim. Na metade da tarde ele virava de costas para mim e urinava gemendo e segurando aquele que era meu objeto de desejo. Ele não facilitava para mim ver, mas me atiçava e muito. As vezes à noite, quando estávamos sozinhos (ele só zuava quando minha mãe não estava) e passava alguma cena mais quente em filmes ou na novela das nove, ele colocava a mão por dentro da cueca e começava a se masturbar de leve ali. Falava putaria e dizia que seria bom uma apertadinha como aquela (seja qual for a atriz que estivesse vendo). Um dia o indaguei a esse respeito e ele confessou que minha mãe já estava um pouco larga, e por isso ou algum outro motivo não andava querendo muito dar pra ele. Cu e boquete então nem pensar. Ele dizia que sentia falta dos tempos de faculdade por isso. Dava aquele sorriso sacana e pedia segredo. Eu é claro, afirmava que ele estava seguro comigo. Fomos nos tornando mais íntimos e a putaria aumentou, de forma recíproca. Quando eu estava no banho ele entrava no banheiro fazer qualquer coisa. Escovar os dentes, pegar desodorante, urinar, sempre de costas pra mim é claro. Ele nunca reparou que caso ficasse uns minutos ali eu logo estaria de pau duro. Saia do banho e ia direto bater uma. As coisas esquentaram muito. Essas idas ao banheiro abriram brecha pra mim me oferecer para lhe fazer massagens. Sem ideação sexual alguma até então, só desejo de tocá-lo. Quando massageava seus pés depois do trabalho, trazia ele pra perto do rosto e brincava dizendo que queria ver se ele tinha chulé (ele não tinha é claro) aproveitava e dava uma lambidinha e uma risada. Ele ria também, e nunca pareceu se incomodar. No máximo dizia para mim parar pois senão ele daria trabalho a mamãe. Percebi que as coisas ficaram sérias depois de uma visita sua ao meu quarto. Mas vamos do principio. Uma manhã, quando peguei suas roupas para lavar (eu as colocava na máquina) fui, como habitualmente cheirar suas cuecas. Sua cueca era nova, uma boxer preta linda. Estava TODA melada de porra. Na frente, atrás, enfim, estava cheia de esperma. Não podia deixar aquilo passar. Peguei aquela cuequinha linda e levei a meu quarto, depois de gozar umas três vezes cheirando ela guardei em uma gaveta. Mais tarde naquele dia ele parou na porta do meu quarto só de toalha, a base do pau se mostrando e perguntou:-E aí Gustavo, se viu uma cueca nova do pai por aí não? Eu menti é claro. -Não pai, pior que não vi.-Hum, beleza, se vir pode ficar com ela pra você se quiser. Ficou meio apertada em mim e meu caralho não conseguia respirar. Rsrsrs-Beleza velho. Valeu. E saiu pro seu quarto.Aquilo era direto demais, eu não podia estar imaginando coisas, ele havia me dado aquela cueca toda melada. E eu iria lhe retribuir. Continua...
Bem, como lhes contei a relação entre mim e meu pai estava se tornando cada vez mais divertida. rsrsrs. Depois do episódio da cueca, e de saber que sua vida sexual andava das mais animadas decidi que estava na hora de eu e meu pai darmos uma brincada. Eu era fascinado pelos quadrinhos do Josman e queria repetir tudo aquilo que ele publicava, na minha casa, com o meu pai. Beber sua porra, sentir seus dedos em meu cu (virgem até então) esse tipo de coisa.
As coisas não avançaram depois do episódio da cueca. Falávamos besteira ainda, dávamos as zuadas de sempre, mas se eu tentasse ir mais adiante ele pulava fora. Uma noite acordei e fui ver ele e minha mãe na cama. Estava quente e talvez ele estivesse só de cuecas. Fui até a porta do quarto que estava semi-aberta e olhei pra dentro dele. A luz da rua entrava pela janela, mas ele não estava na cama. Procurei meu velho de pica doce pela casa toda, mas não encontrei. Desci até o porão. Tínhamos lá uma espécie de sala de estar, com mesa de sinuca, TV, essas coisas. A lavadora de roupas, e por conseguinte o meu paraíso da masturbação também ficavam lá. Enfim, ele estava vendo um filme pornô e gemia feito um louco. Estava sem camisa pelo que eu podia ver (o sofá ficava de costas pra escada) e batia com vontade. Cheguei de jeitinho e em silêncio, agora podia observar seu pau cabeçudo e grosso, não muito comprido, parecia ter uns 18 – 19 cm. Sentei ao seu lado e ele tomou um susto.
- Que isso Gustavo!! – Disse guardando o pau.
-Ah, tava sem sono, ouvi a TV e desci aqui fazer companhia pro senhor. Mas não se envergonhe, pode continuar paizão.
-Não, não. Acho melhor irmos dormir.
Ele estava sentado encima da perna, com o pé em minha direção, isso me abriu uma brecha.
-Mas me fala pai, por que você ta aí tocando uma se a mãe ta em casa pra você fude a boceta dela?
-Olha o respeito moleque!! Ela não quis me dar...
-Ah, então bate aí, vamos nos divertir! –Disse eu acariciando seus dedos do pé. – Vamos brincar paizão. Nos divertimos tanto ultimamente... O senhor até me deu um presente...
-É Guto, mas não sei se fiz bem. Além de que, brincar é uma coisa, foder com homem é outra, e além de tudo você é meu filho porra!!
-Então pai, deveríamos ter liberdade pra esse tipo de coisa não? Não é foder, é só dar uma brincada. –Nisso me abaixei e comecei a lamber seus dedos do pé. Adorava seus pés, e quando ele dormia, por recear acordá-lo lambendo sua pica, eu brincava com seus dedos. –Vai me dizer que você não gosta disso pai? Quando eu massageava seus pés ou quando te lambia dormindo?
Nisso, pelo que eu falei, ou pelas lambidas nos dedos, que ele não impediu, seu pau começou a crescer de novo dentro da bermuda.
-Bem, não da pra dizer que não gosto. Mas é errado! Mas é bom – Gemeu tirando a pica pra fora da bermuda e voltando a bater de leve.
-Isso aí Paizão, é só uma punheta deixando teu filho fazer algo que ele também gosta não é não? – Disse eu chupando com vontade os dedos de seu pé e olhando seu pau babar ali, a centímetros de mim.
Aquela vara babava muito. Escorria um liquido fino e transparente pelos seus dedos. Meu pai devia adorar ser chupado no pé, pois gemia muito. Mudamos de posição, tirou a perna de debaixo de si e pos de frente ao pau. Me abaixei na sua frente e agora sentia todo o cheiro da sua pica úmida. Soltei o pé e caí de boca no pau molhado e lustroso do meu velho. Ele me puxou pela nuca e eu achei que ele ia me bater.
-Garoto você ficou louco? Sou seu pai!
-Eu sei, por isso quero sua porra. Vai pai, me deixa mamar vai. Ninguém precisa saber, fica como quando tomávamos sorvete a tarde toda, um prazer só nosso velhão.. – Ele segurava minha nuca e eu o masturbava, por fim me soltou e eu voltei a chupá-lo.
Sua vara era grossa e como eu disse babava muito. Sua virilha peluda tinha um cheiro delicioso de macho. Sua cabeça era linda e avermelhada, e eu lambia hora a cavinha de sua glande, hora suas bolas grossas e peludas. O sabor de seu liquido seminal era ruim, mas o fato de saber que saia de meu pai tornava tudo uma delicia.
Meu pai gemia gostoso. Eu acariciava seu corpo e me punhetava. Em certo momento arrisquei:
-E aí pai, reclama que a mãe ta larga mas nada de querer meu cabaço então? Ta mole você hein?
-Mole? Disse ele me empurrando e me encarando. Vou te mostrar o mole seu muleque sem vergonha.
Me jogou no sofá e arrancou minha bermuda com força. Tirou minha cueca e olhou pro meu pau e minha cara. Meu pau tem 17 cm, pelos aparados. Uma pica bacana dizem. Olhou pro meu cu lisinho e caiu de cara nele! Se nunca tinha fodido um homem já tinha chupado muito cu de puta. Lambia gostoso e enfiava a língua fundo nele. Cuspia e colocava o dedo. Primeiro um, depois dois e lá dentro os mexia e me fazer gemer alto, enquanto com a outra mão tocava uma punheta gostosa pra mim.
-Era disso que você queria brincar com o pai putinho? Queria brincar de ser minha vadia?
-Sim pai, não sou tua vadia, caralho, sou teu filho, mas me fode vai.
-Tu quer pica no cu então? Quer mesmo que eu te coma?
-Quero pai, tu é o único macho que me da tesão e quero tua pica no meu cu!!
-Beleza então, vou te dar o que tu quer já que teu aniversário ta logo aí.
Me colocou de joelhos no sofá e abriu bem minha bunda. Perguntou se eu já tinha dado o cu, e eu respondi que só havia enfiado algumas coisas cheirando as cuecas dele. Riu e me deu um tapa na bunda, “bunda linda” disse ele. Cuspiu de novo e lambuzou bem minha entrada com a língua.
-Cu docinho filhão!! Se eu sabia que era assim já tinha te chupado faz tempo!!
-Pode me chupar sempre que quiser. É teu pai!
-Ok –disse ele- Já que é meu vou inaugurar então.
Foi colocando a ponta do pau na entrada do meu cu e forçando devagar. No começo doeu um pouco, e ele me apertava e me falava putaria, mais do que normalmente. Depois que entrou tudo, ele forçou e fez entrar. Já não doía mais, eu sentia só um misto de prazer e uma dor leve. Ele então começou um vai e vem ritmado e lento. Mordia minha orelha e perguntava se era isso que eu queria quando tentava espiar ele urinar no jardim. Logo começou a bombar com mais força e eu pedi pra mudar de posição. Agora ele sentou de pernar abertas no sofá com o pau apontando pro teto, e eu sentei em seu colo. Fazer entrar denovo não foi fácil, mas já estava meio acostumado e sabia que podia gemer de dor a vontade, isso só deixava ele com mais tesão. Agora ele me ajudava a cavalgar em sua pica e eu podia sentir todo o cheiro de seu corpo suado. Eu acariciava seu corpo e lambia o suor dele que estava em minhas mãos. Ele me xingava de porco e gemia. Quando anunciou o gozo eu pedi leite na boca. Saí de cima dele e me abaixei em sua frente. Logo ele gozou uma porra grossa e branca que deixou minha boca cheia. Tentei tirar minha boca mas, se antes ele me afastou de seu pau, agora me segurou ali para engolir tudo. Disse que agora que ele me dava o que eu queria eu deveria aproveitar. Engoli toda a sua porra por fim, e fiquei lambendo seu pau até amolecer. Por fim, se deitou no tapete e eu deitei ao seu lado, podendo agora, com ele acordado lamber com vontade e sem medo de ser rejeitado, suas lindas axilas de hetero. Meu pai hetero.

ALBERT BRONZEADINHO










A PRIMEIRA VEZ QUE ME CHUPARAM

A minha primeira vez foi quando eu tinha 8 anos estava na casa da minha tia... Eu ia lá sempre para brincar (todos os dias) com meu primos mais novos o Lucas de 7 e o João Victor de 6. A gente brincava muito de tudo que se sabiam, geralmente todos nós estudávamos pela manhã dai a gente apenas brincava à tarde.Em uma tarde eu fui à casa da minha tia para brincar com meus primos, foi tudo normal quando meu primo (Lucas) resolve chamar todos da rua para brincar de esconde-esconde daí ele me chama para me esconder junto com ele dentro do quintal, nós corremos bem rápido para ninguém ver a gente se esconder quando meu primo me chama pra gente se esconder em um beco entre a casa dele e a de seu vizinho a gente se sentou e comentamos que ninguém ia encontrar a gente lá, passado uns 5 minuto eu disse ao Lucas que iria sair para ver o que aconteceu de tanto demorarem, no momento que me levantei meu primo me puxou pelo braço e disse:- espera ai! Alguém pode te ver!- mas estão demorando muito!- mas assim podem te ver cara, se você ficar eu vou te ensinar uma coisa que aprendi!- o que é?- só falo se você ficar!- ta bom, fala o que é!- uma noite estava dormindo e acordei com um barulho estranho vindo da sala de estar, então resolvi ver o que era, estava um pouco escuro a luz que havia era da janela que vinha a luz da rua, quando levo o maior susto quando vejo meu pai lambendo o mamilo de outro cara! Fiquei assustado! e um pouco com nojo de ver aquilo mais depois que vi meu pai abaixando a calça do cara e puxando a cueca, arregalo os olhos quando meu pai começa a chupar o pinto dele, que era bem grande! Fiquei com o meu pinto duro, mas resolvi dormir, pois estava com medo de me pegarem ali vendo eles, pois já era tarde,- nossa cara e sua mãe? Ela ficou sabendo?- não ela estava viajando, mas e você quer saber o que aprendi?- sim, fala ai o que é!Me espantei quando o Lucas pegou em meu pinto, e começa a acariciar por cima do meu short e logo falei:- Lucas para o que você ta fazendo?- O que foi cara?- você tava pegando em meu pinto! Porque você fez isso?- eu tava te preparando- como assim?Ai ele falou bem baixo.- eu vou chupar teu pinto- mais porque você ta falando tão baixinho?- é porque ninguém pode saber o que estamos fazendo, se alguém pegar a gente aqui, vamos apanhar, pois não podemos fazer isso entendeu?- sim, mais....- rápido fica de cueca!- tá- você tem que ficar de pinto duro viu?!- mais como faz?- deixa que eu faço, pois parece que você não bate punheta! : /- táEntão o Lucas foi tirando meu short e fiquei só de cueca.. Então ele pegou meu pinto e começou a fazer um movimento de vai e vem e que eu acabei gostando quando percebi meu pinto foi ficando durinho e ele disse que ia colocar na boca e que eu iria gostar de repente o Lucas colocar meu pinto na boca na hora eu me arrepiei todo foi muito bom ter ele me chupando foi gostoso ficamos assim ele me chupando um 5 minutos até que ele resolveu parar para não desconfiarem e ir atrás dos outros. Esperem, pois vai ter mais :D

BATI PUNHETA PRO MEU PRIMO E ELE BATEU PRA MIM

Meu nome é João Pedro, tenho 15 anos, sou gordinho, sou bi e minha rola é grossa, de tamanho medio, quando ocorreu esse conto tinha 12 anos e meu primo 15.
Eu e o Rodolfo fomos criados juntos, como se fossemos primos, por isso o chamo assim, sempre quando iamos a Trindade interior de Goias, dormiamos juntos eu, ele e as vezes meu irmão. Neste dia meu irmao nao estava. Teve um jantar na casa da avo dele, quando eu estava indo embora, ele pediu para que eu dormisse na casa da la, como ja estava acostumado, aceitei de cara.
Ja era quase uma hora da manha quando fomos dormir, ficamos converssamos sobre sexo, punheta, etc. Logo percebi que ele ja estava com segundas intençoes, mais eu tambem, começamos a fazer perguntas um para o outro do tipo: voce daria um beijo em um homem? Pegaria no pau do outro? tocaria punheta na frente de outras pessoas?
Desafiei ele a tirar uma foto do pau dele com o meu celular e eu tirar do meu pau tambem, ele logo pegou meu celular e tirou virado para a parede, depois foi eu por debaixo da coberta, ele viu a foto e falou que o dele era maior, para ficar se gabando, e eu é claro nao fiquei para traz e disse que o meu era mais grosso, entao derrepente ele virou para mim e disse: deixa eu ver entao, se é mais grosso? Eu fiquei surpreso, mais mostrei, ele nao disse nada, entao eu falei: deixa eu ver se o seu é maior entao! Ele rapidamente ja abaixou a cueca (realmente era maior) voltamos para a cama, a minha era de casal, e a dele de solteiro, percebi movimentos repetitivos por debaixo do lençou, eu tambem começei a bater uma, e entao ele se ofereceu para bater para mim e eu bater para ele eu aceitei.
O pau dele era bem diferendo do meu, estavamos adorando aquela sensaçao de um bater para o outro, e entao ele me surpreendeu novamente, pedindo para que eu colace a boca na cabeça do pau dele, perguntei se ele faria o mesmo comigo, e ele concordou. Coloquei minha boca no pau dele, e tipo chupei a pontinha, nao gostei daquilo na minha boca, logo em seguida ele fez o mesmo comigo, adorei a sensaçao de ser chupado, mais ele queria mais, disse a ele q nao queria passar daquilo pois eu nao tinha coragem, logo apos uns minutos gozamos um na barriga do outro, ficamos brincado de "espadinha", "pula pirata", etc.
No outro dia ele pediu para que eu ficasse la para repidirmos, falei que nao, afinal nao sou viado para ficar pegando no pau de homem todos os dias. Até hoje quando nos encontramos fica aquele clima pesado entre a gente, as vezes comentamos sobre aquela madrugada que so foi acabar as sete da amanha, mais sem duvida eu gostaria de repitir a dose!!! RODOLFO NÃO É O NOME DELE.

WESLEY ATOR PORNO

ALBERT BRONZEADINHO

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

domingo, 11 de dezembro de 2011

LEITE DO MEU LEITE PAI E FILHO

Cheguei do cursinho com uma canseira e so queria me enfiar no banho pra dar uma relaxada, mas quando vi, meu pai, Sérgio, que é policial militar, estava já tomando banho primeiro. Como a porta estava aberta, fui até lá pra escovar os dentes e trocar umas idéias com ele, já que meu pai estava pensando em reformar alguns cômodos da casa, inclusive colocar um box no banheiro, que até hoje tinha apenas uma cortina destas plásticas translucidas. Quando parei na porta e olhei percebi que meu pai estava meio paradão virado de frente pra cortina, e pelo plástico translúcido só consegui perceber um leve movimento contínuo no braço direito dele que não consegui discernir direito do que se tratava. Como a mão estava justamente na área do pau dele, fiquei com a impressão de que ele estava batendo uma punheta, mas não quis acreditar que era isso. Mas só esse pensamento já me deixou meio arrepiado e com aquela ardência na rola que tá querendo ficar dura. Tentei me controlar, claro que não podia ser isso. Entrei, me coloquei na frente da pia e o cumprimentei.

- Oi, pai! Vou escovar os dentes aqui, tá?

- Marcelo?! Filho?! Ah...ããnnn....tudo bem, filho!

O tom surpreso da voz dele e o fato dele ter afastado imediatamente a mão da área do cacete me deixou mais intrigado ainda. Será que ele tava tocando uma bronha? Meu caralho já não estava querendo me obedecer e foi ficando duro. Tentei dar um ar de naturalidade e comecei a falar sobre a reforma, dando sugestões, e meu pai me respondia também com naturalidade. Enquanto conversávamos, fui percebendo que ele voltou a colocar o braço à frente do corpo, a mão voltou a ficar na região da rola dele e o movimento leve de vai-vem reiniciou, agora bem discreto, mas contínuo e ininterrupto. Não consegui resistir, fiquei ali vidrado, olhando pra penumbra do corpo do meu pai, que sempre foi muito sarado e com pelos suaves distribúidos pelo corpo, vendo ele fazer aquele movimento com o braço e meu pai já estava duraça babando porra. Já tinha terminado de escovar os dentes e estava enrolando, inventando tanta conversa só porque não conseguia deixar de olhar pela cortina e imaginar que meu pai estava ali, a menos de um metro de mim, socando uma punheta enquanto conversava com o filho. Claro que meu pau a esta altura estava querendo arrebentar a cueca e a bermuda juntas e já tinha melado tudo. Não resisti e meti a mão dentro da cueca e comecei a bater uma punheta com o olhar vidrado no meu pai atrás da cortina batendo uma. Continuei a conversar com meu pai, enrolando na conversa e tocando a punheta mais deliciosa da minha vida, e meu pai já não mexia mais o braço discretamente, os movimentos eram fortes e vigorosos e já não havia mais dúvida que ele estava tocando punheta na frente de mim, na frente do próprio filho. Esse descaramento todo dele, se sentindo tão safadamente à vontade só por conta de uma cortina que pouca coisa disfarçava deixou meu sangue borbulhando de tesão. Mas que puto era meu pai! E que puto estava sendo eu, seu filho, tocando punheta olhando o pai tocar uma! Chegou um ponto que percebi que não ia conseguir aguentar e ai jorrar um litro de porra dentro da cueca e, se bobeasse, ainda ia soltar um enorme gemido de prazer e denunciar que eu estava fazendo exatamente o que ele fazia, e assistindo ele fazer. A vontade era de fazer uma loucura, baixar a cueca, abrir a cortina e jorrar minha porra toda no pau do meu pai enquanto ele batia punheta, esperando que ele jorrasse todo o leite de pai dele em cima da rola do filho. Ou simplesmente baixar a cueca e gozar ali no banheiro tentando fazer ele não perceber isso, mas eu fiquei com receio da reação dele, então disse que precisava ir telefonar e fechei a porta do banheiro rapidamente. Estava louco pra gozar, mas queria gozar vendo o meu pai atrás da cortina tocando aquela punheta tão tesuda, então ajoelhei ali mesmo na porta pra dar aquela gozada fabulosa espiando pela fechadura meu pai socando punheta Quando fiz isso, já no limiar de um prazer gigantesco antes de gozar, vi pela fechadura meu pai abrindo a cortina, e aí tive a visão mais linda que um filho poderia ter do seu criador: lá estava meu pai, o braço esquerdo virado apoiado na parede atrás das costas dele enquanto a água banhava aquele corpo que nunca pareceu tão espetacular, o peitoral e o abdômen peludos e inflados, arfando numa respiração rápida, punhetando selvagemente a sua sua rola ernome, dura como rocha, linda, cheia de veias saltadas, ele com a boca escancarada em um semi-gemido entrecortado pela respiração que já anunciava o orgasmo. Eu, que já estava sentindo em tesão louco, punhetando meu pau como um condenado, ao ver aquela cena fantástica fui tomado por um calor descontrolado que me deu uma tara gigante pelo meu pai e que me faria ter a melhor punheta da minha vida. Aí vi meu pai jogar a cabeça pra trás e dar um urro lancinante de prazer enquanto o seu pau dava a primeira esguichada de porra na parede.

-UUUUUUUHHHHHHHHHHHHHH!!!!

Ao mesmo tempo, mordi meus lábios pra também não gritar de prazer enquanto também gozava, jorrando minha porra toda no batente da porta do banheiro. "MMMMMMMMMM!!!!!". Meu pai continuava jorrar seu leite de macho, um creme viscoso e branco que esguichava forte e poderoso, lavando a parede como uma gosma branca que grudava e descia lentamente.

-AAAAAAAAAAHHHH!!!!! - gemia meu pai, com olhar incrédulo pra parede, vendo seu leite se amontoar inacreditavelmente.

MMMMMMMMM...AAAAAHHHHH!!! - tentava eu gemer baixo em respota ao meu pai, lutando pra não gritar pra ele não perceber que o fiilho gozava o espiando e junto com ele.

Eu nem conseguia ver mais nada direito, fiquei tonto de prazer com o melhor orgasmo da minha vida, a vista cheia de estrelas de tão intenso que foi meu gozo, porra saindo como nunca do meu pau e jorrando farto no batente e no chão. Meu pai, lá dentro, já gemia baixinho, e olhou cansado para a porta enquanto fazia os últimos carinhos naquele pau lindo. Ele estava exausto de um prazer tão intenso que, imagino, deve ter sido tão inigualável quanto o meu. Quando me dei conta ele já estava pegando a toalha e se dirigindo pra porta. Eu entrei em desespero, não ia dar tempo de limpar a porra do chão, e agora? Saí correndo para o quarto para não ser flagrado, torcendo que com aquela experiência toda meu pai nem olhasse para o chão e se desse conta de que seu filho tinha gozado espiando ele bater punheta. Ouvi ele abrir a porta. Não ouvi o som de passos. Ele parecia estar parado. Será que estava olhando a poça de porra que deixei no chão da porta? Fiquei nervoso, pensando se ele entraria furioso no meu quarto e sabe lá o que diria. Que eu era um safado, tarado, batendo punheta vendo o pai bater punheta? Mas em alguns instantes, que pareceram longos e intermináveis, ouvi passos descendo para o andar de baixo. Fiquei aliviado.

DADINHO DE MINAS GERAIS

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

MACHARADA NA PRAIA

GOSTOSINHO DO MES


OCUPANDO SE NO SERVIÇO


Service occupation brought to you by RedTube - Home of free porn videos

O ASSISTENTE DE ENFERMAGEM SAFADO


Hole patrol doctor brought to you by RedTube - Home of free porn videos

RATCHATCHA NA ESTRADA


Ranger keeps strict discipline in his park brought to you by RedTube - Home of free porn videos

PUNHETANDO SE NO BANHO


Hot boy likes to wank in the shower brought to you by RedTube - Home of free porn videos

AMIGOS VINTAGE


Friends blowing and nailing brought to you by RedTube - Home of free porn videos

MENINOS FUDENDO


Boys fucking brought to you by RedTube - Home of free porn videos

AMIGOS TRANSANDO NO BAR


Bikers Bang 2 brought to you by RedTube - Home of free porn videos